Setores Imobiliário e de Turismo puxam para baixo índice de empregos no comércio e serviços em janeiro

O ano de 2013 começou com retração no emprego formal do Rio Grande do Norte e também do segmento de Comércio e Serviços, líder absoluto na geração de novas vagas no ano passado. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego (Caged), em janeiro, o setor de Comércio fechou 362 postos e o de Serviços outros 345, contabilizando 707 vagas a menos no segmento como um todo. No estado, o ano começou com 3.265 empregos com carteira assinada a menos.

“O número de janeiro foi provocado sobretudo pela baixa atividade nos setores turístico e de imóveis, dois dos principais motores do segmento de Serviços. No caso do Turismo, nós passamos o ano de 2012 inteiro alertando que a falta de investimentos públicos no setor estava retraindo a atividade, com reflexos diretos no comércio e na economia como um todo” afirma o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Fernandes de Queiroz.

Sobre o número do Comércio em janeiro, ele afirma que se trata de uma acomodação natural. “Entre os meses de outubro e dezembro há um volume de contratações temporárias. Uma parte destes contratados é naturalmente dispensada, gerando este corte de vagas no mês’, pontua Queiroz, que ressalta ainda que o número total de vagas fechadas em janeiro é pequeno no contexto dos empregos gerados pelo setor de Comércio e Serviços no estado. “Hoje, o nosso segmento responde por cerca de 244 mil empregos formais. Os 707 postos fechados em janeiro representam 0,28% do total de vagas que temos abertas”, diz ele.