Dólar tem mais um dia de queda e vai a R$ 4,04

Agência Brasil

O dólar teve mais um pregão de queda nesta quarta-feira (22) e fechou a R$ 4,0420. Após alçar o patamar de R$ 4,10 na sexta (17), a moeda americana recua 1,46% nesta semana. A Bolsa brasileira teve leve recuo de 0,13%, mas manteve os 94 mil pontos.

No exterior, o viés foi misto sem variações expressivas. Os índices de Japão e Hong Kong tiveram leve alta de 0,05% e de 0,18, respectivamente. O índice CSI 300, que reúne as Bolsas de Shangai e Shenzhen, caiu 0,47%, com rumores de que os EUA podem ampliar as sanções da Huawei a outras companhias chinesas.

As Bolsas europeias também operaram sem direção única. Londres se manteve estável. Frankfurt avançou 0,21% e Paris caiu 0,12%. Nos Estados Unidos, o viés foi negativo. Dow Jones cedeu 0,39%. S&P 500 caiu 0,18% e Nasdaq 0,45%.

No Brasil, o Ibovespa, maior índice acionário do país, cedeu 0,13%, a 94.360 pontos. O giro financeiro foi de R$ 14,3 bilhões, abaixo da média diária para o ano.

O destaque foi a Natura, que superou a máxima histórica com a confirmação de compra da Avon. Os papéis da companhia fecharam a R$ 61, alta de 8,55%. O patamar superou o pico de R$ 59,80, em 4 de janeiro de 2013.

A aquisição da rival americana será por meio de troca de ações, sem comprometer o caixa da empresa. Investidores temiam que a compra poderia aumentar a dívida da empresa que, ao fim de 2018, era de 2,7 vezes o Ebitda.

A aprovação da reforma tributária na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara e a expectativa de que a Câmara vote, ainda nesta quarta, a Medida Provisória (MP) 870 seja votada na Câmara contribuíram para o pregão tranquilo.

A MP, que diz respeito a reforma administrativa do governo Bolsonaro, está prestes a caducar. Ao colocá-la em pauta, o Congresso faz um aceno ao planalto e diminui o ruído da crise entre os poderes.

Nesta quarta, o Banco Central realizou os últimos leilões de linha de dólar da semana. A moeda americana chegou a recuar para R$ 4,0090, mas fechou a R$ 4,0420, recuo de 0,17% em relação ao dia anterior.

Folhapress