Política

Enéas Carneiro, ícone da extrema-direita, é ‘herói’ de Bolsonaro

Foto: Paulo Giandália – 21.jul.1998/Folhapress

Visto como autoritário e truculento por muitos, um político se lança à Presidência prometendo restabelecer a ordem no Brasil. Aos berros, acusa PT e PSDB de serem faces da mesma moeda, defende os valores da família tradicional brasileira e questiona os interesses internacionais por trás da demarcação de reservas na Amazônia.

Não estamos falando da movimentação do deputado federal Jair Bolsonaro rumo a 2018, mas sim da candidatura do médico acreano Enéas Carneiro ao Palácio do Planalto, em 1994.

Morto em 2007, Enéas concorria pelo pequeno Partido de Reedificação da Ordem Nacional (Prona) e deixou para trás figurões como os governadores Leonel Brizola (PDT) e Orestes Quércia (PMDB). Com 7% dos votos, chegou em terceiro lugar, atrás do petista Luiz Inácio Lula da Silva e do tucano Fernando Henrique Cardoso.

Vinte e três anos depois, várias bandeiras de Enéas ressurgem na disputa presidencial —agora encampadas por Bolsonaro, que se diz grande admirador do cardiologista acreano e o considera uma de suas maiores influências na política.

O apreço é tanto que, em maio, o deputado e seu filho, Eduardo Bolsonaro, propuseram uma lei para que Enéas seja incluído no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria – lista de personagens que, segundo página do Senado, “protagonizaram momentos marcantes da história do Brasil” e tiveram seus nomes aprovados em votação no Congresso e que conta atualmente com 41 nomes, entre eles Tiradentes, Zumbi dos Palmares, Dom Pedro 1º, Santos Dumont, Chico Mendes, Getúlio Vargas e Heitor Villa-Lobos.

“Seu valoroso nacionalismo e sua oposição ao comunismo o qualificam como herói da pátria”, justificam pai e filho no Projeto de Lei 7.699.
Em outra frente, o Partido Ecológico Nacional (PEN) – pelo qual Bolsonaro deve disputar a Presidência – anunciou que cogita mudar o nome para Prona em homenagem ao político acreano.

‘HOMEM DO FUTURO’

Bolsonaro costuma dizer que Enéas foi um “homem do futuro” e destacar as posições do médico sobre o nióbio, metal que também ocupa um papel central na plataforma econômica do deputado. O Brasil abriga 98% das reservas conhecidas de nióbio, elemento químico empregado na fabricação de turbinas de avião, tomógrafos e lâmpadas potentes, entre vários outros itens de alta tecnologia.

Foto: Marcus Leoni -08.jun.2017/ Folhapress

Enéas lamentava que o Brasil exportasse nióbio bruto “a preço de banana”, em vez de usá-lo para desenvolver a indústria nacional. Ele dizia que o metal tinha tanto potencial que poderia até lastrear a moeda brasileira.

Bolsonaro compartilha do entusiasmo do acreano e defende que o Brasil tenha um “vale do nióbio” – referência ao Vale do Silício, sede de várias das maiores empresas de alta tecnologia dos EUA.

Direito de imagem Agência Brasil Image caption Pensamento de Bolsonaro e Enéas se une na crítica à demarcação de terras indígenas
O deputado diz que o metal poderia ter peso maior que o agronegócio na economia brasileira —opinião vista como exagerada por especialistas, que, no entanto, reconhecem que o país poderia agregar mais valor ao produto antes de vendê-lo.

Outro ponto que une Enéas e Bolsonaro é a crítica à demarcação de áreas indígenas. Em 2005, quando eram colegas na Câmara dos Deputados, os dois viajaram juntos a Roraima, onde 46% das terras são ocupadas por índios.

Na volta, Enéas afirmou no plenário que os indígenas não precisavam de terras, mas de melhores condições materiais. “A terra dada aos índios é suficiente para eles andarem por ali durante 600 anos e sequer chegarem a conhecer toda a região. Tudo isso está altamente programado por um monstruoso poder alienígena [estrangeiro], que tem interesse nas riquíssimas jazidas que estão no subsolo brasileiro.”

Da mesma forma, Bolsonaro costuma dizer que “onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela”. Em visita recente a Mato Grosso, afirmou que não haverá “um centímetro quadrado demarcado como terra indígena” se virar presidente.

ENÉAS MIL GRAU

“Grande parte dos índios são brasileiros como nós: ele quer ter energia elétrica, televisão, namorar uma loirinha, ter internet.”

As frequentes menções de Bolsonaro a Enéas têm ajudado a popularizar o acreano entre fãs do deputado e grupos de jovens de direita.

No canal Enéas Mil Grau no YouTube, um vídeo expõe as “mitadas mais fodas” do cardiologista. Indagado num programa de TV se acreditava em Deus, ele diz que sim, pois não conseguia “entender um universo tão bem feito no nível macrocósmico e microcósmico sem que haja uma mente prodigiosa por trás”. Uma montagem então exibe o rosto de Enéas com óculos escuros ao som do rap “Turn Down For What”.

No canal Enéas Mil Grau no YouTube, vídeo expõe as ‘mitadas mais fodas’ do cardiologista

Muitas páginas de fãs de Bolsonaro mostram entrevistas e discursos de Enéas, ressaltando seu parentesco ideológico com o ídolo. Em alguns vídeos, o médico é tratado como um visionário ao criticar o megainvestidor húngaro-americano George Soros na campanha presidencial de 2002.

Enéas condenava a participação de Soros na privatização da mineradora Vale (o bilionário comprou 1,25% das ações da empresa) e o criticava por financiar organizações pró-legalização de drogas. Em 2010, o investidor escreveu um artigo no Wall Street Journal em que defendeu substituir políticas de repressão às drogas por campanhas de educação.

Hoje, Soros é um dos maiores alvos de grupos conservadores brasileiros e estrangeiros, vilanizado por financiar causas associadas à esquerda mundo afora, como igualdade de gênero, direitos LGBT e combate ao racismo.

Em outro vídeo, um seguidor de Bolsonaro compara o tratamento recebido pelo deputado ao dado ao acreano. “Estão fazendo com Bolsonaro o mesmo que fizeram com Enéas – desprezado, humilhado e chamado até de louco por muitos.”

Afilhada política de Enéas, a médica sergipana Havanir Nimtz, eleita vereadora e deputada estadual em São Paulo, celebra o ressurgimento do mentor. “Seus ensinamentos estão mostrando à população brasileira, via YouTube, Facebook e outros meios de comunicação, que ele estava certo, e que a solução para o Brasil é administrá-lo com força, capacidade e princípios familiares e religiosos”, ela diz em nota à BBC Brasil.

Hoje sem cargo político e filiada ao Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), Havanir não quis comentar a ascensão de Bolsonaro.

CRÍTICAS À DITADURA

Apesar das convergências entre Enéas e Bolsonaro, há diferenças importantes em seus pensamentos e trajetórias.

Autor da tese de doutorado Meu nome é Enéas!, bordão usado pelo cardiologista em suas propagandas eleitorais, o historiador e pesquisador da PUC do Rio Grande do Sul Odilon Caldeira Neto diz que os dois políticos se aproximam pelo discurso nacionalista e pela “tentativa de criar uma forma autoritária e conservadora de estruturar a nação brasileira.”

Ele aponta, porém, que Enéas discordava de Bolsonaro em relação à ditadura militar. Em entrevista ao programa Roda Viva, em 1994, o médico criticou o regime por asfixiar a imprensa e por “esquecer uma coisa fundamental: a formação do cidadão, o investimento no homem”. No manifesto de fundação do Prona, de 1989, o partido diz que a ditadura “não foi um período de felicidade para o povo brasileiro”.

Já Bolsonaro “tenta se colocar como um herdeiro do regime militar”, segundo o historiador. O deputado costuma dizer que os militares livraram o país do comunismo e deram mais segurança e liberdade aos brasileiros.

Cofundador do Prona e candidato a vice na chapa liderada por Enéas em 1989, o médico Lenine Madeira de Souza rejeita a associação com Bolsonaro.

“O doutor Enéas era uma pessoa altamente preparada, cheia de valores. Não se compara com um indivíduo que se coloca dentro de um contexto de direita, tentando pegar os mais desavisados como se fosse uma solução – solução que naturalmente deixaria o país numa situação muito pior”, diz Souza.

Procurado pela BBC Brasil por email e telefone, Bolsonaro não respondeu aos pedidos de entrevista sobre a influência de Enéas em sua carreira.

Dois grupos disputam o posto de herdeiros do Prona. Ex-assessora de Enéas, a advogada Patrícia Lima tenta criar o Partido de Reestruturação da Ordem Nacional. Aliado da advogada, João Vitor Sparan disse à BBC Brasil que o grupo discute com a equipe de Bolsonaro uma fusão ou aliança para 2018.

Outra entidade é liderada pelo teólogo Euclides Netto, ex-membro do Prona e que tenta fundar o Novo Partido da Reedificação da Ordem Nacional. Netto se diz o verdadeiro sucessor de Enéas e condena o diálogo entre Bolsonaro e Patrícia Lima.

AUTORIDADE E ORDEM

Assim como Bolsonaro, Enéas também começou sua carreira nas Forças Armadas —onde, segundo Odilon, “se inicia o processo da construção do apego à autoridade e à ordem” que o marca.

Nascido em 1938 em Rio Branco, capital do Acre, ele se muda aos 20 anos com a mãe viúva para o Rio de Janeiro em busca de uma vaga na Escola de Sargentos do Exército. Odilon diz que o acreano ficou dois anos na instituição, até se formar em primeiro lugar da turma como 3° Sargento Auxiliar de Anestesia.

Em seguida, Enéas entra na Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense e, dois anos depois, inicia a graduação em Física e Matemática.

O acreano atuou como cardiologista por mais de 30 anos e lançou em 1977 o livro O Eletrocardiogama, que se tornou referência entre profissionais da área.

Além de atender em hospitais no Rio, Enéas deu aulas a estudantes de medicina e foi professor de matemática, física, química, biologia e português em cursos pré-vestibular. Entre 1986 e 1988, presidiu a Sociedade de Cardiologia do Rio de Janeiro, experiência que o ajudou a atrair colegas para a criação do Prona.

A trajetória acadêmica de Enéas e sua longa carreira como professor contrastam com a formação de Bolsonaro, que cursou a Escola de Educação Física do Exército e fez carreira como paraquedista militar, passando à reserva como capitão.

Segundo Odilon, Enéas “acreditava que só poderia ser uma liderança porque tinha uma formação intelectual e sempre fazia questão de mostrar seu vasto currículo e conhecimento – uma distância muito grande do que promove Bolsonaro, que faz um discurso em defesa da não-intelectualidade”.

A principal crítica de Enéas a Lula era sua baixa escolaridade. “Não consigo entender que se lance um candidado ao cargo mais alto da República e haja aplauso de um grupo a uma pessoa que nunca estudou e se exprime com muita dificuldade”, afirmou.

INTEGRALISMO E FASCISMO

O historiador diz que, após lançar o Prona, Enéas conquistou o apoio de centros de estudos integralistas, movimento nacionalista inspirado no fascismo italiano e que teve como destaque o político e escritor paulista Plínio Salgado (1895-1975).

Enéas rejeitava o rótulo de fascista e dizia que seu único vínculo com o integralismo era a postura nacionalista.

“Sou radicalmente contra a pena de morte, radicalmente contra qualquer forma de discrimação”, afirmou. Em outros momentos, porém, disse que homossexuais eram “um desvio” e pertenciam a um “grupo que, se se generalizasse, representaria a extinção da espécie”.

Segundo Odilon, o médico não via qualquer benefício político em ser associado ao integralismo, mas percebeu que poderia ser vantajoso interagir com o movimento e permitiu que alguns de seus adeptos entrassem no Prona.

Um dos maiores expoentes do integralismo —o médico mineiro Elimar Máximo Damasceno— chegou a se eleger deputado federal pelo partido em 2002. Damasceno foi endossado por apenas 484 eleitores, mas, junto de outros quatro colegas do Prona, foi puxado para a Câmara pelos 1,5 milhão de votos obtidos por Enéas.

Segundo Odilon, embora Enéas fosse visto como folclórico por muitos eleitores, ele incorporava um discurso político com longa trajetória na política brasileira, com raízes não só no fascismo e em outros movimentos autoritários anteriores à Segunda Guerra, mas no Estado Novo de Getúlio Vargas (1937-1946).

Tanto é assim que, na eleição presidencial de 1955, o integralista Plínio Salgado obteve 8% dos votos – resultado parecido com a votação de Enéas em 1994.

“O regime militar e Enéas representam uma certa continuidade, com algumas modificações, de um longo trajeto desse nacionalismo de direita”, diz o historiador.

ELO COM MILITARES

O mesmo pragmatismo que fez Enéas dialogar com integralistas o estimulou a se aproximar de militares. Na campanha de 1994, Enéas defendeu triplicar o efetivo das Forças Armadas.

Quatro anos depois, em outro aceno ao setor, propôs que o Brasil desenvolvesse armas nucleares “não para jogar a bomba em ninguém, mas sim para evitar que alguém jogue a bomba aqui”.

Mais tarde, após se eleger deputado, tornou-se um dos principais críticos ao desarmamento da população civil, tema caro à atual “bancada da bala”.

Odilon diz que, apesar das convergências, o médico divergia dos militares na forma de encarar o comunismo. “De fato, em diversos momentos Enéas Carneiro elogiava a filosofia marxista, ainda que criticasse sobretudo a burocracia e o controle dos meios de produção e a experiência histórica oriunda da Revolução Soviética.”

Certa vez, questionado sobre figuras estrangeiras que admirava, citou Fidel Castro. Depois justificou-se dizendo que o mencionara “pela personalidade forte, pela coragem de enfrentar o monstro [EUA]”, mas que não era socialista e defendia a economia de mercado.

Embora se dissesse pró-capitalismo, Enéas foi radicalmente contrário à privatização de estatais nos anos 1990. Para ele, as vendas lesaram o patrimônio público e deixaram setores econômicos estratégicos nas mãos de “testas de ferro do capital internacional”.

As posições se contrapõem ao discurso atual de Bolsonaro. No início de sua carreira política, o deputado era crítico à privatização de estatais, mas passou a dizer que “quanto mais o Estado se afastar de qualquer atividade econômica, melhor será para o Brasil”.

FUSÃO E LEUCEMIA

Em 2006, a aprovação da cláusula de barreira pelo Congresso ameaçava acabar com o Prona, ao impor restrições a partidos que não recebessem uma votação mínima em boa parte do país. A sigla então se uniu ao Partido Liberal (PL), grupo do então vice-presidente, José Alencar, dando origem ao Partido da República (PR).

Naquele ano, Enéas se reelegeu deputado pelo PR, mas o avanço de uma leucemia debilitava sua saúde. Antes de começar a quimioterapia, resolveu raspar a barba, um de seus símbolos. O médico morreu no ano seguinte, aos 68 anos.

Na pequena comitiva de políticos presentes no velório —entre os quais Bolsonaro, Havanir e o pastor evangélico Édino Fonseca—, chamou a atenção dos jornalistas a presença do então deputado Aldo Rebelo, militante histórico do Partido Comunista do Brasil (PC do B).

À saída, o comunista disse que Enéas agia conforme suas crenças e era “um homem público de elevada confiabilidade” —sinais de um tempo não tão distante em que a polarização política no país era mais branda.

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Falar do finado Eneas Carneiro "HOJE"… é só assistir aos videos dele no youtube. Tirem as suas próprias conclusões com os modelos de "presidenciáveis" que temos Hoje. E ainda o consideravam "insano mental".

  2. Dr. Éneas era um político de valor, texto falou de muitas coisas menos a desgraça o que imprensa fez com a imagem deste homem de valor..
    Ele foi taxado de doido e ridicularizado, claro nunca defendeu os interesses privados, por esta e outras covardias ele não foi eleito presidente do nosso sofrido país, hoje ao meu ver ele sim seria um ótimo presidente, e não esta geração de "donos do Brasil", que simplesmente sucatearam e saquearam nosso país.
    Seus discursos sempre esteve a frente do tempo, previsão de mestre , acredito que não ele tinha conhecimento e era realmente preparado para isto…

    1. quando Enéas disse que estava se comunicando com extra-terrestres, não tive mais dúvida da sua insanidade mental !

  3. Eneas nunca foi direita, quiçá extrema direita. Era a favor do Estatismo. Criticou até sua morte as privatizações. A definição de direita hoje é : falou mal do PT é direita. Pura demagogia.

    1. Não poderia ser diferente, é o estado que manteve o bandido do Henrique Alves no poder por décadas! Votar, definitivamente, não é o nosso forte!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS: Varíola dos macacos não constitui emergência de saúde mundial

Foto: Vinícius Schmidt/Metrópoles

A Organização Mundial de Saúde anunciou, neste sábado (25/6), que o atual surto de varíola dos macacos não constitui uma emergência de saúde pública mundial, categoria na qual está classificada a pandemia de Covid-19. Até aqui, ao menos 3.040 casos da doença infecciosa foram notificados em 47 países.

Entre os argumentos para não elevar o nível de atenção em relação à varíola dos macacos, os especialistas citaram a possibilidade de a classificação gerar estigmas e violações de direitos humanos contra homens que fazem sexo com homens, uma vez que a maioria dos pacientes registrados neste novo surto pertence ao grupo.

O painel de especialistas que aconselha a OMS sugere que a situação seja reavaliada se o número de casos seguir aumentando, se forem registrados infectados entre profissionais do sexo e se a gravidade dos casos notificados crescer.

Casos no Brasil

A cepa que está em circulação em países fora da África é considerada mais transmissível, mas menos letal. Até o momento, no atual surto, foram registrados mais de 2 mil casos em 42 países, e nenhuma morte. O Brasil já confirmou nove pacientes infectados pelo vírus.

A OMS acredita que as primeiras pessoas que tiveram contato com o vírus fora da África estavam em festas de música eletrônica na Europa. A doença é transmitida por contato próximo com os fluidos das feridas dos pacientes, assim como pela respiração, mas o contágio é bem mais difícil do que o da Covid-19, por exemplo.

A maioria dos pacientes infectados são identificados como homens que fazem sexo com homens, levantando dúvidas se o vírus também seria transmitido por contato sexual. Nas últimas semanas, pesquisadores do o Instituto Spallanzani encontraram DNA do vírus da varíola dos macacos no sêmen de pacientes infectados, mas ainda não há confirmação sobre essa maneira de contaminação.

Sintomas da infecção

O período de incubação do vírus que provoca a doença varia de sete a 21 dias. Os sintomas costumam aparecer 10 ou 14 dias após o momento da infecção. Os primeiros sinais são febre, mal-estar e dor. Cerca de três dias depois, os pacientes passam a apresentar bolhas pelo corpo – parecidas com as da catapora. A doença termina em um período entre três e quatro semanas.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

TRETA: Suplicy pede desculpas em e-mail, mas Mercadante não aceita; Em evento do PT, vereador acusou o ex-ministro de ter “alguma coisa” contra ele

Foto: Reprodução/ CNN Brasil

O ex-ministro Aloizio Mercadante (PT) rebateu, por e-mail, pedido de desculpas do vereador Eduardo Suplicy, também enviado por e-mail, que interrompeu o lançamento das diretrizes do programa de governo da chapa Lula-Alckmin com reclamações sobre o documento.

Na resposta endereçada ao ex-senador, Mercadante demonstrou estar contrariado com atitude de Suplicy. No texto, o ex-ministro de Lula chamou de desrespeitosa e agressiva manifestação do vereador petista.

No episódio, Eduardo Suplicy reclamou de não ter sido convidado para aquela reunião nem de ter tido contemplada nas diretrizes, proposta de sua autoria, a renda básica e cidadania. Segundo Aloizio Mercadante, a sugestão consta no documento.

“[Sua atitude] também trouxe duas acusações injustas, que precisam ser reparadas. A primeira é de que a renda básica de cidadania não estaria contemplada nas diretrizes do programa de governo. Não é verdade. O tema está no item 20 do documento para desenvolvimento. Bastaria você ter lido antes ou perguntado a qualquer membro da coordenação”, disse Mercadante no e-mail.

Mercadante também diz que houve injustiça em outra fala de Suplicy, que na ocasião, deu a entender boicote do ex-ministro ao seu nome.

A explicação de Mercadante no e-mail é de que a equipe do evento não convidou parlamentares para evitar tratamento diferenciado.

“Não foram poucas minhas manifestações públicas, ao longo da vida, de reconhecimento e de afeto para contigo, pessoa que sempre classifiquei como sincero, honesto, generoso, respeitoso e cortês”, seguiu.

A mensagem finaliza com entendimento de Mercadante de que o pedido de desculpas deveria se dar publicamente.

“Esse gesto de grandeza deveria ser dirigido a todos e todas que contribuíram com a construção do programa de governo, aos partidos, à nossa aguerrida e apaixonada militância e às nossas lideranças Lula e Alckmin”, finalizou.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

ABC empata sem gols no Frasqueirão e perde chance de assumir a liderança da Série C

Foto: Mikael Machado @mikaellphoto/ADC

O ABC recebeu o Confiança-SE na tarde deste sábado (25), no Frasqueirão, em partida que terminou empatada em 0 a 0.

O resultado da partida que abriu a 12ª rodada da Série C impediu que o Mais Querido chegasse à liderança da competição, permanecendo em 2º lugar na tabela de classificação.

Na próxima rodada, o Alvinegro viaja até Goiânia para encarar a Aparecidense, na segunda-feira, dia 4 julho, às 20h, no Estádio Aníbal Toledo.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 140 óbitos e 38 mil casos nas últimas 24h

Foram divulgados os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste sábado (25), de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass):

– O país registrou 140* óbitos nas últimas 24h, totalizando 670.369 mortes;

– Foram 38.793* novos casos de coronavírus registrados, no total 32.061.959;

*Não atualizaram: DF, MA, MG, MT, RJ, RR e TO;
*Dados de casos de ontem e hoje de SP, com 16.911 registrados.

A média móvel de óbitos nos últimos sete dias é de 194. A a média móvel de novos casos é de 52.637.

O ministério da Saúde calcula que mais de 30,5 milhões de pessoas já se recuperaram da Covid.

Opinião dos leitores

  1. Gostaria de entender a eficácia dessas vacinas para o COVID, daqui a pouco vamos tomar uma dose a cada dia, não comento as VACINAS DO PNI, questiono especificamente essa.

    1. Bolsonaro tava rindo das pessoas sem ar. Ridicularizando as pessoas morrendo.

    2. E o Bozo disse: “e daí, não sou coveiro”.
      Além de simular pessoas morrendo sem ar.
      ASQUEIROSO!

    3. Messias um dia disse que não era coveiro, apenas se mostra um legítimo genocida.

    4. O mesmo vale para vc Pedro, estamos empatados, tenho pavor a homem burro e ignorante.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro recebe apoio na Marcha para Jesus e diz que tem ‘exército de 200 milhões de pessoas’

Foto: Fernando Ribeiro/Futura Press/Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou neste sábado, 25, da Marcha para Jesus em Balneário Camboriú, no litoral norte de Santa Catarina, e foi saudado pelos quase 50 mil presentes. “Não podemos admitir que fiquemos calados enquanto fazem algo de mal para os outros. Sempre tenho falado das quatro linhas da Constituição. Tenho certeza que, se preciso for — e cada vez mais parece que será preciso —, nós tomaremos as decisões que devem ser tomadas”, bradou Bolsonaro, efusivamente, recebendo aplausos em resposta. “Cada vez mais eu tenho um exército que se aproxima dos 200 milhões de pessoas nos quatro cantos desse Brasil.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

STJ manda retomar processo do TCU contra Deltan por diárias da Lava Jato

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou neste sábado (25) a retomada da apuração do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre diárias, passagens e gratificações ao ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos) e outros integrantes da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

O presidente do STJ, ministro Humberto Martins, atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), que recorreu da decisão que havia suspendido a investigação da Corte de contas.

Na decisão, a qual a CNN teve acesso, Martins afirma ser “salutar e legítima a atuação fiscalizatória” do TCU, “em prol da verificação de eventuais danos financeiros ao erário público na gestão das viagens a serviço e diárias dos Procuradores da República, lotados em outras unidades, para fins de exercício de sua atividade institucional em Curitiba para atuação específica na Operação Lava Jato”.

Opinião dos leitores

    1. Presidência, congresso e o judiciário ineficiente e com gastos é mordomias exorbitante, vão fiscalizar quem recuperou bilhões de reais e estancou a sangria da roubalheira trilionária petralha. Sei não, mas esse país é pra se jogar no esgoto.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Em ofício a desembargador, juiz afirma que, solto, Milton Ribeiro pode interferir nas investigações

Foto: FABIO RODRIGUES-POZZEBOM/ AGÊNCIA BRASIL

Depois que o desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, mandou soltar o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, preso na Operação Acesso Pago, o juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, que havia determinado a prisão preventiva, disse que tomou a decisão com base em “suspeitas substanciais”. Em ofício, o juiz defende a legalidade da prisão e diz ainda que Ribeiro pode interferir nas investigações.

“Todas as decisões foram proferidas com base em indicativos cabais que haveria má sequência de condutas suspeitas no Ministério da Educação (chamado de gabinete paralelo*) e que poderiam amoldar-se aos tipos penais acima especificados; é dizer, as decisões não foram proferidas sem o respaldo legal justificador”, diz um trecho da manifestação enviada ao gabinete do desembargador.

O magistrado contrapõe os argumentos usados por Ney Bello para dar o habeas corpus que colocou o ex-ministro em liberdade. A decisão do desembargador, que desfez a ordem do juiz Renato Borelli, teve dois fundamentos principais: o de que Milton Ribeiro não está mais no MEC (Ministério da Educação) e o de que os fatos investigados não têm “contemporaneidade”.

Em resposta, o juiz federal de primeiro grau reitera que, mesmo fora do governo, o ex-ministro “ainda pode interferir na produção de provas sobre eventual conduta criminosa pretérita”.

“O fato de o investigado não mais pertencer aos quadros da Administração Pública não o exime de responder pelos atos porventura típicos que em outra época tenha sido autor, nem tampouco se atualmente ele pode ou não continuar praticando”, argumenta.

Borelli diz também que não dá para cravar se há ou não “contemporaneidade” nos fatos investigados, o que segundo ele demandaria um aprofundamento das investigações.

“Com efeito, em um Estado democrático de Direito, a ninguém é dado permanecer inerte, muito menos às autoridades estatais, diante de situações que podem configurar lesão a qualquer bem jurídico tutelado pelo Direito Penal, mormente quando o bem lesado pertence a toda a sociedade”, escreveu.

O juiz também nega que tenha impedido as defesas de tomarem conhecimento do processo. Ele afirma, no entanto, que a ordem de prisão não poderia ter sido comunicada antes do cumprimento, “sob pena de torná-la ineficaz pelo conhecimento prévio”. “Tão logo as cautelares foram todas cumpridas, franqueou-se às defesas dos investigados acesso às informações processuais”, explica.

A manifestação foi enviada ao desembargador Ney Bello horas após ele mandar soltar o ex-ministro. A decisão também beneficiou os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, que também são investigados no inquérito sobre o gabinete paralelo no MEC.

R7

Opinião dos leitores

  1. Ofício ?!?!? O juízo atravessa uma petição para o desembargador, está tomando partido ou o quê???

  2. Milton Ribeiro vai prova sua inocência.
    Mais uma estória da militância esquerdopata.
    MITO 2022

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro ironiza postagem de Lula no Twitter com sugestões de filmes: “Senhor do Triplex”

O presidente Jair Bolsonaro (PL) ironizou neste sábado (25) uma publicação feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Twitter. A equipe de comunicação do petista compartilhou e indicou as sagas de filmes favoritos para assistir no fim de semana.

Em ironia à publicação, o chefe do Executivo compartilhou o post de Lula e colocou uma montagem do filme “O Senhor dos Anéis” com a mensagem “O Senhor do Triplex”, em referência ao tríplex do Guarujá que foi atribuído ao petista durante investigações da operação Lava Jato.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Hô Véio macho daquilo rôxo é Bolsonaro.
    Gosto do Véio assim, dando suas mitadas.
    Luizinho Nove Dedos pira.
    Luizinho Nove Dedos velhote desgraçado.

  2. O desespero bolsominion é lindo demais…kkkkkkkkk
    Tá chegando a hora do Brasil mudar… é melhor jairfugindo…kkkkk

    1. Só Os imbecis apóiam. Ó maior corupido do mundo.um chefe de quadrilha de maguinais que assaltaram ó Brazil ? Ó grande chefe Luiz Inácio Lula da Silva! Que eu desenhe pra vc entender ?

    2. Você se engana, meu amigo. A datapovo não engana ninguém. Só os retardados petistas que não enxergam .

  3. Como pode o Brasil optar por dois ladroes pra governar o país, depois ainda tem a petulância de reclamar de alguma coisa. Bando de fdp esses brasileiros, deixar de votar num cidadão de bem como o moro, merecem tudo de ruim esses burrões.

    1. Chora não, mané fodido! Aceita que dói menos! Vota no mito! Rouba bem menos do que o sapo barbudo. A especialidade do marreco é trair. Trai até a sombra. Achou que era o rei da cocada preta, se ferrou. Não tem capital político nem pra síndico, com todo respeito aos síndicos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Lula e Bolsonaro planejam atos para mesmo dia a pouca distância, em Salvador-BA

Foto: Sergio Lima/Poder 360

Tanto o presidente Jair Bolsonaro (PL) quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ambos pré-candidatos ao Palácio do Planalto, pretendem reunir apoiadores no dia 2 de julho, próximo sábado, em Salvador (BA).

Ainda não há confirmação de horários. Ambos os eventos, porém, devem ser próximos à Arena Fonte Nova. Nessas situações é possível que militantes adversários se encontrem no trajeto até o local das manifestações.

O Poder360 apurou que o ato de Lula provavelmente será no estacionamento do estádio –esquema semelhante foi usado na Arena das Dunas, em Natal (RN), para evento do ex-presidente no meio de junho de 2022.

Petistas da Bahia ouvidos pela reportagem disseram que o ato pró-Lula será possivelmente no final da manhã.

Bolsonaro, por sua vez, deverá participar de uma motociata. A concentração está marcada para o Dique Tororó, lago que fica de frente para o estádio. A expectativa é que a concentração seja na 1ª metade da manhã.

Imagem: Reprodução/Google Maps – 25.jun.2022

A data de 2 de julho marca o que ficou conhecido como “Independência da Bahia”, evento importante no processo de independência do Brasil.

Trata-se de uma referência à madrugada de 2 de julho de 1823, quando a cidade de Salvador amanheceu quase deserta, pois o exército português havia deixado em definitivo a então província da Bahia. Foi o fim oficial da guerra de 17 meses (de fevereiro de 1822 a julho de 1823) entre tropas de Portugal e do Brasil. Essa vitória brasileira consolidou a separação política do Brasil de Portugal.

A efeméride tem muito significado para os baianos e costuma ser festejada em Salvador com desfile no centro histórico da capital do Estado.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Eu deixaria ocorrer no mesmo dia e no mesmo horário, e mesmo local, tiraria a prova de quem se arrocharia, se a turma de LULADRAO o maior bandido de todos os tempos, ou a turma do bozo o maior falador de merda de todos os tempos, o que sobrar, possivelmente será os vencedores da eleição.

  2. Eu deixaria ocorrer no mesmo dia e no mesmo horário, tiraria a prova de quem se arrocharia, se a turma de LULADRAO o maior bandido de todos os tempos, ou a turma do bozo o maior falador de merda de todos os tempos, o que sobrar, possivelmente será os vencedores da eleição.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

INSEGURANÇA: Residência e lojas são alvos de ações criminosas no bairro de Lagoa Nova durante a madrugada deste sábado (25)

Foto: Magnus Nascimento

Lojas e uma residência foram alvos de criminosos no bairro de Lagoa Nova, na madrugada deste sábado (25).

Os imóveis ficam nas imediações do cruzamento das avenidas Jaguarari e Antônio Basílio.

O roubo das fiações elétricas dos locais foram o principal objetivo dos criminosos que também levaram tomadas, cadeiras e outros objetos.

Moradores da região relatam que ações criminosas como esta têm se tornado cada vez mais constantes, além da presença frequente de usuários de drogas.

Opinião dos leitores

    1. Agora sejam os crakudos! Quando investigarem vão descobrir um monte de frutados com seus empregos que decidiram se dá bem na vida através de atalhos, ou um monte de playboyzinhos de bairros ricos ou pobres que querem dinheiro para curtir a vida.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *