Covid pode levar desigualdade a patamar nunca visto, estima FMI

Foto: Hélvio Romero/Estadão Conteúdo – 30/11/2006

A diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Kristalina Georgieva, disse que está muito preocupada com o aumento da desigualdade social e econômica que se sucederá após o fim da pandemia do novo coronavírus.

A declaração foi feita em participação em podcast da Oxfam. “Estudos feitos pelo Fundo mostram claramente que todas as epidemias que tivemos nos últimos anos, seja Sars, H1N1, ou Zika, causaram um aumento na desigualdade social que se perpetuou por anos após o fim das crises”, comentou.

Kristalina afirmou que a crise causada pela covid-19 pode ser pior do que todas as outras já vistas em termos de impactos futuros na desigualdade porque ela gerou uma saída em massa de crianças das escolas.

“Essas crianças dificilmente vão voltar para a escola depois. Também estamos vendo uma dificuldade no acesso delas à internet, o que se traduz no longo prazo na perda da sua capacidade de serem produtivas”, falou a diretora do FMI.

“Nos últimos anos nós vimos que a desigualdade entre os países vem se reduzindo, mas internamente já vinha aumentando antes da crise. Isso é ruim porque quando parte da população fica para trás, especialmente em termos de educação, isso acaba gerando perda de produtividade e o país todo sofre”, alertou.

Georgieva disse que é dever dos governos mundiais evitar esse aumento de desigualdade dentro dos países, estabelecendo medidas como tributação progressiva ou cotas mínimas de gastos sociais. “Agora em nossos acordos, em 90% dos programas que estabelecemos com países em desenvolvimento há cláusulas estabelecendo um piso de gastos mínimos, o que eu vejo como muito importante.”

Ela elogiou também a ação conjunta global do FMI, do Banco Mundial e dos bancos centrais ao redor do mundo para prover liquidez durante a crise, o que diminuiu o que ela chama de “apetite por falências” e fez com que governos como Equador e Argentina conseguissem reestruturar suas dívidas para evitar insolvência. “Estamos em negociações com o G-20 para estabelecer conceitos e procedimentos mais coerentes para essas negociações de renegociações”, ponderou.

R7 com Estadão Conteúdo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cesar Bomone disse:

    Esse é o resultado do excesso do FIQUE EM CASA que a Esquerda pregava.
    O Presidente Bolsonaro sempre alertou que a economia não poderia ser esquecida, mas os ESQUERDOPATAS queriam exatamente o contrário, levar a economia ao caos.

  2. george disse:

    #FiqueEmCasa

  3. Bruno disse:

    Presidente Jair Messias Bolsonaro, avisou todos os dias.
    A pandemia, não pode se afastar da econômica.
    As duas tem que andarem juntas, até a pandemia ir embora.
    Mas esses FDP esquerdista e a rede globo lixo trabalharam, pra acabar com o PAÍS e o PR.
    Graças ao Bolsonaro, presidente arrochado e corajoso, não está pior.
    A qui pro Estado do RN, mandou dinheiro a fole.
    Remédios e Epis destribuido em todos municípios, diferentemente da governadora que se escondeu.
    E o auxílio??
    Paga até hoje.
    Tem que se reeleger logo em primeiro turno.
    PT Ladrões,,
    nunca mais.

  4. Lucianobrito disse:

    Está sonhando com o país da maravilha chamada Venezuela!

  5. Chicó disse:

    Que nada, é só uma gripezinha, R7 comunista.
    Bolsonaro numca disse "gripezinha nem falou a palavra PF nas reuniões" está tudo gravado mas não foi exatamente isso que ele quis dizer.

  6. Iza disse:

    Também com um Presidente desse.

  7. Direita Sincera disse:

    No Brasil, a desigualdade beira o absurdo, com esse presidente dos infernos, vamos virar uma Venezuela já já.

COMENTE AQUI