Governo emite nota de pesar pelo falecimento do Procurador-Geral do Estado Dr. Miguel Josino e anuncia luto de 3 dias

Comunicamos, com profundo pesar, o falecimento do Procurador-Geral do Estado do Rio Grande do Norte, Dr. Miguel Josino Neto, anunciada pela equipe médica do Hospital do Coração, em Natal, na tarde desta segunda-feira, 19 de maio de 2014.

Neste momento de profunda dor para familiares, amigos, colegas auxiliares do Governo do Estado, colegas Procuradores e servidores da Procuradoria Geral do Estado, companheiros de Magistério, alunos e todos os seus incontáveis admiradores, solicitamos a Deus que nos dê compreensão para entendermos esta perda tão inesperada e conforto para termos minimizada a dor que atinge os nossos corações.

Dr. Miguel Josino Neto prestou relevantes serviços ao Estado do Rio Grande do Norte e nos deixou no auge da sua atividade intelectual, reconhecida por todos que tiveram o prazer de desfrutar do seu convívio.

Sem dúvida, a sua ausência será uma perda irreparável para a sociedade potiguar e brasileira.

Em virtude do falecimento do Dr. Miguel Josino Neto, será decretado Luto Oficial por três dias, a partir desta terça-feira, 20, em todo o Estado do Rio Grande do Norte.

COMENTE AQUI

Morre o ator Cláudio Cavalcanti, aos 73 anos

2013_636660462-2013081278962.jpg_20130812O ator e secretário municipal de Defesa dos Animais do Rio, Cláudio Cavalcanti, morreu às 17h45m deste domingo, no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O artista tinha 73 anos e estava internado desde o dia 16. Segundo informações da prefeitura do Rio, Cláudio havia se submetido a uma cirurgia na coluna há alguns dias e sofreu complicações. Ao longo da carreira, o ator participou de mais de 50 novelas, minisséries e especiais, dublagens, 22 longas-metragens e dezenas de peças teatrais. Ele também foi vereador do Rio em dois mandatos. Um de seus personagens mais conhecidos foi Jerônimo, um dos protagonistas na primeira versão da novela Irmãos Coragem da TV GLOBO.

— Meu interesse pelo teatro veio através do rádio. Quando eu era criança, ouvia muito rádio, radioteatro, com aqueles atores fantásticos. Quando fiz 13 anos, a tia do meu pai me deu um ingresso para uma matinê da peça Obrigado Pelo Amor de Vocês, na qual trabalhavam atores de rádio. Foi a primeira vez que fui a um teatro e fiquei absolutamente encantado. Era uma peça de três atos, em que pessoas envelheciam 50 anos, ali, na minha cara. Meu encantamento foi tamanho que, ao completar 35 anos de carreira, montei essa peça; eu me dei de presente fazer essa peça — declarou Cláudio em depoimento ao projeto “Memória Globo”.

Segundo o “Memória Globo”, Cláudio fazia teatro amador na escola, em 1956, quando foi convidado por um amigo para participar de um teste no TBC – Teatro Brasileiro de Comédia –, que iria montar a peça Nossa Vida com Papai e precisava de um ator jovem, na faixa dos 16 anos.. Na mesma época, começou sua carreira também na televisão, ao ser convidado para atuar no programa João e Maria, na TV Tupi.

O Globo

COMENTE AQUI

Sinpol declara luto e detalha ação que terminou com dois policiais mortos

O Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) emitiu uma nota de luto detalhando como aconteceu a ação que terminou com a morte dos agentes Jovanês de Oliveira e Antônio Neto, intitulados como “heróis anônimos”. Os dois estavam lotados na Delegacia Especializada em Defesa e Propriedade de Veículos e Cargas (Deprov).

No mesmo documento, o Sindicato também informa do velório e sepultamento de ambos.

Segue a nota na íntegra:

Na noite dessa segunda-feira (03), os agentes de Polícia Civil Jovanês de Oliveira Borges e Antônio Neto foram atingidos por disparos efetuados por bandidos, que eram investigados pela DEPROV, nas proximidadres de  São José de Mipibu. Jovanês de Oliveira faleceu no local, já Antônio Neto morreu no início desta manhã quando não resistiu à cirurgia, vez que estava internado em estado grave no Hospital Clóvis Sarinho.

A ação dos bandidos ocorreu na noite de ontem quando se realizou buscas para resgatar uma caminhonete roubada em Natal. Agentes da DEPROV e 1ª DP de Parnamirim, com apoio dos militares, se dividiram no matagal em busca dos bandidos. Contudo, os agentes foram alvo de uma emboscada realizada pelos criminosos.

Ao ouvir os disparos, uma viatura da 1ª DP de Parnamirim se aproximou e houve troca de tiros com os bandidos, que fugiram. Os bandidos abandonaram a caminhonete e nela foram encontrados coletes à prova de bala, uma metralhadora 9 milímetros e camisas da Polícia Federal. Durante a troca de tiros, um dos bandidos foi ferido no tórax e preso ao amanhecer, escondido no matagal. Policiais Civis e militares seguem em busca dos criminosos na região.

O SINPOL/RN lamenta profundamente a perda de mais dois HERÓIS ANÔNIMOS, ocasião em que deseja às famíias dos Agentes as bênção de Deus no sentido de consolá-las, vez que que toda a Pólícia Civil chora essa grande perda.

Despedida

O velório de Jovanês de Oliveira Borges está ocorrendo no Cemitério Morada da Paz, em Emaús, e sepultamento ocorrerá lá mesmo às 18h desta terça-feira. Já o corpo de Antônio Neto está no Centro de Velório São José e o sepultamento será às 9h desta quarta-feira (05) no Cemitério Parque de Nova Descoberta.

COMENTE AQUI

Silvanianicolau  04/09/2012

oi eu lamento as duas perdas que deus conforte todos familiares - Responder

Sabe quais são os seis melhores lugares para morrer? Não? Confira!

