Política

PT não desistiu de frente ampla, mas não vejo como prosperar com Ciro, diz Jaques Wagner

Uma das principais lideranças nacionais do PT, o senador Jaques Wagner (BA) afirma que o partido não desistiu de compor uma aliança eleitoral contra Jair Bolsonaro (sem partido) em 2022, mas que não vê como prosperar com Ciro Gomes, do PDT.

Em entrevista à Folha, o petista, que assumiu a Comissão de Meio Ambiente do Senado, avalia que o grande número de militares em funções no governo revela a existência de um desvio de função e prega que o discurso ambiental é a frente ampla contra o negacionismo.

O PT insistirá em uma candidatura própria em 2022, mesmo diante do risco de uma alta rejeição favorecer Bolsonaro em um segundo turno? Assim como a nossa aprovação, que chegou a 80% na saída do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não é eterna, a rejeição ao PT também não é. Ela vem diminuindo por pessoas que constatam que foi um equívoco apostar em um antipetismo mesmo votando no que está acontecendo no Brasil. Naquele segundo turno, era a tentativa dessas pessoas sonharem com a matriz dessa pergunta: “É melhor apoiar o outro, porque aí a gente mata o PT e ele desaparece em 2022”. Nâo funciona assim. O PT tem raízes e contribuições. E é claro que tem erros. A gente nasceu há 41 anos com pessoas que não tinham ainda experiência em governo. E ganhamos a Presidência da República quatro vezes. Eu creio, mas não tenho bola de cristal, que ganharemos a quinta.

Em nome de uma frente ampla, o PT está disposto a abrir mão de uma cabeça de chapa?
Eu nunca digo não quando estou tentando construir uma aliança. Então, prefiro dizer: ‘Vamos ver quem se apresenta’. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad teve 47 milhões de votos. Eu tenho governadores do Nordeste que têm uma pontuação muito boa, particularmente três: da Bahia [Rui Costa], do Piauí [Wellington Dias] e do Ceará [Camilo Santana]. Então, tenho quadros políticos que podem ser apresentados à sociedade. Você me diz: ‘Poderia abrir mão?’. Sempre acho que poderá, vai depender da construção. Agora, se o lado de lá, particularmente um dos candidatos, critica o PT e tenta nos isolar, como depois acham que eu tenho de sair fora? Então, tudo bem, se estão isolando, mantenho a candidatura e vocês mantêm a de vocês, por isso que tem dois turnos.

O candidato do PT será Fernando Haddad? Eu acho que isso não está definido. O Lula até publicou um tuíte sobre isso. Ele diz que nós temos um programa de reconstrução do país e temos quadros políticos. Então, vamos mostrar o nosso patrimônio. É assim que se faz, como os outros estão fazendo. Toda hora vemos declarações de possíveis candidatos de outros partidos. Na minha opinião, não é hora de bater martelo sobre esse tema.

Que perfil de candidato o senhor defende? Se o Lula recuperar seu direito político, tenho de saber dele. Se ele estiver com vontade, acho que tem, dentro do PT ele seria natural. Se ele não recuperar, que eu espero que não aconteça, ou achar que é melhor ter outro nome, aí tem o Haddad. O Rui Costa, da Bahia, é um nome. E os governadores do Ceará e do Piauí também. Como há nomes em outros partidos. É óbvio que o nome do Flávio Dino (PC do B), como governador do Maranhão, é sempre um que circula. O Ciro Gomes (PDT), evidentemente, está colocado, mas ele está fazendo uma política de isolamento do PT, então, não vejo como prosperar.

Um dos nomes citados como candidato da frente ampla é o apresentador Luciano Huck. Como apresentador, eu acho até interessante o programa dele. Eu preciso conhecer as ideias dele para saber se é uma candidatura. Não está impedido, mas eu gosto muito de cada qual em seu cada qual. Um belo cantor não necessariamente será um bom político.

Como ex-ministro da Defesa, como analisa o aumento do número de militares no governo? Eu não tenho nenhum tipo de discriminação contra os militares, porque reconheço a sua boa formação. Mas também eles não foram formados para estarem em ministérios. Eles foram formados para integrarem as Forças Armadas e, em um país da nossa dimensão, garantirem a nossa soberania, independência e defesa. Então, não estou dizendo que este ou aquele não pode ser, mas, na minha opinião, há um desvio de função. Eles, na verdade, foram treinados porque nós entendemos que um país dessa dimensão tem de ter a segurança de fronteira, marítima e aérea. O exagero nesse crescimento causa essa disfunção. Você não manda médico ser mestre de obra. Nem mestre de obra exercer a função de padeiro ou de médico. O exemplo mais gritante é o do ministro da Saúde, que acaba enfrentando uma área que ele desconhece. Por tal, acaba tendo um desempenho ruim. Então, quem perde é o país. E, na minha opinião, perdem também as próprias Forças [Armadas], porque acaba que o mau desempenho desgasta a instituição.

