Bolsonaro rebate governador da Bahia e cogita ‘execução sumária’ de miliciano

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) rebateu, em nota divulgada à imprensa na noite deste sábado (15), o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e afirmou que a polícia do estado nordestino não buscou preservar a vida do ex-capitão Adriano Nóbrega. As informações são da Folhapress.

“[A PM] não procurou preservar a vida de um foragido, e sim sua provável execução sumária”, diz o texto, que também fala em queima de arquivo.

Mais cedo, no Rio de Janeiro, Bolsonaro fez uma primeira manifestação sobre a morte de Adriano, miliciano ligado ao seu filho mais velho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido). Nóbrega foi morto no domingo (9) em Esplanada (BA), ao ser alvo de operação que envolveu as polícias baiana e fluminense.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Socorro disse:

    "Bandido bom é bandido morto", só se não for os amiguinhos dos meus filhos, o mundo dá voltas.Bolsonaro e seus milicianos

  2. Alvaro disse:

    LIGANDO OS PONTOS:
    Na semana que Adriano da Nobrega é assassinado por uma operação das polícias do Rio de Janeiro e da Bahia (que o governador da Bahia agora afirma que desconhecia), Braga Neto assume o posto mais importante do Palácio do Planalto.

    O que uma coisa tem a ver com a outra? Por que os militares estão avançando de maneira tão firme sob a ala olavista? Por que tem ganhado tanto poder num momento em que Bolsonaro não está tão enfraquecido politicamente? Bolsonaro está sob chantagem? Está ameaçado? Não é correto fazer ilações. Não é jornalismo oferecer respostas levianas a essas perguntas. Mas fazê-las é obrigação.
    Braga Neto foi o interventor do Rio de Janeiro.
    O Rio de Janeiro quando estava sob intervenção, o “governador” era o general Braga Neto, que recentemente assumiu a Casa Civil de Bolsonaro.
    Conheceu, conviveu e pode até ter feito "acordos" para negociar uma aparente paz com grupos milicianos.
    Também pode ter descoberto sobre o envolvimento de uma família de políticos na morte de Marielle. Lembrem-se isso ocorreu antes das eleições de 2018.
    E isso pode, em tese, explicar porque os militares ganharam nos últimos dias protagonismo ainda maior no governo Bolsonaro.
    As ditaduras avançam nos escombros de uma crise civil. Não foi Jango que levou o Brasil a 1964, foi Jânio Quadros.

  3. Antônio disse:

    A que ponto nós chegamos, o presidente da República descultindo sobre a morte de um bandido.

    • Sousa disse:

      O que aconteceu com o "bandido bom é bandido morto".
      Não vale para Bolsonaro quando é um comparsa seu?

  4. Carlos Bastos disse:

    Bolsonaro defendendo bandido,kkkkkkkk, sim é o Adriano amigo do filho dele, é o chefe do escritório do crime, que a mãe e a ex mulher trabalhava com Flavinho. Agora sim.

  5. Jailson disse:

    Doutor eu não me engano, Bolsonaro é miliciano… 🎼🎺

    • Iranilson disse:

      Doutor tem muita gente enganado, Lula é o maior ladrão do mundo e nesse quesito ele tem doutorado.

COMENTE AQUI