TANA TORAJA, INDONÉSIA
PARA MORRER E CONTINUAR NA BALADA
Esta é para os festeiros. Quando alguém da tribo toraja morre, sua família reúne centenas de parentes e amigos por 3 dias num banquete para o qual mais de 100 porcos e 20 búfalos são sacrificados. Eles acreditam que o espírito irá ao céu montado nos búfalos – se o animal for albino, que custa o mesmo que um carro popular, chegará ainda mais rápido. Depois do funeral, o cadáver é deixado exposto à visitação em cavernas ou pendurado em penhascos, onde recebe oferendas, de cigarros a ventiladores – para não sentir calor na próxima vida. O detalhe é que poucas famílias têm dinheiro para bancar na hora a festança; portanto, o defunto precisa passar meses, às vezes anos, deitado na cama esperando pelo funeral. Enquanto isso, é tratado como vivo. Haja formol.

TIBETE
PARA IR DIRETO AO CÉU 
É um lugar dos mais bonitos para você morrer, desde que não se importe em ser comido por abutres. Na tradição tibetana, o corpo, já em decomposição há 3 dias, é deixado nu ao nascer do sol sobre o topo de uma rocha onde “coveiros” separam a carne dos ossos. A carne é picada bem pequenininha e os ossos, triturados com uma marreta. Rapidamente pássaros surgem para não deixar sobrar nenhum naco (a não ser o crânio, que alguns usam como caneca para tomar chá). Os chineses chegaram a proibir a cerimônia nos anos 60 – achavam bárbaro demais. Mas depois liberaram – para os tibetanos, ela é um ato de generosidade essencial: você abre mão de sua carcaça sem espírito para alimentar seres vivos e, de quebra, acumula bom carma. Mas a origem desse funeral pode estar num fato bem menos espiritual: naquelas altitudes, árvores são escassas demais para ser gastas em crematórios, e o chão rochoso não permite enterrar o corpo. Pelo menos é uma garantia de ir para o céu, ainda que em bico de urubu.

VARANASI, ÍNDIA
PARA SE LIVRAR DO CICLO DA REENCARNAÇÃO 
Quando sentem a morte chamar, hindus velhos ou doentes peregrinam até essa cidade fundada há 5 mil anos às margens do rio Ganges pelo deus Shiva e esperam em hospedarias pela morte. Cremar o corpo com os devidos rituais garante que o espírito saia da carne. Mas, se isso for feito em Varanasi e as cinzas forem jogadas no rio sagrado, Shiva vai cantar no pé do ouvido do defunto, libertando-o também do sofrimento do samsara, o ciclo eterno de nascimento, morte e reencarnação. Claro, se estiver demorando muito para morrer, uma dose diária da água do Ganges pode dar uma mãozinha – a alma é purificada e o corpo, atacado pelo 1,5 milhão de coliformes fecais por 100 ml, 600 vezes mais que o limite para a água ser considerada potável. É tiro e queda. Como resultado, mais de 100 corpos queimados ao ar livre por dia no crematório mais popular da cidade, cercados por seus familiares – e por legiões de turistas.

SUÍÇA
PARA MORRER COM ASSISTÊNCIA MÉDICA 
Somente na Holanda, na Bélgica e em Luxemburgo a eutanásia ativa é legalizada – ou seja, só lá médicos podem receitar e administrar drogas para terminar a vida de pacientes em sofrimento. Mas, mesmo que ela seja ilegal na Suíça, o país virou um destino de turismo para doentes terminais. Desde 1941 sua lei permite o suicídio assistido – isto é, o médico pode receitar drogas letais, mas quem tem que aplicá-las é o paciente. Até aí, outros lugares, como os estados americanos de Oregon, Montana e Washington, também permitem. Mas na Suíça a lei vale também para estrangeiros, mesmo que em seu país de origem a cumplicidade em suicídios seja crime. O resultado é o turismo suicida: a clínica Dignitas, localizada num bairro residencial de Zurique, oferece doses de barbitúricos por US$ 6 500. A fila de espera para morrer tem centenas de estrangeiros, a maior parte da Alemanha e do Reino Unido.

DZERZHINSK, RÚSSIA
PARA MORRER INTOXICADO
Um quarto dos moradores desse antigo centro secreto de produção de armas químicas da URSS continua trabalhando em fábricas que produzem elementos tóxicos a 400 quilômetros de Moscou. Até 1998, 300 mil toneladas de lixo químico eram jogadas todo ano no solo, que permanece hoje contaminado por metais pesados. O resultado é uma expectativa de vida de apenas 45 anos (27 abaixo da média russa e 28 menos que a brasileira) e uma taxa de mortalidade 260% maior que a de natalidade. Não muito melhor é a também russa Norilsk. A cidade, na Sibéria, tem hoje o maior complexo metalúrgico do mundo, que libera no ar 4 milhões de toneladas anuais de cádmio, chumbo, arsênico, selênio e zinco.

CIUDAD JUAREZ, MÉXICO
PARA SER ASSASSINADO
É o lugar mais perigoso do mundo fora das zonas de guerra. Cravada na fronteira do México com o Texas, Ciudad Juarez é a torneira de cocaína dos EUA. É que sua vizinha texana, a cidade de El Paso, funciona como um rodoanel nacional: várias estradas importantes dos EUA se encontram por ali, o que facilita a distribuição do pó. Um cartel dominou o tráfico ali por 20 anos. O monopólio deixava as coisas em paz. Só que há dois anos uma gangue rival começou uma batalha para destronar o cartel. O governo reagiu e declarou guerra ao tráfico. Aí sobrou para todo mundo: foram 2 660 mortos em 2009 – contra 2 412 civis mortos no Afeganistão no mesmo ano, o mais mortal desde a invasão da Otan. Isso dá uma taxa de mortalidade de 204 pessoas para cada 100 mil habitantes. No Rio, foram 34 no mesmo ano. Em São Paulo, 11. Mas temos que fazer um mea-culpa: provavelmente qualquer cidade da Somália é mais violenta que essa, já que o país vive numa anarquia generalizada. Mas, se alguém foi lá tentar levantar dados, não voltou vivo.

Fonte: Super

COMENTE AQUI

Luto: RN perde o professor e jurista Raimundo Nonato Fernandes

O Rio Grande do Norte perdeu na manhã de hoje o professor e jurista Raimundo Nonato Fernandes. A Justiça Federal do estado, em solidariedade à família, emitiu uma nota de pesar.

Veja texto na íntegra:

            A Justiça Federal do Rio Grande do Norte expressa, nesse momento de luto para todo Rio Grande do Norte, sua solidariedade aos familiares e amigos do professor e jurista Raimundo Nonato Fernandes, que faleceu na manhã de hoje (3 de julho).

            Ele foi um ícone para os operadores do Direito, um símbolo do que representa a advocacia compromissada, séria e atenta aos valores do estado democrático. O professor Raimundo Nonato era um jurista renomado. Entre tantos grandes nomes do Direito potiguar, ele foi um dos maiores. Exerceu o seu ofício com um grande desempenho técnico, aliado aos princípios de ética, compromisso e seriedade.

            A ele a homenagem da Justiça Federal do Rio Grande do Norte, aos seus familiares a solidariedade, e à sociedade o testemunho exemplar do que foi Raimundo Nonato Fernandes para o Direito brasileiro.

 

Natal, 03 de julho de 2012 

 Justiça Federal do Rio Grande do Norte

COMENTE AQUI

Parte das cinzas de Chico Anysio vai para o Ceará e outra parte vai para o Projac

O corpo do humorista Chico Anysio será cremado amanhã (25), às 13h, no Cemitério do Caju, zona portuária do Rio, em cerimônia particular para a família. De acordo com Paulo César Pimpa, advogado de Chico, o humorista pediu em testamento que metade das cinzas seja levada para Maranguape, no Ceará – sua cidade natal – e a outra, para o estúdio do Projac (da Rede Globo), em Jacarepaguá, zona oeste. Lá, são feitas as gravações dos programas da emissora.

O velório do comediante Chico Anysio, 80 anos, marcado anteriormente para ser liberado ao público ao meio-dia só foi aberto aos fãs a partir das 13h, onde centenas de pessoas aguardavam desde o início da manhã, quando o corpo chegou ao Theatro Municipal, a abertura dos portões.

Durante o velório, o irmão mais velho do comediante, Heleno di Paula, leu um texto, escrito por ele há mais de dez anos. Antes, os parentes, amigos e colegas de trabalho, rezaram um padre-nosso e fizeram uma salva de palmas.

A ex-ministra Zélia Cardoso de Mello chegou ao velório, acompanhada do casal de filhos que teve com o comediante, quando foram casados. Ela veio de Nova York, onde mora.

O governador do Rio, Sérgio Cabral, disse na saída do velório que Chico era um artista extraordinário. “Um gênio do humor que realizou com maestria a transição do rádio para a televisão e citou o professor Raimundo como um dos seus personagens preferidos.”

Chico estava internado no Hospital Samaritano, em Botafogo, zona sul da capital fluminense, desde o dia 22 de dezembro do ano passado, quando teve uma hemorragia digestiva. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, Chico Anysio teve duas paradas cardíacas.

Fonte: Agência Brasil

COMENTE AQUI

Portões se abrem ao público em velório de Chico Anysio

Parentes e amigos dão último adeus ao humorista Chico Anysio, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, na área central da cidade. O corpo chegou por volta das 6h30, e os fãs já se aglomeravam do lado de fora, esperando que o local fosse liberado para visitação, o que ocorreu pouco depois do meio-dia.

Para o ator Milton Gonçalves, Chico Anysio era tranquilo, sem estrelismo. “Um ser humano que fazia humor de maneira muito boa e é uma pena que ele tenha ido”, disse. O ator Paulo César Grande destacou que Chico foi um dos maiores humoristas do país. “[Pessoa] maravilhosa que fez tudo de maravilhoso e nós vamos relembrá-lo sempre através dos videoteipes da vida”.

A atriz Cláudia Mauro – que teve a carreira lançada na Escolinha do Professor Raimundo (programa comandado por Chico Anysio, na Rede Globo, na década de 1990) – disse que foi um privilégio conviver com o ator. “[Ele] é meu padrinho, que me levou para a televisão. Uma das pessoas mais incríveis e mais generosas que eu já conheci. Aprendi muito com ele e levo no meu coração toda a experiência que eu vivi com ele.”

O ator David Pinheiro, que interpretava o personagem Armando Volta e que usava o bordão “Sambarilove”, na Escolinha do Professor Raimundo, disse que Chico foi mais do que um ator, um comediante. “’Sambarilove’ Chico. Meu querido, meu amor, vai com Deus. Muito obrigado por tudo. Descanse em paz.”

O cantor e compositor Juca Chaves, amigo pessoal de Chico durante décadas, fez uma crítica pelo em tempo que o humorista ficou fora da televisão, com a retirada do ar do programa Escolinha do Professor Raimundo. “É uma pena. Não vamos ter outro, muito difícil”, disse. “Um profissional que não atrasa, que cumpre as negociações e um cara de talento eclético e bom amigo.”

Os fãs também foram ao Theatro Municipal prestar homenagem ao grande humorista. Esse é o caso de Mirlene da Silva, de 53 anos. Ela, que é cearense assim como Chico, levava nas mãos um cartaz com a frase: “Vai com Deus, mestre.”

Últimos dias

Chico Anysio foi internado no dia 22 de dezembro de 2011, após uma infecção no aparelho digestivo e, posteriormente, diagnosticado com pneumonia. O humorista passou por uma sessão de hemodiálise na noite de quarta-feira (21) e, na tarde desta quinta, foi realizada uma punção torácica esquerda com drenagem de grande quantidade de sangue. Chico estava recebendo altas doses de medicação para controlar a pressão arterial, além de requerer o uso de ventilação artificial. Na tarde desta sexta-feira (23), Chico Anysio, aos 80 anos não resistiu a uma parada cardiorrespiratória, de acordo com nota de falecimento do Hospital Samaritano.

O humorista começou a enfrentar os problemas graves de saúde em agosto de 2010. Na ocasião, ele foi internado no mesmo hospital para a retirada de uma parte do intestino grosso após apresentar um quadro de hemorragia digestiva. Depois da cirurgia, ele foi diagnosticado com pneumonia. Meses depois, foi submetido a uma angioplastia, procedimento que desobstrui as artérias e, desde então, apresentou novos quadros de falta de ar. Em fevereiro deste ano, Chico Anysio apresentou um novo quadro de infecção pulmonar e voltou a fazer uso de antibióticos.

Fonte: Agência Brasil

COMENTE AQUI

Com muita tristeza eu informo que o avião está no fundo do Oceano Índico, diz premiê malaio

A Malásia informou nesta segunda-feira que o Voo MH370 provavelmente caiu no sul do Oceano índico sem deixar sobreviventes. Mais cedo, o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, anunciara nesta segunda-feira que um avião australiano detectou dois novos objetos que poderiam ser da aeronave desaparecida da Malaysia Airlines. Mais cedo, um avião militar chinês avistou vários objetos suspeitos flutuando nos mares remotos na costa da Austrália, ao sul do Oceano Índico, o que aumenta a probabilidade de que os destroços do voo 370 possam ser logo localizados. Parentes dos passageiros em Pequim foram convocados para uma reunião de emergência, e se aguarda um pronunciamento do primeiro-ministro da Malásia agora de manhã (horário do Brasil) sobre o assunto. A expectativa é que algum progresso seja anunciado. De acordo com fontes da Sky News, familiares serão levados de Pequim para a Austrália.

Abbott disse ao Parlamento que uma embarcação naval australiana estava próxima de onde os objetos foram vistos e esperava ser capaz de recuperá-los em breve. Um é circular e cinza-esverdeado e o outro tem a forma retangular e alaranjado. A Autoridade de Segurança Marítima Australiana (Amsa, na sigla em inglês) disse que havia sido informada do avistamento chinês e utilizaria outro voo programado para revisar a área.

Segundo a agência de notícias Xinhua, a aeronave chinesa Ilyushin IL-76 descobriu dois objetos flutuantes relativamente grandes e vários destroços brancos menores dispersos por vários quilômetros. A China desviou seu quebra-gelos Xuelon (Dragão da neve) em direção ao lugar onde foram avistados os destroços.

Uma frota de outros barcos chineses também avançava em direção ao sul. A aeronave chinesa é uma dos sete que buscam o avião da Malaysia. Não há ainda nenhuma confirmação sobre a origem dos objetos localizados.

Vários países, entre eles China e Austrália, já detectaram por satélite a presença de possíveis destroços, na principal zona de busca, do Boeing 777, a cerca de 2.300 quilômetros da costa australiana. Mais cedo, foram localizados um palete de madeira e vários cintos de segurança ou correias no Oceano Índico.

O voo MH370 desapareceu dos radares civis no dia 8 de março com 239 pessoas a bordo, a maioria chinesas, quando realizava o trajeto Kuala Lumpur-Pequim.

Equipes intensificam buscas

Aviões e navios ultramodernos intensificaram as busca do Boeing 777 da Malaysia Airlinese nesta segunda-feira ao sul do Oceano Índico, depois da detecção de vários destroços que poderiam pertencer à aeronave desaparecida.

A Austrália, que coordena as operações nesta região, disse nesta segunda-feira que se apega a todas as pistas para localizar o avião antes que piorem as condições meteorológicas.

— Seguimos sem ter segurança de que o avião está na zona, mas nos apegamos a qualquer informação que nos chega para circundar um perímetro para concentrar nossos esforços — explicou o vice-primeiro-ministro Warren Truss.

Na noite de domingo, a rede americana CNN divulgou a informação de que o avião desaparecido da Malaysia Airlines reduziu drasticamente sua altitude antes de desaparecer dos radares. Segundo o informante, dados de radares militares mostram que o Boeing 777 que fazia o voo MH370 entre Kuala Lumpur e Pequim fez uma curva acentuada quando sobrevoava o Mar do Sul da China e desceu para uma altitude de 12 mil pés (cerca de 3,7 mil metros) até sair da vista dos radares.

De acordo com especialistas consultados pela CNN, a revelação fornece mais detalhes sobre o que pode ter acontecido no avião, mas não explica porque ele desapareceu nem onde ele poderia estar. Ela, no entanto, diminui as suspeitas de que o piloto ou copiloto da aeronave tenham deliberadamente derrubado o avião.

— Até agora não temos nenhuma evidência de que a tripulação tenha feito algo errado – disse Miles O’Brien, especialista em aviação da CNN. — De fato, agora deveríamos operar com a premissa de que algo de ruim aconteceu com aquele avião pouco depois de darem “boa noite”.

Segundo O’Brien, uma crise a bordo que tenha provocado despressurização da cabine pode ter levado o piloto a reduzir a altitude

O Globo

COMENTE AQUI

Governo decreta luto oficial de três dias pelo falecimento de João Faustino

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte manifesta o mais profundo pesar pelo falecimento do Professor João Faustino Neto, ocorrido na madrugada desta quinta-feira (09), em Natal. Em sinal de pesar pela morte, a Governadora Rosalba Ciarlini decretou luto oficial de três dias em todo o Estado e determinou o hasteamento da bandeira do Estado a meio pau em todas as repartições públicas, em honra à memória do professor.

O Rio Grande do Norte deve à vida pública do Professor muitas das conquistas que hoje beneficiam estudantes e professores do Estado, como a criação da Lei dos Centros Federais de Educação Tecnológica do RN, na década de 60. Ele foi o primeiro diretor da então criada Escola Técnica Federal do RN, em 1968.

João Faustino também foi responsável pela implantação do projeto Escotismo nas Escolas e a execução do Projeto Logos II, em parceria com o Ministério da Educação, que garantiu ao professores não-titulados a habilitação para lecionar em nível de 2º grau. Grande incentivador do esporte, o professor dá nome ao Ginásio Poliesportivo no município de Paus dos Ferros.

João Faustino iniciou sua vida pública como secretário de Educação do município de Natal, foi duas vezes secretário de Estado de Educação e Cultura/RN, deputado federal em quatro legislaturas, Chefe da Casa Civil da Prefeitura de Natal, integrou o Conselho Federal de Educação, presidiu por seis vezes a Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Subchefe da Casa Civil do Estado de São Paulo e suplente de Senador da República.

A Governadora Rosalba Ciarlini esteve presente ao velório do Professor João Faustino na manhã desta quinta-feira e confirmou a presença na missa de sepultamento, que ocorrerá às 16h no Centro de velório Morada da Paz, em Natal.

COMENTE AQUI

Dilma decreta luto de três dias pela morte de Chávez

A presidenta Dilma Rousseff decretou luto de três dias, a partir de hoje (6), pela morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Ele morreu ontem (5) à tarde, após complicações de um câncer na região pélvica. O decreto está publicado na edição de hoje (6) do Diário Oficial da União.

O texto tem dois artigos. “É declarado luto oficial em todo o país, pelo período de três dias, contado a partir da data de publicação deste decreto, em sinal de pesar pelo falecimento de Hugo Rafael Chávez Frías”, diz o decreto, cuja íntegra pode ser lida no site da Imprensa Nacional.

Chávez morreu em Caracas às 16h47 (horário local) de ontem, aos 58 anos, vítima de complicações de um câncer na região pélvica. Em dezembro do ano passado, ele foi submetido à quarta cirurgia para a retirada de um tumor maligno. As últimas fotografias de Chávez, em que ele aparece ao lado das duas filhas no hospital, foram divulgadas há duas semanas.

O anúncio da morte do venezuelano foi feito pelo vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão. O corpo de Chávez será enterrado na sexta-feira (8), às 10h, em Caracas.

Agência Brasil

COMENTE AQUI

Juiz é morto com chute na nuca após apitar falta em partida de pelada

Foi enterrado, na tarde desta terça-feira, o corpo do comerciante Isaías Moura Jasmim, de 51 anos, agredido com um chute na nuca, na manhã de sábado, durante um jogo em um clube em Charitas, na Zona Sul de Niterói. O corpo foi sepultado no Cemitério de Pacheco, em São Gonçalo. Isaías foi agredido depois de apitar uma falta contra o time do agressor.

A agressão aconteceu no segundo tempo do jogo. Segundo testemunhas, após aplicar a falta quanto apitava a partida, o comerciante foi agredido com um chute na nuca por um amigo de pelada de fins de semana. Testemunhas informaram, ainda, que o agressor não teria aceitado a penalidade e teria iniciado uma discussão com Isaías, que tentou agredir o acusado. Isaías teria então caído no chão, após ser impedido de começar a briga. Ele foi surpreendido pelo chute que o deixou desacordado.

Levado para um hospital particular, na Avenida Marquês de Paraná, no Centro, em estado grave, o comerciante passou por três paradas cardíacas e teve um traumatismo craniano. Ele teve morte cerebral. Os órgãos do comerciante deverão ser doados. Isaías era casado e deixou quatro filhos, de 20, 17, 7 e 2 anos de idade. A família não quis comentar a morte de Isaías, apenas um primo limitou-se a dizer que ele era uma ótima pessoa.

O caseiro Devanir Paulo dos Santos, de 73 anos, que trabalha há 49 anos no clube, informou que foi a primeira vez que uma tragédia aconteceu no local. Segundo ele, quando houve a briga, ele estava na portaria.

Segundo o delegado Marcos Maia, titular da 79ª DP (Jurujuba), onde o caso foi registrado, o acusado prestou depoimento duas horas após o acontecimento e assumiu o crime. Ele acrescentou que irá ouvir outras testemunhas e que um inquérito será instaurado.

— Ele prestou depoimento e assumiu ter chutado a nuca da vítima. Inicialmente ele deverá ser autuado por lesão corporal seguida de morte. Vamos ouvir outras testemunhas para saber o que realmente aconteceu. Penso que o que aconteceu foi uma fatalidade. Acredito que o agressor não tinha intenção de matar — disse o policial.

Fonte: O Globo

COMENTE AQUI

Luto: Classe política potiguar lamenta morte de Dom Eugênio Sales

Através das redes sociais e de notas de pesar, a classe política potiguar externou o luto pelo morte do Cardeal Dom Eugênio Sales de Araújo. Dom Eugênio morreu, na noite desta segunda-feira (9), aos 91 anos, na capital fluminense onde atuava como arcebispo emérito da Arquidiocese do Rio de Janeiro, por causas naturais.

Garibaldi Alves Filho (Ministro da Previdência Social)

O Rio Grande do Norte, o Brasil e a Igreja Católica lamentam a morte do insigne norte-rio-grandense, Cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales.

Associo-me aos católicos, aos brasileiros e aos meus conterrâneos do Rio Grande do Norte, e sentindo profundamente a perda de tão abnegado cristão e devotado patriota, testemunho a grandeza de seu espírito generoso e sempre atento aos reclamos da causa pública.

Quando fui Governador do Rio Grande do Norte, num esforço para alavancar com vigor o desenvolvimento do Estado, contei com a colaboração e a prestigiosa ação de Dom Eugênio junto às mais altas instâncias da República, com gestos de desprendimento pessoal e dedicação ao interesse público.

Seu importante e internacionalmente reconhecido trabalho social e apostólico começou em Natal, dele surgindo iniciativas desbravadoras, e que mais chamam a atenção por se terem concretizado bem antes do Concílio do Vaticano II, janela de novos ares e horizontes para a Igreja. Nesse sentido, não será excesso de conceito proclamar, já com o isento testemunho da História, que de Natal partiram ideias e práticas, doutrinas e métodos, hoje institucionalizados mundo afora.

São seus, e de seu grupo pioneiro, os esforços de educação e politização do meio rural: a Rádio Rural e suas Escolas Radiofônicas foram inauguradas em agosto de 1958. O trabalho de sindicalização dos trabalhadores rurais começou em 1960, apesar de fortes reações.

Na mesma linha, e ainda nos anos cinquenta, a indústria da seca foi denunciada corajosamente pelo então Bispo Auxiliar de Natal: à Presidência da República fez chegar provas dos abusos contra os nordestinos vitimados pela Natureza e pela ambição e o saque dos recursos públicos.

Foi com tais atitudes de verdade e coerência, que se forjou uma vida toda voltada para o Bem. A cada dia têm surgido novos e surpreendentes depoimentos, revelando fatos antes desconhecidos, e protagonizados por Dom Eugênio. Ilustrativo o relato do historiador norte-americano Keneth Serbin, em seu “Diálogos na Sombra”: Dom Eugênio acolheu, desafiando a intolerância da ditadura, milhares de refugiados, perseguidos no Brasil e em outros países da América Latina, garantindo-lhes a liberdade e mesmo salvando-lhes a vida.

Transmito a minha solidariedade aos familiares de Dom Eugênio, em particular a Dom Heitor de Araujo Sales, seu irmão, também exemplo de cristão e humanista.

Ao homenagear Dom Eugênio Sales no instante em que nascem as saudades, presto homenagem à sua honrada memória, com o preito de gratidão de todos os norte-rio-grandenses

José Agripino Maia (Senador)

Henrique Eduardo Alves (Deputado federal)

 

João Maia (Deputado federal)

Rosalba Ciarlini (Governadora)

A morte de Dom Eugênio Sales mais que lamentada, deve ser sentida com o ânimo da esperança cristã; mais que lastimada, deve ser recebida com fé; mais que pranteada, deve ser rezada.

O Governo e o povo do Rio Grande do Norte se associam a todos os brasileiros de boa vontade nas homenagens prestadas a nosso ilustre conterrâneo, testemunhando todos os norte-rio-grandenses, a ponto de desafiarem mesmo a constatação evangélica, que Dom Eugênio, o Profeta de Acari, é, sim, honrado e muito honrado em sua terra (cf. Jo 4, 44).

Honrado na esperança de que sua vida continue frutificando paz e virtudes; honrado por sua fé inquebrantável em Deus, e por sua crença vigorosa na imensa força do bem e do abnegado serviço ao próximo, principalmente aos últimos e aos mais excluídos da ventura; honrado em nossa fervorosa oração pelo repouso eterno de seu boníssimo espírito, que, certamente, já está implorando ao Pai de todas as bênçãos proteção, justiça e progresso para seu povo.

Sua ação apostólica, iniciada em Natal, fez de Dom Eugênio um homem do século, exemplo a seguir e luz a atrair.

Viveu com a marca do Evangelho entranhada na alma e manifestada no gesto, na ação, em toda a vida, e por isso foi sinal de santa contradição (Lc 2, 34). E assim radicalmente servo do Evangelho, seguiu o Mestre até no paradoxo: “Não pensem que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas a espada” (Mt 10, 34).

Esta a perfeita identidade da ação apostólica de Dom Eugênio: nenhuma indulgência com a paz dos indolentes ou pusilânimes; nenhum recuo frente à injustiça; nenhuma submissão à insolência do mal. Como o Apóstolo, combateu o bom combate, manejou a espada, denunciando e pelejando com intrepidez, braço e palavra fortes, guiados, porém, pelo coração generoso do perdão e da reconciliação.

De luto oficialmente por três dias, o Estado convida a todos os norte-rio-grandenses a refletir acerca da vida e dos feitos de Dom Eugênio, vida e feitos que, enchem seus conterrâneos de justo e sagrado orgulho, são um clamor agudo a nos invadir a alma: a morte dos bons não mata o bem, e o bem que Dom Eugênio semeou há de ser para todos nós novas sementes a crescer sempre, cobrindo nossa terra e nossa gente com abundantes frutos de fraternidade, harmonia, justiça social e desenvolvimento.

Robinson Faria (Vice-governador)

Walter Alves (Deputado estadual)

Dibson Nasser (Deputado estadual)

Nélter Queiroz (Deputado estadual)

Micarla de Sousa (Prefeita de Natal)

Em nome da Prefeitura do Natal e da população natalense, a prefeita Micarla de Sousa apresenta votos de pesar à família de Sua Eminência cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales, arcebispo emérito do Rio de Janeiro e lamenta, profundamente, o seu falecimento. Norte-riograndense de Acari, dom Eugênio Sales foi um dos mais importantes e influentes líderes da Igreja Católica, tendo realizado um grande trabalho de evangelização e conscientização social que projetou internacionalmente o Movimento de Natal e deixou marcas indeléveis na sociedade brasileira. A Campanha da Fraternidade, as Comunidades Eclesiais de Base e a educação de jovens e adultos por via radiofônica são exemplos do trabalho deste religioso que é considerado um dos maiores humanistas do seu tempo. Dom Eugênio honrou a Nossa Terra e a Igreja Católica e é digno das homenagens de todos os potiguares.

COMENTE AQUI

Deputado morre em acidente aéreo em Macapá

O deputado estadual Dalton Martins (PMDB-AP) morreu na manhã desta sexta-feira, em um acidente aéreo em Macapá, capital do Amapá. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, moradores do distrito de Coração, em Macapá, viram o avião Cessna, de pequeno porte, sobrevoando a região e logo em seguida ouviram uma explosão. As equipes dos bombeiros chegaram ao local, mas encontraram o corpo do deputado e de uma mulher, ainda não identificada, carbonizados.

O avião Cessna, modelo C206, perdeu contato com a torre de controle do Aeroporto internacional de Macapá quatro minutos depois da decolagem, segundo David Oliveira, superintendente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

“O piloto avisou a torre que a aeronave estava com problemas, sem dizer qual”, explicou o superintendente. Segundo o plano de voo da aeronave, o avião decolou do aeroporto de Macapá às 5h48 em direção a Santarém, no Pará. As causas do acidente serão investigadas pelo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes (Seripa).

Fonte: Veja

COMENTE AQUI

Mais de cinco mil fãs se despediram de Chico Anysio no velório; cremação é hoje

Terminou por volta das 20h deste sábado (24), no Theatro Municipal, no Centro do Rio de Janeiro, o velório do humorista Chico Anysio. Segundo a Central Globo de Comunicação, mais de cinco mil pessoas passaram pelo local para prestar homenagem ao artista cearense.

Chico morreu na última sexta-feira (23), aos 80 anos, no Hospital Samaritano, em Botafogo, na Zona Sul, onde estava internado havia três meses. Ele teve uma parada cardiorrespiratória, causada por falência múltipla dos órgãos, decorrente de choque séptico causado por infecção pulmonar.

“Chico Anysio não morreu, está no coração de todos os brasileiros. É feito Pelé. Por isso que vocês viram o povo vindo ao velório, mesmo debaixo de chuva. Teve até gente de muleta passando por aqui. Nada foi mais importante do que esse comparecimento do público”, disse André Lucas, filho do comediante.

Quem também conversou com os jornalistas na saída do Theatro Municipal foi o ator Lúcio Mauro. Emocionado, relembrou os anos de trabalho ao lado do humorista, a quem considerava “um irmão”. “Chico é amor, é saudade. Convivi com ele por 70 anos. Construímos uma amizade permanente. Considerava Chico Anysio um membro da minha família. Hoje peço perdão, pois deveria tê-lo amado mais, demonstrado mais este amor”, destacou Lúcio.

A ex-ministra Zélia Cardoso de Mello, que teve dois filhos com Chico Anysio, disse que os jovens estavam muito abalados. “Inteligência, talento, criatividade, é difícil dizer qual o maior legado deixado por ele”, disse Zélia.

Cremação

Segundo advogado Paulo César Pimpa, o corpo de Chico Anysio será cremado às 13h neste domingo (25), no Cemitério do Caju, na Zona Portuária do Rio. Chico deixou um testamento e pediu que metade de suas cinzas fossem levadas para Maranguape, a cidade onde nasceu no Ceará, e outra metade para o Projac.

Fãs

Fãs chegaram cedo para acompanhar o velório. A concentração aumentou a partir das 12h, horário inicialmente divulgado para a abertura dos portões, e centenas de pessoas se acumularam na calçada, em meio a fotógrafos e jornalistas. Às13h30, o público finalmente pôde entrar. Por volta das 16h30, uma forte chuva tomou o local, o que fez o público se dispersar.

Familiares e amigos

Pela manhã, os atores Bruno Mazzeo e Nizo Neto, filhos do humorista, foram os primeiros a chegar ao local. Também prestaram as últimas homenagens o irmão do humorista, o diretor Zelito Viana; os sobrinhos, o ator Marcos Palmeira e a diretora Cininha de Paula, sua filha, a atriz Maria Maya; as atrizes Marília Pêra, Glória Pires, Natália Thimberg, Arlete Salles, Ana Furtado e Juliana Didone; os atores Emilio Orciollo Neto, Tim Rescala, Marcos Veras, Marcius Melhem, Leandro Hassum, Marcelo Madureira, Hélio de La Peña, Tom Cavalcanti, o cantor Elymar Santos e os diretores Daniel Filho e Boninho, e o governador Sérgio Cabral, entre outros.

A ex-ministra Zélia Cardoso de Mello e os dois filhos que teve com Chico Anysio chegaram por volta das 12h20 ao Theatro Municipal. A família, que mora em Nova York, desembarcou no Rio na manhã deste sábado e seguiu direto para o velório. Os três entraram pela entrada principal e não quiseram falar com a imprensa.

Ao longo de seus 65 anos de carreira, o cearense Chico Anysio criou mais de 200 personagens e foi um dos maiores humoristas do Brasil com destaque no rádio, na TV, no cinema e no teatro.

Além de se dedicar ao humor, Chico também foi artista plástico. Apaixonado pela pintura, retratou paisagens ao redor do mundo a partir de fotografias que tirava dos países que visitava. Realizou exposições de seus quadros em diversas galerias do Brasil e chegou a afirmar que gostaria de ter dedicado mais tempo à atividade. Ele deixa oito filhos e completaria 81 anos no dia 12 de abril.

Fonte: G1

COMENTE AQUI

Humoristas, atores e diretores lamentam morte de Chico Anysio; confira os depoimentos

Agildo Ribeiro, humorista – “O mais importante é que estamos em luto nacional. O Brasil está mais triste, sem perspectivas de risos e alegrias. Ele foi um herói nacional, um combatente. Ele trazia alegria para esse povo. Ele era uma figura tradicional. Estou com meu coração dilacerado de tanto que amava esse homem. Estou de luto, fisicamente, espiritualmente e artisticamente. Ele não vai morrer assim, ele não morre assim, não.”

David Pinheiro, humorista – “A ‘Escolinha do Professor Raimundo’ foi mais que um trabalho, foi um aprendizado, principalmente pelo ponto de visto técnico. Não que ele ficasse nos ensinando, mas o cotidiano, os pequenos detalhes que ele mostrava. Ele foi importantíssimo. Ele foi responsável por uma nova geração de humoristas e cuidou dos velhos humoristas. Nós aprendemos bastante. Ele era um homem raro. O ser humano que ele foi, o artista que ele foi, o modo como ele viveu, enfim. Ele dizia que o improviso é o caminho mais curto para o erro. Na coversa come ele o personagem mudava. Tenho muitas histórias dele. Eu e muito outros. Chico Anysio foi um homem importante para a história do Brasil.”

Jô Soares, apresentador – “O Brasil inteiro estava pendurado nessa agonia do Chico. Isso me lembrou a agonia que o país passou com a morte do Tancredo Neves. Foi uma agonia terrível. Ele não merecia isso. Espero que ele não tenha sofrido, que tenha passado bem. O Chico Anysio é um dos melhores atores característicos do mundo. Eu dirigi um espetáculo do Chico que, na verdade, eu que aprendi demais. O óbvio é que essa morte deixa o Brasil inteiro entristecido.”

Ziraldo, cartunista – “Foi uma grande perda. Conheci o Chico há 50 anos. Ele é um dos dois fenômenos inrrepetíveis. Nunca mais teremos Pelé e nem Chico Anysio. Ninguém conseguiu fazer a quantidae de personagens que ele fez. A mão dele ficava velha de acordo com o personagem. Tive a oportunidade de conviver um pouco com ele. Ele não vai embora agora, não é possível.
O Chico, comigo, era sempre muito generoso. O dinheiro que ele ganhou ele distribuiu. Ele era fantástico. A televisão não perpetua ninguém. Espero que as pessoas possam encontrar nas livrarias o livro que os cartunistas fizeram desenhando os personagens dele.”

Lúcio Mauro FIlho, ator – “O Chico está canonizado desde já. Ele sobe como um dos grandes santos do humor brasileiro. Ele já estava fazendo falta para a gente por diversos posicionamentos. Ele era um homem de posicionamento forte. Ele ter ficado fora da televisão fez muito mal para ele. A gente é muito miúdo para poder explicar. Na minha vida, ele foi muito importante. No Projac, uma vez, ele me encontrou e perguntou se está tudo bem. ‘Você está bem mesmo, porque você está procurando ponta em novale, concorrendo com gente muito menos talentosa com você, abre o olho’. Depois dessa bronca eu fui direto para o Zorra Total e tudo aconteceu na minha carreira. Ele foi um norte para todos nós humoristas. Um cara tão brilhante e genial ficar sofrendo como estava era muito triste. Quando Rogério Cardoso foi embora eu fiquei estraçalhado. Com o Chico é a mesma coisa. A comédia brasileira não só o maior gênio, mas o seu maior defensor. Ele sempre lutou pela qualidade do humor braileiro. Que as novas gerações estejam assistindo e vendo um pouco do talento dele. Estou com o Ziraldo, a gente não pode esquecer o Chico, esse grande talento.”

Paulo Silvino, comediante –“Infelizmente perdemos o maior ator e comendiante do mundo. Nunca na história da comédia mundial alguém tenha feito o que o Chico Anysio fez. A quantidade de línguas que escreveu, de quadros que pintou. Ele era uma fonte de arte e inspiração. Ele foi uma fonte de inspiração de alegria. Ele fez trabalhos sérios também, era completo. Ele se tornou o maior comediante, o maior ator do mundo de todas as época. Ele era meu amigo, ele foi extraordinário. Chico era um paizão. Na Escolinha ele abrigou muitos atores, principalmente alguns que estavam quase esquecidos. Ele foi um pai extraordinário. Ele casou várias, teve uma prole grande. Todos os filhos dele conviveram muito comigo e com meus filhos.”

José de Abreu, ator – “Vários aspectos do Chico devem ser lembrados. Uma vez ele disse que parecida a rua do Catete, porque vivia cheio de pensão. Ele era impressionante. Saía de um personagem e começava imediatamente o outro. Parecia mágica. Ele fazia numa tarde o programa quase inteiro. Em dois dias ele fazia 30 personagens. Ele era sempre o mesmo. Ele se auto dirigia, ele dirigia todo mundo. Ele era uma loucura. Ele tinha três cabeças, a do ator, do diretor e do personagem.”

Renato Aragão, humorista – “O Brasil todo está triste. Quando cheguei ao Rio, ele já era famoso. Chico me ajudou muito. Ele que me alertou muito. Ele foi referência para todos os humoristas. Não vai ter outro Chico Anysio, não. Ele fazia sátira do Brasil todo. Ele foi muito amigo. Chico Anysio ajudava todo mundo. O coração dele não cabia dentro do peito. Para a gente falar sobre quem era Chico Anysio será preciso fazer uma mesa redonda para cada um falar o que ele era.”

Regina Casé, apresentadora – “Conheci o Chico quando ele trabalhava com meu pai, desde pequena eu via o trabalho dele. Ele conseguiu conferir uma dignidade ao povo nordestino. Foi uma escola, uma faculdade trabalhar com ele. Acho que ele conseguiu transcender na esfera do humorismo, ele escrevia, pintava e interpretava.”

Boni, diretor de TV – Ele fez um humor sem obscenidade, sem ofensa. Ele foi um amigo e irmão por mais de meio século. Todos os personagens do Chico Anysio tinham alma. Não eram aqueles que chamamos no jargão de televisão de caricaturas. Eles tinham o rosto diferente, a voz diferente e a alma diferente. Eles eram personagens reais e de carne e osso. Era um humor humano e cheio de crítica social e política. O Chico levou um pouco do humor radiofônico para a televisão. Ele foi o pioneiro na montagem do videotape.

Wellington Muniz, o “Ceará”, humorista – “Fiquei boquiaberto. Sabia que ele estava passando por um período díficil, mas isso me pegou de surpresa mesmo e mudou todo o meu dia, toda a programação da minha tarde”, comentou. “Ele é uma inspiração para muita gente, é da minha terra, do Ceará. Chico ia fazer de aniversário no dia 12 de abril. Foi um um cara que inspirou vários humoristas e criou, com sua genialidade, muitos personagens. Ele deu chance e ajudou muita gente e faria isso até hoje se tivesse um programa. Foi embora um grande talento que faz muita falta na televisao brasileira. Que ele descansae em paz. Desejo as minhas condolênscias aos familiares e às pessoas próximas a ele. Grande mestre, grande ser humano, grande amigo. Tive poucas chances de conversar com ele, mas sempre que estivemos juntos ele foi atencioso, brincalhão e inteligente”.

Daniel Filho, diretor – “Devo a Chico o início de minha carreira como diretor. Ele deu a mão aos novos e nunca deixou os mais velhos comediantes fora de seu alcance. Sempre prestando homenagens aos seus professores da comedia. Deu bom humor ao Brasil. Uma vida dedicada a qualidade no radio, cinema e televisão! Sua herança é imensa para todos que tivemos o privilegio de compartilhar a cena e a vida com ele. Amou muito e será para sempre amado.”

Cláudia Gimenez, atriz –  “Foi o maior artista que o Brasil já teve. Ele me inventou. No céu vai estar uma rodinha de amigos que vão receber ele. Rogério Cardoso,Walter D’Ávila, Nádia Maria, Brandão Filho e Costinha estão todos esperando por ele lá”, disse Cláudia.

* Com informações do G1

COMENTE AQUI

kassandra  23/03/2012

É uma grande tristeza a perda de um  humorista como o saudoso Chico Anisyo. Chico vamos sentir muita sua falta, pois você marcou as vidas de muita gente com seus personagens. Saudades!!! - Responder