Bolsonaro entrega ao Congresso MP para privatizar Eletrobras; governo prevê arrecadar R$ 25 bilhões


Foto: reprodução

O presidente Jair Bolsonaro entregou ao Congresso Nacional, na noite desta terça-feira, uma medida provisória (MP) para acelerar a privatização da Eletrobras. O governo prevê arrecadar R$ 25 bilhões com a operação.

— A Câmara e o Senado vão dar a devida urgência à matéria. A nossa agenda de privatização continua a todo o vapor. Nós queremos sim enxugar o Estado, para que a nossa economia possa dar a resposta que a sociedade precisa — disse Bolsonaro.

A medida foi entregue aos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Bolsonaro saiu caminhando do Palácio do Planalto em direção ao Congresso para entregar a medida.

Lira afirmou que a medida pode ser votada já na semana que vem.

— É o primeiro passo do que a gente pode chamar de Agenda Brasil. Privatizações, capitalização, investimentos. Uma pauta que andara no Congresso, junto com as reformas — afirmou.

O presidente do Senado também elogiu o “gesto” do governo.

— Como todas as medidas provisórias, será dada pelo Congresso Nacional a devida atenção e o acompanhamento. É uma demonstração, um gesto, de respeito ao Congresso Nacional — disse Pacheco.

Os ministros da Economia, Paulo Guedes; de Minas e Energia, Bento Albuquerque; e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, acompanharam Bolsonaro.

Capitalização bilionária

Ao se dirigir ao Congresso, Bolsonaro negou interferência na Petrobras, quando questionado se comemorou o desempenho da estatal na Bolsa hoje:

— Vocês (imprensa) desceram a lenha ontem, pô. Qual a intervenção que eu fiz que vocês desceram a lenha? Agora vem perguntar se eu comemorei?

O governo também aumentou a previsão de arrecadação com a medida. A expectativa é arrecadar R$ 25,5 bilhões para o Tesouro Nacional. Antes, a previsão era de R$ 16 bilhões.

Outros R$ 25 bilhões serão destinados para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Além disso, haverá destinação de recursos para a revitalização de bacias hidrográfricas.

Com isso, a previsão é que a capitalização da empresa levante R$ 61 bilhões.

Estratégia

A proposta foi editada como forma de sinalizar compromisso com a agenda de privatizações defendida pelo ministro Paulo Guedes no momento em que a pauta liberal é questionada por causa da intervenção do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras — que determinou a troca de comando na estatal na semana passada.

Também como sinalização de avanço na agenda de desestatizações, o projeto para privatizar os Correios deve ser encaminhado ao Congresso nesta semana.

O texto da Eletrobras é semelhante ao projeto de lei que tramita no Congresso desde 2019, mas que não avançou — esse já era parecido com outra proposta, que estava na Câmara desde 2018. Uma MP tem viabilidade imediata e prazo máximo de 120 dias para ser votada por deputados e senadores — depois desse período, a proposta perde a validade.

Apesar da pretensão de propor a privatização por MP, o texto estabelece que a venda da companhia só ocorrerá após a aprovação do Congresso Nacional. A MP também já permite ao BNDES iniciar os estudos para a privatização, o que deve durar nove meses. Há uma avaliação de que esperar a aprovação de um projeto de lei poderia atrasar ainda mais o processo.

Como uma MP tem prazo para ser votada, a edição do texto também pressiona Câmara e Senado a discutir a privatização.

A minuta da MP traz poucas alterações na proposta de privatização que vinha sendo negociada com parlamentares, numa tentativa de reduzir as resistências.

Uma delas é destinar R$ 230 milhões anualmente, por dez anos, para a revitalização das bacias hidrográficas na área de influência dos reservatórios das hidrelétricas de Furnas, subsidiária da Eletrobras com forte atuação em Minas Gerais.

Também prevê o pagamento de R$ 295 milhões por dez anos para a “redução estrutural de custos de geração de energia na Amazônia Legal”. E confirma um pagamento de R$ 350 milhões anuais por uma década para a revitalização dos recursos hídricos da bacia do Rio São Francisco.

Os principais focos de resistência à privatização da Eletrobras estão em políticos das regiões contempladas com esses valores.

O modelo de privatização prevê a emissão de novas ações a serem vendidas no mercado, resultando na redução da fatia da União, de cerca de 60%, para menos de 50%. O governo manterá, segundo o texto, a chamada golden share, ação especial que dará poder de veto à União em decisões estratégicas da companhia.

O dinheiro arrecadado com a capitalização em bolsas de Valores no Brasil e no exterior será dividido. Metade será usada para pagar à União por novos contratos de concessões para usinas hidrelétricas que hoje operam a preços fixos, além das usinas de Tucuruí (PA), Sobradinho (BA) e Itumbiara (GO/MG).

Essas usinas passarão a ser remuneradas pela energia gerada a preços de mercado, mais altos que os atuais. Mas também assumirão riscos que hoje estão com os consumidores, como os custos extras associados à falta de chuvas.

A outra metade arrecadada será destinada a um fundo do setor elétrico, com o objetivo de amortecer altas nas contas de luz.

Nova estatal

A MP também permite a criação de uma nova estatal, que será responsável por administrar a hidrlétrica de Itaipu e as usinas nuclares de Angra.

A privatização de Itaipu não é possível porque se trata de uma empresa binacional, adminstrada junto com o Paraguai. No caso das usinas de Angra, a Constituição determina que a exploração da energia nuclear é monopólio da União.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nono Correia disse:

    Já temos uma das tarifas mais caras do mundo. Imagina quando entregar nas mãos da iniciativa privada.

    Povo ignorante tem mesmo é que se lascar. Preparem-se para voltarmos à luz de velas

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    "A expectativa é arrecadar R$ 25,5 bilhões para o Tesouro Nacional". Beleza, agora é torcer que todo esse dinheiro, ou pelo menos boa parte dele, seja revertido em prol do povo brasileiro e não só dos investidores e especuladores.

  3. Natalense disse:

    Parabéns aos familiares e profissionais funcionários públicos que votaram em Bolsonaro.

    • Lopim disse:

      Cadê nhonho Botafogo heim??
      Kkkkkkkkk
      Chola não bb.
      O seu PT ladrão nunca mais viu??

  4. Arthur disse:

    "A questão de energia elétrica no Brasil: isso simplesmente é estratégico, é vital. País sério nenhum no mundo faz isso, entregar isso para outros países. E você estar tirando de uma estatal brasileira para botar nas mãos de uma estatal chinesa?! Ou seja, eles vão decidir o preço da nossa energia e onde, com toda certeza, no futuro, estará chegando essa energia."
    Jair, 04 de setembro de 2019.

  5. Japiense disse:

    Já dizia Raul Seixas:
    A solução pro nosso povo eu vou dá
    Negócio bom assim ninguém nunca viu
    'Tá tudo pronto aqui é só vim pegar
    A solução é alugar o Brasil!

  6. Calígula disse:

    Tem que privatizar.

COMENTE AQUI