Bandidos fazem arrastão em bar de Parnamirim e levam até TV que transmitia Flamengo e Vasco

 Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

O portal G1-RN destaca nesta quinta-feira(14) que cerca de 30 pessoas foram vítimas de um arrastão em um bar no Parque Industrial de Parnamirim, RN, na noite dessa quarta-feira (13). De acordo com a reportagem, as pessoas assistiam a um jogo de futebol – (não informado, porém, sabe-se que o único jogo do horário na ocasião se tratava do clássico Flamengo e Vasco) – quando quatro criminosos armados desceram de um carro renderam os clientes e levaram pertences, como celulares.

Segundo a reportagem, entre os itens roubados está a televisão do estabelecimento que transmitia o jogo para os clientes. Logo após a ação criminosa, os bandidos fugiram em um carro azul. Matéria completa aqui.

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 10,5 milhões no sábado

Foto: Arquivo Agência Brasil

Nenhuma aposta acertou as seis dezenas da Mega-Sena do concurso 2207, sorteadas nessa quarta-feira(13), em São Paulo.

Com isso, o prêmio acumulou e próximo sorteio, no sábado (16), tem prêmio estimado em R$ 10,5 milhões.

As dezenas sorteadas nesta quarta-feira foram: 06, 10, 11, 43, 53, 55.

Trinta e nove apostas acertaram a Quina e receberão R$ 49.905,76.

Já a Quadra teve 2.736 apostas ganhadoras, com prêmio de R$ 1.016,25.

Agência Brasil

RN não recebe recursos para obras da Transposição do Rio São Francisco

O Rio Grande do Norte não será contemplado no aporte de recursos na ordem de R$ 144 milhões para a execução das obras do Projeto de Integração do  Rio São Francisco (PISF). A informação é do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que disse ainda, em nota enviada à TRIBUNA DO NORTE, que “não há previsão de novos  repasses” para o Estado. As obras são tocadas pelo Governo Federal.

No Estado, as águas do “Velho Chico” ainda não têm uma previsão certa para chegar. As águas, que vão vir do Eixo-Norte do projeto, irão entrar no RN por dois canais: o ramal do Apodi e o Rio Piranhas-Açu, esta última que levará as águas à Barragem Armando Ribeiro Gonçalves.

De acordo com o titular da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), João Maria Cavalcanti, não existe previsão por parte do Governo Federal para executar as obras do ramal do Apodi, uma das portas de entrada dessas águas. Havia um recurso disponível na ordem de R$ 5 milhões, mas João Maria classificou como “irrisório” para o começo das atividades. Seriam necessários, segundo ele, pelo menos R$ 2 bilhões, todos advindos do Governo Federal. “Esses R$ 5 milhões não eram suficientes nem para iniciar a obra. O ramal de Apodi não existe previsão do Governo Federal de executar a obra. Eles não disseram a gente que iam fazer nem no próximo ano nem em 2021” explica João Maria Cavalcanti.

Para continuar lendo é só clicar aqui: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/rn-na-o-recebe-recursos-para-obras-da-transposia-a-o-do-rio-sa-o-francisco/464785

TRIBUNA DO NORTE

Saída de Bolsonaro vai rachar bancada do PSL na Câmara e fortalecer partidos do centrão. Apenas 24 deputados devem acompanhar o presidente

A saída do presidente Jair Bolsonaro do PSL vai rachar a bancada do partido na Câmara. Projeção feita pelo GLOBO aponta que 24 dos 53 deputados federais da sigla devem acompanhar o presidente para fundar a Aliança pelo Brasil. Outros 27 indicam que vão permanecer nos quadros da legenda, enquanto dois ainda não decidiram qual rumo vão tomar. Se a criação do partido de Bolsonaro for adiante, a tendência é que as forças de centro se fortaleçam ainda mais no Congresso. Com a base esfacelada, o governo pode ter mais dificuldades na relação com o Legislativo.

A possível migração vai alterar a dinâmica da negociação política. O PSL, segundo maior partido da Câmara, passaria a ser a nona maior bancada, caso os deputados hoje indecisos decidam continuar no partido, enquanto a Aliança pelo Brasil ficaria com a 12ª posição. O PL, integrante do centrão — que reúne ainda PP, DEM, Republicanos, PTB, PSD e Solidariedade —, seria alçado à segunda bancada, atrás do PT. O bloco informal soma mais de 250 votos na Casa.

Há matérias empacadas na Câmara consideradas bandeiras por Bolsonaro, como o projeto que flexibiliza regras de trânsito. A reforma administrativa que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende enviar é outra pauta com grandes chances de dispersão de apoios. Uma derrota recente ao governo imposta pelo centrão foi a votação do projeto de armas, que acabou desfigurado. Outro tema que pode ter o mesmo destino é o pacote anticrime, do ministro Sergio Moro.

Deputados que indicaram permanecer no PSL dizem que vão apoiar a pauta econômica e de costumes do governo, mas não terão a obrigação de seguir as orientações do Palácio do Planalto. A ex-líder do governo no Congresso Joice Hasselmann (PSL-SP) tem dito que “aliados não podem ser feridos de morte”. Apesar das fissuras, apoiadores de Bolsonaro insistem que a divisão será irrelevante para a articulação política.

— Todos que vão ficar no PSL, de uma certa forma, são Bolsonaro. Há um ou dois que não são. Na reunião que tivemos com o presidente, ele inclusive nos disse que não era para atacar o PSL. Pode ter uma louca como a Joice, que pode votar contra, mas acho que vão votar com o governo — diz Bibo Nunes (PSL-RS).

