Política

Haddad já vetou distribuição gratuita de absorventes quando foi prefeito de São Paulo

Foto: Roberto Casimiro/Estadão Conteúdo

A decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de vetar o trecho de um projeto que previa a distribuição gratuita de absorventes a pessoas de baixa renda foi alvo de polêmica nesta semana e recebeu críticas da oposição, entidades e especialistas. O chefe do Executivo disse que foi “obrigado” a vetar a proposta porque o projeto não apresentava fonte de custeio. “Quando qualquer projeto cria despesa, o congressista sabe que tem que apresentar a fonte de custeio. Quando não apresenta, se eu sanciono, eu estou incluso no artigo 8 da Constituição, crime de responsabilidade”, justificou.

Bolsonaro, no entanto, não foi o primeiro político a vetar a medida. Quando esteve à frente da Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad (PT) vetou proposta parecida (veja aqui). A informação foi levantada pelo programa “Os Pingos Nos Is“, da Jovem Pan, em parceria com a Revista Oeste.

Em 21 de dezembro de 2015, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou um projeto que obrigava o Poder Executivo a fornecer absorventes higiênicos a pessoas com renda inferior a dois salários mínimos. Em fevereiro do ano seguinte, Haddad vetou. Na justificativa, o então prefeito disse que a proposta era insuficiente para a precaução de enfermidades e que não havia fundamento técnico-científico para que se tornasse um programa municipal. “Finalmente, a consecução da medida demandaria o planejamento, aquisição, armazenamento, distribuição e dispensação dos absorventes às munícipes, a acarretar significativas despesas ao erário público, em prejuízo dos investimentos com recursos efetivamente indispensáveis à saúde da mulher, tais como medicamentos e materiais médico-hospitalares, não constituindo, ademais, atribuição da Secretaria Municipal da Saúde o fornecimento de produtos de higiene”, declarou.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Mas o discurso do governo era ser o diferencial. Que iria mudar o Brasil, fazer exatamente o oposto do governo do PT. Mas quando algo dá errado, tenta justificar colocando a culpa nos outros ou dizendo que o PT fez assim também.
    Não ajudei a eleger um presidente para ficar dando desculpinhas, fazendo birra ou culpando os outros pelos seus erros como faz uma criança mimada.
    Bolsonaro foi eleito para mudar o que ali estava, mas parece que demos um tiro no pé.

    1. Exato José! E o que fez pelo.povo? O que mudou para melhor? Nada!

  2. Vou desenhar para os esquerdopatas . Foi informado de onde sairia o dinheiro para compra dos absorventes? Não. Se o presidente aprovasse estaria cometendo o crime de responsabilidade fiscal, este projeto foi mais uma manobra da esquerda para prejudicar o governo federal.

    1. Você quer desenhar porque talvez não saiba escrever. Bem, se souber ler, veja o art. 4° do projeto de lei e então pare de falar besteira

  3. E agora Senadora Zenaide? “Já deu ” vetou como Prefeito da maior cidade do Brasil.
    Pegue pelo menos 50 mil reais da verba de gabinete , compre e distribua nas escolas.

  4. Claro, no Brasil, existe uma péssima e injustiça, distribuição de renda. Não se discute isso. Agora, se a moda pega. Daqui a pouco, teremos programa de calcinha, sutiã etc. Proposta politiqueira e irresponsável. Eita Brasil! João Macena.

  5. É o Mito até 2026!
    Chora não, petralhada fedorenta!
    Essa será a última cacetada no 9 dedos barbudo! Com essa ele se enterra de vez!!

    1. Se o “mito “, como diz vc se eleger em 2022 e ficar presidindo o Brasil até 2026, quem se enterra de vez somos nós , o povo brasileiro.O governo de Jair está perdido, cada dia mais está se afundando, a inflação está exorbitante, a população brasileira não aguenta mais tanta carestia. Triste realidade a nossa 😧.

  6. Projeto de um petista para tumultuar o ambiente político, só o que eles sabem fazer ultimamente. Não apresentou de onde iria sair o dinheiro para custear o projeto e depois joga na mídia que o presidente é negacionista, igual a alguns aqui.

