Bolsonaro diz que decidirá no prazo máximo sobre sanção a bagagem gratuita em voos nacionais

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (23) que vai decidir sobre a gratuidade de bagagens em viagens de avião “nos 48 minutos do segundo tempo”. Ele tem até 15 dias para sancionar total ou parcialmente o texto que trata do tema e abre 100% do setor aéreo brasileiro ao capital estrangeiro.

A medida provisória, convertida em lei na quarta pelo Congresso, foi apresentada pelo governo de Michel Temer e aprovada num momento em que a oferta de passagens aéreas no país pode diminuir com a decretação de falência da Avianca.

Hoje, as empresas aéreas não são obrigadas a conceder de forma gratuita o direito ao despacho de malas.

A declaração de Bolsonaro foi feita durante café da manhã com jornalistas, no Palácio do Planalto, segundo participantes do evento. Estiveram presentes veículos como Globo News, Metrópoles e Radio Band News. A Folha não foi convidada.

Segundo ele, embora tenha se declarado como liberal, se ele fosse seguir o coração optaria por sancionar o texto como foi aprovado pelo Congresso, mantendo a gratuidade.

Há questionamentos do mercado sobre se esse ponto não impediria a entrada de empresas low cost —de baixo custo— no país.

O presidente disse ainda ter dado “sinal verde” para a privatização dos Correios. Questionado sobre quais estatais não pretende conceder à iniciativa privada, citou o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal.

Bolsonaro disse que conversará com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na próxima semana para modificar pontos da legislação sobre a CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Os planos do governo são de elevar de 20 para 40 pontos o máximo aceito para condutores no Brasil sem que tenham o documento suspenso. Ele ainda ter aumentar a validade da carteira dos atuais 5 para 10 anos.

Ainda no encontro, Bolsonaro disse ser contrário à proposta do governador da Bahia, Rui Costa (PT), de cobrar mensalidades para alunos de universidades públicas que tenham boas condições financeiras.

Para ele, isso levaria esses estudantes a buscar universidades estrangeiras.

O presidente ainda que acredita mais na eficiência de “um bom curso técnico” do que na eficácia do ensino superior, dizendo que “diploma na parede” não é garantia de emprego.

Folhapress

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rogério Rocha disse:

    Realmente é uma atitude de direita essa dele de decidir no último minuto, proteção de mercado, de empresas, sem ampla concorrência e ainda pior não deixando o consumidor escolher, me desculpe, mas isso não é governo de direita, não é liberal.

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    A esquerda está conquistando o que perdeu! Vamos vomeçar com vitórias na Argentina e Estados Unidos!! Adeus Macri e Trump!!

  3. Anti-Comunista disse:

    A ESQUERDA PERDEU NO MUNDO TODO. É UMA ONDA DE DIREITA NO MUNDO TODO.

    • Rômulo disse:

      Seu mundo é muito pequeno!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Ok . Fala que eu te escuto, mas não GRITA, pois não somos surdos, rsrsrsrsrsrsrsrsrs.

    • Ceará-Mundão disse:

      A mais recente vitória dos conservadores foi na Austrália. Faz poucos dias.

COMENTE AQUI