Butantan admite preocupação com insumos da CoronaVac parados na China


Foto: reprodução

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, disse nesta segunda-feira (18) que o atraso na entrega de mais insumos para a produção da CoronaVac é motivo de preocupação. A matéria-prima para mais doses do imunizante contra o coronavírus está parada na China.

Contando apenas com o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), ou seja, o material necessário para preparar a vacina, que já está no país, a produção do Butantan se esgotará ainda nesta semana.

— A capacidade de produção do Butantan é de 1 milhão de doses por dia, a depender chegada da matéria-prima. [A capacidade] foi atingida neste momento com a matéria-prima disponivel. Precisamos do adicional: 46 milhões de doses é o contrato adicional. As dificuldades, do ponto de vista de autorização, são do governo chinês, que precisa autorizar o envio da matéria-prima. [O insumo] Já está disponivel desde meados desse mês, e aguardamos essa autorização — afirmou o diretor em entrevista coletiva na tarde desta segunda.

Até o final de 2020, o Butantan recebeu 6 milhões de doses prontas vindas da China, para as quais o uso emergencial foi aprovado neste domingo pela Anvisa, além de litros de insumos a serem envasados em São Paulo para a fabricação de outros 4,8 milhões de doses. Esse total, de quase 11 milhões, portanto, é tudo que o instituto tem até o momento, embora o acordo com a biofarmacêutica Sinovac preveja a entrega de mais matéria-prima nas próximas semanas.

— Os 4 milhões já estão prontos, mas tem em andamento mais um lote, que pode ser terminado na quarta-feira [dia 20 de janeiro], totalizando os 4,8 milhões. Preocupa, sim, a chegada da matéria-prima, para não parar o processo de produção. Se chegar antes do fim do mês, manteremos o cronograma de entrega de vacinas — acrescentou ele.

Dimas Covas não detalhou as questões que têm impedido a decolagem de aviões com a matéria-prima de Pequim, mas disse acreditar a autorização para uso desses 4,8 milhões de doses produzidos em solo brasileiro pode destravar o processo. O pedido para a liberação desse lote foi feito junto à Anvisa nesta segunda. Por serem de produções diferentes, uma na China e outra no Brasil, as vacinas necessitam de avais separados da agência.

— Acredito que a autorização da Anvisa facilitará a autorização na China — comentou.

Além da entrega de doses prontas e de insumo a ser envasado em São Paulo, o contrato entre Butantan e Sinovac prevê também a transferência de tecnologia para que a vacina possa ser feita na fábrica brasileira, sem a necessidade de importação. Essa fase, porém, ainda não chegou. Para os primeiros meses de 2021, o plano é contar com o desembarque da matéria-prima no aeroporto de Guarulhos. Segundo Covas, mil litros que cheguem ao Butantan podem dar origem a aproximadamente 1 milhão de doses.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gado disse:

    E agora? Como é que eu vou tomar a vacina sem ninguém vê?

  2. GADO BOLSOMINION (PO) disse:

    Chama na bunda da petezada e na bunda do calça colada com força, sem dó que é pra eles fazerem o teste.
    Aí se prestar e que vacina o gado do bolsonaro.
    No braço!
    Primeiro as cobaias.
    Depois o gado.
    Tenho dito.

  3. Pixuleco disse:

    A China 🇨🇳 tem muitos motivos para não se esforçar em mandar logo esses insumos . TONHO DA LUA e seus bananinhas amestrados , várias vezes agrediram a CHINA com bravatas e calúnias . Se TINHO pedisse desculpas e impedida aos abilolados bananinhas de falar besteira , já ajudaria muito .

COMENTE AQUI