Economia

Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano; Esta é a sétima alta consecutiva

Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

Com o aumento da inflação, o Banco Central fez mais um ajuste nos juros básicos para tentar segurar a alta dos preços. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou hoje (8) a taxa básica de juros, a Selic, de 7,75% para 9,25% ao ano. A decisão era esperada por analistas do mercado financeiro.

Esse foi o sétimo reajuste consecutivo na taxa Selic, depois de passar seis anos sem elevação. De março a junho, o Copom elevou a taxa em 0,75 ponto percentual em cada encontro. No início de agosto, o BC passou a aumentar a Selic em 1 ponto a cada reunião. Na última reunião, em outubro, o reajuste chegou a 1,25 ponto percentual.

Imagem: reprodução/Agência Brasil

Inflação

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em outubro, o índice ficou em 1,25%, o maior para o mês desde 2002 (1,31%). Em 12 meses, o IPCA chegou a 10,67%.

Para o mercado financeiro, o IPCA deve chegar a 10,18%, neste ano. Tanto o resultado em 12 meses quanto a previsão para o ano estão acima do teto da meta de inflação para o ano. Para 2021, o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou a meta de inflação em 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Ou seja, o limite superior é 5,25% e o inferior, 2,25%.

Crédito mais caro

A elevação da taxa Selic ajuda a controlar a inflação. Isso porque juros maiores encarecem o crédito e desestimulam a produção e o consumo. Por outro lado, taxas mais altas dificultam a recuperação da economia.

Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Um dia o Brasil aprende que o controle da inflação depende de outras variáveis além da inflação!
    Outros países controlam a inflação como?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

DINHEIRO SOBRANDO: MPF pagou salários de até R$ 545 mil a procuradores em dezembro; mais de 70 receberam acima de R$ 300 mil

Foto: Reprodução

A folha de dezembro de 2021 do Ministério Público Federal (MPF) aponta remuneração de R$ 545,8 mil a um procurador e outros 70 que receberam mais de R$ 300 mil, considerando rendimentos brutos e verba indenizatória. Os altos valores têm a ver principalmente com venda de licenças-prêmio e férias não usufruídas. Ao total, os pagamentos somam R$ 156,8 milhões.

Ao longo de todo o ano de 2021, o MPF gastou R$ 123 milhões com a rubrica, segundo dados do Portal da Transparência do MPF. Na comparação com 2020, houve salto de 25%. Uma lista com os nomes de 51 procuradores com maiores vencimentos, filtrados nos dados do Portal da Transparência, tem circulado nas redes sociais com críticas sobre os altos valores pagos durante a pandemia. “Prefiro acreditar que seja fake news. Não é possível servidores públicos receberem 500, 400, 300 mil eais num mês em plena pandemia”, postou o defensor público do Estado da Paraíba Philippe Figueiredo.

O terceiro colocado na lista de maior remuneração recebida em dezembro é o procurador de Goiás Mário Lúcio de Avelar, que recebeu a maior quantia do País em indenizações: R$ 362 mil de licença-prêmio. Com mais R$104 mil de remuneração bruta, foram R$ 466 mil.

No topo do ranking está o procurador-chefe da 1ª Região, José Robalinho Cavalcanti: R$ 352,4 mil de verbas indenizatórias e R$ 193,4 mil de rendimentos brutos, totalizando R$ 545 mil.

Justiça Potiguar

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Energia solar gerou mais de 400 empregos por dia em 2021

O Setor fotovoltaico brasileiro contabilizou cerca de 153 mil admissões entre os meses de janeiro e dezembro, o que correspondeu a uma média de 419 admissões por dia, segundo cálculos realizados pelo Canal Solar com base em levantamento da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica). O aumento é de 77,9% em relação aos empregos acumulados no país em 2020, quando 86 mil contratações foram contabilizadas, uma média de 238 por dia. Desde 2012, a fonte solar já foi responsável por gerar de mais de 390 mil postos de trabalho em todas as regiões do país.

Nesse contexto, algumas empresas se destacam no NE, como no caso da Megga Solar, empresa potiguar que já superou os 1.500 clientes. De acordo com Max Assunção, diretor da Megga Solar, estima-se um crescimento ainda maior para 2022 em comparação há anos anteriores. Segundo Max, “o crescimento natural da fonte solar, que tem ganhado espaço na matriz energética, está acelerado. O desafio das empresas é manter o padrão de qualidade, pontualidade e profissionalismo. Isso conquista e fideliza clientes”, acrescentou o diretor, que celebra o reconhecimento do mercado e dos consumidores.

