Entrada de armas em Alcaçuz será investigada

A secretaria estadual de Justiça e Cidadania confirmou que será aberta investigação sobre a entrada de armas na penitenciária de Alcaçuz, no município de Nísia Floresta, na Grande Natal.

Até o momento, agentes penitenciários da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária encontraram seis armas de fogo e três espingardas calibre 12 de fabricação artesanal.

As visitas surpresas e varreduras continuarão sendo realizadas na unidade prisional, ação em que normalmente se apreendem armas ou drogas.

COMENTE AQUI

paulo martins  01/02/2017

Depois da porta arrombada... E tome eficiência do famigerado "Governo da Segurança". - Responder

André  31/01/2017

Quero saber quando é que a Sejuc vai divulgar o número real e os nomes dos fugitivos de Alcaçuz. Por enquanto só vejo enrolação. - Responder

Marcelo  30/01/2017

...senhor Governador, secretário. De nada vai adiantar fazer toda essa revista e Apreensão, e não ter servidores de confiança, que realmente queiram trabalho honestamente. .....não precisa ninguém falar vcs sabem ,inclusive quem são esses servidores. Sabemos que tem os que realmente trabalham honestamente. - Responder


+ Ver todos os comentários

Dilma foi monitorada pelo Serviço de Inteligência Brasileiro na gestão Sarney

Está no Blog de Josias de Souza:

Presa e torturada pela ditadura militar, Dilma Rousseff continuou sob monitoramento do aparato de espionagem estatal nos primeiros anos do Brasil redemocratizado, quando respondia pela Presidência da República José Sarney.

É o que revelam documentos disponíveis no Arquivo Nacional. Foram organizados num banco de dados chamado ‘Acervo da Ditadura’. Mais de oito milhões de páginas. Coisa produzida durante o regime militar e na Era Sarney.

Ao mergulhar no papelório, o repórter Rubens Valente apalpou 181 documentos com menções a Dilma. As referências começam em 1968 e se estendem até o final dos anos 80 –aparecem em 17 documentos preparados pelo SNI (Serviço Nacional de Informações) na época em que Sarney era o inquilino do Planalto.

Nessa fase pós-ditadura, o SNI mobilizava arapongas e torrava dinheiro público para colecionar dados inúteis. Num texto, por exemplo, Dilma é retratada como peça de uma “infiltração comunista” em órgãos da prefeitura e do governo do Rio Grande do Sul. Deu-se realce à passagem dela por grupos da esquerda armada: VAR-Palmares e Colina.

Noutro relatório, lê-se que Dilma atuava em movimento feminista que, no dizer do SNI, almejava “a conscientização das massas, pretendida por facções esquerdistas que almejam o poder.” Bem verdade que a espionada chegou ao poder pelas mãos masculinas de Lula. Mas a arapongagem, sem querer, revelou-se premonitória.

Vigiou-se Dilma também numa viagem ao México. Os espiões acompanharam-na ainda num comício de 1988, contra a ampliação do mandato de Sarney. Nesse ato, a ‘subversiva’ estava acompanhada de outro personagem molesto: Lula.

Procurado, Sarney, hoje um fervoroso aliado do governo Dilma, manifestou-se por meio da assessoria. Mandou dizer que ordenara ao SNI que não realizasse “levantamentos sobre a vida privada” de “nenhum brasileiro”. O Planalto, agora sob o comando da ex-vigiada, preferiu não comentar. Abaixo, um extrato dos papéis:

COMENTE AQUI