DST muito comum e pouco falada está se tornando resistente aos antibióticos e assustando os médico

Você já ouviu falar na Mycoplasma genitalium? Trata-se de uma infecção bacteriana sexualmente transmissível que tem se tornado cada vez mais comum.

Semelhante à clamídia, ela é, muitas vezes, assintomática, embora possa provocar desconfortos durante a micção em homens em mulheres. O problema maior, no entanto, é que a bactéria responsável pela doença está se tornado resistente a uma série de antibióticos, segundo informações da IFLScience.

Embora os sintomas, quando aparecem, sejam mínimos, a infecção pode desencadear complicações, como a Doença Inflamatória Pélvica (DIP), cervicite, uretrite, gravidez ectópica, epididimite, prostatite e infertilidade.

Em 2015, um estudo descobriu que cerca 1,2% dos adultos no Reino Unido, menores de 44 anos, estavam infectados com a bactéria, embora a maioria não apresentasse sintomas. Outro estudo recente estimou que cerca de 400.000 australianos, cerca de 2% da população do país, estão infectados com a mesma bactéria. Cientistas alertaram que os jovens adultos mais sexualmente ativos e com múltiplos parceiros sexuais estão em maior risco.

A Mycoplasma genitalium foi detectada pela primeira vez em 1981, embora nunca tenha recebido a mesma atenção que a clamídia, gonorreia e sífilis, por exemplo. Ela pode ser identificada por meio de exames de cultura de bactérias, a partir de amostras de urina.

Em relação às superbactérias, a Organização Mundial da Saúde afirmou, por meio de dois estudos, que a bactéria, bem como a responsável pela gonorreia, tem se tornado cada vez mais resistente à linha de antibióticos que atualmente possuímos.

A única forma de prevenir tais doenças ainda é pelo uso de camisinha durante o contato sexual, até que ambos se os parceiros tenham sido testados negativos para todas as DSTs.

Jornal Ciência via IFLScience / LifeStyle