Diversos

Como funciona uma das ‘fábricas de fake news’ no Brasil

Marcela Ross é apresentada como uma “jornalista de personalidade” que escreve para o Lava Jato News desde fevereiro de 2018. Ela também já publicou textos no Notícias Brasil Online e no Painel Econômico. Mora em São Paulo e se formou pela Unip em 2007. No Facebook, costuma divulgar links de posts publicados nos sites em que trabalha. Só há um problema nisso tudo: Marcela Ross não existe.

Assim como não existe nenhuma pesquisa oficial que indique que 94% da população apoia a intervenção militar e o fechamento do Congresso ou uma confirmação do governo de que ele já admite declarar o estado de sítio no Brasil – o que não impediu que essas notícias se espalhassem na web.

No Brasil, os sócios Rafael Brunetti e Hugo Dantas estão por trás da falsa Marcela Ross e de parte das fake news que tem circulado na internet – entre elas, as duas acima citadas. A dupla já se conhecia antes de criar os sites Notícias Brasil Online, Lava Jato News, Painel Econômico e Escapoliu. Os dois são parceiros numa empresa de revenda de produtos para carro.

O Notícias Brasil Online, principal negócio da dupla, ficou recentemente em 3º lugar em um ranking feito pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital, publicado pelo professor Pablo Ortellado, da USP, entre as páginas com o melhor desempenho após uma mudança no algoritmo do Facebook – superando vários sites oficiais da imprensa tradicional. Para fazer o ranking, foi levado em conta o número de vezes em que algum link do site tenha sido compartilhado na rede social. Ele só perdeu para o G1 e para a Veja.

Rafael tem 38 anos e mora com a mulher em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Conta que se formou em administração em meados de 2006 e que, por isso, se sente preparado para administrar os sites. Aos 24 anos, Hugo estuda marketing e publicidade. É o sócio de Rafael na empreitada e também mora em Praia Grande.

Pelo menos 20 páginas no Facebook divulgam regularmente os links dos sites da dupla. As publicações nessas páginas tentam atrair cliques para os sites que administram. Entre as páginas, estão “Operação Lava Jato – Apoio o Juiz Sergio Moro” (com 600 mil curtidas) e “Brasil na Lava Jato” (com 391 mil curtidas). Parte das páginas foi retirada do ar depois do contato do G1. Algumas voltaram ao ar na semana seguinte, com menos posts.

“Estamos fazendo uma revisão das páginas, mas nada de demais, não. Logo todas elas estarão ativas de novo. A gente não tem nada para esconder. Não temos nada, não fazemos nada de errado”, diz Rafael Brunetti, em entrevista feita por telefone, antes de dizer que todos os veículos podem cometer erros.

Os nomes da Lava Jato e do juiz Sérgio Moro são usados em grupos do Facebook que concentram, no total, mais de 500 mil usuários da rede social. O mais popular é “Operação Lava Jato Apoio ao juiz Sérgio Moro”, com 305 mil usuários. Os posts que direcionam aos sites de Rafael e Hugo chegam a alcançar milhares de compartilhamentos.

A postagem de links em páginas e grupos foi uma das principais formas que Rafael e Hugo encontraram para fazer com que seus links viralizassem na internet. Esse poderio ajuda a ampliar o alcance não só do Notícias Brasil Online, mas também de Lava Jato News, Escapoliu e Painel Econômico.

Marcela Ross

Mas a colunista Marcela Ross, que aparece no site da dupla, é um exemplo de algo fabricado. A foto, na verdade, é de Georgiana Ciltaru, assistente de gerência de uma empresa de produtos eletrônicos. Georgiana nasceu na Romênia e mora atualmente nos Estados Unidos.

O G1 a encontrou e conversou com ela pelo Facebook. Georgiana conta que as fotos usadas pelo perfil falso foram tiradas em 2010 por um amigo. Ele publicou as fotos da assistente de gerência no site Pixabay e liberou os arquivos para uso livre.

Colunista foi criada, com histórico profissional falso e foto de romena, para assinar posts (Foto: G1)

Questionado sobre isso, Rafael Brunetti diz que apenas seu sócio, Hugo Dantas, pode dar detalhes sobre a participação de Marcela Ross nos negócios da dupla. Mas Hugo não quer falar com o G1. A Unip, por exemplo, nega que alguma Marcela Ross tenha estudado na instituição.

“Não conheço, não sei quem é. Tenho que perguntar para o Hugo. Vou ter que falar para o Hugo tomar cuidado também, porque acredito que ele está também sendo vítima de ‘fake news’. E aí fica difícil, né?”, afirma.

Após o contato do G1, a página da colunista no site Lava Jato News foi tirada do ar. As assinaturas nos posts permanecem.

Negócios em família

Para publicar os links das notícias, Rafael e Hugo usam também os perfis de familiares para não chamar tanta atenção. Um dos perfis é o de Jorge Dantas. O motorista de carro diz que não está envolvido com os sites do irmão Hugo e que empresta o perfil para divulgar links no Facebook. Diz que já tentou investir num site de receitas culinárias, com conteúdos copiados de livros e outros sites, mas não deu certo.

Na rede social, porém, Jorge também aparece como administrador de pelo menos 8 páginas do Facebook. Todas compartilham links de posts publicados nos sites de Hugo e Rafael. Ele afirma que a medida é para evitar o roubo de páginas em caso de uma ação cracker e reforça que não está envolvido nos negócios do irmão caçula.

Em 13 de junho deste ano, Jorge Dantas compartilhou no seu perfil pessoal do Facebook um post da página “Em defesa do Brasil”. O texto diz que a jornalista Míriam Leitão participou do assalto ao Banco Banespa da Rua Iguatemi, em São Paulo, em 6 de outubro de 1968. A foto do post é atribuída ao do dia do julgamento do crime. Segundo o post, a jornalista e “seus comparsas levaram 80 mil cruzeiros, equivalente a R$ 800 mil”.

Irmão de um dos sócios ajuda a compartilhar notícia falsa na internet (Foto: G1)

A foto de Míriam Leitão é, na verdade, do fim de 1972. A imagem foi publicada junto a um depoimento da jornalista ao “Observatório da Imprensa” sobre as torturas sofridas durante a ditadura militar. Em dois meses de prisão, a jornalista chegou a pesar 39 quilos – 11 a menos do que quando chegou. Não há qualquer menção a assalto ou julgamento. Míriam jamais participou de assalto ou pegou em armas contra a ditadura. Sua resistência foi pacífica, como a realização de panfletagens.

O mesmo texto, compartilhado agora com a foto de Míriam Leitão, já tinha viralizado nas redes sociais anteriormente. Só que com a foto da ex-presidente Dilma Rousseff.

O G1 identificou ainda que o perfil da irmã de Jorge e Hugo, Ana Rosa Dantas, também é usado para compartilhar links dos sites ligados a Rafael e Hugo. Ela não quer falar sobre o assunto.

O Facebook não comenta casos específicos, mas diz que as notícias falsas têm sido motivadas por questões econômicas e políticas. Os cliques de internautas se revertem em lucros, diz. Segundo a gerente de produto da empresa, Tessa Lyons, o Facebook tem diminuído o alcance orgânico de “conteúdos de baixa qualidade como caça-cliques”, deletado contas e conteúdos que violem as regras e informado os usuários sobre os conteúdos que elas veem na rede social.

“Nós também agimos contra páginas inteiras e sites que repetidamente compartilham notícias falsas, reduzindo toda a sua distribuição no feed de notícias. E como nós não queremos fazer dinheiro a partir da desinformação ou ajudar aos criadores dessas histórias a ter lucro, essas páginas não podem rodar anúncios na plataforma ou usar nossas ferramentas de monetização como o Instant Articles”, diz trecho do texto.

Modus operandi

Os sites Notícias Brasil Online, Lava Jato News, Escapoliu e Painel Econômico não identificam Rafael e Hugo na seção “Quem somos” ou “Contato”. Essa parte fica em branco. Alguns posts dos sites, porém, são assinados por Hugo Dantas, outros, por Marcela Ross, e os restantes, apenas por “admin” ou “NBO”. Recentemente, Rafael começou a assinar também alguns posts.

Ao G1, Rafael diz que é responsável por muitas das publicações dos sites e que as demais são de Hugo. O domínio do Notícias Brasil Online está registrado no CPF de Hugo. O domínio do site Lava Jato News está no nome de Rafael Brunetti. Já os sites Escapoliu e Painel Econômico foram criados a partir do GoDaddy, empresa americana que tem sites prontos e também registra domínios.

O Registro.br, que autoriza domínio .br (como é no caso do Notícias Brasil Online), afirma que “é responsável apenas pelo registro de nomes de domínios” e que “nunca entra no mérito dos conteúdos lá hospedados”. “Em geral, os [sites] que têm más intenções preferem usar domínios muito menos controlados e seguros do que o .br”, diz a nota.

Os sócios usam uma ferramenta argentina chamada Postcron para agilizar a publicação de links em redes sociais – e, principalmente, no Facebook. Segundo o site, é possível fazer um “agendamento massivo” de mil posts de uma única vez. O Facebook confirma que o uso da ferramenta é autorizado pela rede social.

Rafael diz que recebe dinheiro por anúncios do Google AdSense, “como todo mundo”, mas não fala o valor. Não conta ainda se o site tem outra fonte de dinheiro ou se alguma empresa já comprou publicidade diretamente com as páginas ou o site.

Local registrado como a sede da empresa de notícias de Rafael, numa área residencial de Praia Grande (Foto: G1 Santos)

Uma consulta na Junta Comercial de SP mostra que Rafael Brunetti tem uma empresa em seu nome desde setembro de 2008. Ela foi cadastrada como uma escola de idiomas; em fevereiro deste ano, porém, houve uma alteração na atividade econômica da microempresa para “serviços de agência de notícias, serviços de distribuição de material de imprensa, serviços de distribuição de matéria noticiosa, serviços de divulgação de notícias”. O capital informado da empresa é de R$ 5 mil.

Rafael reforça, porém, que os sites mencionados não são sua principal ocupação e que publica textos apenas quando consegue tempo, normalmente à noite. Ele afirma que seu trabalho principal é com a revenda de produtos automotivos, junto com Hugo. E que não existe nenhuma redação com jornalistas.

O Google não comenta casos específicos, mas afirma que leva o “fenômeno da desinformação muito a sério”. Em nota, a empresa diz que trabalha para manter o “sistema de anúncios livre de conteúdos ruins, especialmente aqueles que buscam enganar as pessoas”. O Google afirma ainda que atualizou as diretrizes para impedir que os sites “exibam anúncios do Google em conteúdos enganosos”. A empresa pode notificar os donos dos sites, que podem entrar para uma lista negra ou podem ser suspensos.

“Descobrimos práticas enganosas observando os padrões de tráfego, o conteúdo em si e a apresentação geral da propriedade web. Também confiamos nos usuários para denunciar sites que eles acreditam estarem violando nossas políticas”, afirma a empresa, sem citar nomes.

O Google diz que, no ano passado, bloqueou mais de 12 mil sites que copiavam e duplicavam conteúdo de outros sites. Outros 650 sites foram banidos do sistema de anúncios e quase 90 mil sites entraram numa lista negra por violarem a polícia de AdSense.

Segundo a estimativa do StatShow, apenas um dos sites de Rafael e Hugo, o Notícias Brasil Online, tem 125 mil visualizações de página por mês – ou 56,7 mil visitantes únicos. Sem considerar outras fontes de dinheiro, o site pode render mensalmente ao menos R$ 1.400 (360 dólares) para os sócios. Esse valor é apenas uma estimativa. A renda dos negócios pode ser maior – principalmente se os sócios fizerem algum contrato com alguma pessoa ou empresa diretamente.

Neste mês, por exemplo, um post de um consultório de psicologia estava fixado no topo da página “Brasil na Lava Jato”, administrada por Hugo e Rafael. O G1 ligou para o celular da psicóloga e psicanalista Patricia Santhos, que aparece nas imagens do post. Ela diz que é uma das proprietárias da página e nega ter feito qualquer pagamento para a dupla.

Motivos e interesses

Questionado sobre a renda dos sites, ele afirma que “não visou nem visa lucro”. “A gente não vive disso. A gente tem empresa. A gente começou por uma coisa de estar na mídia, estar na internet”, diz. Para Rafael, o sucesso em viralizar na internet tem relação com temas populares. Ele menciona temas como corrupção, Sérgio Moro, Lava Jato, Lula e Jair Bolsonaro como nomes com potencial para ganhar força nas redes sociais. Nenhum dos dois sócios é filiado a algum partido político.

Rafael destaca um dos posts mais bem sucedidos do site. Ela aborda os 23 investigados na Lava Jato que podem perder o foro privilegiado caso não consigam se reeleger neste ano. Rafael diz que o link ultrapassou 1 milhão de visualizações de páginas – número bem superior ao informado pelo StatShow. O administrador conta que “pesquisou” e “foi atrás para saber quem eram os investigados”. Diz que fez consultas na internet e que procurou os políticos, embora tenha recebido pouca atenção dos gabinetes.

Uma consulta ao site de Rafael e Hugo é suficiente, porém, para ver que o texto publicado é, na verdade, a íntegra de uma reportagem do G1. O crédito ao portal consta do rodapé da página. Apenas o título foi alterado. Nos sites da dupla é comum a republicação na íntegra de textos que saíram também em veículos menores e na imprensa tradicional.

Normalmente, os sites de notícias falsas não publicam apenas notícias falsas, mas também notícias verdadeiras. O Notícias Brasil Online, por exemplo, costuma fazer cerca de 15 posts diários, em média. A maioria, de fato, não é falsa (apenas republicações de reportagens da imprensa tradicional ou de veículos menores).
O G1, porém, listou a Rafael alguns casos de textos publicados pelos sites Notícias Brasil Online e Lava Jato News que foram considerados falsos. Ele reconhece que errou em algumas notícias, mas diz ter corrigido e publicado retratações em todos os casos. A pesquisa nos sites constata, porém, que vários links continuam no ar. Nenhuma retratação foi encontrada – nenhuma também foi enviada, como prometido por Rafael.

“O Notícias Brasil Online não é ‘fake news’. Às vezes a gente erra num conteúdo, num título. Mas a gente sempre busca novidades, a gente se retrata, a gente fala se precisar. E a gente vai assim. Não é o nosso caso, tem muita gente picareta que ganha muito dinheiro com isso que eu sei. Não vou citar o caso, mas sei de um cara que tira R$ 150 mil por mês.”

Os setes tipos de desinformação classificados pelo First Draft, organização sem fins lucrativos que dissemina boas práticas para elaborar e analisar conteúdo verossímil na internet (Foto: First Draft)

Intervenção militar

Um dos posts polêmicos do Notícias Brasil Online já foi alvo de apurações das agências de checagem. O texto dizia que “94% da população quer intervenção militar e apoia o fechamento do Congresso”. O dado vinha de uma enquete do site em que o internauta era perguntado sobre o assunto. Menos de mil pessoas responderam à pergunta.

Enquete feita com internautas sem qualquer valor estatístico foi compartilhada como ‘pesquisa com a população brasileira’ (Foto: G1)

A mulher de Hugo, Esthela Dantas, publicou o post em um grupo. Ele foi compartilhado por mais de 400 usuários na época, em outubro de 2017. Em agosto daquele ano, o mesmo link já tinha feito sucesso na página “Brasil na Lava Jato”, com pelo menos 300 compartilhamentos. Esthela foi procurada. Ela não quer se manifestar sobre o assunto.

Rafael Brunetti, sócio do Notícias Brasil Online, diz que não conseguiu localizar essa notícia e que não se lembra de o site ter publicado o texto.

Relação entre Senado e Exército

Em 16 de maio deste ano, o Notícias Brasil Online publicou um post no qual afirmava que “Sem qualquer aviso prévio, o Exército começa a fiscalizar os senadores em Brasília”. O texto também saiu no “Lava Jato News”, administrado pela dupla, com a assinatura de Hugo Dantas.

No mesmo dia, o link já tinha viralizado no WhatsApp. Ainda não há uma ferramenta que ajude a rastrear notícias falsas no aplicativo de mensagens. No Facebook, o post foi compartilhado por mais de 10 mil usuários. Na época, a notícia falsa foi checada por jornalistas do Grupo Globo e saiu na seção “É ou não é”, do G1. Depois, o Notícias Brasil Online e o Lava Jato News tiraram o site do ar.

Post falso foi desmentido; não houve fiscalização feita por militares no Senado (Foto: G1)

O texto também foi publicado em outros sites. “Todo Dia Notícias” deu o crédito ao Notícias Brasil Online e publicou o texto. A página “MBCC – Movimento Brasil Contra a Corrupção” e o site Jornal da Cidade Online também publicaram a mensagem, mas com um título diferente. O vídeo publicado na página do MBCC teve mais de 130 mil visualizações no Facebook.

Rafael Brunetti, sócio do Notícias Brasil Online, diz que apenas replicou o conteúdo em seus sites.

A checagem do Grupo Globo mostra que esse caso era uma notícia falsa. Havia uma visita agendada para os estagiários dos cursos de Alto Comando da Escola Superior de Guerra, da Escola de Guerra Naval e da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Não foi uma fiscalização do Exército aos senadores, mas sim uma visita ao Senado e com aviso prévio.

Greve de caminhoneiros

Paulo Cesar Quirino mora em São Joaquim da Barra, no interior de São Paulo, e se identifica no Facebook como “chefe de reportagem” do Notícias Brasil Online. Trabalhou na Marinha de fevereiro de 1981 a janeiro de 1985. Aos 55 anos, está aposentado.

Em 28 de maio deste ano, um vídeo publicado por Quirino no Facebook teve mais de 20 mil compartilhamentos. No post, Quirino identificou o homem como “Emílio”, “o proprietário da maior transportadora do Brasil, a Dalçoquio”. Quirino escreveu que era um desabafo do empresário em meio à greve de caminhoneiros.

Na verdade, o vídeo era de Edemilson Canci, um locutor de Blumenau. O vídeo original, publicado no canal do locutor, teve apenas 2,5 mil visualizações no YouTube. Já o vídeo do locutor, creditado como dono da “maior transportadora”, passou de 150 mil visualizações no Facebook. Rapidamente, o vídeo e a falsa identidade do homem já tinham viralizado no WhatsApp e chegado ao celular da equipe de reportagem.

Vídeo atribuído a ‘dono da maior transportadora do Brasil’ foi compartilhado nas redes (Foto: G1)

O G1 perguntou a Quirino por que motivo ele identificou o homem do vídeo como Emílio Dalçoquio e se houve algum erro na publicação. Quirino apagou o post e disse que tinha recebido o vídeo de uma amiga de Facebook, que não foi localizada pelo G1.

Rafael Brunetti minimiza a função de Quirino nas redes e nos sites do grupo. O sócio do Notícias Brasil Online afirma que Paulo Cesar Quirino é dono de uma página do Facebook e que apenas deu autorização de “editor” para os perfis de Rafael e Hugo. Segundo Brunetti, Quirino não faz parte dos negócios e só pode ser considerado um “voluntário” da equipe do Notícias Brasil Online.

O sócio ainda diz que não há um local em que todos se reúnam para trabalhar e alimentar os sites. Segundo Rafael, eles só conhecem Quirino pela internet. “Não tem redação. Estou em casa, sentado, com o meu notebook. Se você quiser, eu tiro foto do meu labrador e eu aqui. A gente [referindo-se também a Hugo] tem outros planos paralelos.”

Estado de sítio no Brasil

Em um post de abril deste ano, o Notícias Brasil Online afirma que o governo federal já admite a declaração do estado de sítio no país. Uma foto do presidente Michel Temer, junto a integrantes das Forças Armadas, acompanha a notícia. O texto foi publicado, na verdade, pela Folha de S.Paulo na seção “há 50 anos”, que lembra fatos históricos do Brasil.

Ou seja, o texto da Folha de S.Paulo se refere a um fato de 1968, quando o país estava na ditadura militar. O texto do Notícias Brasil Online não faz qualquer menção àquele ano nem ao jornal Folha de S.Paulo. Apenas o leitor que chegar ao segundo parágrafo perceberá que a notícia cita “o presidente Arthur da Costa e Silva”, que comandava o país na época, e não o presidente Michel Temer, como induzem a foto e o título.

O conteúdo também foi alvo de uma checagem de uma agência. Rafael Brunetti, sócio do Notícias Brasil Online, diz que não vê gravidade nesse erro apontado “porque o Rio de Janeiro está numa situação difícil, com as Forças Armadas, os caminhoneiros”. “Existe uma possibilidade, né? Há tantos pedidos de intervenção militar, protestos, manifestações, greve de caminhoneiros… Greve de caminhoneiros quase explode tudo. Se o governo não baixa a bola, o negócio ia pegar fogo no país.”

Carta de mulher brasileira

Outro post de sucesso no site foi o da carta escrita supostamente por uma médica que estava decepcionada com o ex-presidente Lula. O texto voltou a circular em janeiro deste ano, depois que os desembargadores do TRF-4 mantiveram a condenação do ex-presidente e aumentaram a pena para 12 anos e um mês de prisão.

Uma consulta ao número do Conselho Regional de Medicina (CRM) que circula junto com a carta indica, porém, que a inscrição está vinculada a um homem (e não a uma mulher). Há registros de a carta já circular desde 2006 e com outra autoria, segundo o site Boatos.org.

O post publicado na página do Notícias Brasil Online no Facebook teve mais de 400 compartilhamentos. Rafael Brunetti diz que a carta viralizou na internet e que não é de autoria dele. “A gente postou e não consultou o CRM da médica. Não fizemos a busca necessária. Fizemos um erro, com certeza”, afirma.

“Pode postar [a reportagem] tranquila. O que você falar nós vamos responder. E vai ficar tudo normal. As páginas vão ficar no ar. Os sites vão ficar no ar também, entendeu? Vai ficar tudo no ar. A gente vai continuar publicando as matérias do dia, dos grandes jornais, da grande mídia”, afirma Rafael.

G1

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Justiça decide repatriar palestino suspeito de integrar o Hamas retido pela PF em SP

Foto: divulgação/PF

A Justiça Federal decidiu repatriar o palestino Muslim M. A. Abuumar Rajaa, de 37 anos, barrado pela Polícia Federal no aeroporto internacional de Guarulhos (SP) por suspeita de integrar o grupo terrorista Hamas. Ele chegou ao Brasil na sexta-feira, 21, acompanhado da mulher, grávida de 7 meses, além de um filho de 6 anos e a sogra, de 69 anos.

Em sua decisão, a juíza plantonista Milenna Marjorie Fonseca da Cunha, da 5.ª Vara Federal de Guarulhos, considerou que as informações prestadas pela PF têm “fundamentação legal”.

Ainda de acordo com os agentes brasileiros, ele consta em uma lista do FBI – a polícia federal americana – que monitora suspeitos de integrar grupos terroristas: a Terrorist Screening Center (TSC).

A suspeita é que ele tenha feito a viagem para que a mulher tivesse o filho no Brasil e assim garantir a permanência dos familiares no país. Esse seria um modus operandi de membros de grupo terrorista, segundo a PF.

O Ministério Público Federal também se manifestou a favor da repatriação de Abuumar Rajaa.

Segundo a juíza, não há nos autos elementos para concluir que a retenção do palestino tenha sido motivada por xenofobia ou discriminação religiosa. A magistrada cita informações enviadas pela PF sobre a relação de Muslim Abuumar com o Hamas e um levantamento em que ele é citado em matérias como representante do grupo terrorista.

O palestino e a família iniciaram a viagem na Malásia e chegaram a São Paulo em um voo da Qatar Airways que partiu de Doha, capital do Catar.

Deputado do PT sai em defesa do palestino

O deputado federal João Daniel (PT) enviou um ofício ao Ministério da Justiça e ao Ministério das Relações Exteriores pedindo explicações sobre a retenção do palestino no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

“Segundo informações extraoficiais, a razão para essa inadmissão está relacionada a alegações de que o cidadão palestino teria ligações com grupos terroristas. No entanto, até o momento, não foram apresentadas provas, documentos ou ofícios que confirmem tais alegações”, afirmou o petista no ofício.

João Daniel é o deputado que, em maio deste ano, se reuniu com Basem Naim, membro da ala política e porta-voz do Hamas, e com José Marcos “Sayid” Tenório, o extremista que debochou de uma refém do grupo terrorista.

Com informações de CNN e O Antagonista

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Viatura da PRF capota na BR-304, no interior do RN; dois agentes ficam feridos

Uma viatura pertencente à Superintendência do da Polícia Federal no Rio Grande do Norte, capotou no km 272 da BR-304, em Ielmo Marinho, neste domingo (23).

A equipe – três agentes – estava em atividade em Mossoró e retornava para Natal, em um veículo modelo GM – Chevrolet/Trailblazer LT D4A 2.8. O carro aquaplanou e capotou. Todos usavam cinto de segurança, dois ficaram feridos, foram socorridos e já estão bem, em casa.

BZ Notícias

Opinião dos leitores

  1. Velocidade superior a permitida para uma pista simples pode ter sido o motivo. Sindicância já!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

Médico potiguar Charles Sá faz relato a respeito de acidente na Namíbia: “fique desacordado, não lembro de muita coisa”

Foto: reprodução

O médico potiguar Charles Sá explicou sobre o acidente que vitimou 8 pessoas, entre elas sua esposa Natale Gontijo, na Namíbia, no continente africano. Neste domingo (23), em um comentário nas redes sociais, Sá escreveu que estavam na rodovia que era mão inglesa, no momento do acidente. O caso é investigado pela polícia namibiana.

O médico potiguar Charles Sá foi o único sobrevivente do acidente. Já a esposa dele, a cirurgiã plástica Natale Gontijo, chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos.

No comentário, Sá escreveu: “Este acidente aconteceu nosso deslocamento na rodovia. Aqui é mão inglesa. Na batida fique desacordado, não lembro de muita coisa”.

Ainda na declaração, Chales Sá fala que está com uma “pequena fratura na coluna aguardando as autoridades locais”. O médico continua o relato afirmando que nunca havia batido o carro e que esta foi a primeira vez. Sá ainda fala que o teste do bafômetro foi negativo.

De acordo com a polícia, a colisão ocorreu na rodovia B1 e envolveu um carro de sete lugares e uma SUV. O acidente resultou na morte de oito pessoas, entre elas a médica Natale Gontijo, esposa de Sá. O carro em que o casal potiguar estava bateu e frente com outro veículo onde estavam sete pessoas.

Com informações de Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

PT aciona STF contra escolas cívico-militares em SP, alegando que elas “põem em risco a ordem democrática”

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O PT (Partido dos Trabalhadores) pediu que o STF (Supremo Tribunal Federal) declare inconstitucional a lei do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), que autoriza a criação de escolas cívico-militares no Estado. A ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) foi protocolada na quinta-feira (20).

Para o PT, “as consequências políticas põem em risco a ordem democrática e o Estado de Direito”. O pedido de suspensão faz parte de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo partido contra o modelo.

A ADI é dirigida ao presidente da Corte, Roberto Barroso. Eis as razões citadas pelo partido para a solicitação do veto:

  • conflito com a gestão democrática do ensino;
  • violação dos princípios constitucionais e legais;
  • inconstitucionalidade e problemas legais;
  • desigualdade na remuneração e desvio de finalidade;
  • impacto negativo na liberdade e desenvolvimento de estudantes;
  • altos custos;
  • eficiência questionável.

O projeto de criação das escolas cívico-militares no Estado foi enviado pelo Executivo e aprovado pela Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) em maio de 2024. O texto já foi sancionado. A proposta é de uma “gestão compartilhada” das unidades de ensino entre corporações militares e secretarias estadual ou municipais de Educação.

Segundo o governo estadual, há planos de implantar 100 escolas cívico-militares em 2025 –o que representa 2% do total de unidades na rede estadual de ensino.

O objetivo da adoção do modelo é, segundo o projeto, “a elevação da qualidade de ensino medida pelo Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica)”. Há ainda a previsão da “inserção de atividades cívicas e de cidadania” no currículo e atividades extracurriculares conduzidas pela Secretaria de Segurança Pública.

Tarcísio defende modelo: “promoção dos direitos humanos e do civismo”

Na sexta-feira (21), Tarcísio defendeu que as escolas cívico-militares tem como objetivo “a promoção dos direitos humanos e do civismo, o respeito à liberdade e o apreço à tolerância como garantia do exercício da cidadania e do compromisso com a superação das desigualdades educacionais”.

Com informações de Poder 360 e O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Esse PT diga-se partido dos petralhas, é um atraso para o nosso País. Que venham sim as Escolas Cívico Militares não só em São Paulo, mas em todo o Brasil.

  2. O Partido das Trevas só apoia o que não presta! Claro que eles são totalmente contra um ensino de qualidade, onde formará cuidadões com disciplina, ética e capacidade de pensar. O que me impressiona, é hoje termos vários entes, captados por um sistema corruptível e nefasto. Está tudo dominado. Hoje o errado é certo e o certo, está errado.

  3. Perfeito Antônio Turci e Neto, é muita idiotice desses imundos, ninguém é obrigado a frequentar essas escolas, VAI QUEM QUER e tem pais em casa, esse partido sem futuro não tem moral para NADA.

  4. O modelo ideal de escola para o PT é onde há desrespeito e violência contra o profesdor, onde os alunos dancem funk e se droguem no meio da da sala de aula e pra fechar o caixão, que a educação seja de péssima qualidade, para que o estudante e sua família sejam reféns de um bolsa família e de cota para uma universidade. Essa é a escola top 10 para a esquerda.

  5. Contra a democracia é a dancinha erótica do ministério da saúde, é colocar uma criança no museu frente a um homem despido, é a constituição que está sendo desrespeitada. Devemos seguir o lema que está escrito na bandeira brasileira. ORDEM E PROGRESSO.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

PT intercede pela liberação de suspeito de integrar grupo terrorista palestino Hamas que foi barrado pela PF ao tentar entrar no Brasil

Foto: reprodução/Chedet Oficial

O PT (Partido dos Trabalhadores), representado pelo Dep. Fed. João Daniel, já intercedeu pela liberação da entrada no Brasil de Muslim Abu-Umar, alegado membro de topo do grupo terrorista palestino Hamas.

Ele foi barrado pela PF ao tentar entrar no Brasil por Guarulhos, mas como o seu nome consta em uma lista internacional de terroristas, foi impedido de entrar no país, no entanto, a Justiça proibiu a PF de deportá-lo.

O alegado terrorista que está tentando entrar no país é o homem mais velho que, nesta foto, aparece conversando com a liderança política do grupo terrorista Hamas no Qatar.

Hoje no Mundo Militar

Opinião dos leitores

  1. É o famoso direito dos manos. Ainda tem gente que tem dúvidas sobre se esse partido é uma quadrilha do mal.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Lagoa de Extremoz transborda e prejudica trânsito; DER recomenda vias alternativas, veja quais

Após a lagoa de Extremoz transbordar em razão das fortes chuvas na região da Grande Natal de sábado para este domingo (23), o trânsito na rodovia que converge com o local ficou prejudicado.

Diante da situação o DER recomenda a utilização de vias alternativas. Confira na nota abaixo:

NOTA

Com as chuvas torrenciais das últimas 24h, a Lagoa de Extremoz transbordou, prejudicando a passagem dos veículos na rodovia que converge com o local.

O Departamento de Estradas e Rodagem (DER) recomenda, principalmente aos veículos de pequeno porte, que utilizem as vias alternativas, como a passagem de Estivas e Moinho dos Ventos. O Governo do RN fechou a via principal atendendo a demanda da Prefeitura Municipal. O DER está monitorando a situação.

Departamento de Estradas e Rodagem (DER)

Opinião dos leitores

  1. Moinho dos ventos a estrada principal está toda esburacada todos os dias motoristas rasgam pneus e acontece acidentes. Um verdadeiro caos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Trio é preso por sequestrar secretário de Cultura de Lagoa D’Anta, na região Agreste do RN

Fotos: reprodução

O secretário municipal de Cultura da cidade de Lagoa D’Anta, na região Agreste do RN, passou momentos de agonia após ser sequestrado enquanto trabalhava na ornamentação de uma praça pública, na manhã deste sábado (22). De acordo com relatos de populares que presenciaram a ação, dois criminosos encapuzados abordaram a vítima e o obrigaram a entrar em um carro, fugindo logo em seguida.

De acordo com um dos policiais militares que atendeu a ocorrência, pelo menos cinco criminosos participaram da ação, sendo que três deles foram presos ainda na tarde do sábado (22), e os outros dois seguiam sendo procurados. Ainda ontem, imagens do secretário Jota Marinho foram divulgadas nas redes sociais. Ele aparece com braços e pernas amarradas, com uma arma de fogo apontada para sua cabeça.

Apesar do susto, a vítima foi liberada horas depois, já na madrugada deste domingo (23). Em áudio divulgado nas redes sociais nesta manhã, o secretário falou sobre os momentos de terror e agradeceu as orações de todos. “Graças a Deus ocorreu tudo bem. Foi um momento difícil e bem complicado, mas com a ajuda de Deus e as orações de todo mundo, deu tudo certo, já estou na minha casa. Vamos aguardar agora o desenrolar das investigações e as coisas acontecerem. A priori, quero agradecer o apoio de todo mundo, da população, de João Paulo, nosso prefeito. Graças a Deus estou bem, estou vivo, estou ileso e em casa”, disse Jota Marinho.

Os três suspeitos de participar do sequestro do secretário, dois homens e uma mulher, são de origem paraibana. Eles estavam em um carro com destino a cidade de Santo Antônio, e foram interceptados pela Polícia Militar. Com eles foram apreendidos celulares, arma de fogo, munições, maquineta de cartão e um total de R$ 2.586 em espécie, além do veículo modelo Onix, de cor azul.

Novo Notícias

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Enquanto Lula promete novos campi, universidades federais reúnem obras inacabadas há 16 anos

Campus Quitaúna da Unifesp, em Osasco, está em obras há 16 anos – Rafaela Araújo/Folhapress

Eleito tendo como uma das promessas a retomada de investimentos no ensino superior, o presidente Lula (PT) anunciou no início de junho um PAC de R$ 5,5 bilhões para parte dessas obras inacabadas, além de uma nova ampliação da rede federal. O anúncio ocorreu em meio à greve de professores e servidores, em uma tentativa de esvaziar o movimento.

No entanto, parte do recurso anunciado já estava previsto desde agosto do ano passado. Reitores afirmam que os valores liberados ainda são insuficientes para retomar os projetos e abarcar os investimentos necessários.

Apesar de concordarem com a necessidade de expansão das universidades federais, como quer o governo, os gestores afirmam ser ainda mais necessário aumentar o financiamento, já que não há recurso suficiente nem mesmo para o pleno funcionamento das instituições existentes.

Na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), por exemplo, a construção do campus Quitaúna, em Osasco, é realizada há 16 anos e tem seu cronograma atrasado há cinco. Desde 2020, a instituição não recebeu repasses para obras, segundo sua reitora, Raiane Assumpção.

A UFU (Universidade Federal de Uberlândia) também faz obras desde 2012 para a construção do campus de Patos de Minas no Triângulo Mineiro. Por falta de recursos e problemas burocráticos, o atraso faz com que os cursos funcionem de forma provisória em uma faculdade particular alugada, com custo de quase R$ 1 milhão ao ano para a instituição.

Na UFG (Universidade Federal de Goiás), mais antiga universidade pública do Centro-Oeste, o orçamento de capital —utilizado para investimento em infraestrutura— foi de R$ 173 milhões, corrigidos pela inflação, em 2014, para R$ 1,2 milhão neste ano, uma redução de 99%. A instituição diz ter uma “enorme demanda de obras reprimidas.”

País segue longe de atingir as metas do PNE (Plano Nacional de Educação)

O país segue longe de atingir as metas do PNE (Plano Nacional de Educação) com relação ao acesso de estudantes para cursos de graduação nas universidades públicas.

O plano, que vence neste ano, estabelece que o país deveria chegar ao fim de 2024 com ao menos 33% da população de 18 a 24 anos matriculada ou já tendo concluído um curso de graduação. Segundo o IBGE, em 2023 a proporção alcançou apenas 26,3%.

O plano também estabelece a ampliação do acesso ao ensino superior priorizando a rede pública. O movimento que se viu na última década, no entanto, foi na direção contrária —apenas 7,4% das novas matrículas desde 2013 são dessa modalidade.

Reitores defendem que o governo federal crie uma lei que estabeleça um valor fixo a ser destinado as universidades anualmente. Hoje, os valores são definidos conforme a prioridade de cada gestão.

A reportagem da Folha de S. Paulo procurou mais de 50 instituições de todo o país. Todas as que responderam relataram necessidades estruturais e problemas financeiros. Muitas, em razão da greve, não atenderam aos contatos.

O que diz o MEC

Em resposta aos problemas apresentados, o MEC (Ministério da Educação) disse que, no início de 2023, as universidades tiveram seu orçamento ampliado em quase 30%.

Já neste ano, continua a pasta, foram totalizados créditos suplementares para a recomposição orçamentária no valor de R$ 347 milhões, sendo R$ 242 milhões para as universidades e R$ 105 milhões para os institutos.

“Recentemente, em 10 de junho de 2024, o Governo Federal anunciou nova ampliação do orçamento, na ordem de R$ 279,3 milhões para as universidades federais”, disse o MEC em nota.

Folhapress

Opinião dos leitores

    1. Me admira ter pessoas que acreditem em vermmes como Boisonaro

    2. É o mesmo que vc achar que o seu ladrão de estimação é inocente!!!! É simples assim!!

    3. Rui, que Pena você ter um nome de uma figura tão importante no cenário brasileiro. Um nome desses sendo dado a um jegue é um desperdício.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Violência

Em 10 anos, mais de 48 mil mulheres foram assassinadas no Brasil

Foto: Getty Images/iStockphoto

Entre 2012 e 2022, 48.289 mulheres foram assassinadas no Brasil, de acordo com o Atlas da Violência divulgado na última terça-feira (18/6). Somente em 2022, 3.806 pessoas do sexo feminino foram mortas – número que representa uma taxa de 3,5 homicídios a cada 100 mil mulheres.

Já alarmantes, os índices ganham contornos ainda mais sombrios quando examinamos a localização dos crimes e as disparidades raciais entre as vítimas.

Local onde mulheres são assassinadas

Segundo o estudo, uma das principais características que permitem a melhor compreensão das dinâmicas que influenciam a violência letal contra mulheres é o local de ocorrência da morte.

Em geral, a maioria dos homicídios acontecem dentro das residências e são cometidos por autores conhecidos das vítimas. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública indica que cerca de 70% dos feminicídios identificados pelas polícias civis foram cometidos dentro de casa.

De acordo com os registros de óbitos, 34,5% dos homicídios de mulheres ocorreram em domicílios, totalizando 1.313 vítimas em 2022. Esse percentual é próximo à proporção de feminicídios identificados pelas polícias brasileiras em relação ao total de homicídios femininos, que em 2022 chegou a 36,6%.

A pesquisa utiliza o termo “homicídios de mulheres”, e não feminicídio. Os dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) não diferenciam feminicídio de homicídio. Então, o termo “homicídios de mulheres” é uma tentativa de capturar os feminicídios, mesmo que esses casos não sejam explicitamente identificados como tal nos registros.

Em contrapartida, entre os homens, a maioria dos casos ocorre na rua ou estrada. Em 2022, no que se refere às pessoas do sexo masculino, somente 12,7% dos homicídios ocorreram nas residências.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Suspensão de perfis de redes sociais por Moraes vira caixa-preta com sigilo e sem participação da PF e PGR

Foto: Sergio Lima/AFP

As decisões do ministro Alexandre de Moraes que não envolvem pedidos da Polícia Federal ou pareceres da PGR (Procuradoria-Geral da República), além do sigilo imposto a inquéritos, têm impossibilitado o acompanhamento global de quantos perfis de redes sociais foram suspensos por ele —e por quais motivos.

A determinação de retirar do ar uma entrevista da Folhacom a ex-mulher do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), se soma a outras decisões do integrante do STF (Supremo Tribunal Federal) de censurar perfis em redes sociais.

O ministro recuou da censura à Folha na última quarta-feira (19), um dia após determinar a retirada do vídeo do ar.

O relatório do Congresso dos EUA com decisões sigilosas do magistrado para suspender perfis de redes sociais também revelou casos que não partiam da PGR ou da PF nem passavam por esses órgãos.

Esse fato, atrelado ao sigilo de inquéritos, faz com que somente o ministro tenha condições de saber quantas contas já mandou suspender e por quais motivos.

Uma das investigações mais polêmicas, a de fake news, aberta por Dias Toffoli, tem todos os documentos físicos, não digitalizados, sendo que sua totalidade só pode ser acessada por Moraes.

A falta de transparência nas decisões tem sido um dos motivos das críticas recebidas pelo ministro.

Em alguns casos, ao longo de cinco anos de investigações comandadas por ele, nem PGR nem PF tiveram acesso ao conteúdo antes da ordem de providência enviada às plataformas, até mesmo em determinações envolvendo quebras de sigilo.

O ministro também derrubou perfis e conteúdos apenas com base em relatório da Assessoria Especial de Enfrentamento à Desinformação, órgão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), grupo que ele chefiou.

O modelo de comunicação de Moraes com as plataformas para dar as ordens judiciais foi exposto no material divulgado pela comissão do Congresso dos Estados Unidos comandada pelo deputado republicano Jim Jordan, ligado ao ex-presidente Donald Trump.

O documento elenca decisões de Moraes em inquéritos em andamento no STF e decisões relacionadas à atuação do ministro no TSE.

No caso da corte eleitoral, as 22 decisões reveladas são fundamentadas e detalham os motivos da suspensão das contas ou de postagens. Nelas, alguns pedidos partem da assessoria do próprio ministro.

As notificações às plataformas via STF, no entanto, não são acompanhadas das respectivas decisões fundamentadas.

Essas decisões, apontam os documentos, são relacionadas a casos como o inquérito das fake news, 8 de janeiro e milícias digitais —todos relatados por Moraes.

O ministro, nesses casos, apenas cita no documento que uma decisão foi tomada, mas é mantida em sigilo, e determina que a ordem de derrubada também seja mantida em sigilo.

Em nota, o STF afirmou que todas as decisões tomadas “são fundamentadas, como prevê a Constituição, e as partes, as pessoas afetadas, têm acesso à fundamentação”. Sobre o que foi revelado pela comissão do Congresso americano, a corte informou que não se tratam de decisões, mas de “ofícios enviados às plataformas para cumprimento da decisão”.

Folhapress 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *