Dólar encosta em R$ 4,36 e renova recorde desde criação do real

Foto: Arquivo Agência Brasil

Em mais um dia de oscilações no câmbio, o dólar subiu novamente e voltou a fechar no maior valor nominal desde a criação do real. Nesta terça-feira (18), o dólar comercial encerrou a sessão vendido a R$ 4,358, com alta de R$ 0,029 (+0,66%).

Foi o segundo dia seguido de valorização da divisa, que operou em alta durante toda a sessão. Desde o começo do ano, o dólar acumula valorização de 8,6%.

O Banco Central (BC) não tomou novas medidas para segurar a cotação. Hoje, a autoridade monetária leiloou US$ 650 milhões para rolar (renovar) contratos de swap cambial – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro – com vencimento em abril. O leilão faz parte da rolagem de US$ 13 bilhões de swap que venceriam daqui a dois meses.

No mercado de ações, o dia também caracterizou-se pela turbulência. O índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), encerrou esta terça-feira aos 114.977 pontos, com recuo de 0,29%. O indicador operou com queda superior a 1% durante boa parte da sessão e recuperou-se no fim da tarde, mas em ritmo insuficiente para reverter a baixa.

Nas últimas semanas, o mercado financeiro em todo o mundo tem atravessado turbulências em meio ao receio do impacto do coronavírus sobre a economia global. A interrupção da produção em diversas indústrias da China está afetando as cadeias internacionais de produção. Indústrias de diversos países, inclusive do Brasil, sofrem com a falta de matéria-prima para fabricarem e montarem produtos.

A desaceleração da China também pode fazer o país asiático consumir menos insumos, minérios e produtos agropecuários brasileiros. Uma eventual redução das exportações para o principal parceiro comercial do Brasil reduz a entrada de dólares, pressionando a cotação.

Entre os fatores domésticos que têm provocado a valorização do dólar, está a decisão recente do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de reduzir a taxa Selic – juros básicos – para 4,25% ao ano, o menor nível da história. Juros mais baixos desestimulam a entrada de capitais estrangeiros no Brasil, também puxando a cotação para cima.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Um bocado de esquerdopatas ignorante (perdão pela redundãncia) falando asneiras sobre o que desconhecem totalmente. Aliás, essa gente não entende mesmo é de nada, já que detestam estudar e trabalhar (qualquer esforço lhes dá asco). Nem sequer leram o artigo (ou leram e não entenderam ou agem mesmo de má fé, outro costume dessa cambada), onde constam algumas explicações sobre a conjuntura econômica MUNDIAL e brasileira (queda dos juros). Essa gente é uma piada. Dá prá entender pq o RN não consegue sair do fosso. Com uma cambada dessa no poder… É triste.

    • Cristian disse:

      Acuse-os do que você é. Xingue-os do que você faz.
      Ceará-Lesão, e sua admiração contumaz por Lula e seu ódio fervoroso contra o RN (o nome Ceará não é à toa).
      Funça, que só faz coçar o saco vem dizer que os assalariados não gostam de trabalhar, faz me rir, parasita estatal.

    • IBMendonca disse:

      E tome argumento ad hominem…é tudo que o eleitor do Bozo sabe fazer…argumentar denegrindo quem é contrário as suas ideias.
      E o gado muuuuuuuuuuuuuuuu….

    • Ceará-Mundão disse:

      Ao contrário, "cumpanheros". Tudo que escrevo é baseado em fatos visíveis até prá gente como vocês. Ao invés de insistirem em atacar a reputação alheia, deviam ao menos TENTAR rebater os argumentos apresentados. Vocês agem sempre assim. Como no tal "Lula livre": sem ter como questionar os crimes, atacaram a reputação dos membros da Lava-Jato, dos juízes (agora, a vítima é o Bretas)… Por que vocês não tentam agir com alguma decência? É tão difícil assim?

  2. Petra disse:

    Parece que não serão apenas as domésticas que não irão a Disney…kkkk
    Queima laranjal…muuuuuuu

  3. Everton disse:

    2016: é só tirar a Dilma q o dólar cai.
    2017: c a reforma trabalhista o dólar cai.
    2018: c a eleição de Bolsonaro e Paulo Guedes juntos o dólar cai c toda certeza.
    2019: se sair a reforma da previdência, o dólar cai.
    2020: dólar alto é bom…

  4. Carlão disse:

    Nice work, Brazil.

  5. Everton disse:

    M-mas meu ministro liberal, que quer criar imposto e não consegue segurar o dólar, falou que ia dar tudo certo…
    Volta Delfim Neto, Pedro Malan…

COMENTE AQUI