Gilmar Mendes “ultrapassou limite” da crítica e “forçou a barra”, diz Mourão

Foto: Marcos Corrêa/PR

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta segunda-feira (13) que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), “forçou a barra” e “ultrapassou o limite de crítica” ao dizer que o Exército se associou a um genocídio durante a pandemia do novo coronavírus.

“O ministro Gilmar Mendes não foi feliz. Vou usar uma linguagem do jogo de polo, ele (Gilmar) cruzou a linha da bola. Cruzou a linha da bola ao querer comparar com genocídio o fato das mortes ocorridas no Brasil durante a pandemia, querer atribuir essa culpa ao Exército porque tem um oficial-general do Exército como ministro interino da Saúde (Eduardo Pazuello)”, disse Mourão durante videoconferência promovida pela Genial Investimentos.

Em abril, Mourão usou a mesma expressão usada no de polo, esporte que pratica, para se referir ao ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. No jogo, “cruzar a linha da bola” é considerada uma falta grave.

“Ele (Gilmar) forçou uma barra aí que agora está criando um incidente com o ministério da Defesa. Há pouco a Defesa soltou uma nota e talvez até acione a Procuradoria-Geral da República”, afirmou. “A crítica vai ocorrer, tem que ocorrer, é válida, mas o ministro ultrapassou o limite da crítica”, acrescentou o vice.

Apesar do desgaste com Gilmar Mendes, Mourão afirmou que as “tensões” entre os poderes diminuíram nos últimos tempos. De acordo com ele, o presidente Jair Bolsonaro escalou ministros como Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e André Mendonça (Justiça) para “restabelecer as pontes com o STF”.

“Nós tivemos um período meio conturbado no relacionamento do Executivo com o Legislativo e Judiciário que nos últimos tempos, essas tensões foram se reduzindo”, avaliou o vice-presidente.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nono Correia disse:

    Militares pedem fechamento do STF: "Aiinnn liberdade de expressão".
    Militares que exercem cargos públicos são criticados por Ministro do STF: "Aiiinnn ultrapassou os limites"

    Haja paciência para lidar com essa malta de imbecis que tomara o poder de assalto.

  2. Antonio Turci disse:

    Está na hora dessa "briga de comadres" terminar. O Ministério da Defesa é bem maior que o ministro falastrão.

  3. César Augusto de Oliveira Paiva disse:

    Logo Gilmar Mendes o mais desgastado e o mais incrédulo ministro do supremo por varias vezes questionado pelos seus próprios pares com condutas que envergonham aquela corte em debates acalorados com o ministro Barroso o mesmo desmoralizou o colega em rede nacional quando expôs suas condutas totalmente fora do padrão, esse ministro talvez seja o principal membro da corte com a menor credibilidade perante a sociedade.

  4. Alvaro disse:

    E a tal liberdade de expressão que vcs defendiam até um dia desses para atacar todo mundo de qualquer jeito?
    Só vale pra vcs?
    Quando são criticados não pode?
    É essa a tal nova política defensora de fakes news?

  5. Patriota disse:

    Gilmar Mendes está certo. As Forças Armadas servem para servir a nação sob a égide da Constituição e não para ser cão de guarda de governo A ou governo B. Governos passam e o povo fica.

  6. Rai S SILVA disse:

    Esse é um Zé cagao, segundo Fernando Melo do comunicação e política.

COMENTE AQUI