A instituição sairá com a imagem abalada depois do governo Bolsonaro?
Não necessariamente. Não sei como vai acabar o governo Bolsonaro. Não sei se virá ou não virá impeachment. Pelo caminho que ele está tomando, eu só vejo coisa ruim pela frente, não estou vendo condução correta na economia. Se isso acontecer, é óbvio que vai ter respingo, apesar de que os comandos das Forças [Armadas] hoje tendem a não querer essa entrada na política.

Como avaliou a postura do ex-comandante do Exército Eduardo Villas Bôas quando divulgou mensagem ao STF (Supremo Tribunal Federal) às vésperas do julgamento de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2018? Eu confesso que preferia não ter de comentar. Quem indicou o Villas Bôas para comandante fui eu. E quem aceitou, porque a prerrogativa é dela, foi a presidente Dilma Rousseff. Não fiz nenhum favor, me entregaram uma lista tríplice. Ele não era o primeiro e não havia uma obrigatoriedade. Mas, na lista que veio de lá, feita pelo Alto Comando, se não me engano, ele era o terceiro. Isso significa que era possível ele assumir. E tive uma ótima relação com ele. Eu não sei por que tomou essa atitude. E pior do que a atitude é a revelação, vou dizer assim, com prazer, para dizer que foram tutores da democracia brasileira. Eu acho descabida a primeira, a ação, e mais descabida ainda a propaganda dela.

Decepcionou-se com o hoje general da reserva? Não, no tempo que ele estava prestando serviço à presidente Dilma, sempre tive uma relação boa. Mas essas revelações realmente me mostram ou que eu me enganei ou que ele mudou.

No depoimento, o militar diz que a Comissão da Verdade foi vista como revanchismo. Nós somos aqueles países com dificuldade de encarar, ou alguns têm dificuldade em encarar, a história. Querer negar que houve tortura é, na minha opinião, uma burrice. Porque ela está aí com mortos e desaparecidos e esse foi um momento de um crime de Estado feito na conjuntura da Guerra Fria. A Guerra Fria acabou há mais de 30 anos e vamos continuar raciocinando como se o mundo fosse o da Guerra Fria? Querer transportar isso no tempo é um equívoco. Na minha opinião, não erramos em fazer a Comissão da Verdade.

A intervenção na Petrobras, com a indicação de um general para o posto, é um golpe na agenda liberal do ministro Paulo Guedes? Eu não sei qual é a combinação que o presidente tem com o Paulo Guedes. Então, tenho dificuldade em responder a essa pergunta. Só quero registrar. O acionista majoritário dessa belíssima companhia que é orgulho nacional chama-se povo brasileiro, porque ela é majoritariamente do Estado brasileiro. E, goste ou não goste, o representante dos acionistas majoritários é o presidente. Portanto, ele dizer que quer um caminho, não vejo, em si, nenhuma aberração. O que acho aberração é pegar uma empresa que é amplamente majoritária do Estado brasileiro e entender que ela não tem de respeitar nada do seu acionista majoritário. E simplemente obedecer à chamada lei de mercado. Está errado isso. Não consigo ver nenhum crime nisso [na conduta de Bolsonaro].

A intervenção levou integrantes do mercado financeiro a comparar Bolsonaro a Dilma. Ela é muito melhor do que ele.

O Brasil tem hoje condições de fazer parte de uma frente mundial de desenvolvimento ambiental? Nós saímos de líderes para párias. Nós fomos puxadores da fila em várias conferências mundiais até pelo grau de biodiversidade que nós temos no Brasil. E praticamente, de 2019 para cá, nós estamos excluídos de todas as mesas. Hoje, nós não seremos convidados a nada, mas como eu acredito também na diplomacia parlamentar, espero que consigamos reposicionar o Brasil para poder integrar esse esforço que está, inclusive, tardio.

O discurso ambiental deve ser encampado pelo PT na próxima eleição? Não tenho dúvida. Na minha opinião, essa é a agenda central do planeta. A defesa do meio ambiente é a verdadeira frente ampla contra o negacionismo.

FOLHAPRESS

Opinião dos leitores

  1. Dalhe ciro gomes!!! Dizem que ciro é louco… mas mais louco que o atual não há!! Prefiro o demônio da esquerda que o falso mesias!!

  2. O PT vai contar com o PSDB para 22, basta lembrar do Alckimin bombardeando o Bolsonaro, mesmo que ele foi esfaqueado. A estratégia do PT sempre foi usar o PSDB para bater, abrindo espaço para o poste chegar livre no segundo turno.

  3. Esse partido (PT) ainda existe? Já deveria ter sido extinto e ter todos os seus integrantes e afiliados indiciados criminalmente por organização criminosa e incitação ao terrorismo.

  4. Esses dois irão morrer abraçados, pois os seus partidos e nada andam juntos atualmente, sem falar na falta de expressividade dos dois.

  5. Muito interessante a opinião desse denunciado em falcatruas, que de simples funcionário da petrobras chegou a ministro da defesa, o que entende ele de defesa, para ter sido ministro? Que dizer de um torneiro mecânico, semi analfabeto, beberrão, ser presidente da República? De uma pretensa economista, que forjou um título de doutora ser presidente, aquela mesma que não sabia articular uma frase, que a proeza maior foi autorizar a compra de duas refinarias obsoletas e inúteis a preço de ouro? Melhor ficar calado a sair dando palpites até em jogo de porrinha, colocar ele ao lado do Coronel Ciro e ver quem é mais imprudente e insensato.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Após deixar prisão, João Santana, ex-marqueteiro do PT, é contratado pelo PDT de Ciro Gomes

Foto: Reprodução/Twitter @cirogomes

O publicitário João Santana foi contratado pelo PDT para auxiliar na comunicação do partido. O anúncio foi realizado nesta quinta-feira, 22, por meio de uma publicação nas redes sociais de Ciro Gomes, que desenvolve sua campanha eleitoral para a disputa presidencial de 2022.

“Reunião de trabalho com Carlos Lupi, presidente do PDT, e com o publicitário João Santana, que nos ajuda a partir de agora na comunicação do partido”, registrou Ciro na postagem.

O marqueteiro foi responsável por desenvolver as campanhas vencedoras dos ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Junto com sua mulher, Monica Moura, João Santana foi condenado duas vezes pela Operação Lava Jato. Ambos foram absolvidos pelo crime de corrupção, mas permaneceram meses na cadeia e em prisão domiciliar por lavagem de dinheiro.

Jovem Pan

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VACINAÇÃO: 27,9 milhões receberam a primeira dose contra a covid no Brasil; 13,2% da população

Foto: Prefeitura de Ipatinga

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta quinta-feira (22) aponta que 27.945.152 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 13,20% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 11.338.366 pessoas (5,35% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

No total, 39.283.518 doses foram aplicadas em todo o país.

De ontem para hoje, a primeira dose foi aplicada em 421.921 pessoas e a segunda dose em 391.056, com um total de 812.977 doses aplicadas neste intervalo.

Quantas doses cada estado recebeu até 22 de abril

  • AC: 190.190
  • AL: 681.510
  • AM: 1.405.019
  • AP: 145.000
  • BA: 3.670.000
  • CE: 2.110.250
  • DF: 712.310
  • ES: 993.620
  • GO: 1.557.880
  • MA: 1.499.190
  • MG: 5.841.330
  • MS: 708.010
  • MT: 703.810
  • PA: 1.617.590
  • PB: 1.028.958
  • PE: 2.276.080
  • PI: 688.180
  • PR: 2.858.690
  • RJ: 4.391.120
  • RN: 848.050
  • RO: 333.108
  • RR: 165.060
  • RS: 3.604.700
  • SC: 1.707.940
  • SE: 496.080
  • SP: 10.273.355
  • TO: 331.600

Origem dos dados

  • Total de doses: números divulgados pelos governos estaduais.
  • As informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde.
  • As estimativas populacionais são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Mulheres ficam imunizadas por mais tempo depois de infectadas, diz estudo francês

Foto: AP – Alvaro Barrientos

Já havia sido observado em hospitais que mulheres tinham menos probabilidade de sofrer de formas graves da Covid-19. Agora, tudo leva a crer que elas também ficam protegidas por mais tempo depois de contrair o vírus, observa o jornal francês Le Parisien, com base em um estudo realizado pelo Instituto Pasteur, o Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (INSERM) e hospitais de Estrasburgo, no leste do país.

As conclusões do estudo foram publicadas no Journal of Infectious Diseases. Os pesquisadores explicam que o gênero – mulher ou homem – parece influenciar na diminuição do nível de anticorpos que se formam quando o corpo luta contra o vírus, que depois o protege contra uma nova infecção.

“O nível de anticorpos presentes nas mulheres da amostra que acompanhamos diminui muito menos rapidamente do que nos homens”, resume Samira Fafi-Kremer, diretora do Instituto de Virologia do Hospital Universitário de Estrasburgo, que se encontra na origem deste estudo.

Mesmo número de anticorpos seis meses depois

Para chegar a este resultado, foram estudados os casos de cerca de 400 cuidadores e pessoal administrativo dos hospitais de Estrasburgo, que haviam sido infectados sem a forma grave da doença no final de março de 2020. A cada três meses foram realizados testes sorológicos, que permitiram saber se eles desenvolveram anticorpos contra o coronavírus.

Embora os homens desenvolvam mais anticorpos no início, eles os perdem rapidamente. Em contrapartida, depois de seis meses, 38% das mulheres ainda têm o mesmo nível de anticorpos do começo: “Seis meses depois de adoecer, 38% das mulheres não perderam os anticorpos, contra 8% dos homens”, detalha a pesquisadora.

Agora é chegada a hora de analisar o nível de anticorpos de nove meses e um ano após a infecção. “Sabemos que os anticorpos têm uma tendência natural de diminuir. Essa pesquisa adicional nos permitirá ver se esses resultados diferentes entre mulheres e homens se prolongam com o tempo”, explica o professor Olivier Schwartz, chefe do departamento de Vírus e Imunidade do Instituto Pasteur, coautor do estudo.

Hormônios e genética

Dois fatores explicam essa possível proteção imunológica maior em mulheres: hormônios e genética. “Os hormônios sexuais femininos têm a capacidade de estimular melhor a resposta imune. Além disso, o cromossomo X, envolvido na resposta imune, está presente duas vezes nas mulheres, enquanto os homens são XY”, diz Samira Fafi-Kremer.

Este trabalho parece confirmar o que já havia sido observado em hospitais, com a maioria dos homens internados, principalmente em unidades de terapia intensiva, e com maior mortalidade masculina.

Segundo os cientistas, essa proteção permite combater a variante britânica do vírus, mas é menos eficaz contra as variantes da África do Sul e do Brasil. Em qualquer caso, espera-se que os resultados forneçam uma ideia sobre a eficácia das vacinas.

Época

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Kajuru diz que quer disputar a presidência: ‘Se Huck é candidato, por que não posso ser?’


Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O senador Jorge Kajuru (Pode-GO) declarou hoje que tem a intenção de disputar a vaga da Presidência da República nas eleições de 2022.

“Revoltado com a falta de amor ao Brasil, lanço minha candidatura à presidência da República! Brasil de verdades e soluções! Se o Huck é candidato, por que não posso ser?”, disse o Senador Jorge Kajuru (Pode-GO).

O UOL entrou em contato com a deputada Renata Abreu (Pode-SP), presidente nacional do Podemos, para saber qual é o posicionamento do partido sobre a candidatura de Kajuru. Até o momento da publicação desta matéria, não obtivemos retorno.

O senador esteve nos holofotes nos últimos dias após divulgar o áudio de uma conversa telefônica que teve com o presidente Jair Bolsonaro para tratar da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

Na conversa, o chefe do Executivo pressiona para que governadores e prefeitos também sejam investigados na comissão.

“Se não mudar o objetivo da CPI, ela vai vir para cima de mim. O que tem que fazer para ser uma CPI útil para o Brasil: mudar a amplitude dela. Bota presidente da República, governadores e prefeitos”, recomendou Bolsonaro.

“Se não mudar a amplitude, a CPI vai simplesmente ouvir o Pazuello, ouvir gente nossa, para fazer um relatório sacana. Tem que fazer do limão uma limonada. Por enquanto, é um limão que tá aí. Dá para ser uma limonada”, afirmou ao senador.

O presidente cobra também do senador Kajuru que determine a análise de pedidos de impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Após o episódio, o parlamentar foi convidado a deixar o Cidadania e agora o senador está filiado ao Podemos.

Ameaça de Bolsonaristas

Além disso, o parlamentar relatou que passou a receber ameaças em redes sociais por parte de apoiadores de Bolsonaro.

Bolsonaristas afirmam que o parlamentar goiano vai conhecer o “gabinete do ódio” e que o povo vai tirá-lo do poder “à força”. Em outras postagens, alguns internautas garantem que Kajuru “não terá paz”.

Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente criticou a divulgação do áudio. “Olha a que ponto que chegamos no Brasil”, provocou Bolsonaro.

Em entrevista ao site Metrópoles, Kajuru afirmou, no entanto, que foi autorizado pelo presidente a gravar e divulgar a conversa. O parlamentar também garantiu que não cometeu nenhum crime ao dar publicidade ao áudio. Ele disse ainda que “não tem medo de morrer”.

“Se os bolsonaristas continuarem me atacando, é uma coisa gratuita. Se o presidente me autorizou [a divulgar o áudio], eu vou fazer o quê? Que erro eu cometi? Qual crime eu cometi? Advogados já falaram que eu não cometi crime nenhum. Eu apresentei uma gravação com os dois falando. Eu não apresentei uma gravação sacana com o presidente falando. O motivo da conversa está claro, eu liguei para ele para pedir coerência e que ele não colocasse todo mundo [senadores] no mesmo balaio, como ele estava xingando de canalhada”, explica.

“Tem gente me ameaçando, claro, mas eu não tenho medo de nada, não. Morrer para mim é como antes de nascer. Se alguém quiser me matar por causa disso, pode matar, não tem problema nenhum”, completa o senador.

Com informações de UOL e Yahoo

Opinião dos leitores

  1. 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Mourão admite concorrer ao Senado em 2022: ‘Está em estudo’

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quinta-feira, 22, que estuda a possibilidade de concorrer ao Senado Federal após o fim do seu mandato. Ele descartou a opção de disputar a presidência da República em 2022, já que o presidente Jair Bolsonaro deve concorrer à reeleição.

“Hoje estou preparado para cumprir minha parte como vice-presidente do presidente Bolsonaro e acompanhá-lo até o final desse mandato”, comentou durante live promovida pelo programa Brasil em Questão nesta tarde. “Hoje não vejo nenhuma possibilidade de candidatura minha à Presidência, uma vez que o presidente Bolsonaro é candidato. Eu jamais irei concorrer contra ele”, disse

Segundo Mourão, disputar a Presidência contra Bolsonaro é uma questão que está “fora dos seus preceitos éticos”. Afastado do presidente, que não o chama mais para reuniões, o vice-presidente sabe que não será escalado para compor a chapa da reeleição. Nos últimos dias, Mourão foi excluído até mesmo da preparação para a participação do Brasil na Cúpula do Clima, que ocorreu nesta quinta-feira, 22, e terá continuidade amanhã.

“Agora, pode ser que seja necessária a minha participação para concorrer ao Senado. Isso ainda está em estudo”, declarou. Essa não é a primeira vez que Mourão cogita competir por um posto no Senado. Em entrevista à Veja, no dia 30 de outubro, Mourão havia sinalizado que talvez pudesse concorrer para senador no futuro. Desde então, o vice vinha desconversando quando questionado sobre suas pretensões políticas.

“Na realidade, a linha de ação número um é terminar o mandato e partir daí retornar a minha vida, vamos dizer assim, de aposentado. Eu acho que já tenho uma contribuição aí de 50 anos para o nosso País. Eu acho que mereço um pouco de descanso”, comentou.

Estadão Conteúdo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Ministros do STF batem boca em decisão sobre Moro e sessão acaba aos gritos

Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O clima pesou hoje entre os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) no debate sobre confirmação da incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em lados opostos, Luís Roberto Barroso bateu boca com Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes e a sessão acabou interrompida pelo presidente Luiz Fux em meio a gritos.

Durante julgamento, que já formou maioria para manter a decisão que considerou o ex-juiz federal Sergio Moro parcial ao julgar Lula, Barroso e Lewandowski se desentenderam inicialmente sobre os efeitos da Operação Lava Jato para o Brasil. Ao final, o ministro discutiu ainda com Mendes sobre questões processuais.

“Vossa excelência acha que o problema, então, foi o enfrentamento da corrupção e não a corrupção?”, interrompeu Barroso enquanto Lewandowski adiantava seu voto e falava dos prejuízos causados ao Brasil em consequência da Lava Jato.

Em resposta a Barroso, Lewandowski disse: “Vossa excelência sempre quer trazer à baila aqui a questão da corrupção. Como se aqueles que estivessem aqui contra o modus operandi da Lava Jato fossem favoráveis à corrupção, mas o modus operandi da Lava Jato levou, por exemplo, a conduções coercitivas, prisões coercitivas alongadas, ameaças a familiares, prisão em segunda instância e uma série de outras atitudes absolutamente, ao meu ver, incompatíveis com o Estado Democrático de Direito.

Lewandowski afirmou ainda que as mensagens conseguidas por meio de hackers e divulgadas na imprensa devem ser consideradas.

