LAVA JATO: Empresa que presta serviço à Prefeitura do Natal desde a gestão Carlos Eduardo é citada em bloqueio de dinheiro do MDB e PSB

As empresas Queiroz Galvão e a Vital Engenharia Ambiental foram apontadas pelo Ministério Público Federal como envolvidas em uma ação de improbidade administrativa dentro da Petrobras, que resultou no no bloqueio de mais de R$ 3,57 bilhões que envolvem MDB e PSB. A ação faz parte da Lava Jato e investiga irregularidades dentro da Petrobras.

A Vital Engenharia Ambiental, para quem não lembra, é a mesma empresa que possui contratos com a Prefeitura do Natal desde o início da gestão do prefeito Carlos Eduardo Alves. Em 2013, na gestão do ex-prefeito, a empresa assumiu a coleta de lixo por meio de um contrato emergencial, ou seja, sem licitação, porque a antiga empresa, a Líder, disse que tinha dificuldades em prestar o serviço. A Vital Engenharia Ambiental possui vínculos com o Poder Executivo que vão desde obras públicas até a coleta de lixo na capital potiguar.

Já a Queiroz Galvão, é a mesma empresa que é investigada na Lava Jato por vários contratos junto à Petrobras. Em Natal, a empresa também tem obras. A Queiroz Galvão assumiu as obras de parte na construção da macrodrenagem e de mobilidade no entorno da Arena das Dunas para a Copa do Mundo.

Do total bloqueado, a Vital está dentro de um grupo que inclui MDB e operadores da Queiroz Galvão. O valor total bloqueado dos envolvidos dessa parte ultrapassa R$ 1,8 bilhão.

Sobre o bloqueio de hoje, a Vital Engenharia Ambiental informou que “não tem, e nunca teve, qualquer contrato ou sequer participou de qualquer processo de seleção de fornecedores junto à Petrobras e que confia na Justiça”. Já a construtora Queiroz Galvão informou que não vai comentar a decisão judicial.