Além dos empregos gerados no país, o setor solar atraiu mais de R$ 21,8 bilhões em investimentos no ano passado, incluindo as grandes usinas e os sistemas de geração em telhados, fachadas e pequenos terrenos. O resultado representa um crescimento de 49% em relação aos investimentos acumulados até o final de 2020. Ao todo, o setor já movimentou mais de R$ 66,3 bilhões em negócios desde 2012. Em termos de capacidade operacional, o Brasil conta hoje com mais de 13 GW de potência, somando as gerações centralizada e distribuída, o que já representa quase a mesma potência instalada na usina hidrelétrica de Itaipu, a maior do Brasil e segunda maior do planeta.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400 e do Auxílio Gás começa hoje (18)

Foto: KEVIN DAVID/ A7 PRESS / ESTADÃO CONTEÚDO

O Auxílio Brasil começa a ser pago nesta terça-feira (18) a 17,5 milhões de pessoas, após a inclusão de 3 milhões de famílias a partir deste mês. Vão receber hoje os integrantes do programa com NIS (Número de Identificação Social) final 1. O calendário vai até o dia 31, para as pessoas com NIS final 0.

Além do repasse mínimo de R$ 400, 5,4 milhões de beneficiários receberão o Auxílio Gás. O valor de R$ 52 corresponde a 50% da média do preço do botijão de 13 kg de gás liquefeito de petróleo (GLP). Esse dinheiro será concedido a cada dois meses, por cinco anos.

Em dezembro, os recursos foram antecipados para 108.368 famílias residentes em cem municípios que decretaram estado de calamidade por causa das chuvas na Bahia e em Minas Gerais.

O investimento para o pagamento do Auxílio Brasil supera R$ 7,1 bilhões, segundo o Ministério da Cidadania. Os estados com maior número de famílias inscritas no programa são a Bahia, com 2,16 milhões, seguida por São Paulo (2,14 milhões), Pernambuco (1,39 milhão), Minas Gerais (1,38 milhão), Rio de Janeiro (1,28 milhão) e Ceará (1,27 milhão).

Já o pagamento total do Auxílio Gás é de quase R$ 285 milhões. O Nordeste é a região com o maior número de beneficiados pela ajuda federal, com cerca de 2,74 milhões. Em seguida, vem o Sudeste com 1,78 milhão, o Norte com 535,7 mil, o Sul com 349,77 mil e o Centro-Oeste com 167,65 mil.

Veja o calendário

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Rio Grande do Norte mantém congelamento do ICMS

Foto: Reprodução

Mesmo com a decisão do Comitê Nacional dos Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz) de não renovar o congelamento do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis, que vigorava desde novembro até 31 de janeiro, o Governo do Rio Grande do Norte decidiu prolongar o benefício até o dia 15 de fevereiro, evitando assim que os preços nas bombas disparem ainda mais.

O secretário estadual de Tributação, Carlos Eduardo Xavier, explicou que a cobrança de 29% (2% para o Fundo Estadual de Combate à Pobreza – FECOP – e 27% referente ao ICMS) no Rio Grande do Norte será mantida tendo como referência o valor de R$ 6,62. Atualmente no estado, o litro da gasolina já chega aos R$ 7,19.

Após o dia 15 de fevereiro, segundo o secretário Carlos Eduardo Xavier, a pasta vai reavaliar o cenário para definir se mantém ou suspende o congelamento do tributo. “Independente do valor que a gasolina tivesse, o congelamento manteve R$ 6,62 como valor referência. Na semana passada o Comsefaz deliberou que esse congelamento vai ser encerrado, porém, aqui no estado, manteremos o congelamento até o dia 15 de fevereiro e seguiremos avaliando”, disse o secretário de Tributação.

O congelamento tem o objetivo de colaborar com a manutenção dos preços nos valores vigentes em 1º de novembro de 2021 até 31 de janeiro de 2022. Por diversas vezes ao longo do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro atribuiu aos estados parte da culpa pelos aumentos dos combustíveis devido o imposto que incide no valor final.

O governo federal quer que o ICMS seja cobrado como um preço fixo por litro, como ocorre com os tributos federais, mas os governadores consideram o projeto paliativo e defendem a criação de um fundo de estabilização dos preços dos combustíveis, que evitaria repasses ao consumidor e, ao mesmo tempo, bancaria eventuais prejuízos da Petrobras quando o preço internacional do petróleo e o dólar sobem.

O Comsefaz tinha decidido em outubro de 2020 manter o ICMS enquanto a União, a Petrobras, o Congresso Nacional e os estados negociavam uma solução definitiva para amortecer parte do impacto dos reajustes nas refinarias para o consumidor.

Esperava-se uma estabilização no preço da gasolina e do diesel e isso não ocorreu. Segundo o comitê, a decisão pelo descongelamento do tributo foi decidido após a Petrobras elevar o preço dos combustíveis nas refinarias na semana passada. No primeiro reajuste em 77 dias, a gasolina subiu 4,85%, e o diesel aumentou 8,08% nas refinarias.

Por essa razão, o secretário de Tributação do RN ressalta que o congelamento da alíquota do ICMS não impediu que os preços voltassem a subir, desfazendo a idéia de que o valor alto se devia à cobrança do imposto. “Hoje o preço da gasolina já passa de R$ 7 e nós estamos há mais de dois meses tendo R$ 6,72 como referência e vimos que não parou de ter aumento. Isso é prova de que o aumento sucessivo do preço dos combustíveis não se deve ao ICMS. Por isso, vamos manter esse congelamento também como uma forma de continuar mostrando que o ICMS não é responsável pelo reajuste nos preços”, disse ele.

Atualmente, o ICMS é calculado como um percentual do preço final. Isso faz com que o imposto flutue conforme os preços nas bombas, subindo quando a Petrobras reajusta os preços nas refinarias e baixando quando ocorre o contrário.

Desde novembro, quando a variação do ICMS do combustível cessou, o RN deixou de arrecadar cerca de R$ 5 milhões por mês, segundo o secretário. “No momento, com o patamar atual do preço dos combustíveis, estimamos (em perda na arrecadação) algo em torno de 5 milhões por mês”, informou Carlos Eduardo Xavier.

Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEOS: Luau nos Parrachos bombou

Leitores enviaram vídeos ao Blog do BG do Luau dos Parrachos, que aconteceu na noite dessa segunda-feira (17). Pelos registros, a festa bombou.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trânsito

Rodoviários iniciam greve e somente 30% da frota de ônibus está circulando em Natal

Foto: Reprodução

Os rodoviários iniciaram nesta terça-feira (18) a greve que estava prevista para acontecer na quarta-feira (19). Somente 30% da frota está circulando. A greve é por tempo indeterminado e atinge todas as linhas que circulam na capital.

A categoria reclama de dois anos sem reajuste salarial e cobram, também, retorno do pagamento integral do vale-alimentação. Segundo o Sintro, a integralidade desse valor corresponde a R$ 360 e há dois anos os rodoviários cedem metade dessa quantia, recebendo só R$ 180. Já os empresários garantem que não têm condições de conceder o reajuste.

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (Seturn) encaminhou um ofício solicitando reunião em caráter de urgência com prefeito de Natal, Álvaro Dias, para definir o dissídio coletivo do setor.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Governo do RN publica decreto que exige passaporte vacinal em shoppings, cinemas, bares e restaurantes; veja o que diz

Foto: Danilo Girundi

O governo do Rio Grande do Norte publicou na manhã desta terça-feira (18) o decreto que exige o passaporte vacinal para entrada em shoppings, cinemas, bares e restaurantes. O documento determina que todos os ambientes fechados devem exigir a comprovação da vacina contra a Covid, assim como ambientes abertos com capacidade superior a 100 pessoas.

O anúncio do novo decreto com a medida foi anunciado em um coletiva de imprensa com representantes do governo do RN na noite de segunda-feira (17). Ele passa a valer a partir de sexta-feira (21).

Veja o que diz o decreto

  • Segmentos socioeconômicos

De acordo com o decreto, “os segmentos socioeconômicos de alimentação, a exemplo de bares e restaurantes, bem como centros comerciais, galerias e shopping centers que utilizem sistema artificial de circulação de ar deverão realizar o controle de entrada de cada indivíduo nas suas dependências, mediante comprovação do esquema vacinal em conformidade ao calendário de imunização”.

O decreto reforça que ficam dispensados da obrigatoriedade os estabelecimentos de alimentação em locais abertos com capacidade máxima de 100 pessoas.

  • Eventos de massa

Segundo o texto, “os eventos de massa, sociais, recreativos e similares, inclusive aqueles sem assento para o público, deverão exigir, para acesso ao local, a comprovação do esquema vacinal”. A exceção fica para eventos de massa com no máximo 100 pessoas e ventilação natural.

“O descumprimento aos protocolos previamente aprovados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) ensejará na suspensão imediata do evento”.

O documento diz ainda que os municípios poderão definir medidas e protocolos específicos, prevendo medidas mais protetivas, para eventos de menor porte.

  • Serviço público estadual

Os órgãos e entidades da Administração Pública Direta e Indireta do Estado deverão regulamentar “a forma de atendimento ao seu público-alvo, recomendando-se, neste sentido, a adoção da obrigatoriedade de comprovação do esquema vacinal em conformidade ao calendário de imunização”.

  • Recomendação aos municípios

Entre as recomendações, estão fiscalizar o cumprimento de medida sanitária; implantar medidas de restrição coordenada, simultânea e regionalizada; esclarecer situação da pandemia à população; realizar busca ativa da população não-vacinada; suspender realização de festas e eventos públicos de qualquer natureza; disciplinar acesso às praias, lagoas, cachoeiras, açudes, rios e similares; disciplinar funcionamento do transporte público e impedir acesso de passageiros sem utilização das máscaras em transporte público ou privado.

Opinião dos leitores

  1. Parabéns Governadora…👏👏👏
    Todos os países civilizados estão agindo da mesma forma…só assim poderemos reduzir os riscos de contaminação e a forma grave da doença.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Terceirizados do Walfredo Gurgel iniciam greve nesta terça-feira (18)

Por meio de nota à população, os terceirizados que prestam serviço no Hospital Walfredo Gurgel anunciaram o início da greve a partir de hoje (18). Eles, que já haviam realizado uma paralisação de advertência ontem, alegam atrasos nos pagamentos dos salários e de benefícios e direitos.

Nota

Em razão do atraso no pagamento dos salários, 13º salário, vale alimentação e vales transportes, os trabalhadores das empresas prestadoras de serviços de mão de obra: JMT, SAFE e PETROGÁS realizaram paralisação de advertência durante 1h no dia de ontem (17/01/2022), na frente do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel- PSCS.

Ainda, pelo mesmo motivo, a categoria deflagrará GREVE por tempo indeterminado a partir da data de hoje (18/01/2022), até o efetivo pagamento dos direitos trabalhistas em atraso.

Ressaltamos que os trabalhadores da categoria são vítimas de constantes atrasos de salários. Diante do descumprimento de compromisso de regularização dos pagamentos assumidos pela SESAP/RN e as empresas, os trabalhadores, junto com o SIPERN, se viram obrigados novamente a convocar e deflagrar GREVE até a regularização e pagamento das verbas em atraso.

Destacamos, por fim, que serão mantidas escalas mínimas de trabalhadores para que sejam mantidos os serviços essenciais, minimizando o máximo possível os impactos à população Potiguar. Ainda que tão logo sejam pagas as verbas salariais em atraso, a greve será encerrada.

Os trabalhadores estão em greve pelo mais básico dos seus direitos, o pagamento pelo trabalho prestado. Sendo este sua única fonte de renda para o sustento de sua família.

Domingos da Silva Ferreira
Diretor Presidente
SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM, TÉCNICOS, DUCHISTAS, MASSAGISTAS E EMPREGADOS EM HOSPITAIS, CASAS DE SAÚDE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – SIPERN

Opinião dos leitores

  1. Está provado que esse governo de Fátima não gosta de pagar a ninguém. É só repassar os recursos que as empresas pagam os servidores. A veacagem é a marca deste desgoverno.

  2. A (des)COVERNADORA DO RN, VEM SE SUPERANDO EM FAZER A PIOR GESTÃO DA HISTÓRIA DESSE ESTADO.
    PAGUE AO POVO SUA CALOTEIRA!!!