“Mas [o uso das mensagens hackeadas] é produto de crime, ministro. Então, o crime compensa para vossa excelência?”, disse Luís Roberto Barroso, em resposta a Lewandowski.

O que estava em análise não era a parcialidade do ex-juiz, mas o recurso sobre a parcialidade. Os 11 ministros da Corte decidiam se, em razão da decisão sobre a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba, outros recursos de Lula perdem o objeto. Entre eles, está o sobre a suspeição de Moro no processo do tríplex.

Barroso fez duras críticas ao que chamou de tentativa de vingança por parte de políticos julgados na Lava Jato e comparou a operação à Mãos Limpas, na Itália, que também investigou casos de corrupção entre os governantes e grandes empresas. 

“Na Itália, a corrupção venceu e conquistou a impunidade. Aqui, entre nós, ela quer mais, ela quer vingança, quer ir atrás dos procuradores e juízes que ousaram enfrentá-la para que ninguém nunca mais tenha coragem de fazê-lo”, disse Barroso.

Moralismo x Grosseria

O clima pesou ainda mais quando, ao final da sessão, Gilmar Mendes, que já havia votado, pediu a palavra e, em uma indireta a Barroso, afirmou que, quando foi vencido em um voto sobre o encaminhamento da suspeição do Moro, se “submeteu a isso”.

Para ele, a decisão dada previamente na Segunda Turma prevalecia e não deveria ter sido levada ao plenário. “Se os dois órgãos têm o mesmo nível hierárquico, um não pode atropelar o outro. Quem tem que decidir tem que ser um terceiro imparcial”, argumentou Barroso. “Talvez isso exista no código do russo. Aqui, não”, rebateu Mendes.

“Eu estou argumentando juridicamente, não precisa vir com grosserias. Existe no código do bom senso e no respeito aos outros. Se um colega acha uma coisa e outro acha outra, é um terceiro que tem de decidir”, falou Barroso.

“Se o relator afetou [o processo] ao pleno, é para o pleno. Vossa excelência sentou em cima da vista dois anos e se acha no direito de, depois, ditar regra para os outros, concluiu Barroso.

“O moralismo é a pátria da imoralidade”, disse Gilmar Mendes.

A sessão foi encerrada pouco depois das 19h sob gritos de Barroso, revoltado com o uso do termo “moralismo”, dizendo que Mendes “manipulou a jurisdição”.

Com o adianto dos votos de Lewandowski e Dias Toffoli, o STF conseguiu maioria para manter a decisão que considerou o ex-juiz federal Sergio Moro parcial ao julgar Lula da SilvaVara. Até o momento, foram contrários à confirmação da incompetência da 13ª Vara os ministros Edson Fachin, relator da ação, e Luís Roberto Barroso, e, além dos dois, foram a favor do recurso da defesa de Lula os ministros Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes e Kassio Nunes Marques.

Mais cedo, os ministros decidiram sobre outra questão que havia ficado pendente: o destino dos processos de Lula. Por maioria, as ações da Lava Jato contra o ex-presidente ficarão com a Justiça Federal do Distrito Federal.

UOL

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Aneel aprova reajuste médio de 8,96% nas contas de luz no RN

Foto: Getty Images

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta quinta-feira, 22, reajuste médio de 8,96% na conta de luz dos consumidores atendidos pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern).

Para os consumidores de alta tensão, como os industriais, o reajuste médio será de 11,18%. Já para os comerciais e residenciais, atendidos em baixa tensão, o aumento médio será de 8,27%.

Os novos valores devem entrar em vigor a partir deste dia 22 e, por isso, devem ser confirmados no Diário Oficial ainda nesta quinta-feira.

Para atenuar o reajuste a ser aplicado nas contas de luz, a Aneel considerou a reversão dos recursos da conta covid, que totalizou um impacto total estimado de -4,31%.

Também contribuíram para amenizar o reajuste a alteração no cronograma de pagamento de indenizações às transmissoras e o abatimento de créditos tributários devido ao pagamento indevido de PIS e Cofins pelos consumidores no passado. A distribuidora atende cerca de 1,5 milhão de unidades consumidoras.

Terra

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Bolsonaro confirma visita às obras da Barragem de Oiticica “brevemente”

 

O presidente Jair Bolsonaro confirmou em live realizada nesta quinta-feira (22) que “brevemente” estará no Rio Grande do Norte, visitando as obras da Barragem de Oiticica, em Jucurutu. “Vamos lá concluir obras da transposição do Rio São Francisco”, comentou o presidente que não confirmou a data da vinda ao RN.

