Como proteger a contabilidade dos impactos causados pelo coronavírus

Foto: divulgação

As consequências de viver em um mundo globalizado atingem a mesma proporção, tanto positivas quanto negativas. O efeito cascata da pandemia do coronavírus (COVID-19) não fica limitado à saúde. Os impactos já são sentidos na economia brasileira, principalmente nas relações de comércio, e questões tributárias aparecem: quedas na bolsa de valores, instabilidade, redução da arrecadação fiscal e do PIB (Produto Interno Bruto). Em entrevista recente à BBC, Angel Gurría, secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), afirmou que o reflexo econômico causado pela COVID-19 já é maior do que a crise financeira de 2008 ou a ocorrida após os ataques de 11 de setembro de 2001.

A diretora da Fortes Tecnologia Unidade Natal, Sunny Maia, indicou alternativas eficientes para sair de crises globais utilizando softwares como aliados. “Utilizar sistemas em nuvem, ou seja, toda operação disponível em um ambiente digital, fazer uso de VPN – Rede Privada Virtual, que nada mais é do que o acesso a uma rede interna de uma empresa trabalhando em casa, adotar softwares de gestão para coordenar as atividades dos colaboradores e plataformas de contato com o cliente para centralizar e gerenciar as demandas, auxiliam os empresários na continuidade dos negócios em momentos de crise”, afirmou.

Para que as empresas estejam preparadas em situações como a atual e consigam minimizar efeitos internos, é necessário antecipação e planejamento para integrar estratégias tecnológicas às medidas como a flexibilização de horários de trabalho, home office e ações de controle rigoroso das contas. É necessário que as empresas reconheçam a possibilidade de o número de clientes inadimplentes aumentar e considerar as circunstâncias nas informações contábeis dos meses seguintes. Os softwares figuram como suporte para um equilíbrio financeiro, controlando gastos, evitando que sejam feitas grandes dívidas e cortando o que não é indispensável.