DNIT divulga cronograma de interdições no gancho de Igapó para obras

Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

As obras do Complexo Viário do Gancho de Igapó, na Zona Norte de Natal, devem ser concluídas em dois anos, de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. O Denit apresentou o cronograma de interdições e de execução das construções nesta quinta-feira (20), e anunciou o início da terceira etapa da obra. O investimento total é de R$ 60 milhões.

De acordo com o Departamento, nesta terceira fase, que deve durar um ano até a sua conclusão, será construído um viaduto sobre a BR-101 e a Avenida Tomaz Landim (BR-406). Para a execução do serviço, houve alteração no trânsito no local a partir desta quinta (20), porque a Tomaz Landim vai precisar ser bloqueada.

Já nesta quinta-feira (20), as ruas Henrique Dias e Ponte nova passaram a ser de mão única, no sentido leva ao Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves. As ruas Vivaldo Pereira e Santa Luzia, por sua vez, ficam em mão única no sentido inverso. Para os automóveis que vão do aeroporto para a cidade de São Gonçalo do Amarante, na Região Metropolitana, agora o acesso é pela Rua Criciúma, também em sentido único.

O Dnit explica que a construção do viaduto principal vai começar no dia 5 de março próximo, uma quinta-feira. A partir daí, a Avenida Tomaz Landim só poderá ser usada para os veículos oficiais e o transporte coletivo.

Após a conclusão desse viaduto, será iniciada a quarta etapa do Complexo Viário. Trata-se da construção de um túnel em “Y”, que vai interligar a Avenida das Fronteiras com a RN-160 e a BR-101 Norte. Esta é a fase final da obra, que deve ser terminada em dois anos a partir de agora.

O trabalho começou em junho de 2016, quando foram realizadas desapropriações, supressões vegetais, pavimentação e sinalização dos desvios de tráfego. A segunda etapa foi a de pavimentação de trechos de vias marginais, demolição de imóveis e remoção de entulhos, além do reposicionamento das redes das concessionárias prestadoras de serviços públicos.

G1 RN