Opinião dos leitores

  1. Direta “honesta” e 1/2 dúzia do rebanho imundo, vão estar lá, certeza.
    Vou enviar uma F4000 carregada de feno, alguém tem que auxiliar na alimentação desse povo.

  2. Venha não homi…é até um favor….mais futuro ir a um hospital visitar os doentes e profissionais de saúde que estão arriscando a vida todos os dias…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Nova remessa de insumos garante produção e entrega de vacinas até junho, diz Fiocruz

Foto: Bio-Manguinhos/Fiocruz

Um novo carregamento de IFA (ingrediente farmacêutico ativo) para a produção de vacinas contra covid-19 no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos deve chegar da China no próximo sábado (24), com quantidade suficiente para garantir a entrega de imunizantes até 2 de junho, segundo projeção da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

A remessa do insumo será a sétima das 14 previstas e terá o suficiente para produzir 9 milhões de doses. Esse volume se somará ao estoque de IFA para 7 milhões de doses que ainda restarão ao fim de abril, permitindo a produção de 16 milhões de doses até 12 de maio.

A Fiocruz também divulgou as datas previstas para o embarque das próximas seis remessas de IFA: 29 de abril; 12  18, 19 e 26 de maio e 2 de junho. O cronograma ainda pode, entretanto, sofrer revisões.

Até o momento, a Fiocruz recebeu IFA suficiente para produzir 39 milhões de doses. Dessas, 31 milhões já foram efetivamente produzidas e 10,8 milhões foram entregues ao PNI (Programa Nacional de Imunizações). Está prevista para amanhã (23) a liberação de mais 5 milhões de doses para distribuição aos estados e municípios e, para semana que vem, mais 6,7 milhões de doses.

O processo de liberação das doses para o PNI leva quatro semanas. Na primeira, a dose é formulada a partir do IFA, envasada nos frascos e inspecionada. Na segunda e na terceira semanas, ocorrem rigorosos processos de controle de qualidade, além da rotulagem e embalagem. O controle de qualidade é finalizado na quarta semana, quando é fechada a documentação, a liberação e a expedição dos lotes.

O diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma, explicou que os métodos de controle de qualidade são estabelecidos cientificamente e seguidos em todo o mundo, de modo que não podem ser abreviados. “Não tem como acelerar esse processo”, disse Zuma, que explicou que uma documentação volumosa é produzida e analisada para cada liberação. “Cada lote gera um dossiê de um livro com centenas de páginas.”

Ele estima que, já na semana que vem, a capacidade de produção de Bio-Manguinhos possa subir das atuais 900 mil doses diárias para 1 milhão de doses por dia, o que ajudará a Fiocruz a aumentar o volume das entregas nos próximos meses. Em abril devem ser liberadas 19,8 milhões de doses, número que deve aumentar para 21,5 milhões em maio, 34,2 milhões em junho e 22,1 milhões em julho.

Bio-Manguinhos também vai trabalhar até o fim de semana na preparação da estrutura que vai produzir o ingrediente farmacêutico ativo no Brasil. É que já está prevista para segunda-feira (26) a inspeção de técnicos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para a certificação das condições técnicas operacionais para a produção do IFA.

A partir daí, serão produzidos os lotes de pré-validação e validação do IFA, entre maio e julho. Todo o controle de qualidade do IFA requer um período de 45 dias, para que só então o insumo seja usado no processo de fabricação da vacina, que demora mais quatro semanas entre a formulação e a liberação. Zuma explicou que medidas como o adiantamento da produção serão tomadas para garantir a disponibilidade mais rápida das vacinas:

“Logo após o lote de validação, vamos começar o lote comercial. Normalmente, espera-se para, só após a aprovação da Anvisa, [produzir] os lotes comerciais, porque, se a agência não aprovar, tem-se que jogar fora. Mas nós não vamos esperar. Vamos começar a produzir e estocar, por causa desse momento de urgência.”

IFA adicional

A Fiocruz também está em negociação com a AstraZeneca para o recebimento de quantidades adicionais do ingrediente farmacêutico ativo necessário para a produção da vacina contra covid-19. Já está contratada a importação dos insumos necessários para produzir 100,4 milhões de doses até julho, e a Fiocruz prevê fabricar, com IFA nacional, mais 110 milhões de doses no segundo semestre.

Como os processos necessários para entrega das doses totalmente produzidas no Brasil pode se estender até outubro, as remessas adicionais de IFA poderiam reforçar a produção e as entregas até lá.

Zuma informou que o recebimento de mais carregamentos de IFA já está acertado com a AstraZeneca, mas disse que ainda é preciso definir quando os insumos poderão chegar, devido à alta demanda internacional e aos compromissos da AstraZeneca com órgãos internacionais, como o consórcio Covax.

“Já temos um acordo com a AstraZeneca para conseguir mais IFA, mas, neste momento, eles não conseguem confirmar para nós que esse IFA vai chegar antes de agosto ou setembro. Vamos receber IFA, sim, mas não sabemos em que mês exatamente será”, afirmou Zuma.

O diretor de Bio-Manguinhos apontou mais alternativas para garantir entregas nos meses de agosto e setembro, como as doses prontas da Índia. O acordo com o Instituto Serum prevê mais 8 milhões de doses para o Brasil, mas o agravamento da pandemia no país asiático tem dificultado a definição de um cronograma para a exportação. “Esse cronograma não chegou ainda, mas a gente continua discutindo com eles”, disse Zuma.

Há também cerca de 40 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca que estão contratadas para chegar ao Brasil pelo consórcio Covax. Zuma lembrou que há outras vacinas em negociação e que a vacina produzida pela Fiocruz, em casos de extrema necessidade, pode ser administrada com apenas uma dose.

A vacina Oxford/AstraZeneca tem eficácia de 76% 20 dias após a primeira dose. Com a segunda aplicação, o percentual sobe para 82%.

R7

Opinião dos leitores

  1. A CPI está resolvendo os problemas da pandemia. O governo federal arranjou vacina de repente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Prefeito de Natal anuncia flexibilização, autoriza venda de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes, além de criação de protocolo para volta às aulas

Foto: Samuel Florêncio/Inter TV Cabugi

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, anunciou nesta quinta-feira (22) que não vai seguir na íntegra o novo decreto de flexibilização anunciado mais cedo pela governadora Fátima Bezerra.

As principais discordâncias são referentes à venda de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes e ao toque de recolher integral aos domingos e feriados.

Em reunião na sede da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn) com representantes da Abrasel, ABIH, CDL, Fecomércio e Natal Convention Bureau, o prefeito de Natal, Álvaro Dias, confirmou que há “algumas divergências com o governo do estado com relação ao decreto”.

O prefeito assegurou a liberação de venda e consumo de bebida alcoólica nos bares e restaurantes “desde que dentro do horário de funcionamento, até as 22h”.

“O grande motor da geração de emprego e renda em Natal é o turismo. São os restaurantes, as pousadas, os hotéis, os bares, que precisam funcionar para manter os empregos dos garçons, dos cozinheiros e precisam também se manter e sobreviver”, disse Álvaro.

Estes estabelecimentos também poderão funcionar aos domingos e feriados até 22h, diferentemente do apontado pelo governo. A música ao vivo continua vetada. Álvaro garantiu também que a fiscalização para o cumprimento das normas será mantida pela Guarda Municipal, STTU e Semurb.

Volta às aulas

O prefeito de Natal revelou a formalização de um convênio com o Sebrae “para instalar um protocolo rígido para proteger as crianças” com o intuito de “liberar o retorno das aulas gradativamente”.

VEJA MAIS: Prefeitura firma parceria para implantação de protocolo de segurança nas escolas de Natal mirando retorno de atividades

“É outro ponto que pode aí estar divergindo com o governo do estado, mas nós vamos permitir o retorno às aulas de acordo com o estabelecimento desse protocolo que está sendo discutido e elaborado entre a equipe técnica da Secretaria Municipal de Educação e o Sebrae”, disse.

Com informações de G1-RN

Opinião dos leitores

  1. A pandemia é uma guerra e a Prefeitura de Natal cometeu um crime de guerra quando não deixou a 2 dose da vicina para os idosos

  2. Tira a polícia da Rua Governadora, deixa a responsabilidade para o Prefeito em meio tempo Ele volta atrás, joga para a plateia e faz política rasteira como é seu costume.

  3. E as praias serão abertas nos domingos e feriados e funcionamento do quiosque na orla marítima de Natal será liberado com alguma restrição ?

  4. Claro. Libere tudo, prefeito! A pandemia perdeu força! Caíram 87% as mortes. Já podemos voltar aos bares e restaurantes.

    1. A pandemia é uma guerra e a Prefeitura de Natal cometeu um crime de guerra quando não deixou a 2 dose da vicina para os idosos

    2. Pense numa tragédia! O prefeito liberando geral com frota de ônibus reduzida pela metade.Realmente é muito comprometido com a saúde dos seus munícipes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *