CRISE: 1ª cota do FPM de agosto sofre queda de 25,62% e 37 municípios do RN ficam com repasse zerado

Reprodução

O mês de agosto começa com queda de 25,62% na primeira cota do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Além disso, o repasse feito pelo Tesouro Nacional nesta segunda-feira, dia 10 de agosto, foi zerado para 37 municípios do Rio Grande do Norte, agravando a crise financeira das gestões.

A falta do repasse compromete a realização dos pagamentos e o equilíbrio financeiro programado pelas Prefeituras Municipais. A avaliação é do Presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte – FEMURN e Prefeito de São Paulo do Potengi, José Leonardo Cassimiro de Araújo (Naldinho).

Segundo Naldinho, o repasse zerado ocorre pela gravidade da crise financeira que os municípios enfrentam: “Em termos de repasses, o segundo semestre de cada ano é sempre mais difícil que o primeiro, e agora, além da queda nos valores repassados pelo Tesouro Nacional, parte das prefeituras vão precisar lidar com o saldo zero de FPM. No atual período da pandemia, a situação fica ainda mais complicada”, lamentou.

Diversos municípios têm como principal fonte de recursos o FPM, que é dividido em três cotas mensais, repassadas pelo Tesouro Nacional nos dias 10, 20 e 30.

MUNICÍPIOS ZERADOS DE FPM NA PRIMEIRA COTA DE AGOSTO/2020:

AFONSO BEZERRA

ANTÔNIO MARTINS

AREZ

BARAÚNA

BENTO FERNANDES

BOA SAÚDE

BREJINHO

CAIÇARA DO NORTE

CAICÓ

CARNAUBAIS

GALINHOS

GOV.DIX-SEPT ROSADO

GUAMARÉ

IELMO MARINHO

IPANGUAÇU

JANDAIRA

JAPI

JOíO CÂMARA

LAGOA D’ANTA

MOSSORÓ

PEDRO VELHO

PENDÊNCIAS

PUREZA

RAFAEL GODEIRO

RIACHO SANTANA

RIO DO FOGO

SANTANA DO MATOS

SíO BENTO DO NORTE

SíO JOSÉ DO CAMPESTRE

SíO MIGUEL DO GOSTOSO

SíO MIGUEL

SíO PEDRO

SíO RAFAEL

TIBAU DO SUL

TOUROS

UMARIZAL

VILA FLÔR

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Biro biro disse:

    Sem falar que quase todos os municípios do RN reajustaram os salários dos prefeitos, vices prefeitos, vereadores e secretários, numa época de incertezas de arrecadações.

  2. Antonio Turci disse:

    Necessário proceder uma reavaliação de tudo quanto for currutela deficitária. Se não puder andar com as próprias pernas paciência: perde a condição de Município e volta a ser distrito. "Quem não pode com o pote não pega na rodilha".

  3. Matheus disse:

    É um absurdo que pequenos povoados como Vila Flor sejam considerados como um município. Deve haver quarteirões em Natal com mais habitantes do que esta “cidade”.

  4. Gustavo disse:

    Muitos desses municípios, bem como de outros estados, nem deveriam existir como entes federativos. Mas como tudo no país da esculhambação, digo, carnaval, os políticos de ocasião abriram as porteiras para seus respectivos feudos e permitiram, mediante a CF/1988, a criação e emancipação desenfreada de municípios com menos de 10 mil habitantes, sem renda própria e incapazes de se sustentarem. Aí ficam eternamente de pires na mão dependendo de repasses federais para custeio e investimento. Pior, esse dinheiro é gerido por prefeitos coronéis tão incompetentes quanto mal intencionados.
    Pobre povo bestializado deste país…

  5. Manoel disse:

    Quando eh mesmo que vão acabar com esses municípios que não tem arrecadação nenhuma pra se bancar ? Ah, nunca né! Afinal, dinheiro de impostos pra bancar salários de assessores, vereadores, prefeitos, secretários municipais não falta né??

COMENTE AQUI