  7. Isso aí é interesse de uma determinada empresa que patrocina quem estar esperniando, como Felipe Neto e outros. Além de fazer campanhas pra fornecer, aproveitam a negativa do presidente pra acusá-lo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Passageiro urina dentro de carro e é atropelado por motorista de aplicativo

Foto: reprodução

Um motorista de aplicativo se irritou e atropelou o passageiro após o homem urinar dentro do veículo durante corrida na noite deste sábado (13), no bairro Vila Marcos Roberto, em Campo Grande.

Conforme registro policial, o motorista transportava um passageiro, quando o mesmo pediu para que ele parasse o carro para poder urinar, o homem alegou sofrer de incontinência urinária.

No entanto, o motorista optou por não parar e concluir a viagem, visto que neste momento, faltavam apenas 300 metros para que os dois chegassem ao destino do usuário do aplicativo.

Chegando ao destino final, o passageiro pagou a corrida normalmente. No momento, o condutor sentiu um odor de urina e questionou o cliente se ele havia urinado no carro.

O passageiro confirmou e justificou que havia pedido para o motorista parar o veículo para que ele pudesse fazer suas necessidades fisiológicas.

De acordo com boletim de ocorrência, os homens iniciaram uma discussão. O passageiro saiu do carro e neste momento, uma testemunha relatou a polícia que o motorista jogou o veículo contra o homem, que feriu as mãos e joelhos.

g1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Gasto da União com servidores federais chega a menor valor desde 2008

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A representação dos gastos da União com servidores no PIB chegará ao menor valor desde 2008, até o fim de 2022. Segundo apresentação do ministério da Economia para investidores, a expectativa é que o custo de servidores em relação ao PIB será de 3,4% neste ano. Em 2021, essa representação foi de 3,6%.

A queda nos gastos converge com o número de servidores ativos, segundo dados do Painel Estatístico de Pessoal, do governo federal. Em 2022, são 570 mil pessoas no quadro do funcionalismo federal, menor número desde 2009, quando o governo apresentava cerca de 562 mil servidores ativos.

O ministério da Economia atribui essa queda a uma mudança na configuração da força de trabalho, promovida, principalmente, pela ampla transformação digital que está sendo realizada na administração pública federal.

“A redução de pessoal decorre, basicamente, do processo contínuo de digitalização de diversos serviços públicos – são cerca de 4,8 mil serviços disponíveis na plataforma GOV.BR. Desta maneira, a força de trabalho, antes utilizada para muitas atividades operacionais repetitivas, vem sendo direcionada para atribuições mais estratégicas, que valorizem e garantam um atendimento cada vez melhor aos cidadãos.”, destaca a nota do ministério da Economia, enviada à CNN.

Outro fator que contribuiu para a redução no quadro de pessoal foi o corte de 21 mil cargos comissionados, funções e gratificações do Executivo Federal em 2019. De forma imediata, foram extintos 159 cargos, além de 4.941 funções e 1.487 gratificações, com economia orçamentária estimada em R$ 195 milhões.

A redução de gastos com pessoal impacta positivamente a dívida pública federal, que apresenta atualmente um estoque de R$ 5,8 bilhões. Com a queda das despesas, aumentam as chances do governo fechar as contas com superávit, o que reduz a necessidade de endividamento do governo para quitar as contas públicas.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 40 óbitos e 5 mil casos nas últimas 24h

Foram divulgados os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste domingo (14), de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass):

– O país registrou 40* óbitos nas últimas 24h, totalizando 681.437 mortes;

– Foram 5.395* novos casos de coronavírus registrados, no total 34.170.286;

*Não atualizaram: DF, MA, MG, MT, RJ, RR e TO
*Sem dados do RN

A média móvel de óbitos nos últimos sete dias é de 206. A a média móvel de novos casos é de 21.702.

O ministério da Saúde calcula que mais de 32,9 milhões de pessoas já se recuperaram da Covid.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Alexandre de Moraes é definido relator de ação contra Bolsonaro sobre varíola dos macacos

Foto: WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro Alexandre de Moares foi definido por sorteio para ser o relator da ação contra o presidente Jair Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito de sua conduta em relação à varíola dos macacos, também chamada de monkeypox.

O documento, elaborado pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) e apresentado pelo deputado federal Israel Batista (PSB-DF), alega que o governo federal tem sido negligente em relação à disseminação da doença e pede que a União apresente um plano efetivo de combate.

Além disso, pede que os Estados e a União promovam um plano nacional conjunto para vacinar a população, incluindo os grupos de risco. O PSB ainda solicita que seja concedida medida cautelar “para determinar, expressamente, que os entes federados (Distrito Federal, Estados e Municípios) podem e devem, nos mesmos termos, impor a vacinação compulsória aos grupos de risco, bem como exigir passaporte vacinal para os regularmente vacinados”.

Na ação, o partido ainda menciona que a União deve se abster de “divulgar notícias falsas em relação à potencial epidemia de monkeypox”. De acordo com a OMS, os casos de varíola dos macacos aumentaram 190,7% no Brasil. No período entre 22 de julho a 7 de agosto, os casos saltaram de 592 para 1.721, segundo relatório divulgado na última quarta-feira.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Americano condenado por abusar de criança morre após beber líquido misterioso durante julgamento

Foto: reprodução

Condenado por abusar sexualmente de um menor de idade, o americano Edward Leclair morreu, nesta quinta-feira, após beber um líquido ainda não identificado enquanto seu veredito era lido. Em seguida, ele começou a passar mal e foi levado para o hospital, onde acabou morrendo horas depois.

A causa da morte ainda não foi determinada.

Leclair estava sendo julgado em Denton por cinco acusações, todas relacionadas a mesma vítima. Segundo o procurador Jamie Beck, Leclair bebeu o líquido que estava dentro de uma garrafa de água, descrito como ‘turvo’, apenas depois da leitura do seu veredito.

— Tivemos pessoas que desmaiaram, tiveram ataques cardíacos, mas nunca em meus 27 anos de profissão tivemos algo assim — disse Beck ao jornal Denton Record-Chronicle.

Leclair foi levado para uma cela anexa à sala do tribunal, enquanto detalhes acerca do cumprimento da sua pena eram discutidos:

— Um investigador nosso notou que ele engoliu a água. Ele alertou ao oficial de justiça que poderia ser uma boa ideia dar uma checada nele. O oficial de justiça foi, e ele estava inconsciente na cela — contou James Beck ao canal de televisão CNN.

O advogado de Leclair, Mike Howard, confirmou que seu cliente bebeu o líquido durante o julgamento. Ele, no entanto, diz não saber do que se tratava.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Após polêmica do nazismo, Monark diz ser contra prisão de quem assiste à pornografia infantil: ‘Não sei se é criminoso’

Foto: reprodução/YouTube

Após ser expulso do Flow Podcast por defender a existência de um partido nazista no Brasil, o youtuber Monark se envolveu em mais uma polêmica e ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter. Desta vez, ele disse ser contra a prisão de quem consome e assiste à pornografia infantil.

A declaração dele foi feita por meio do podcast Monark Talks, durante uma discussão sobre o caso do youtuber PC Siqueira, que foi alvo de investigação por pedofilia no passado, mas que já foi comprovado pela polícia que o crime não existiu.

Monark perguntou ao convidado Newman LM se ele considera PC Siqueira pedófilo. Newman, então, responde com uma pergunta: “Você acha que um sujeito que tem pornografia infantil é um criminoso?”

O youtuber, então, diz: “Eu não sei se ele é um criminoso. Eu acho que o crime está em você produzir e divulgar. Mas, que é uma parada que você vai falar: esse cara não bate bem, com certeza é, entendeu?”

Monark disse que prenderia um pedófilo se ele estivesse ameaçando outras crianças: “Se ele está assistindo uma parada é uma merda, é uma atitude de b***a do c****o… É bem esquisito, eu não seria amigo dessa pessoa, mas eu não sei se ele deveria ser preso, entendeu?”, explicou.

“O crime de verdade é você expor uma criança, entendeu? Ou você abusar de uma criança, na minha opinião. Ou não?”, completou.

Vale lembrar que, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, é crime a “posse de material podófilo”, a”utilização de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica”, o “comércio de material pedófilo”, a “difusão de pedofilia”, o “simulacro de pedofilia” e “aliciamento de crianças”.

R7

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Ex-senador José Agripino relata que escapou de assalto após ser reconhecido por criminoso

O ex-senador José Agripino Maia foi vítima de uma tentativa de assalto durante uma caminhada na manhã deste domingo (14). Em suas redes sociais, José Agripino relatou que só não foi assaltado pois o criminosos o reconheceu.

“Hoje dia dos pais, caminhada na rua. Não aconselho. Só não levaram o celular porque o cara me reconheceu.”, escreveu o ex-senador na publicação.

Portal Grande Ponto

Opinião dos leitores

  1. Eu achava que com o mito no comando da nação o quadro da criminalidade mudaria. Como não mudou, vamos mudar o comando.

    1. Pergunta pra sua governadora pq estamos nesses caos de insegurança, o governo federal mandou um monte de viatura pra ajudar, ja o policiamento é responsabilidade do estado

  2. Esse cara tem minha total admiração .
    Fez muito pelo RN.
    Muito mesmo.
    Deveria ter aceitado ser candidato a governador agora.
    Simplesmente da de 1000 a zero em fatão.
    Esse governo fatão, não exister.
    Fraco!.
    Não vez absolutamente nada pelo o Estado.
    Sem projetos.
    Sem nada.
    Ruim, muito ruim, péssimo.
    Ao Senador a minha admiração e respeito.
    Até aqui, não provaram nada do que acusam.
    Grande político e grande lider, pena que deu uma definhada.
    Era pra ser o futuro governador.
    Disparado!!!

    1. Zé agripino tivesse resolvido o embrólio com Rogério Marinho e encostado no Mito Bolsonaro, seria eleito governador fácil.
      Deu bobeira.
      Jogou errado.
      Fazia sim uma bancada federal forte e ainda saía eleito governador sem nenhuma dúvida.
      Jogou muito mau.
      Era a volta por cima.

    1. Vc fala de quem eh desonesto vc eh tão desonesto que nem seu nome vc revela seja homem mostre a cara

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Depressão cresce 41% com pandemia e afeta 1 em cada 10 brasileiros

Foto: Arquivo/G1

O humorista Diego Cardoso, de 36 anos, viu “o fundo do poço” durante a pandemia, período em que recebeu o diagnóstico de depressão. Conflitos que ele já vivia e as incertezas em tempos de Covid-19 se juntaram a outros fatores que o levaram para a terapia e a medicação. O quadro de Cardoso reflete um cenário captado por uma pesquisa recente: os diagnósticos depressão cresceram 41% no Brasil entre o período pré-pandemia e o primeiro trimestre de 2022.

“Todo mundo que diz ‘a pandemia me deixou mal’, na verdade, já não estava bem antes. Claro que o isolamento tem um poder absurdo na cabeça das pessoas, mas se o alicerce estiver bem-feito, pode cair qualquer peso em cima que não abala”, analisa Cardoso.

A visão de Cardoso sobre os diagnósticos combina com as análises de especialistas no tema: a depressão é uma doença multifatorial, que em parte é geneticamente determinada, mas que também é influenciada por outras questões “ambientais”

Pesquisa Covitel

O levantamento que capturou o aumento de 41% nos casos de depressão no país foi realizado em conjunto pela Vital Strategies e pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Divulgada em abril, ela foi batizada de Covitel (Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas não Transmissíveis em Tempos de Pandemia) e sua metodologia baseada em ligações telefônicas para 9 mil pessoas.

A intenção foi retratar a magnitude do impacto dos principais fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) na população adulta. Por isso, entre outros pontos, a pesquisa também apontou o crescimento do uso de cigarros eletrônicos e o aumento do sedentarismo, e mostrou que os jovens e os adultos até a faixa dos 40 anos estiveram entre os mais afetados pelo aumento nos diagnósticos de depressão.

Crise financeira e apoio

Como ocorreu com muitos brasileiros, o impacto no bolso foi um dos grandes dilemas do período de pandemia para Cardoso. “Acho que a privação financeira foi o ponto principal, porque disso vem todo o resto. A dificuldade de levantar o dinheiro me trouxe coisas negativas”, desabafa o comediante que teve sua agenda de shows totalmente cancelada em 2020.

Morando sozinho e buscando alternativas para trabalhar, ele passou a dividir seu conteúdo humorístico na internet. “Mudou tudo, eu saí completamente do trabalho físico e fui para o trabalho online e todo mundo fez a mesma coisa, criou um canal e começou a fazer live”, conta. A comédia continuou sendo seu alicerce, contradição que ele julga ter sido um caminho óbvio de se trilhar, mesmo quando a desesperança bateu.

“Em meio ao caos, é mais fácil tomar a decisão de querer ser engraçado, você tinha vários profissionais de tudo que é área fazendo coisas que julgavam engraçadas e assim entraram no cardápio de comédia, além dos profissionais veio uma galera absurda fazendo isso”, relembra.

O aumento repentino de produtores de conteúdo adicionou uma pressão extra na rotina de Cardoso, uma vez que muitos nomes novos surgiram e o público aderiu aos novos rostos que se destacavam. O comediante observa que foi nesse momento em que o on-line, que antes era só uma alternativa, se tornou “um funil onde o mais alternativo não passa”.

Enfrentando todas essas dificuldades em segredo, ele se isolou ainda mais do que o imposto, se afastando até mesmo do contato virtual que tinha com os amigos. Sua experiência o fez reconhecer que não há a possibilidade de sair da depressão sozinho, seja antes ou depois do diagnóstico.

“Não fui nem eu que fui atrás do terapeuta, foi um amigo que trouxe até mim. Eu não conseguiria sair sem o acolhimento de pessoas e do uso de remédios. A depressão não é só a tristeza. Não é estar feliz ou triste, é simplesmente não estar. Um vazio”, explica Cardoso.

Em entrevista ao g1, Humberto Corrêa, professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), afirmou que há uma mensagem que deve ficar clara para a sociedade quando o tema é depressão: a importância do apoio.

“A depressão é uma doença. O paciente não tem controle sobre isso, ele precisa de ajuda. Muitas vezes, durante o processo depressivo, a pessoa não tem nem ânimo, nem energia dela própria procurar ajuda – ela vai precisar que alguém pegue na mão dela e leve até essa ajuda, até o profissional de saúde, até o centro de saúde”, alerta Humberto Corrêa, professor de medicina.

Rede de apoio

Paciente e estudiosa do tema, a psicanalista Luisa Lancelotti tem 27 anos e convive com o diagnóstico de depressão há sete anos. Ela encara uma outra faceta da depressão: a forma severa e crônica da doença. Apesar de a condição sempre ter feito parte da sua realidade, já que acomete outros de seus familiares, para ela não foi simples encontrar apoio em meio ao seu círculo social.

“A rede de apoio é muito precária. Não acho que seja intencional, mas é uma falta de sensibilidade e de informação. Não tive uma rede muito substancial. Tive pais desesperados e muito apavorados, sem saber como ajudar e o que fazer. Nessas, mais atrapalhava do que ajudava porque vinham coisas muito simplistas, como ‘levanta da cama vai fazer o que você gosta’, mas as pessoas não entendem que não tem algo que você goste durante uma crise “, relata.

g1

Opinião dos leitores

  1. O FIQUE EM CASA DO MANDETA E DE QUEM ACOMPANHOU.
    ESSES SÃO OS CULPADOS POR ISSO TUDO QUE ESTA ACONTECENDO.
    INFELIZMENTE, O POVO E O STF, NÃO OUVIU JAIR BOLSONARO.

  2. Fique em casa a economia a gente vê depois.
    O choro é livre.
    E os telejornais fazendo terror jornalístico. Já era de se esperar.

  3. Posso está errado, mas 80% dos acometidos por essa doença, são pessoas que não tem grandes problemas financeiros e tem uma vida bastante confortável. A ociosidade, pouca luta e falta de fé são requisitos complementares e determinante pra instalação desse mal no indivíduo.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Brasil deve encerrar 2022 com índices de extrema pobreza em queda, diz presidente do Ipea

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O Brasil deve fechar 2022 com redução nos índices de extrema pobreza. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a projeção é de queda para 4,1% ainda este ano. Em 2019, o Brasil tinha uma taxa de extrema pobreza de 5,1%.

No mundo, a tendência é contrária. As previsões do Banco Mundial apontam que, até o final do ano, 115 milhões de pessoas a mais estarão vivendo com menos de US$ 1,90 ao dia, em decorrência da pandemia de covid-19.

O mundo vinha reduzindo de uma forma continuada a pobreza extrema. A partir de 2019, com o choque da pandemia, essa pobreza extrema começou a crescer, então o mundo empobreceu devido à covid. No Brasil, nós caminhamos na contramão desse processo”, destacou o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo, em entrevista ao programa Brasil em Pauta deste domingo (14), na TV Brasil.

Ainda de acordo com Figueiredo, a base para essa estimativa de queda está no aumento de famílias dentro do programa de transferência de renda do Governo Federal, o Auxílio Brasil. Em todas as regiões do país, houve uma relação diretamente proporcional entre as famílias incluídas no programa e o número de vagas com carteira assinada geradas. Segundo o Ipea, em média, para cada mil famílias incluídas no Auxílio Brasil, há a geração de 364 empregos formais.

Nós temos uma recuperação muito rápida do mercado de trabalho. E nós temos, do outro lado, um programa social sendo ampliado com mais gasto social. Mas essas duas coisas caminham juntas, você não tem a superação da condição social, ajuda aos vulneráveis, sem que a economia cresça, sem que você gere emprego formal”, explicou o presidente do Ipea.

Durante a entrevista, Figueiredo explicou, ainda, a importância dessa conexão entre a economia e a proteção social, com a coexistência entre o Auxílio Brasil e o crescimento do mercado de trabalho. De acordo com ele, a conjugação dos dois fatores tem favorecido a ascensão social para os brasileiros em situação de vulnerabilidade. “Antes, você não podia acumular o Auxílio Brasil e um emprego formal. Então isso era uma barreira para as pessoas. As pessoas optavam, dependendo das condições de trabalho, por permanecer no programa social e obter algum tipo de renda informalmente. Com essa porta de saída, você agora pode acumular o programa social e a carteira de trabalho assinada, você pode permanecer dois anos no programa. Isso facilitou que o mercado de trabalho, aquecido, possa demandar pessoas do mercado informal e do Auxílio Brasil. Então as pessoas estão ingressando no mercado de trabalho sem a preocupação de perder o benefício e sem a preocupação de, ao perder o emprego, ter que voltar para o final da fila”.

Retomada do emprego

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no final do primeiro semestre deste ano, o Brasil registrou 98,3 milhões de pessoas com algum tipo de ocupação no mercado de trabalho. De acordo com dados divulgados na última sexta-feira (12), a taxa de desocupação do país no segundo trimestre de 2022 foi de 9,3%, caindo 4,9 pontos percentuais na comparação com o mesmo período de 2021 (14,2%).

Durante a entrevista, Erik Figueiredo abordou o assunto afirmando que, mais uma vez, o Brasil segue na contramão da tendência global. “Enquanto o mundo revisa as suas projeções de crescimento para baixo, o Brasil revisa suas projeções para cima”. E completou: “esse é um indicativo muito importante da postura brasileira, que foi de redução do Estado, redução de imposto durante o período de pandemia. Então isso tem facilitado a retomada econômica”.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Jovem é morto atropelado após assassino se irritar com demora na saída de estacionamento

Foto: reprodução

Uma tragédia aconteceu em frente a um estacionamento no bairro Itaim Bibi, zona Sul de São Paulo. Os envolvidos estavam saíam de uma balada. No final da madrugada deste sábado (13), Fernando Palominio foi atropelado por Gustavo dos Santos Soares, que tem passagem pela polícia por tráfico de drogas e roubos.

No início desta tarde, a Justiça decretou a prisão temporária de Gustavo pela morte de Fernando. O assassino estava dentro de uma Land Rover quando cometeu o crime contra a vítima e amigos, momento em que estavam prestes a entrar no carro da frente.

Segundo a Polícia, o motivo do atropelamento foi por causa da demora na retirada do carro do estacionamento. Foram 2 minutos e 3 segundos até o veículo de Gustavo dar espaço para a manobra do carro de trás.

A vítima sai do carro e fica ao lado do vidro da passageira, justamente quando o motorista suspeito avança. Ele derruba Fernando, dá ré e passa de novo por cima do jovem, que morreu no local.

Fernando Palomino iria completar 22 anos em dezembro. De olho na faculdade, concluiu o colegial e teve a vida interrompida na porta da balada.

“As pessoas, hoje, não têm mais amor por ninguém. É tudo muito fútil. A vida humana não vale mais nada”, lamentou um tio de Fernando em entrevista ao Brasil Urgente.

Segundo a investigação, quem atropelou e matou o jovem Fernando Palomino estava acompanhado de uma mulher e fugiu do local. Policiais foram ao endereço em que o suspeito mora, nesta manhã, mas ele não foi localizado.

Com informações de Band

Opinião dos leitores

  1. Se fosse pobre já se sabia o nome até da bisavó, mas como é riquinho, pagará fiança e será liberado.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *