Carrefour doará vendas do dia 20 a entidades ligadas à consciência negra


Unidade do Carrefour na Pamplona: rede foi alvo de protestos na sexta-feira, após assassinato de João Alberto Silveira Freitas | Foto: Leo Orestes/Reprodução

O Carrefour Brasil informou neste sábado que as vendas do dia 20 de novembro das lojas Carrefour Hipermercados serão doadas para entidades ligadas à luta pela consciência negra, posicionamento adotado após o assassinato por espancamento de um homem negro em uma das lojas da rede, em Porto Alegre.

Em nota à imprensa, a varejista afirmou que o Dia da Consciência Negra, celebrado na véspera em várias cidades do Brasil, deveria ser marcado pela conscientização da inclusão de negros e negras na sociedade, mas “foi o mais triste da história do Carrefour”.

Na quinta-feira, João Alberto Silveira Freitas foi espancado até a morte na unidade do Carrefour de Passo D’Areia, na capital gaúcha, o que teria ocorrido após ele discutir com uma caixa do supermercado que então chamou o segurança da loja.

Um vídeo do violento episódio foi amplamente compartilhado nas redes sociais na sexta, provocando protestos e ataques a lojas do Carrefour em vários locais do país, gerando pedidos de boicote contra a rede varejista, além de manifestações contra o racismo.

“Palavras não expressarão nossa angústia com a brutalidade. Daremos todo o apoio à família de João Alberto Silveira Freitas e, em respeito a ele, nossa loja de Passo D’Areia fechou ontem e permanecerá fechada hoje”, afirmou o Carrefour.

“Além disso, todo o resultado das vendas do dia 20 de novembro das lojas Carrefour Hipermercados será doado para entidades ligadas à luta pela consciência negra”, acrescentou.

O Carrefour disse ainda que as lojas serão abertas mais tarde neste sábado para reforço de “treinamento antirracista com todos os nossos funcionários e terceiros”.

A divulgação das ações vem após o presidente do Carrefour, Alexandre Bompard, se manifestar na tarde da véspera em sua conta no Twitter. “Medidas internas foram imediatamente tomadas pelo Grupo Carrefour Brasil, principalmente em relação à empresa de segurança contratada. Essas medidas são insuficientes. Meus valores e os valores do Carrefour não compactuam com racismo e violência.”

Ele pediu também que a filial brasileira realizasse “uma revisão completa das ações de treinamento dos colaboradores e de terceiros, no que diz respeito à segurança, respeito à diversidade e dos valores de respeito e repúdio à intolerância”.

O empresário Abilio Diniz, que integra o Conselho de Administração do Carrefour Brasil e é um dos acionistas da companhia, também se manifestou no Twitter, classificando a morte de Freitas como “tragédia e uma enorme brutalidade”. “Pedi à empresa que não meça esforços e trabalhe incansavelmente para que fatos trágicos como este jamais se repitam no Brasil”, escreveu.

O vídeo do espancamento mostra Freitas sendo agredido por dois homens, identificados como Magno Braz Borges, segurança do Carrefour Passo D’Areia, e Giovani Gaspar da Silva, policial militar temporário. De acordo com testemunhas, Silva estaria fazendo compras quando participou do espancamento.

Freitas aparece sendo agarrado por um dos homens enquanto o outro dá socos em sua cabeça. Depois, um dos homens coloca o joelho nas costas da vítima enquanto o outro continua batendo. A polícia foi chamada depois que Freitas já estava imóvel. Uma ambulância também foi chamada, mas Freitas já estava morto. Os dois agressores foram presos em flagrante e autuados por homicídio triplamente qualificado.

O Carrefour também foi pressionado pela Ambev. Em uma publicação nas suas redes sociais, a fabricante de bebidas afirma estar em luto pelo assassinato brutal de João Alberto Silveira Freitas.  “Para todos nós, nossos funcionários e a comunidade negra, a tristeza, frustração e medo gerados por atos recorrentes de violência como este são profundos e pessoais. Estamos comprometidos a ajudar a criar mudanças positivas e um mundo onde a diversidade e o respeito sejam a norma”, escreveu a empresa.

A fabricante ainda convocou o Carrefour a prestar esclarecimentos e a criar medidas imediatas e efetivas. “Temos o compromisso inegociável de promover a equidade racial em todo o nosso ecossistema, o que inclui os nossos parceiros, clientes e fornecedores”, escreveu a Ambev.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dr. Nelore disse:

    O que aconteceu com esse cidadão na loja do Carrefour no RS e com o Sr advogado Frederick Wassef na pizzaria em Brasília, foi bem parecido, mas o desfecho, foi EXTREMAMENTE diferente.
    Os defensores da moral, família e bons costumes, sabem responder porque?

  2. Rogério disse:

    Nesse caso temos que lamentar qualquer tipo de violência, agora querer dizer que foi racismo isso não foi.

  3. Richard disse:

    A esquerda sempre tentando tirar proveito da morte de negros. Quantos brancos são assassinados por dia no Brasil, muitos deles vítimas da violência?

    • João disse:

      Falou pouco, mas falou bosta…
      👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏
      💩💩💩💩💩💩💩💩💩💩
      🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴💩

  4. Calígula disse:

    O Carrefour tem é que cobrar na justiça o que os vândalos quebraram da loja.

  5. Luciana Morais Gama disse:

    A gente tem que respeitar pra ser respeitado. A vítima não respeitou, os seguranças exageraram. Sou afro descendente e a descriminação tá na nossa cabeça. Quantos funcionários afro descendentes tem o Carrefour?? Pelo que sei bastante.

  6. Cabo Silva disse:

    Respeito NAO SE COMPRA

    • Delano disse:

      Idiota, o que dinheiro e pêia não fizer, é porquê foi pouca. Você vendeu a alma pra defender um corrupto condenado por uma bolsa família, tem jumentos que são vulneráveis a lavagem cerebral igualzinho a você. Rsrsrs

    • João Maria disse:

      CABUETA SILVA, SÓ PELO SEU COMENTÁRIO DÁ PRA PERCEBER QUE VC É MAIS UM QUE NÃO TEM NOÇÃO DE QUE ESSE PAÍS CHAMADO BRASIL SEMPRE TEVE E VAI CONTINUAR TENDO ESSES TIPOS DE ABSURDO, AGORA VC VIM DIZER QUE RESPEITO NÃO SE COMPARA SOA COMO VC SÓ DESCOBRIU ISSO AGORA.

    • Bergamin disse:

      Deixe de ser bôbo.
      Passa pela cabeça de ninguém que a diretoria do Carrefour mandou asfixiar pessoas negras??
      Tenha dó.
      Vc pelo visto, é um esquerdopata da gema, dos pensamentos desvirtuados.
      A loja é vítima, de tercerizados mal preparado.
      O que aconteceu, só tem que lamentar, e muito.

    • Marilene Abdias disse:

      Verdade. Não tem para que doar! Melhor mandar prender estes vândalos e deixar a justiça investigar o fato.

    • ELEITOR disse:

      Não acredito que seja política da empresa esse ato brutal que assistimos , sua segurança é terceirizada , abominamos qualquer tipo de violência ,pra nós vidas humanas importam !

COMENTE AQUI