Comissão de Ética da Presidência proíbe Moro de advogar por seis meses


Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Comissão de Ética da Presidência da República decidiu, nesta terça-feira (2), proibir que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, advogue por um período de seis meses.

Ele foi autorizado a dar aulas e escrever artigos para a imprensa. No período em que durar a proibição, Moro seguirá recebendo o salário de R$ 31 mil, pago aos integrantes do primeiro escalão.

O impedimento de exercer atividades profissionais imposto aos ex-ministros tem como justificativa o fato de eles terem tido informações privilegiadas no governo.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ari disse:

    Este sim, é que é um auxílio desemprego, não do povão que é apenas um simplório salário mínimo.

  2. Verde e amarelo 💚💛 disse:

    O texto, propositalmente, não menciona, mas essa proibição está prevista na Lei 12.813/2013.

  3. Icaro Cesar disse:

    Eu também queria não advogar pelo tempo que fosse e ainda receber 31 mil reais sem fazer nada, pense num País bom!

  4. MORO É O CARA disse:

    Já estão com medo do presidente MORO 2022.

COMENTE AQUI