Em lado oposto a Bolsonaro, o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, aproximou-se de deputados do centrão e tem negociado nos bastidores uma fusão a legendas do bloco. Ontem, a deputada estadual Janaina Paschoal (SP), um dos principais nomes do PSL, afirmou que só cogita deixar a sigla se houver fusão:

— Sim, eu permaneço. Só saio se houver fusão — disse.

Sem garantias

Bolsonaro tem dito que vai atrair cerca de 30 deputados para o seu novo partido, mas ainda há dificuldades e falta de garantias para que os insatisfeitos saiam do PSL, que recebe cerca de R$ 110 milhões de fundo partidário, e fundem uma nova sigla até as eleições municipais. A ameaça de dirigentes da sigla de que vão brigar na Justiça pelo mandato dos dissidentes é um dos entraves para que se negocie uma solução para os dois lados. Os parlamentares não podem ficar sem partido nem trocar de agremiação fora das hipóteses previstas em lei sem perda do mandato.

O GLOBO

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cristian disse:

    No final, o centrão da maldade sempre ganha. E vocês ainda nessa ladainha Bolsobosta vs Luladrão.

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Viva a farra do bilionário fundo partidário financiado pelo sacrifício de todos nós . E muitos trouxas continuam batendo palmas e brigando por políticos safados.

  3. Cigano Lulu disse:

    Vai ter maioria se e quando quiser. As duas casas do Congresso são majoritariamente fisiológicas não é de hoje. O próprio Bolsonaro, que já integrou o "baixo clero", sabe que ali quase todos entoam a oração da São Francisco de Assis.

‘Rodrigo Hilbert da PF’, agente vetou cachaça, vaso e até crucifixo para Lula

Lula é escoltado pelo policial federal Jorge Chastalo até o carro que o levaria para o prédio da Justiça Federal, em Curitiba
Lula é escoltado pelo policial federal Jorge Chastalo até o carro que o levaria para o prédio da Justiça Federal, em Curitiba – Theo Marques – 10.mai.2017/UOL

 

Um senhor oriundo de Minas Gerais chegou à recepção da sede da Polícia Federal em Curitiba com uma garrafa de cachaça na mão. Era um presente para o ex-presidente Lula, preso numa cela especial no quarto andar do prédio, de 7 de abril de 2018 a 8 de novembro de 2019.

Coube ao agente federal Jorge Chastalo Filho, chefe do Núcleo de Operações da PF paranaense, explicar que o agrado estava fora do permitido para um detento ali na superintendência.

“Claro que eu tentei levar na brincadeira, mas o senhor insistiu, dizendo que era uma das melhores pingas de Minas. Com muita paciência consegui convencer o sujeito a levá-la embora”, disse Chastalo.

“Uma fã do Lula mandou para ele um vaso com flores e eu não deixei entrar, por ser de vidro. Outro queria que eu entregasse a ele um crucifixo de ferro. Não dava, a peça era cheia de pontas.”

Foi Chastalo quem controlou por mais de um ano e meio a vida do ex-presidente da República. Todos os dias, às 8h em ponto, ele abria a porta da cela especial de Lula. Às 17h, trancava o petista novamente.

O local tinha 15 metros quadrados, com banheiro, e ficava isolado no último andar do prédio. Ele não teve contato com outros presos, que ficavam na carceragem, no primeiro andar.

Chastalo comandava os oito carcereiros que se revezaram de guarda, de dois em dois, em frente à porta da cela de Lula. Os agentes cumpriam turnos de 24 horas de trabalho por 72 horas de folga.

A convivência entre Chastalo e Lula está descrita no livro A Elite na Cadeia – O dia a dia dos presos da Lava Jato, do jornalista Wálter Nunes, repórter da Folha. A obra, da editora Objetiva e que chega às livrarias no próximo dia 22, retrata o cotidiano na prisão dos principais alvos da maior operação de combate à corrupção do país.

Os casos se passam nas carceragens da Polícia Federal, em Curitiba, e no Complexo Médico Penal, em Pinhais, presídio estadual do Paraná onde os presos do Petrolão cumprem pena.

Por 280 páginas, o livro relata episódios envolvendo o ex-presidente Lula, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o ex-ministro Antonio Palocci, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, o ex-governador Beto Richa e outros personagens célebres presos pela Polícia Federal.

Chastalo foi o primeiro policial a saber sobre a morte de Arthur, 7, neto de Lula. Estava em uma escolta de presos e, por rádio, ordenou ao agente federal que vigiava a cela do ex-presidente para retirá-lo rapidamente de lá para que ele não soubesse da tragédia familiar pela TV.

Os advogados de Lula o definem como um sujeito decente. Os policiais que não demonstram nenhum tipo de simpatia pelo petista também dizem que Chastalo sempre foi correto no trato com o prisioneiro.

Para manter a distância com o vigiado, o policial resolveu que a equipe que montava guarda na frente da cela de Lula fosse trocada a cada 30 dias, sempre com policiais de fora de Curitiba.

A medida aconteceu depois que recebeu críticas por causa da atuação de um agente chamado Paulo Rocha, o Paulão, que não esconde dos colegas a afinidade com o ideal de esquerda. Chastalo então retirou Paulão das proximidades de Lula.

De vez em quando, o policial levava frutas do pomar da chácara da sua mãe para o ex-presidente, que em tom de piada diz que preferia uma cervejinha. Por outro lado, era ele quem impedia que advogados entregassem para Lula refeições fora do padrão e controlava rigorosamente o entra e sai das visitas dos familiares e advogados.

Chastalo diz ter tomado uma série de precauções para que não fosse acusado nem de ser abusivo contra Lula nem ameno demais no trato com o ex-presidente.

O agente se formou em direito, mas queria mesmo era ser policial federal. Estudou até passar no concurso, fez uma carreira discreta até ficar famoso em 2017, quando Lula ainda não havia sido preso.

Apareceu escoltando o petista quando ele foi depor pela primeira vez para o então juiz Sergio Moro no caso do tríplex de Guarujá, antes da prisão. O agente chamou a atenção pela aparência.

As fotos em que aparecia ao lado do ex-presidente foram inundadas de comentários. Comparam-no com o modelo e apresentador Rodrigo Hilbert. A fama de galã se espalhou, e ele ganhou os apelidos de “policial gato” e “Rodrigo Hilbert da Federal”.

Ao contrário de outros colegas que surfaram na onda de celebridade repentina, Chastalo evitou aparecer. Mas bastava Lula dar uma entrevista, seja para um órgão de imprensa nacional ou estrangeiro, para estar lá estampada a foto de Chastalo ao lado do então preso mais famoso da Lava Jato.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. fernando disse:

    A coisa mais comum no Brasil é o desonesto tratar os outros de ladrao.

  2. Vicente disse:

    Não sei qual o prejuízo maior dá esse ladrão inveterado, dentro da PF, guarnecido por agentes especializados caríssimo e outras mordomias, ou se fora da mordomia da PF, voando de jatinho pra lá e pra cá, com acomodações e refeições requintadas, além de vinhos caríssimo. Tudo a custa do suor do trabalhador brasileiro, pior tentando o retorno da maior quadrilha de ladrões de verbas públicas da história mundial.

Embate Lula-Bolsonaro obriga Doria e Huck a rever táticas

A nova configuração do cenário eleitoral para o pleito de 2022 obrigou os dois principais presidenciáveis do chamado centro no momento, o governador João Doria (PSDB-SP) e o apresentador Luciano Huck, a rever seus cálculos para o embate.

A mexida no tabuleiro decorre da volta de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à arena pública, após sua libertação na última sexta-feira (8), e do especulado antagonismo entre ele e Jair Bolsonaro.

Em ambos os casos, a aposta de estrategistas dos presidenciáveis é no cumprimento da profecia do embate sectário entre Lula e o presidente.

O motivo seria um certo fastio popular, aferido em pesquisas qualitativas, com o jogo político extremado que impera desde 2013 no país.

Isso abriria espaço para a pregação pela moderação, espremendo os partidários mais duros para os extremos —aqui nem cabe falar nos polos distantes tanto da direita ou da esquerda, mas em fidelidade ao líder, seja ele o petista ou o presidente.

Contra essa leitura, há o fato de que os movimentos iniciais de Bolsonaro e Lula foram de ataques mútuos, mas sem uma escalada em tempo real. A salva inicial de tiros foi relativamente contida, ainda que estejam sendo observados com atenção por grupos como os militares.

No mais, as situações do tucano e do apresentador da TV Globo no xadrez são diversas.

Aliados de Doria acreditam que o combate de baixo impacto entre os protagonistas federais não durará por muito tempo e tende inclusive a criar tensão social.

Assim, eles acham que o governador precisa estabelecer-se como um operador viável de políticas públicas e soluções que possam ser replicadas pelo país.

No discurso, o tucano já vinha operando uma ação para distanciar-se do candidato eleito em segundo turno na esteira do movimento BolsoDoria, que associou ambos os nomes em 2018.

Doria começou devagar, fez pregações por maior comedimento, mas a relação chegou a um ponto de ruptura, no qual foi chamado de “ejaculação precoce” pelo presidente.

Qual efeito disso sobre sua imagem é algo que está sob análise. Chamou a atenção em círculos tucanos uma pesquisa reservada feita nesta semana, que colocou o governador paulista como dono de maior rejeição entre várias lideranças nacionais.

Há outras variáveis que dificultam a vida do tucano. Apesar da associação ao dito centro, isso no Brasil significa ser de centro-direita. No caso de Doria, fortemente antipetista —tanto que suas manifestações sobre Lula fora da cadeia foram duras, como é usual.

Hoje, a maior liderança do antipetismo no país é o presidente, o que lhe garante uma fatia razoável do cerca de um terço do eleitorado que o apoia. Os bolsonaristas ideológicos, ditos radicais, estão, segundo cortes feitos pelo Datafolha, na casa dos 10%.

Doria vai tentar apelar ao grupo não tão fiel a Bolsonaro nessa faixa, mas precisa de armas diferentes para apresentar. Nessa linha, propagandeia tanto os bons números da segurança pública em São Paulo como um programa social para a área mais pobre do estado, o Vale do Ribeira.

Já o caso de Huck está em outro estágio agora, não menos pelo fato de ele não ter passado pelo escrutínio de uma campanha eleitoral ou governar um estado.

A pressão é outra: aliados estão ficando impacientes com a relutância do global, que já desistiu de uma candidatura presidencial no ano passado, em se assumir postulante.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), um de seus maiores incentivadores, têm se queixado a aliados de que a intensa movimentação do apresentador só tem mirado um público de convertidos.

Huck, em que pesem diversas conversas institucionais, investe bastante energia em conversas com um estrato da sociedade civil que já lhe é simpático, em fóruns de endinheirados e investidores ou de classe média-alta.

Falta, na visão de FHC e de outros, explicar ao grande público ao qual Huck tem acesso como artista popular o que seria possível fazer para melhorar as condições de vida no país.

Recente artigo do economista e aliado Arminio Fraga nesta Folha, acerca da redução de desigualdades, é visto como um mapa para essa retórica.

Apoiadores da candidatura Huck no DEM acreditam que o apresentador também precisa se mostrar pronto para a pancadaria política que o espera.

Como se vê, há políticos tucanos e figuras que orbitam o partido empenhadas não pelo governador de São Paulo, mas pelo global, o que inviabiliza a filiação de Huck ao PSDB. De resto, o partido de FHC amarga ter sido triturado nacionalmente em 2018.

Seja como for, no entorno de Huck a avaliação é a mesma apurada entre aliados de Doria acerca do debate da polarização Lula-Bolsonaro.

Só que o global poderia, acham aliados, mostrar-se como alternativa mais centrista do que o tucano, atraindo tanto para a centro-esquerda urbana como o eleitor de baixa renda de Bolsonaro. Como fazê-lo de uma forma popular, mas não populista, é a questão. Se ele for candidato, claro.

FOLHAPRESS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Chicão disse:

    Essa tese de bipolaridade política é uma tentativa espúria da imprensa e grupos econômicos de obterem vantagens do sistema político, se fosse assim, Bolsonaro não teria sido eleito no processo eleitoral anterior, tanto é que existiam outros que também tinham propostas semelhante a do Bolsonaro, entretanto as pessoas decidiram por ele. Sem investimento de dinheiro público roubado nas eleições, torna-se difícil prever, e foi o que aconteceu na eleições anterior, a esquerdalha não conseguiu usar o dinheiro roubado que eles tem. O resultado dessas próximas eleições vai depender muito deles, pois, o dinheiro roubado dos cidadãos eles tem, e está escondido em algum lugar do mundo, como bem cofessou Palocci.

TÁ BACANA: Bebianno rebate acusações, diz que dossiê contra príncipe veio de delegado e desafia Bolsonaro a passar por detector de mentiras

Ex-braço direito de Jair Bolsonaro, Gustavo Bebianno, hoje no PSDB, gravou um vídeo para rebater a versão de que teria produzido um dossiê para impedir que o deputado Luís Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) fosse vice-presidente. O ex-ministro afirma, na gravação, que Bolsonaro recebeu papéis contra “o príncipe” de “um delegado federal e um coronel do Exército”.

O relato sobre o recebimento do dossiê teria sido feito, segundo Bebianno, pelo próprio Bolsonaro, na véspera da indicação de seu vice, por telefone, às 4h30 da manhã.

Ele desafiou o presidente a contraditar sua versão e disse que ambos poderiam se submeter a um detector de mentiras.

O ex-ministro contou ter recebido um telefonema de Bolsonaro em sua casa, de madrugada, e aponta o deputado Julian Lemos (PSL-PB) como testemunha. Segundo Bebianno, Bolsonaro disse ter recebido um dossiê contra “o príncipe” que teria imagens do hoje deputado em “suruba gay”, “baile de máscaras gays” e relatos de envolvimento com gangues de rua que “agridem mendigos”.

Bebianno disse ter considerado o relato surreal, mas afirmou que, no dia seguinte ao telefone, Bolsonaro descartou “o príncipe”como vice e escolheu o general Hamilton Mourão.

No vídeo, o ex-ministro diz ainda que Carlos Bolsonaro intermediou uma conversa com Luís Philippe e confirmou que  ele não era o autor do tal dossiê.

O assunto veio à tona nesta quarta (13), após a colunista Mônica Bergamo relevar diálogo no qual o presidente atribuiu a autoria dos papéis a Bebianno diante de deputados do PSL.

O ex-ministro diz que dessa vez “não vai deixar barato” a informação, segundo ele falsa, preparada por Bolsonaro.

PAINEL / FOLHA

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sandro disse:

    Isso eu já sabia… só não sabia aqueles que precisam de salvadores para darem sentido as suas existências. O príncipe e o presidente que coisa angelical….

Toffoli intima BC e obtém dados sigilosos de 600 mil pessoas; PGR estuda reagir

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, determinou que o Banco Central lhe enviasse cópia de todos os relatórios de inteligência financeira (RIFs) produzidos pelo antigo Coaf nos últimos três anos, tendo obtido, assim, acesso a dados sigilosos de cerca de 600 mil pessoas —412,5 mil físicas e 186,2 mil jurídicas.

O pedido de Toffoli, obtido pela Folha, é do último dia 25 de outubro e foi no âmbito de um processo no qual, em julho, o ministro suspendeu todas as investigações do país que usaram dados de órgãos de controle —como o Coaf e a Receita Federal— sem autorização judicial prévia.

Naquela ocasião, Toffoli concedeu uma liminar (decisão provisória) atendendo a um pedido de Flávio Bolsonaro, senador eleito pelo PSL-RJ, filho do presidente Jair Bolsonaro e que era alvo de uma apuração do Ministério Público do Rio.

Em resposta à nova ordem de Toffoli, o Coaf, rebatizado de UIF (Unidade de Inteligência Financeira), afirmou em ofício que entre os citados nos relatórios a que Toffoli ganhou acesso existe “um número considerável de pessoas expostas politicamente e de pessoas com prerrogativa de foro por função”.

A UIF apontou que a medida traz uma série de riscos a eventuais investigações que estejam em andamento em todas as instâncias da Justiça pelo país, e fez um alerta por cautela na proteção dos dados.

A justificativa da determinação do ministro é entender o procedimento de elaboração e tramitação dos relatórios financeiros. Toffoli já havia pedido informações dessa natureza antes, mas elas teriam chegado de forma genérica demais.

Ao todo, Toffoli (ou um servidor do Supremo cadastrado por ele) passou a poder acessar, diretamente no sistema eletrônico da UIF, 19.441 relatórios, mencionando quase 600 mil pessoas, que foram produzidos pelo órgão de inteligência financeira de outubro de 2016 a outubro de 2019.

A iniciativa do ministro gerou apreensão no governo —segundo a Folha apurou, há integrantes da família Bolsonaro mencionados em relatórios, entre outras autoridades.

Os relatórios da UIF partem de instituições, como bancos, que são obrigadas a informar ao órgão sobre a existência de movimentações supostamente atípicas. Os indícios não significam que as pessoas tenham cometido algum crime —e nem todas as comunicações feitas à UIF seguem para as autoridades responsáveis por investigações criminais.

A Procuradoria-Geral da República estuda adotar medidas para questionar a determinação do presidente do STF. O procurador-geral, Augusto Aras, deve receber um parecer interno de um membro do Ministério Público Federal que consultou a UIF sobre os riscos da decisão de Toffoli. Esse parecer poderá embasar eventual medida da PGR.

Flávio era investigado sob suspeita de desviar parte dos salários de funcionários de seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa fluminense, prática conhecida como “rachadinha”.

O inquérito sobre o senador se originou de um relatório do antigo Coaf que apontou movimentações atípicas de R$ 1,2 milhão nas contas do ex-assessor Fabrício Queiroz. A defesa de Flávio sustentou ao STF que houve uma verdadeira quebra de sigilo sem controle judicial. O caso foi um dos paralisados por Toffoli.

paralisação de investigações desse tipo está válida até o plenário do Supremo julgar o processo, no próximo dia 20, que deve definir em quais condições órgãos de controle podem repassar dados ao Ministério Público para fins de investigação penal.

No último dia 25, Toffoli determinou ao Banco Central que encaminhasse à corte, em cinco dias, cópias de todos os RIFs especificando quais foram elaborados a partir de análise interna da UIF, quais foram feitos a pedido de outros órgãos (como o Ministério Público) e, nas duas situações, quais foram os critérios e fundamentos legais.

A resposta do BC veio em 5 de novembro, quando o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, enviou ofício junto com uma nota técnica que esclareceu a Toffoli como acessar os dados sigilosos requeridos.

A nota técnica foi assinada no dia anterior pelo presidente da UIF, Ricardo Liáo.

“Cumpre ressaltar, por dever de ofício, que nessa pasta [à qual foi dado acesso] estão sendo disponibilizados 19.441 RIF […] com informações cadastrais, pessoais e financeiras, parte delas sujeita a regime legal de sigilo ou restrição de acesso, de quase 600 mil mencionados, dentre estas, um número considerável de pessoas expostas politicamente e de pessoas com prerrogativa de foro por função”, afirmou.

“Há, ainda, informações relacionadas a casos que certamente tramitam sob segredo de justiça nas mais variadas instâncias […], além de relatórios enviados a autoridades competentes responsáveis por investigações que ainda podem estar em curso”, continuou Liáo.

“Faz-se o presente alerta para que a autoridade judicial destinatária [Toffoli] possa avaliar e adotar as medidas de tratamento da informação e de restrição de acesso que considerar cabíveis, de acordo com a legislação própria.”

Nesta quarta (13), um grupo de trabalho da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), após visita ao Brasil, manifestou preocupação com a decisão de Toffoli e a aprovação da lei do abuso de autoridade.

Segundo o grupo, as medidas podem significar retrocessos no combate à corrupção.

FOLHAPRESS

COPIA E COLA: TRF-4 anula sentença parecida com processo contra Lula no caso do sítio

O TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) anulou, nesta quarta-feira (13), uma sentença de um caso da operação Lava Jato.

A decisão derrubada é da juíza Gabriela Hardt, que substituiu temporariamente o juiz Sérgio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná.

Segundo a decisão dos desembargadores do Tribunal, a juíza teria copiado os argumentos do Ministério Público Federal das alegações finais sem, ao menos, explicar porque concordava com eles.

Para os desembargadores, a juíza teria se apropriado do texto e dos argumentos do MPF, sem citar ou dar o crédito aos promotores, como se fossem seus.

“Apropriou-se ipsis litteris dos fundamentos constantes nas alegações finais do MPF (ev. 544 – item 2.4.), sem fazer qualquer referência de que os estava adotando como razões de decidir, trazendo como se fossem seus os argumentos, o que não se pode admitir”, diz a ata da sessão de julgamento.

“Reproduzir, como seus, argumentos de terceiro, copiando peça processual sem indicação da fonte, não é admissível”, reforçaram os desembargadores.

O desembargador Leandro Paulsen especificou servirá como exemplo para próximas decisões. “Constato a nulidade também da sentença e faço o destaque para que, adiante, não se reproduza o mesmo vício”, finalizou.

Caso Lula

A defesa do ex-presidente Lula, no caso do sítio de Atibaia, possui uma ação semelhante, que com esta recente decisão também poderá ser anulada pelo TRF-4. De acordo com a defesa, a sentença da condenação do ex-presidente também teria sido copiada das alegações finais do MPF.

Atualmente, o cargo de juiz da Lava Jato em Curitiba é ocupado por Luiz Antônio Bonat, que foi aprovado para assumir o posto em fevereiro, após Moro assumir o Ministério da Justiça do governo Bolsonaro.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Willian disse:

    O processo de Atibaia está liquidado !!!!

  2. Cidadão Atento disse:

    ESSA É A FAMOSA JUÍZA DO CONTROL C"" – CONTROL "V"?
    DEIXOU ATÉ O NOME APARTAMENTO NO CASO DO SITIO DE ATIBAIA?
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    ESSE PAÍS REALMENTE É UMA PIADA?

BB está sendo preparado para ser vendido a estrangeiros, anuncia Correio Braziliense

Foto: Agência Brasil/Divulgação

Aos poucos, sem alarde, o Banco do Brasil está sendo preparado para a privatização. Mas, no que depender do governo, o BB cairá no colo de uma instituição estrangeira, aninciou nesta quarta-feira, o colunista Vicente Nunes, do jornal Correio Braziliense.

Não é segredo para ninguém que, mesmo com as negativas do presidente Jair Bolsonaro — ele sempre diz que o BB é intocável —, os planos de privatização do BB seguem a passos largos.

A estrutura da maior instituição financeira pública vem sendo enxugada para, quando chegar a hora, a venda ocorra mesmo sob protestos.

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, é o personagem perfeito para levar o plano de privatização adiante. Discreto, não faz nenhuma propaganda do que está fazendo.

Novaes vendeu a participação que o Banco do Brasil tinha na resseguradora IRB Brasil e na Neoenergia. Anunciou acordo para privatizar o BB Banco de Investimentos. Avisou que venderá a BB DTVM e o BB Américas.

Mais: fechou a BB Tur e criou dificuldade para repassar recursos à Cassi, operadora do plano de saúde dos empregados do Banco Brasil. Sem esse repasse, a Cassi pode entrar em colapso. Nesse caso, ainda pode mudar de posição.

Bradesco

De início, quem acompanha o dia a dia das ações do presidente do BB acreditava que o futuro do banco seria a absorção de suas atividades pelo Bradesco. As duas instituições sempre tiveram afinidades. São sócias em várias empresas, como a Cielo, das maquininhas de cartões, e a Elo, bandeira de cartões.

Agora, porém, está claro para todos no BB que, quando a privatização do banco chegar, a preferência será por um comprador estrangeiro. A alegação é a necessidade de aumentar a concorrência bancária no país.

O governo não admite, em hipótese alguma, que nenhum dos bancões brasileiros fique com o BB. A crença é de que a concentração atual do mercado pune consumidores e empresas.

De qualquer forma, nada no Banco do Brasil será feito de forma atabalhoada, para não melindrar o presidente da República.

A determinação de Novaes é fazer o dever de casa para que, no momento certo, o BB esteja pronto para ter seu controle transferido à iniciativa privada.

Correio Braziliense

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Henrique disse:

    Quero mais, quero CEF, Petrobrás, esse sonho carrego comigo. Tirem esse peso do estado que serve de cabide para a esquerda lixo

  2. Tiago disse:

    Quando vejo alguém falando em privatizar uma estatal que dá lucro e é um exemplo de gestão para o resto do setor público só me vem a cabeça que essa pessoa não conhece em nada o dia a dia da empresa e em outros casos me parece àquela dor de cotovelo de quem não conseguiu trabalhar em uma delas e agora quer "se vingar". O pior e o melhor do Brasil é o brasileiro. O que gostaria de ver desse governo são duas coisas, a primeira tentar unir a população acabando com essa polarização de 40% da população que dizem amém pra qualquer besteira que Lula ou Bolsonaro dizem, e que só fazem afetar a vida dos outros 60% que querem um lugar melhor pra se viver. A segunda coisa é que as medidas do governo fossem em prol de justiça social e criação de empregos em vez de medidas que em muito pouco ou quase nada ajudam o a parte de baixo da pirâmide.

  3. Junin disse:

    Presidente sem moral, diz uma coisa e os caras fazem outra !!! Manda em porra nenhuma, figura de muito mal gosto e mal decorativa esse lacaio dos banqueiros…!!!!

  4. Araújo disse:

    Ha tempo que isso já deveria ter acontecido, privatização já. o Estado tem que estar voltado para Saúde, Educação, Segurança e Infraestrutura.

  5. Paulo Barra disse:

    Só fará falta aos funcionários. Os brasileiros terão alivio da arrogância e intolerância dessa instituição!

  6. Antonio Turci disse:

    Com Mito ou sem Mito essa é a tendência. Não há necessidade, mais, de banco estatal. Até porque, infelizmente, o Banco do Brasil tornou-se igual aos outros, sem nenhum diferencial e praticando as mesmas safadezas dos demais bancos, ou seja, explorando o cliente do mesmo jeito que os outros.

  7. Humilde Iconoclasta disse:

    Será que tetemos esss sorte? BB privatizado ? Não esqueçam da Petrolixo.

  8. Curitiba ja disse:

    Tem que vender mesmo, o ladrão chefe estar solto pode ser que ele leve como fez com a quase finada petrobras

  9. Soletrando disse:

    CONCORDO Allan, QUEM GOSTA DE BOSTA É PINICO, AINDA TEM RETARDADO OTARIO E BURRO, SOB EFEITOS DO ANALFABETISMO , QUE IDOLATRAM ESSE DEMÔNIO….SE ALGUEM QUISER CONHECER O TAL CAPETA, CARNE E OSSO, NAO TENHAM DÚVIDA, ELE EXISTE DE FATO,. SAI DE RETRO ……

  10. Esquerda mi mi mi disse:

    Excelente notícia!
    Espero que seja verdade!

  11. Brasil acima de tudo disse:

    O que eu não consigo entender é como se vende uma empresa que bate recordes de lucro.

    • Martha disse:

      Exaato, e onde milhões de pessoas trabalharam honestamente na instituição, e onde para quem estuda e trabalha dignamente, é um excelente local para isso. Uma pena vê pessoas aqui expressando suas felicidades por vê uma empresa gigante totalmente Nacional ser depenada lentamente até o final e depois ser vendida a preço de bolo. E no final quem vai pagar o preço pela venda é o próprio consumidor.

  12. PAULO disse:

    Ja deveria ter sido Vendido !!!!!!

  13. Allan Laranjeiras disse:

    hahaha oba, bem feito para os otários que votaram no "mito" meu tio eh um …….hahahaha

    • #lula Na Cadeia sempre disse:

      Bom é roubar …..como fizeram com a PETROBRAS, deixa de chorar vagabundo, vá aprender a trabalhar, vou dar uma dica ; a carteira de trabalho é azul

    • #lula Na Cadeia sempre disse:

      Só tem medo quem é VAGABUNDO…leu ??? VAGABUNDO, PTralhas são trabalhadores sem nunca terem trabalhado , professora sem tem aluno , kkkk

    • Netto disse:

      Foi por isso que votei nele. Privatiza antes das fintecs acabarem com os bancos.

    • Jorge disse:

      Allan, impressionante vê uma pessoa feliz com a desgraça dos outros, sinal de pequenez. Vc é do tipo, não sendo no meu o problema, pode se lascar. Nome para isso, pequeno e canalha.

    • Paulo Supla disse:

      Carteira de trabalho azul, morreu, sabia não?
      A cor da vez agora é "verde-amarela". Sem direitos, sem nenhuma proteção… aliás, hoje não é mais vantagem emprego formal, pois antes garantia aposentadoria na velhice; com a nova previdência, hoje é – quase – impossível completar tempo para viver a velhice com aposentadoria.
      Melhor receber o "salário* integral, sem qualquer desconto, poupar ou investir o valor desse imposto-roubo que hoje é subtraído do cidadão, sem nenhum retorno.
      Afinal não é esse o plano dos liberais? O cidadão que se vire. Pra que então pagar imposto? Imposto sem retorno para a sociedade é roubo.

Frota ‘insinua’ no Twitter que recebe fotos suas nu de Bolsonaro: ‘Morrem de tesão’

Foto: Divulgação/PSL

O deputado Alexandre Frota utilizou as redes sociais na manhã desta quarta-feira (13) para insinuar que o presidente Jair Bolsonaro envia fotos feitas pelo ator em revistas de nudez para ele. Respondendo à provocação de um seguidor, que mandou uma foto dele nu, com outros dois homens em uma piscina, ele perguntou “acham mesmo que tenho vergonha disso?”.

Na mesma publicação, ele disse que os “MAVs” (militantes virtuais) não conseguem esquecer as fotos dele. Alexandre também marcou o perfil do presidente Jair Bolsonaro, o perfil de sátira “Jair me arrependi” e de mais dois perfis da direita no Twitter afirmando: “todos os dias me mandam essa foto”.

De modo “enigmático”, a publicação foi feita minutos após outra provocação a Jair Bolsonaro em tom de mistério. No começo da manhã, Frota instigou seguidores a questionarem por que pouco antes da convenção do PSL Bolsonaro teria desistido de ter Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL) como vice-presidente, escolhendo Mourão. “Conta das fotos”, disse o deputado.

Meia Hora

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sandro disse:

    A milicia digital do bozo fica caladinha nessa hora, pois sabe do que o minto muito gosta….o frota também sabe…tava la dentro….e agora vai soltando a face do minto que gosto de mulher. Isso eu já sabia….

Potiguar Italo Ferreira concorre a Prêmio Brasil Olímpico; categoria ‘Atleta da Torcida’

Foto: Reprodução/Facebook

Depois do COB anunciar Gabriel Medina como concorrente ao prêmio na categoria “Melhor Atleta do Ano” e todos se perguntarem onde estaria Italo Ferreira na tal lista, o Comitê parece ter se redimido. Afinal, Italo é o atual líder do ranking mundial.

Com juri popular, a votação fica disponível até dia 10 de dezembro. Para votar basta acessar o link https://pbo.cob.org.br

Até o momento da publicação deste post Italo ocupava a 7ª posição no ranking de resultados parciais. Mas tem água pra rolar.

De acordo com o Comitê os critérios de escolha foram baseados em desempenho nas competições e redes sociais.

Folha de São Paulo

 

SAIU: Confira o gabarito oficial com as respostas do ENEM 2019

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) publicou, na tarde de hoje (13), os gabaritos com as respostas do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, de 2019. O instituto disponibilizou também as versões digitais dos cadernos de prova.

Apesar da possibilidade de conferência do gabarito, as notas dos estudantes ainda serão reveladas. Elas serão calculadas usando uma metodologia chamada de “Teoria de Resposta ao Item” (TRI), que leva em consideração a média de acertos total em determinadas questões para calcular a probalidade de “chutes” em questões mais difíceis. O método, apelidado de “sistema antichute” cria um cálculo variável das notas. A previsão é que o resultado final seja divulgado em janeiro de 2020.

(mais…)

VÍDEO: Pedro Scooby é salvo da morte, após ser engolido por onda gigante em Portugal

Pedro Scooby contou os momentos tensos que passou após sofrer um acidente enquanto surfava em Nazaré, em Portugal. À revista Quem, nesta quarta-feira (13/11/2019), o ex de Luana Piovani e Anitta afirma ter sido salvo no mar por um estrangeiro.

“Quase morri. Fiquei várias ondas embaixo d’água. Ninguém conseguia me achar. Me acharam desacordado e me levaram para a areia. Vomitei”, contou ele. O atleta disse que foi entubado ainda na praia. “Fiz um oxigênio por 30 minutos que me fez voltar.”

Nos stories do Instagram, ele tranquilizou familiares e fãs. “Queria avisar aos meus familiares que eu tô bem, que tá tudo certo”. E aproveitou para agradecer ao alemão, Sebastien, por ter salvo a vida dele e afirmou que o surfista foi um “anjo”. “Ele que me resgatou e era o que estava mais próximo de mim, que me carregou até o carro e que tinha um p** equipamento no carro dele, com oxigênio. Colocou cobertores em cima de mim, me aqueceu, para eu voltar a respirar”, desabafou.

TRF4 mantém soltura de filho do ex-ministro Edison Lobão

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), sediado em Porto Alegre, confirmou hoje (13) a decisão que determinou a liberdade do empresário Márcio Lobão, filho do ex-senador Edison Lobão (MA). Márcio foi preso na 65ª fase da Operação Lava Jato, em setembro, mas foi solto por meio de uma decisão individual do desembargador João Pedro Gebran Neto.

Nesta tarde, durante julgamento definitivo do caso pela Oitava Turma do tribunal, o colegiado decidiu manter a liberdade do empresário, mas determinou a substituição da prisão por medidas cautelares, como pagamento de fiança de R$ 5 milhões, proibição de sair do país sem autorização da Justiça e de ter contato com outros investigados, além da entrega do passaporte às autoridades das investigações.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Márcio e Edison Lobão teriam recebido R$ 50 milhões de propina dos grupos Estre e Odebrecht entre 2008 e 2014, enquanto o pai era ministro de Minas e Energia. Os recursos envolviam a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte.

Segundo a defesa de Lobão, as acusações referem-se a fatos antigos, a decretação de prisão foi desnecessária e violou princípios básicos do direito.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Lobão, o bicho pão. Salivava tanto que Dilmão largava até o trono para ficar com ele.

  2. Junin disse:

    De verdade rapaz ! Nenhum defensor da moral e da honestidade brasileira se manifestou! Porque hein contra o TRF4???? Onde andas paladinos?

  3. Lucia disse:

    Ninguém vai se REVOLTAR?
    NENHUM DEFENSOR DA HONRA E DA MORAL, MBL, REBOKTAFOS ON LINE, ETC, VI FAZER PROTESTO E ATACAR O TRF4?

    • Delano disse:

      Esse é um varejo de ladrão, um ladrão de galinha, o pai junto com luladrão, dilmanta, Dirceu, Palocci, Vacari, cunha, Henrique, jbs, oas, Odebrecht… São os verdadeiros ladrões dos cofres públicos brasileiros, e tão rindo da nossa cara, alguns deles até tão sendo apoiados a roubarem novamente.

ESTOURO: Declarações de Trump e conflito na América Latina elevam dólar a R$ 4,19

Foto: IStock/Getty Images

O dólar comercial subiu 0,5% nesta quarta-feira, 13, negociado em média a 4,1869 reais para a venda, atingindo a maior cotação desde 13 de setembro de 2018, quando a moeda foi negociada a 4,1957 reais – o nível mais alto já registrado desde o Plano Real. Os principais motivos para a alta foram as declarações inflamadas de Donald Trump sobre a guerra comercial dos EUA com a China, a sinalização de que o Federal Reserve, o BC americano, não realizará mais cortes na taxa de juros e a incerteza política e econômica na América Latina.

No cenário externo, ainda permanecem incertas as negociações entre China e Estados Unidos sobre a guerra tarifária. Um acordo comercial entre as duas potências era esperado nas próximas semanas, porém, as declarações feitas na terça-feira pelo presidente americano foram consideradas conflituosas e desanimaram os investidores. Além disso, Jerome Powell, o chairman do Fed, sinalizou que não haverá mais corte de juros na economia americana, o que desagradou o mercado financeiro.

Trump ainda afirmou que aumentará substancialmente as tarifas sobre produtos chineses se o país asiático não fizer um acordo com os EUA. “O discurso inflamado de Trump, com duras acusações de roubo de propriedade intelectual e subsídios dados à indústria pelos asiáticos, reaquece a guerra comercial entre China e Estados Unidos. A insegurança na América Latina também afasta os investidores do mercado de capitais. Por aqui, o conflito entre Bolsonaro e o PSL também deixa o mercado em cautela. Toda essa incerteza nos cenários local e internacional favorecem a alta do dólar”, afirma Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos.

Internamente, os ruídos políticos causados pelo embate travado entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente do PSL, Luciano Bivar, influenciaram na alta da moeda americana frente ao real. Bolsonaro anunciou a criação de uma nova legenda até março de 2020, a Aliança pelo Brasil, para onde pretende migrar acompanhado dos filhos e de parlamentares que o apoiam.

Veja