Decotelli explica inconsistência em tese de doutorado e diz: sou ministro


Foto: reprodução/CNN Brasil

Nomeado para o Ministério da Educação, Carlos Alberto Decotelli esteve reunido com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite desta segunda-feira (29), após o Palácio do Planalto suspender a posse.

Após o encontro, ele disse ter explicado as polêmicas sobre as inconsistências em seu currículo e disse que não chegou a defender tese de doutorado por “questões financeiras”. Além disso, Decotelli confirmou que continuará no cargo.

“Sou ministro, tenho trabalhos e vou ficar trabalhando para corrigir as demandas grandes, de Enem, de Sisu”, declarou Decotelli.

A polêmica sobre a nomeação de Decotelli surgiu após o reitor da Universidade Nacional de Rosário, Franco Bartolacci, afirmar que o ministro não concluiu o doutorado. Em coletiva nesta segunda-feira (29), Decotelli confirmou que não defendeu tese, mas que concluiu os créditos do doutorado em Administração pela Faculdade de Ciências Econômicas e Estatística, em 2009.

“Ele (Bolsonaro) queria saber detalhes sobre minha vida de 50 anos como professor. Ele pegou a estrutura dos meus trabalhos no Brasil, queria saber desse lastro de vida como professor. O que eu pretendo, o que tem essa experiência. E ele perguntou essa questão de doutorado, pós-doutorado, pesquisa, universidade… Como é essa estrutura de inconsistência. Ele queria saber isso e eu expliquei a diferença entre defender uma tese e cursar os créditos de doutorado”, afirmou Decotelli.

Decotelli afirmou que não chegou a defender a tese na Argentina por enfrentar dificuldades financeiras. “Ao finalizar o curso, a universidade entregou um certificado de conclusão de créditos. Foi feito uma formatura em Rosário, e entregou (o diploma) para quem tinha concluído o curso de pós graduação e doutorado. Agora, aqueles que além de terminar o curso, quiserem defender a tese, receberão o título de doutor para a validade nas leis argentinas. Ao obter essa característica, tinha de apresentar a tese, e minha tese teve como construção ‘as incertezas entre as evoluções das empresas desde o Século 11, e como reagem em momentos de crise para seguir vivas na estrutura de mercado’. A banca disse que a tese estava muito profunda, para fazer adequações para reapresentar. Foi a recomendação formal da banca. Ao terminar a recomendação, eu precisaria voltar ao Brasil. Todas as despesas, passagem aérea e manutenção foi pessoal, não havia bolsa. O custo operacional particular, com dificuldade financeira, não mais voltei. Houve dificuldade em bancar o aperfeiçoamento. Fiquei com o diploma de crédito concluído”, explicou o ministro.

Plágio

Sobre as polêmicas sobre um suposto plágio em dissertação de mestrado na Fundação Getúlio Vargas (FGV), Decotelli citou uma possível distração. “Com base na minha bagagem do tempo de Banrisul, minha dissertação em tempos de mestrado foi no tempo de Banrisul, e no mestrado na FGV eu desenhei o Banrisul, a resistência do banco, governança… O texto, quando você lê muitos livros, você tem de ter uma disciplina mental de escrever, revisar, citar e mencionar. Você fica mencionando, registrando e ponderando. É possível haver distração, sim. Hoje tem mecanismo, mas naquela época, pela distração… Não houve plágio”, afirmou

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. RICARDO LÚCIDO disse:

    Não vou chamar TITICO NEM MANECO dessa vez . Mas a entrevista do “PROF DECOTELLI “ , ontem ao vivo na CNN BRASIL , foi das coisas mais ridículas que já assisti nos últimos anos . O “PROFESSOR” , me parece ser um homem bom , tem aquele jeito de paizão e vovô gente boa , mas meus caros , o que leva um ser humano passar por um constrangimento desse? O “MESTRE “ , falou , falou, explicou e meu sentimento era de pena misturado com vergonha . O “PROFESSOR “ , foi pego de calças curtas e já entra no ministério desmoralizado . O BOZO , votei nele e me arrependo , tem razão quando diz que está sendo mal informado . Submeter o presidente da república a uma situação dessa é imperdoável . A nomeação de um ministro de estado é realizada após pesquisa dos órgãos de informações e da casa civil no que se refere ao currículo e idoneidade do candidato . Tudo bem que na maioria das vezes passa a idoneidade , mas o que vimos nesse caso foi um ser humano acuado querendo defender o indefensável e passando um papelão ao vivo . O ministério da educação precisa ser ocupado por um gestor que transmita confiança e seja competente . O “ MESTRE Decotelli “ , com todo respeito não tem essas credenciais.

    • Silva disse:

      Então homem do PINICO.
      Chame a bosta e use o seu pinico.
      kkkkkkk
      Kkkkkk
      Vai dormir cagão.

  2. Santos disse:

    Quem não tem Doutorado, pode ser pós Doutor?
    O presidente, em reunião, disse que inteligência particular dele atua melhor que a Abim, mas essa inteligencia não tem competencia pra checar um currículo.
    O que é mais difícil de entender é como permitem que um governo cole sua imagem as Forças Armadas? Jesus!
    Como diz o ditado polupar, do Brasil só vai sobrar o buraco e a catinga.

  3. Tony disse:

    Procura-se um SÃ NO GOVERNO DOS DEBILOIDES…ESSA PRAGA DEPOIS QUE ASSUMIU A PRESIDENCIA É SÓ DESGRAÇA…FORA PESTE NARO E SEUS MALDITOS AZARADOS

  4. Fica em casa disse:

    Nesse governo só em ser alfabetizado já se enquadra no tal ministério técnico anunciado na campanha. Quem se importa com mestrado plágio, doutorado fake e pós doutorado no migué??? Muuuuuuuuuuuuuuu

  5. Luciana Morais Gama disse:

    Procura-se um ex aluno de Fátima Bezerra, ou uma foto dela dando aula.

    • João Neto disse:

      Pronto, sempre é assim. Quando são descobertos as falcatruas, que são muitas, as respostas são as mesmas. E o Pt? É a governadora? .

    • Luiz Antônio disse:

      Vai ser ministra???!

    • Manoel C disse:

      Qual o sentido disso? Sempre desviando o assunto?

COMENTE AQUI