Política

“Manifestação” deste domingo vira malhação

O fracasso das manifestações organizadas pelo MBL, Vem Pra Rua, PC do B e entidades sindicais neste domingo (12) viru uma verdadeira malhação.

A hashtag #DerreteMBL é uma dos assuntos mais comentados no Twitter.

Políticos e personalidades, entre eles o ex-presidente e agora senador Fernando Collor e Felipe Neto, postaram comentários debochando do fiasco em se transformaram os protestos.

Outras publicações compartilhadas relembram as convocações e expectativas de João Amoêdo e da deputada federal Tabata Amaral em relação aos atos.

Veja abaixo:

Opinião dos leitores

  1. Manifestação “home office” prá evitar aglomeração. Por orientação do bandido de 9 dedos (ele deu o exemplo e não foi) e do Mandetta mutreta. Kkkkkkkkkk

  2. Não distribuíram pão com mortadela, aí o gado não foi, somente a turma da maconha e os marginais baderneiros que quebram o patrimônio público e privado.

  3. Ué, e lula não estava com 120% ? Foi a Grande mídia que anunciou, e agora, acreditar em quem? Chapolinho colorado?

    1. O movimento era contra Lula também, inteligentes comentadores de blogs.
      O PT e a maior parte da esquerda consciente não participou obviamente.
      Querem que eu desenhe?

    2. Se fosse do PT seria mais fiasco ainda.
      #DerreteEsquerdaBandida

    3. Alguém avise a Cerqueira que o PT foi convidado e d8seque não ia porque já sabia que seria um fiasco 🤣🤣🤣🤣

  4. A pessoa normal, consciente, usa o domingo para o lazer/descansar ou ficar com a família. Quem perde tempo nesses protestos são fanáticos, minion, lulistas

    1. Então tá. Vcs são tão ridículos que chegam a ser hilários. Kkkkkkk

  5. Depois do que foi visto nas ruas no dia sete, melhor pensar duas vezes antes de fazer ajuntamento, a vergonha pode ser grande, o povo deixou de engolir corda e ser besta. Tem algumas figurinhas carimbadas que gostam de escrever por aqui, que estão murchas, fiquem calmos, o bom vira no final de 2022. Podem arrumar o palhaço, pintar ele de vermelho e colocar um abacaxi no pescoço.

    1. Manifestação “home office”, prá evitar aglomeração. Orientação do bandido de 9 dedos (que não foi) e daquele tal Mandetta. Kkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI: Depoimento de petista que intermediou compra de respiradores para Consórcio Nordeste será em novembro

O depoimento do prefeito de Araraquara (SP), Edinho Silva, na CPI da Covid-19 já está confirmado para 04 de novembro. Na condição de testemunha, Edinho Silva (PT), que foi ministro no governo Dilma Rousseff, vai falar sobre o caso da intermediação da compra frustrada pelo Consórcio Nordeste de 300 respiradores, no valor de R$ 48,7 milhões, que também causou prejuízo ao Rio Grande do Norte.

O prefeito Edson Antonio Edinho da Silva é mencionado como “irmão de alma” do secretário executivo do Consórcio Nordeste, Carlos Eduardo Gabas, segundo delação premiada contantes nos autos que tramitam em segredo de justiça no STJ, e que teria sido favorecido com uma doação de 30 respiradores pela empresa Hempcare Pharma Representações Ldta.

Em 18 de junho do ano passado, o prefeito Edinho Silva assinou Termo de Rescisão de Doação, desistindo da doação de 30 ventiladores pulmonares fabricados pela Bioenergy Fabricação e Locação de Equipamentos, avaliados em R$ 140 mil cada um, bem como da obrigação de realizar a manutenção dos respiradores pelo prazo de 13 meses.

Carlos Gabas manteve-se em silêncio quando esteve na CPI da Covid-19, no dia 06 deste mês, mas requereu acesso a integralidade dos elementos de prova constituídos nos autos da Comissão de Inquérito.

Leia a notícia completa aqui na Tribuna do Norte.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI da Covid: empresário fica em silêncio em acareação com servidor da Sesap

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte teve mais uma reunião na tarde desta quarta-feira (20), quando estava prevista uma acareação entre empresário da Paraíba e servidor da Secretaria Estadual de Saúde Pública. No encontro, porém, o empresário convocado preferiu permanecer em silêncio e os deputados aprovaram requerimentos para a investigação.

Para a reunião desta quarta-feira, estava prevista uma acareação entre o servidor Ralfo Cavalcanti de Medeiros, da Unicat, com o empresário Paulo Ricardo Leão Anse, dono da empresa Leão Serviços, que forneceu material de EPI para o Governo do Estado durante a pandemia. No entendimento dos parlamentares, havia contradições nos depoimentos prestados até agora, já que servidores da Sesap informaram a inexistência de entrega de sapatilha com gramatura 50 g/m², enquanto o empresário Paulo Ricardo afirmou que houve uma primeira entrega de sapatilha com gramatura 50 g/m², só havendo posteriormente a alteração no termo de referência. Os servidores da Sesap, contudo, afirmaram que a determinação de gramatura 50g/m² ocorreu devido a erro de digitação e que não teria recebido produtos nesse parâmetro. Um servidor informou que a alteração na modalidade de empenho foi realizada após solicitação da empresa Leão, mas o empresário Paulo Ricardo afirmou, em depoimento anterior, que em nenhum momento a empresa realizou tal solicitação.

A acareação buscava sanar essas dúvidas, mas o empresário Paulo Ricardo Leão utilizou seu direito de permanecer em silêncio, já que ele e o servidor Ralfo Cavalcanti estavam depondo como investigados. O servidor da Sesap, contudo, aceitou responder aos questionamentos dos parlamentares e voltou a dar explicações sobre sua versão acerca do contrato.

Ao fim da oitiva, o presidente da CPI, deputado Kelps Lima (Solidariedade), o relator Francisco do PT, além dos deputados membros Getúlio Rêgo (DEM) e George Soares (PL), aprovaram requerimentos solicitando mais documentos por parte da empresa, principalmente com relação à negociação para entrega dos EPIs e sobre o termo de referência, assim como concordaram em reverter o servidor Ralfo Cavalcanti à condição de testemunha na investigação.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Datena acaba com Lula ao vivo: “A política tá podre por causa de gente como você”

Datena não conteve críticas ao ex-presidente Lula durante o “Brasil Urgente” desta quarta-feira (20). Tudo começou quando o apresentador falava sobre o panorama político do Brasil, citando que o político começou a defender os R$ 600 de auxílio emergencial apenas recentemente, não tendo se posicionado sobre o tema antes.

“E o Lula que defendeu hoje o R$ 600 depois de muito tempo?! Faz mais de um ano e meio que eu estou falando isso aqui, que R$600 é o mínimo que podia pagar. Lula disse que eu era o Enem que tornava a política pobre. Você nem pro Enem serve porque a porque a política tá podre por causa de gente como você”, disse Datena.

IstoÉ

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Metade da bancada do RN na Câmara já se posicionou favorável ao passaporte da vacina; confira a lista

O Senado aprovou no começo do mês o projeto que cria o Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS), que ficou conhecido como passaporte da vacina, que permite que vacinados circulem em espaços públicos ou privados onde há restrição de acesso, permitindo restrição de não-vacinados. O projeto segue agora pra Câmara dos Deputados e da bancada do RN, metade já se mostrou favorável.

Os deputados João Maia, Natalia Bonavides, Rafael Motta e Walter Alves já disseram que o projeto tem o apoio deles. Os deputados Benes Leocádio, Beto Rosado, Carla Dickson e General Girão ainda não se posicionaram.

Confira a lista:

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Passaporte da vacina é apoiado pela maioria dos deputados

Uma das marcas da postura do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao longo da pandemia de Covid-19 é o posicionamento contrário à obrigatoriedade da vacinação e aos chamados passaportes de imunização, mas o Congresso pode acabar frustrando o chefe do Executivo nacional. O levantamento é do portal Metrópoles.

O Senado já aprovou projeto de lei que cria documento para identificar pessoas vacinadas, e levantamento feito pelo Metrópoles na Câmara dos Deputados mostra que é alta a adesão a essa ideia.

A reportagem procurou os 513 deputados federais para perguntar a opinião deles sobre o passaporte da vacina. Do total de parlamentares, 249 (48,5%) responderam até o fechamento deste texto – que será atualizado se mais congressistas se posicionarem.

Dos que se manifestaram, 161 (64,6%) se mostraram favoráveis ao passaporte e 50 (20%) se disseram contrários. Outros 29 (11,6%) declararam que ainda não se decidiram sobre o tema.

O Metrópoles também consultou todos os deputados sobre a imunização contra a Covid. Dos 304 que responderam à reportagem, só 6 disseram não ter se vacinado.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Por Auxílio Brasil, governo quer mudar cálculo da inflação na regra do teto

Para manter a promessa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de lançar um novo programa social de R$ 400 mensais “sem furar o teto”, o governo elaborou uma modificação na própria regra do teto de gastos que, na prática, aumentará o quanto a União poderá gastar no ano que vem.

A solução na mesa agora prevê mudar o período de apuração da inflação, de acordo com quatro fontes ouvidas pela CNN.

Atualmente, o valor que o governo está autorizado a gastar equivale ao total das despesas do ano anterior corrigido pela inflação acumulada em doze meses até junho. A referência é o índice IPCA. A proposta agora é considerar a inflação acumulada de janeiro a dezembro.

Como a inflação disparou nos últimos meses, o IPCA apurado será fatalmente maior. E o governo terá então permissão para gastar mais ao formular o orçamento de 2022.

A alteração na forma de medir a inflação permitirá que a União aumente suas despesas em cerca de R$ 45 bilhões, segundo cálculos de integrantes do governo.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Líder do governo critica indiciamentos ‘sem provas’ e ‘ideologização’ da CPI

O líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), questionou nesta quarta-feira (20) o indiciamento de Jair Bolsonaro proposto pelo relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Para Coelho, não há provas de que o presidente da República tenha cometido crime.

— A pretensão de caracterizar o crime de charlatanismo, em razão das falas do presidente, não se sustenta, pois não houve nenhuma promessa de cura ou de uma solução infalível. Tais manifestações se inserem integralmente na proteção constitucional da liberdade de expressão do pensamento. Em nenhuma ocasião em que houve participação do presidente da República em eventos públicos se mostra possível identificar o elemento dolo em sua conduta, nem o viés de promover reuniões com o objetivo principal de causar o contágio da população — disse.

Segundo o líder do governo, o relatório final proposto por Renan Calheiros revela “abusos, movidos pelo mero capricho ou satisfaçião pessoal”. De acordo com Bezerra, o trabalho da CPI foi marcado por “excessos, radicalizações e ideologizações”.

— Manifestamos a nossa discordância quanto às conclusões do relatório final, e rechaçamos em particular as tentativas de criminalização do presidente da República, contra quem não há comprovação de recebimento de qualquer vantagem indevida ou de autoria e materialidade de crimes. O direito não pode ser utilizado como instrumento de política. Ou se faz um relatório final técnico ou se elabora uma opinião comprometida politicamente. Não há como mesclar as duas coisas, ou seja, aparência de tecnicidade em um relatório ideológico — argumentou.

Diário do Poder

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

A voz do povo é a voz de Deus’, diz Bolsonaro ao ouvir multidão gritar ‘Renan vagabundo’

O presidente Jair Bolsonaro reagiu com o dito popular “a voz do povo é a voz de Deus”, quando ouviu a multidão que assistia ao seu discurso, na cidade de Russas (CE), gritar em coro “Renan vagabundo”, numa referência ao relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Ele voltou a lembrar seu posicionamento contrário ao fechamento de atividades, durante a pandemia, e criticou os que defendiam a ideia “criminosa” de que “fiquem em casa que a economia a gente vê depois.

Bolsonaro pediu que na multidão levassem o braço as pessoas que foram acometidas de covid-19 e, destas, quantas tomaram cloroquina e ivermectina.

Diário do Poder

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

CLASSIFICADO: ABC faz 4 a 2 no Jacuipense-BA e avança na pré-Copa do Nordeste

Foto: Andrei Torres/ABC FC

O ABC venceu a Jacuipense-BA por 4 a 2 na noite desta terça-feira (19) no Frasqueirão e avançou na pré-Copa do Nordeste.

O Mais Querido saiu na frente com gols de Negueba e Wallyson, de pênalti. Mas o time baiano conseguiu o empate ainda no primeiro tempo com Danilo Rios, também de pênalti, e Jeam. O ABC garantiu a classificação na segunda etapa, 8 minutos do segundo tempo, Wallyson marcou o 3º gol e Negueba, de cabeça, fechou o placar após cruzamento de Wallyson, aos 34 minutos.

Na próxima fase, o alvinegro vai encarar o Sousa-PB em partidas de ida e volta na luta por uma vaga na fase de grupos da Copa do Nordeste 2022. As datas dos confrontos serão definidas em breve.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Câmara rejeita PEC que muda composição do Conselho do MP

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados rejeitou, nesta quarta-feira (20), o texto apresentado pelo relator, deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), referente a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 5/21, que altera a composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A proposta é vista pelos procuradores como uma interferência direta na autonomia do órgão.

Foram 297 votos favoráveis, 182 contra e 4 abstenções, faltando 11 votos para aprovação. Agora, os deputados devem analisar o texto original da proposta, do deputado Paulo Teixeira (PT-SP).

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), decidiu não colocar em votação hoje o texto original do projeto.

O deputado relator da matéria apresentou uma nova versão do seu parecer à PEC, que entrou em pauta na sessão desta quarta.

De acordo com o texto, o CNMP passará a ter 17 integrantes — hoje são 14. O relatório atual defende ainda que sejam indicados pela Câmara dos Deputados e Senado cinco membros do CNMP. Anteriormente, o número previa quatro indicações do Congresso.

A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) e a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), no entanto, são contrárias ao texto.

Segundo as entidades, a matéria apresentada “viola a autonomia institucional do Ministério Público e a independência funcional de seus membros”. Procuradores defendem ainda que o tema seja mais debatido e analisado “de maneira serena”.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), no entanto, vem tentando votar a matéria desde a semana passada, quando o relator apresentou as mudanças no texto. Ele alegou que as instituições do MP e dos procuradores não cumpriram acordo para a aprovação da matéria.

Em comunicado, as associações que representam o Ministério Público negam terem feito um acordo com a Câmara sobre a PEC.

Em entrevista divulgada pela revista Veja nesta segunda-feira (18), Lira disse que é necessário que haja um controle do Ministério Público.

“Quem apura erros do Ministério Público, quem controla o Ministério Público no Brasil? Qual é o controle externo do Ministério Público? Ele sequer tem um Código de Ética”, indagou Lira. Segundo ele, o debate será feito no Plenário da Câmara com “absoluta transparência e normalidade”.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *