Aras terá acesso a dados financeiros de 38 mil pessoas e empresas com o compartilhamento de dados da Lava Jato de Curitiba

Foto: reprodução

O compartilhamento de dados da Lava Jato de Curitiba com a Procuradoria-Geral da República, determinado ontem por Dias Toffoli, dará a Augusto Aras acesso a transações suspeitas de 38 mil pessoas e empresas, captadas pelo Coaf, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras.

Os dados estão contidos em 750 relatórios de inteligência financeira enviados à força-tarefa no Paraná desde 2014, que descrevem movimentações de R$ 850 bilhões, rastreadas pelo órgão de controle junto aos bancos.

Com base nesses documentos, o MPF conseguiu quebrar sigilos bancários e fiscais de centenas de alvos, mediante autorização judicial da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Ontem, ao comentar a decisão de Dias Toffoli, os procuradores lamentaram que ela possa permitir “o acesso indiscriminado a dados privados de cidadãos”.

Desde maio, a PGR tentava obter toda a base de dados das forças-tarefas no Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. Todas recusaram a entrega das informações, pela falta de um procedimento formal que garantisse medidas contra vazamento ou mau uso do material.

A decisão de ontem de Dias Toffoli, bem como o pedido da PGR, não detalham como os dados serão armazenados e protegidos.

O Antagonista