  3. Essa desgovernadora deve ser CASSADA pelos votos dos eleitores do RN, INCOMPETENTE, arrecadação crescente, dinheiro do governo Federal e ela e sua equipe de relaxados não honram os compromissos da área de saúde imagine do resto das secretarias. Ela sabe mesmo é ir pra festas aglomerar. Outubro será a oportunidade dos Norteriograndeses dá um basta nisso.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Jean Paul Prates prevê redução de até R$ 3 na gasolina e até R$ 40 no gás de cozinha

Foto: Alessandra Dantas
O senador Jean Paul Prates, relator do projeto que pretende criar uma estabilidade e previsibilidade no preço dos combustíveis para, assim, frear o modelo atual de remarcação frequentes aumentos nos postos de gasolina,
em contato com o Blog do BG, disse que está criando um pacote de soluções que pretende trazer uma redução de até R$ 3 no preço da gasolina e se até R$ 40 no gás de cozinha.

“Pretendo juntar o PL 1472/2021 que institui uma conta de estabilização – que já está em trâmite na Casa, e do qual já sou relator – com a proposta que veio da Câmara dos Deputados (PLP 11/2021) e que diz respeito ao ICMS, cuja relatoria também me foi reservada hoje. A conciliação destas iniciativas propiciará uma ‘caixa de ferramentas’ para a solução efetiva quanto à volatilidade e as altas sustentadas dos preços de combustíveis no mercado interno. O conjunto de medidas que organizarei deverá ser votado ainda na primeira quinzena de fevereiro, e permitirá que o Governo promova a redução de R$ 2 a R$ 3 no preço de bomba da gasolina e do diesel, e de R$ 10 a R$ 20 no preço do botijão de gás num período de 40 dias”, disse.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

[VÍDEO] Seturn afirma que licitação pode elevar tarifa para R$ 5 em Natal

O consultor técnico do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (Seturn), Nilson Queiroga, comentou sobre a licitação dos ônibus em entrevista a 96 fm nesta segunda-feira (17). Na avaliação dele, caso a Prefeitura do Natal não propor medidas para ajudar a rede de transportes de Natal, a passagem pode chegar a R$ 5.

“Se ela [a prefeitura] não continuar com a isenção e for atrás de reajuste, perde-se o benefício do governo e a tarifa passa de R$5. Como é que ela vai publicar um edital com R$5,00 a tarifa para atrair investidores e garantir o equilíbrio econômico-financeiro”, disse Nilson Queiroga.

Outras medidas devem ser tomadas de forma urgente, segundo Queiroga. “Para otimizar, melhorar a eficiência, o que a gente chama de IPK, é índice de passageiro por quilôetro”, afirmou.

Portal 96 FM

Opinião dos leitores

  1. Tem dois segmentos aqui na terra de Poty que ainda não apareceu um ser vivo pra dar jeito, são nas empresas de ônibus coletivos, e nos donos de postos de gasolinas, eles sempre fizeram o que querem, e o poder público fica de braços cruzados , não tem ministério público, gov estado , prefeito , deputados , vereadores que de jeito , eles fazem o que querem , e o povo fica entregue se vire, e uma sensação de impotência, será q um dia vai aparecer alguém nessa terra abençoada que ponha um fim no monopólio dessa raça

  2. O SETURN não quer essa licitação, nunca quis. Eles querem é ficar dominando o sistema com as sucatas que eles chamam de ônibus. Cai quem quer nesse conto do vigário deles aí!!

  3. VAMOS BAGUNÇAR TURMA DO DESPERO, O NEGOCIO NÃO TEM COMO SE EVITADO, É O BOLSONARO POR MAIS 4 ANOS. EIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEIEI

  4. Ônibus velhos, sucateados, sujos, atrasos frequentes, ônibus quentes, duros, enferrujados, mau conservados, esse é o retrato dos transportes públicos de Natal. Parece que tem arrumadinho entre prefeitura, empresários e sindicatos, para que essa situação perdurem por longos tempos.

  5. A raposa explicando que colocar cercados no galinheiro é ruim e pode prejudicar as galinhas.

  6. Os empresários mandaram um recado ai. Ou tem dinheiro público no setor privado ou não vai ter licitação. O golpe ta ai cai quem quer.

  7. Seturn sindicato de que, a favor de quem ? Só mi mi mi , a tarifa já foi elevada 5 vezes , restauração das paradas, renovação da frota , aumento para cobradores que foi extinto, meia passagem, recebem , cumpri nunca, licitação aberta já pra ano retrasado

  8. Ônibus de BH são uma maravilha, ar condicionado, pontualidade, novos e custam o mesmo que aqui.

    Falta é interesse do poder público em ter um olhar diferenciado para o problema.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *