GRAVE: Arquivos vazados revelam condução incorreta da China em fases iniciais da Covid


Foto: China Daily via Reuters

Um grupo de médicos da linha de frente da Covid-19, provavelmente exaustos, estão reunidos em uma videoconferência enquanto o homem mais poderoso da China levanta a mão em saudação. É 10 de fevereiro em Pequim e o presidente Xi Jinping, que por semanas esteve ausente da vista do público, está se dirigindo à equipe do hospital na cidade de Wuhan enquanto funcionários lutam para conter a disseminação de um novo coronavírus ainda sem nome oficial.

De uma sala segura a cerca de 1.200 quilômetros (745 milhas) do epicentro, Xi expressou suas condolências aos que morreram no surto. Ele pediu uma maior comunicação pública, já que em todo o mundo aumentaram as preocupações sobre a ameaça potencial representada pela nova doença.

No mesmo dia, as autoridades chinesas relataram 2.478 novos casos confirmados – elevando o número global total para mais de 40.000, com menos de 400 casos ocorrendo fora da China continental.

No entanto, a CNN agora pode revelar como os documentos oficiais circulados internamente mostram que isso era apenas parte da imagem.

Um relatório marcado como “documento interno, por favor, mantenha confidencial”, a autoridades de saúde locais na província de Hubei, onde o vírus foi detectado pela primeira vez, lista um total de 5.918 novos casos detectados em 10 de fevereiro, mais do que o dobro do número público oficial de casos confirmados , dividindo o total em uma variedade de subcategorias.

Esse número maior não foi totalmente revelado naquela época, já a contabilidade da China parecia, no tumulto das primeiras semanas da pandemia, minimizar a gravidade do surto.

O número anteriormente não divulgado está entre uma série de revelações contidas em 117 páginas de documentos vazados do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Hubei, compartilhados e verificados pela CNN.

Juntos, os documentos representam o vazamento mais significativo de dentro da China desde o início da pandemia e fornecem a primeira janela clara sobre o que as autoridades locais sabiam internamente e quando.

O governo chinês rejeitou veementemente as acusações feitas pelos Estados Unidos e outros governos ocidentais de que ocultou deliberadamente informações relacionadas ao vírus, sustentando que tem sido transparente desde o início do surto.

No entanto, embora os documentos não forneçam evidências de uma tentativa deliberada de obscurecer as descobertas, eles revelam várias inconsistências entre o que autoridades acreditavam estar acontecendo e o que foi revelado ao público.

Os documentos, que cobrem um período incompleto entre outubro de 2019 e abril deste ano, revelam o que parece ser um sistema de saúde inflexível regido pela burocracia de cima para baixo e procedimentos rígidos que estavam mal equipados para lidar com a crise emergente.

Em vários momentos críticos na fase inicial da pandemia, os documentos mostram evidências de erros claros e apontam para um padrão de falhas institucionais.

Um dos pontos de dados mais impressionantes diz respeito à lentidão com que os pacientes locais Covid-19 foram diagnosticados.

Mesmo quando as autoridades em Hubei apresentaram ao público como lidaram com o surto inicial como eficiente e transparente, os documentos mostram que autoridades locais de saúde dependiam de testes falhos e mecanismos de notificação.

Um relatório nos documentos do início de março diz que o tempo médio entre o início dos sintomas e o diagnóstico confirmado foi de 23,3 dias, o que os especialistas disseram que a CNN teria dificultado significativamente as medidas para monitorar e combater a doença.

A China defendeu veementemente como está lidando com o surto. Em uma entrevista coletiva em 7 de junho, o Conselho de Estado da China divulgou um Livro Branco dizendo que o governo chinês sempre publicou informações relacionadas à epidemia de “maneira oportuna, aberta e transparente”.

“Ao fazer um esforço total para conter o vírus, a China também agiu com grande senso de responsabilidade para com a humanidade, seu povo, a posteridade e a comunidade internacional. Forneceu informações sobre a Covid-19 de maneira totalmente profissional e eficiente, divulgou informações confiáveis e detalhadas o mais cedo possível em uma base regular, respondendo de forma eficaz à preocupação pública e construindo um consenso público “, diz o Livro Branco.

CNN entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores da China e a Comissão Nacional de Saúde, bem como a Comissão de Saúde de Hubei, que supervisiona o CDC provincial, para comentar as descobertas divulgadas nos documentos, mas não obteve resposta.

Especialistas em saúde disseram que os documentos revelam por que o que a China sabia nos primeiros meses era importante.

“Ficou claro que eles cometeram erros, e não apenas erros que ocorrem quando você está lidando com um vírus novo. Também erros burocráticos e politicamente motivados em como eles lidaram com isso”, disse Yanzhong Huang, pesquisador sênior da Global saúde no Conselho de Relações Exteriores, que escreveu extensivamente sobre saúde pública na China.

“Isso teve consequências globais. Você nunca pode garantir 100% de transparência. Não se trata apenas de qualquer encobrimento intencional, você também é limitado pela tecnologia e outros problemas com um vírus novo. Mas, mesmo que fossem 100% transparentes, isso não impediria a administração Trump de minimizar a seriedade disso. Provavelmente não teria impedido que isso se transformasse em uma pandemia.”

Terça-feira, 1º de dezembro, marca um ano desde que o primeiro paciente conhecido apresentou sintomas da doença na capital da província de Hubei, Wuhan, de acordo com um estudo importante publicado no jornal médico Lancet.

Ao mesmo tempo em que acredita-se que o vírus tenha surgido pela primeira vez, os documentos mostram que outra crise de saúde se desenrolava: Hubei estava lidando com um significativo surto de gripe.

Isso fez com que os casos aumentassem para 20 vezes o nível registrado no ano anterior, mostram os arquivos, colocando enormes níveis de estresse adicional em um sistema de saúde já sobrecarregado.

A “epidemia” de gripe, como observaram as autoridades no documento, não estava apenas presente em Wuhan em dezembro, mas foi maior nas cidades vizinhas de Yichang e Xianning. Ainda não está claro qual impacto ou conexão o pico de influenza teve no surto de Covid-19.

E embora não haja nenhuma sugestão nos documentos de que as duas crises paralelas estão ligadas, as informações sobre a magnitude do aumento da gripe em Hubei ainda não foram publicadas.

As revelações que vazaram ocorrem no momento em que aumenta a pressão dos EUA e da União Europeia sobre a China para cooperar totalmente com uma investigação da Organização Mundial de Saúde sobre as origens do vírus que, desde então, se espalhou por todos os cantos do planeta, infectando mais de 60 milhões de pessoas e matando 1,46 milhões.

Mas, até agora, o acesso de especialistas internacionais aos registros médicos do hospital e de dados brutos em Hubei foi limitado, com a OMS dizendo na semana passada que teve “garantias de nossos colegas do governo chinês de que uma viagem ao campo” seria concedida como parte do sua investigação.

Os arquivos foram apresentados à CNN por um denunciante que pediu anonimato. Eles disseram que trabalhavam dentro do sistema de saúde chinês e eram patriotas motivados a revelar uma verdade que havia sido censurada e homenagear colegas.

Não está claro como os documentos foram obtidos ou por que artigos específicos foram selecionados. Os arquivos foram verificados por seis especialistas independentes que examinaram a veracidade de seu conteúdo em nome da CNN.

Um especialista próximo à China relatou ter visto alguns dos relatórios durante uma pesquisa confidencial no início de 2020.

Um oficial de segurança europeu com conhecimento de documentos e procedimentos internos chineses também confirmou à CNN que os arquivos são genuínos.

Os metadados dos arquivos vistos pela CNN contêm os nomes de funcionários do CDC como modificadores e autores.

As datas de criação de metadados se alinham com o conteúdo dos documentos. A análise forense digital também foi realizada para testar seu código de computador em relação às suas supostas origens.

Sarah Morris, da Digital Forensics Unit da Cranfield University da Grã-Bretanha, disse que não há evidências de que os dados foram adulterados ou enganosos.

Ela acrescentou que os arquivos mais antigos pareciam ter sido usados ??repetidamente por um longo período de tempo. “É quase como um mini sistema de arquivos”, disse ela.

“Então, ele tem muito espaço para coisas deletadas, para coisas antigas. Isso é realmente um bom sinal [de autenticidade].”

Confira a reportagem completa AQUI

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lima disse:

    O COMUNISMO É OPRESSOR E UMA FONTE DE PRÁTICAS SINISTRAS.

  2. Romero Cezar da Câmara disse:

    Ôh novidade! Governo escondendo algo. Pergunte ao nosso se está grave as queimadas no Pantanal e na Amazônia? E vejam a resposta. Pergunte ao nosso presidente como está a situação da pandemia? Resposta! Kkkkkkkkkk, uma gripizinha dessa…..

  3. Chicó disse:

    Esperar oa defensores da verdade e da família opinarem sem lembrar que o Bozo é o que mais fala asneiras e quebra protocolos.

    • Minion de Peixeira disse:

      É o mais?…fale sobre os líderes das Ilhas Fiji, Togo e Sudão do Sul. Melhor. Fale o que a maior quarentena do Mundo fez com a Argentina. Ê cada quadrúpede!

  4. Gabriel disse:

    Ainda hoje o Brasil mantém dados incompletos e demora no diagnóstico. Estão a procurar cabelo em ovo.

  5. Vergonha disse:

    É fácil …coloquem os PTralhas de bunda pra cima para tomarem essa vacina REEIRA

COMENTE AQUI