Economia

Medida Provisória determina ‘pente-fino’ no INSS, muda regra para concessão de benefícios, e pode gerar economia de até R$ 20 bilhões

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa da posse do novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco Foto: Guito Moreto/Agência O Globo/03-01-2018

A medida provisória (MP) que será editada pelo presidente Jair Bolsonaro para combater fraudes e privilégios na Previdência Social prevê um novo pente-fino em benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Passarão por revisão auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, o auxílio-reclusão, na pensão por morte e no Benefício de Prestação Continuada (BPC). O texto, que deve ser publicado na sexta-feira, também altera regras de concessão de alguns benefícios.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que as regras estipuladas podem fazer com que o governo economize entre R$ 17 bilhões e R$ 20 bilhões por ano. De 2016 a 2018, o governo Michel Temer também fez um pente-fino em benefícios concedidos pelo INSS, focando as perícias nas aposentadorias por invalidez e nos auxílios-doença.

A MP endurece as regras para a concessão de benefícios como o auxílio-reclusão, pago às famílias de detentos. O texto cria uma carência de 24 meses para a concessão do auxílio. Com isso, o benefício só será pago se o segurado tiver contribuído para o INSS por dois anos.

O texto prevê que pessoas que receberam benefícios indevidamente devolvam o dinheiro à União. Caso contrário, serão inscritas em dívida ativa e terão o valor descontado caso venham a requerer algum outro benefício futuramente. Atualmente, o pagamento do benefício é apenas suspenso em caso de fraudes.

A medida provisória estabelece um prazo de 90 dias para requerer pensão por morte, concedido para menores de 16 anos. “Além de desestimular fraudes, essa medida impede o pagamento duplicado quando o benefício já é recebido por outra pessoa. Se houver ação de reconhecimento de paternidade, o valor correspondente à pensão sub judice fica separado aguardando o resultado”, explica o texto.

O texto elaborado pela equipe econômica propõe ainda o “aperfeiçoamento” das regras previstas para a comprovação de que o trabalhador rural pode se aposentar. Hoje, é necessário uma declaração do sindicato rural, regra considerada pelo governo como sujeita a fraudes. A MP acaba com essa possibilidade e estabelece auto declaração do segurado, com homologação por entidades públicas credenciadas Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (Pronater). Deverá ainda ser criado um cadastro para os trabalhadores rurais terem direito ao benefício.

A MP também veda a emissão de Certidão de Tempo de Contribuição (CTC) referente a tempo sem contribuição efetiva. Esse certificado hoje permite por exemplo que tempo de serviço anterior ao ingresso no funcionalismo possa ser considerado para efeitos de aposentadoria, num processo chamado de averbação. Isso amplia artificialmente ou antecipa a aposentadoria.

Para pensão por morte, também será exigido uma prova documental contemporânea de união estável e dependência econômica, com o objetivo de reduzir irregularidades, proibindo a comprovação com base em prova unicamente testemunhal ou ações simuladas, normalmente após o óbito do segurado.

Pente-fino

Para passar um pente-fino nos benefícios, o governo vai usar principalmente critérios do Tribunal de Contas da União (TCU) para identificar pagamentos supostamente irregulares. Os critérios definidos são: o indício de acumulação indevida; a suspeita de óbito do beneficiário; a identificação BPC com indícios de irregularidades; e a seleção de processos identificados na Força-Tarefa Previdenciária — composta pelo Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a Secretaria de Previdência.

Além disso, serão analisados benefícios por incapacidade mantidos sem perícia do INSS há mais de 6 meses, que não têm data de cessação estipulada ou indicação de Reabilitação Profissional. Os detalhes dos mutirões serão estabelecidos pelo presidente do INSS.

O texto da MP também define que o INSS deverá manter um programa permanente de revisão dos benefícios “a fim de apurar irregularidades ou erros materiais”.

“Havendo indício de irregularidade ou erros materiais na concessão, na manutenção, ou na revisão do benefício, o INSS notificará o beneficiário, ou seu representante legal ou seu procurador, para a apresentação da defesa, provas ou documentos de que dispuser, no prazo de 10 (dez) dias”, diz o texto da MP elaborado pela equipe econômica.

Notificação

Havendo indício de irregularidade na concessão, na manutenção, ou na revisão do benefício, o INSS notificará o beneficiário para a apresentação da defesa no prazo de dez dias. A notificação ao beneficiário que passará pela revisão, prevê o texto, será feito preferencialmente pela rede bancária ou por meio eletrônico; e por via postal, considerando o endereço constante do cadastro do benefício, valendo o aviso de recebimento como prova suficiente da notificação.

Após a notificação, o usuário poderá apresentar a defesa por canais de atendimento eletrônico informados pelo INSS. Se a defesa não for apresentada, o benefício será suspenso. Conforme o texto proposto, será necessário garantir “ampla defesa” ao segurado do INSS. Se a defesa for considerada pelo INSS “insuficiente” ou “improcedente”, o benefício será suspenso, abrindo prazo de 30 dias para o beneficiário apresentar recurso. Encerrado o prazo, se o recurso não for apresentado, o benefício será encerrado.

Além disso, pelo texto, os beneficiários deverão anualmente comprovar estarem vivos. A comprovação deverá ser feita em instituições financeiras, atendimento eletrônico com uso de biometria ou por qualquer meio definido pelo INSS que assegure a identificação do beneficiário.

Bônus para peritos

Segundo o governo, diante do enorme acúmulo de processos com indícios de irregularidade por analisar, bem como a possibilidade de identificação de um grande conjunto de outros casos similares, será preciso criar um Bônus Especial de Desempenho Institucional por Análise de Benefícios com Indícios de Irregularidades do Monitoramento Operacional de Benefícios (BEMOB).

Trata-se de um bônus no valor de R$ 57,50 que será devido aos técnicos e analistas do seguro social em exercício no INSS que concluam análise de processos com indícios de irregularidades. O bônus apenas será recebido sobre o que exceder metas mínimas de performance na análise desses processos, conforme critérios definido pelo órgão.

No governo Michel Temer, já foi feita fiscalização nos benefícios por incapacidade: o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez. Em dois anos, o pente-fino cancelou 80% dos benefícios de auxílio doença revisados e 30% das aposentadorias por invalidez.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Vão atingir os mais necessitados! Enquanto isso Paulo Wagner só curtindo o verão de quadriciclo.

  2. QUEREM TIRAR GORDURA DE ONDE NÃO TEM.
    EXCESSOS TEM NOS BENEFÍCIOS ABSURDOS DOS POLÍTICOS, PODER JUDICIÁRIO, MILITARES
    PODERIAM COMEÇAR POR AI…

  3. Falta diminuir o número de políticos, cargos comissionados, gratificações, salários estratosférico, auxílios, cartão corporativo, carros, passagens aéreas. Mordomias, obras magestosas, pensão de ex presidente e outros hecatombe. Só isso, se economizado e aplicado em obras estruturantes, mudaria a cara do país.

    1. BG
      Obras faraônicas de tribunais de justiça/STJ/STF/TRT/JF é como dizia um politico já falecido da Paraíba anel de brilhante num dedo de mendigo, ou seja hospitais abandonados e edifícios de altíssimo luxo que nem Países do 1° mundo tem. Isto é Brasil.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Veja imagens gravadas atrás de Trump no momento do atentado

Um vídeo gravado atrás do palco em que o ex-presidente dos EUA Donald Trump (Partido Republicano) discursava em Butler (Pensilvânia) no sábado (13), mostra o momento em que o republicano é atingido por um tiro de raspão.

O pré-candidato à Casa Branca discursava no momento em que levou a mão à orelha direita. Na sequência, ele foi retirado do local por agentes do Serviço Secreto. É possível ver sangue em seu rosto.

O ex-presidente está bem. Ele foi levado a um hospital, onde recebeu alta e retornou a Nova Jersey. Além do atirador, um dos presentes na plateia também foi morto. Outras duas pessoas ficaram feridas. Pelas redes sociais, o republicano homenageou as vítimas, agradeceu pelas mensagens de apoio e pregou união nacional. “Não temeremos, mas, em vez disso, permaneceremos resilientes em nossa fé”, publicou em seu perfil na rede social Truth Social.

Poder 360

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Homem que foi morto na plateia em atentado contra Trump era bombeiro e se jogou sobre a mulher e a filha para protegê-las dos tiros

Foto: reprodução/Facebook

O governador da Pensilvânia, Josh Shapiro, confirmou que o homem que foi morto no comício de sábado é o bombeiro Corey Comperatore.

O morador do estado da Pensilvânia se jogou sobre a mulher e a filha para protegê-las enquanto tiros eram disparados contra o ex-presidente Donald Trump.

“Acabei de falar com a esposa e com as duas filhas de Corey”, disse Shapiro. “Corey era um pai de meninas. Corey era bombeiro. Corey ia à igreja todos os domingos. Corey amava sua comunidade. Mais especialmente, Corey amava sua família.”

Shapiro descreveu Comperatore como um “apoiador ávido do ex-presidente” e disse que ele estava animado por estar no comício.

“Perguntei à esposa de Corey se não haveria problema se eu compartilhasse o que conversamos. Ela disse que tudo bem. Ela também pediu que eu compartilhasse com todos vocês que Corey morreu como um herói”, continuou Shapiro. “Corey se jogou sobre sua família para protegê-los ontem à noite neste comício”, disse ele.

Shapiro disse que “todos os líderes precisam baixar a temperatura e superar a retórica odiosa que existe e buscar um futuro melhor e mais brilhante para esta nação”.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: “Somente pessoas conservadoras sofrem atentados. Já reparou?”, diz Bolsonaro

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse neste domingo (14) que só “pessoas de bem e conservadoras sofrem atentados”. Deu a declaração ao ser questionado por jornalistas sobre o ataque sofrido pelo ex-presidente dos EUA Donald Trump (Republicano) durante comício no sábado (13.jul) em Butler, na Pensilvânia.

“Somente pessoas conservadoras sofrem atentados. Já reparou? […] Os atentados são contra as pessoas de bem e conservadores”, disse Bolsonaro. “Ele [Trump] no meu entender foi salvo por uma questão de poucos centímetros. Isso, no meu entender, é algo que vem de cima”, completou.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Quem planta e pratica a violência realmente são os esquerdistas. Não admitem perder. Lula governou 8 anos seguidos, depois 6 anos de Dilma, bastou Bolsonaro ganhar pra esquerda plantar o “nós contra eles”. Pensem e reflitam!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Atirador que tentou matar Trump tinha material explosivo em carro

Foto: Rebecca Droke/AFP

As autoridades americanas encontraram dispositivos explosivos no carro de Thomas Matthew Crooks, atirador de 20 anos que tentou assassinar o ex-presidente Donald Trump. As informações foram confirmadas por fontes do Wall Street Journal e da CNN.

O carro dirigido pelo atirador estava estacionado perto do comício de Trump em Butler, Pensilvânia.

Segundo o Wall Street Journal e a ABC News, a arma que Crooks usou no atentado foi comprada pelo pai.

O atirador estava posicionado sobre um telhado a 120 metros de distância do palco do comício. Com ele, o Serviço Secreto dos EUA encontrou um fuzil AR-15. Vídeos mostram snipers atirando na direção de Crooks logo após os primeiros disparos efetuados pelo criminoso.

As autoridades usaram a arma para ajudar a determinar a identidade do atirador, já que ele não tinha documentos.

O Antagonista

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Com apoio de Styvenson, Brenno lança pré-candidatura a vereador de Natal

Com o apoio declarado pelo senador Styvenson Valentim, Brenno lançou sua pré-candidatura a vereador em Natal e também apresentou um grande plano para fomentar o desenvolvimento da capital, intitulado “Natal Livre para crescer”.

Afinados nas pautas que defendem na política, Brenno e Styvenson atuam juntos em benefício do povo potiguar e, especialmente, do natalense. Tanto assim que o senador é categórico em endossar o nome de Brenno como pré-candidato: “Ele é essa pessoa que foi escolhida por mim, não só para ser vice-presidente do podemos, mas também para buscar este cargo (vereador em Natal) e, desse modo, poder contribuir para o desenvolvimento social justo da nossa capital”.

Opinião dos leitores

  1. Um excelente candidato estarei indicando sim e para mim um dos melhores senadores que o RN já teve , já fez mais obra que a atual Governadora

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião

[MARIO SABINO] Atentado: Trump projetou força em contraste com a fragilidade de Biden

Foto: Jabin Botsford/The Washington Post via Getty Images

O atentado a tiros na Pensilvânia contra Donald Trump, que escapou por milagre apenas com uma perfuração na orelha direita, terá impacto capaz de decidir a eleição presidencial como o atentado a faca contra Jair Bolsonaro, em 2018?

Muito cedo para dizer. Mas é indubitável que, ao escapar do atentado de cabeça erguida, ensanguentado, erguendo o punho em sinal de desafio e conclamando os seus apoiadores a lutar, Donald Trump protagonizou uma cena que cria um contraste e tanto com o andar trôpego e as performances claudicantes de Joe Biden — que, por causa da decadência física e mental, encontra resistências dentro do próprio partido.

Além de projetar uma imagem de força, Donald Trump terá no atentado mais uma forma de explorar a ideia de que enfrenta um establishment político inescrupuloso, disposto a tudo para tirá-lo do páreo.

Não bastassem as dezenas de indiciamentos e da recente condenação em Nova York para matá-lo politicamente, agora também querem exterminá-lo fisicamente, dirá Donald Trump, reforçando ainda mais a crença entre os seus seguidores de que o seu líder é um representante da América profunda, com os valores tradicionais que a levaram a ser a nação mais poderosa da Terra, contra a América das elites, que subvertem esses valores no altar dos seus próprios interesses.

Os Estados Unidos estão de tal forma polarizados que a margem para que um dos candidatos avance sobre o terreno do outro é praticamente nula. Entre os poucos indecisos ou com convicções menos cristalizadas, porém, o atentado certamente tende a causar simpatia a Donald Trump, especialmente no contraste com a fragilidade de Joe Biden, o que pode fazer diferença na contagem final. Há outro ponto: na batalha de imagens, o atentado tende a neutralizar a invasão do Capitólio. A violência política agora é de ambos os lados.

Há outras observações a fazer sobre o acontecimento de ontem. A imprensa, em geral, comportou-se como os partidários de Donald Trump a consideram: uma adversária política.

Desde o primeiro momento, estava claro que ele havia sofrido um atentado. As câmeras deTV não deixavam margem de dúvida. Havia o pipocar de tiros, Donald Trump havia sido atingido e procurou se proteger, os agentes do serviço secreto o cercaram, as pessoas se abaixaram para evitar serem atingidas, o sangue jorrava da orelha do candidato. Mas os jornais e emissoras demoraram a chamar a coisa pelo nome. Fui editor durante quase 40 anos e posso afirmar que não se tratou de prudência jornalística coisa nenhuma. Ninguém precisa de aval oficial para confirmar o que está diante dos olhos.

A conclusão é que a imprensa não queria acreditar que foi um atentado — ou não queria admitir, embora a ideologia da maioria dos jornais seja mesmo, na primeira camada, um sistema de crenças, o que está longe de tornar tudo menos vergonhoso. Como um vilão como Donald Trump poderia ser vítima? Como os democratas de esquerda, que são o bem absoluto, podem fazer o mal absoluto reservado aos antidemocráticos de direita?

(O cinismo ficou reservado a estes tristes trópicos. Aquele ser execrável, André Janones, notório divulgador de notícias falsas, que escapou da degola na Câmara dos Deputados graças ao ético Guilherme Boulos, foi ao X para dizer que “pelo menos dessa vez lembraram de providenciar o ‘sangue’”, uma referência ao atentado contra Jair Bolsonaro, que parte dos petistas e dos seus acólitos, como André Janones, afirmam ter sido armação, sem enrubescer de vergonha porque simplesmente não a têm.)

As investigações sobre o atentado estão em andamento. Está evidente que o serviço secreto americano, encarregado de proteger o ex-presidente, falhou miseravelmente. O atirados subiu livremente em um telhado próximo ao comício que estava estranhamente desguarnecido. Conseguiu dar vários tiros, atingindo o ex-presidente, matando um partidário de Donald Trump e ferindo gravemente outros dois, antes de ser morto por um sniper que estava protegendo o ex-presidente de outro telhado.

Uma das pessoas presentes ao comício disse à BBC que chegou a avisar encarregados de fazer a segurança de Donald Trump de que havia visto o autor do atentado se posicionando, mas que ninguém fez nada.

O assassino, um rapaz local de 20 anos, foi identificado e agora tentam saber tudo a seu respeito. Quando um americano se registra como eleitor, ele tem de colocar na ficha, para fins estatísticos, se é democrata ou republicano. O rapaz se registrou como republicano, e isso poderá ser usado pelos democratas para tentar conter as acusações dos adversários de que a contínua desumanização de Donald Trump entre as hostes do partido está na origem do atentado. Mas é duvidoso que tenha efeito: registrar-se como democrata ou republicano não significa que o cidadão pertence a uma ou a outra agremiação ou que vota necessariamente no partido pela qual manifestou preferência.

Com os tiros contra Donald Trump, já são dezesseis o número de vezes que um presidente dos Estado Unidos ou candidato à Casa Branca sofreu um atentado. A democracia americana sobreviveu a todos. É inabalável.

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Homem chora ao falar sobre perda de carro que caiu em buraco na RN-160 e pegou fogo; saiba como ajudá-lo

Um homem de 56 anos chorou ao falar sobre a perda do seu carro que caiu em um buraco na RN-160, e pegou fogo, próximo a Santo Antônio/RN, na noite da última sexta-feira (12).

Segundo ele, após cair no buraco seu veículo pegou fogo, e infelizmente ele não conseguiu conter as chamas, tendo perda total do veículo. O veículo de Sérgio não tinha seguro.

A vítima do acidente trabalha fazendo viagens de Santo Antônio para Natal e agora está sem o meio de transporte para continuar trabalhando.

Ajude Sérgio através do PIX:
CPF: 837.499.344-87 (Sérgio Nicolau da Silva)

Ponta Negra News

Opinião dos leitores

  1. Esse é o efeito do “cidadão armado”. Como Trump é defensor das armas, levar um tiro na orelha, qual o problema. Viva as armas.

  2. Infelizmente as estradas do RN estão abandonadas, e pessoas como o Sérgio pagam ficando prejudicadas.

  3. Será que ele fez o L?? Mesmo assim vamos ajudar. Talvez agora ele e outros pensem bem antes de votarem.

    1. Se fosse o Super Bozo Arregão, não teria buracos….
      Aliás, no tempo do Bozo aqui não existia buracos. Natal era quase uma Suíça……. o choro é livre gado.

    2. Quem governa o RN é Fátima do PT, o povo pra gostar de falar em Bolsonaro viu, se a pessoa críticar o L pra eles é bolsonarista.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

FOTO: Fotógrafo do The New York Times captura trajeto de bala disparada contra Donald Trump

Foto: Doug Mills/The New York Times

Uma foto publicado pelo jornal The New York Times capturou o momento exato em que uma bala disparada contra Donald Trump se aproxima do ex-presidente. A imagem foi feita pelo fotógrafo Doug Mills, que trabalhava fazendo a cobertura fotojornalística do evento.

Para analisar as imagens, o NY Times convidou o agente especial aposentado do FBI Michael Harrigan, que confirmou que é possível que Mills tenha capturado o projétil em movimento. “Dadas as circunstâncias, se isso não mostra a trajetória da bala no ar, não sei o que mais seria”, afirmou.

Segundo o agente, o ângulo da bala parece baixo para ter passado pela orelha do então candidato. No entanto, é possível que a foto tenha capturado algum dos disparos feitos pelo autor.

“A maioria das câmeras usadas para capturar imagens de balas em voo trabalha em altíssima velocidade, normalmente não utilizadas para fotografia regular, então, capturar uma bala em uma trajetória lateral, como visto naquela foto, seria um tiro em um milhão e quase impossível de capturar, mesmo se alguém soubesse que a bala estava vindo”, explicou.

De acordo com o jornal, Mills estava utilizando uma câmera da Sony com capacidade para capturar imagens em até 30 quadros por segundo e utilizava a velocidade do obturador em 1/8.000 de segundo, configuração classificada pelo site como “extremamente rápido para os padrões da indústria”.

Correio Braziliense

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Janones debocha de atentado a Trump: “fakeada fazendo escola”

Foto: Mario Agra / Câmara dos Deputados

O deputado federal André Janones (Avante-MG) zombou do atentado ao ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Em seu perfil na rede X, o parlamentar comparou o ato à facada sofrida pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, sugerindo que as duas ações teriam sido fabricadas para favorecê-los.

“Agora sabemos o que o miliciano foi fazer nos EUA assim que deixou a presidência. É a “Fakeada” fazendo escola”, escreveu. Logo em seguida, acrescentou: “Pelos menos dessa vez lembraram de providenciar o ‘sangue’.”

Imagem: reprodução/X

Trump foi alvo de um atentado neste sábado, durante um comício na cidade de Butler, na Pensilvânia. O atirador foi morto.

Janones é autor de fake news e foi acusado de “rachadinha” em seu gabinete, após a eleição. Ganhou popularidade pelo método que empregou durante o período eleitoral em suas redes sociais contra a campanha de Jair Bolsonaro (PL).

No ano passado, chegou a assumir enfaticamente o uso de fake news contra a campanha de Bolsonaro.

No X ele publicou: “ATENÇÃO URGENTE: Partido de Bolsonaro estaria por trás do pedido pra suspender a lei que aprovamos no congresso, garantindo o piso salarial da enfermagem. Se for confirmado é grave, muito grave!”. Em seguida, postou uma imagem com a inscrição: “Bolsonaro declara guerra contra a enfermagem”, com a legenda “Missão do dia: viralizem isso”.

Posteriormente, o próprio Janones confessou que a mensagem era falsa; a publicação, entretanto, já havia sido compartilhada mais de 5 mil vezes somente no Twitter antes de ser excluída por determinação da Justiça Eleitoral.

A ação foi alvo de críticas até mesmo de parte dos apoiadores do candidato petista. Ao ser questionado por um influenciador sobre o uso da desinformação como método, rebateu: “Então continua combatendo o fascismo com flores”, emendando na postagem seguinte: “É pela democracia”.

Gazeta do Povo

Opinião dos leitores

    1. 😍😍😍Olha pra quem eles trabalham, enquanto nos ferramos pagando impostos!
      👉👉👉 O governo Lula via Ministério da Cultura autorizou uma produtora de São Paulo a receber😍😍😍 R$ 8,3 milhões para montar um “espetáculo de teatro musical” homenageando os 50 anos de carreira da cantora lulopetista ➡️➡️Fafá de Belém. Por acaso, essa defendia Lula?

  1. Asqueroso, esse sujeito é tão imbecil e mau caráter que chega a dar asco. Hipócrita e a rachadinha não é fake?

  2. ➡️➡️Uma foto publicado pelo jornal The New York Times capturou o momento exato em que uma bala disparada contra Donald Trump se aproxima do ex-presidente. A imagem foi feita pelo fotógrafo Doug Mills, que trabalhava fazendo a cobertura fotojornalística do evento.

    ➡️ APÓS UMA FOTO DESSAS, O QUE MERECIA UM CANALHA COMO ESSE JANONES? ELE SABE TANTO QUE NÃO EXISTE PUNIÇÃO PRA QUEM É DE ESQUERDA NESSE PAÍS, QUE FALA TUDO QUE QUER, INVENTA TUDO QUE QUER. É BRINCADEIRA O QUE SE PASSA NO BRASIL. UM CANALHA DESSES EXERCENDO A FUNÇÃO DE DEPUTADO FEDERAL. ELE E OUTROS MAIS.

  3. Isso é um canalha. Tinha que ser apoiador do Lula. Isso é o nível dos políticos da esquerda. Tá do lado certo. Na esquerda só há dois tipos de pessoas: O desinformado e o mau caráter. Simples assim.

  4. Por umas palavras dessas esse Janones já prova que é incapaz de exercer o cargo de deputado federal. Impeachment já de Janones.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gastronomia

Confira as receitas de peixe frito e caranguejo toc-toc no Papo de Fogão Raiz

PEIXE INTEIRO FRITO

Ingredientes:
1 peixe inteiro limpo
Sal a gosto
1L de óleo para fritar
Tomate e cebola em rodelas para decorar

Modo de preparo:
Faça cortes nas laterais do peixe, na diagonal e um pouco para dentro do peixe.
Coloque sal no peixe e leve pra fritar no óleo muito quente.
Aproximadamente 10 minutos de cada lado.
Retire da frigideira, e sirva em seguida com tomate e cebola.

Tempo de preparo: 10 min
Tempo de cozimento: 20 min

DICA RÁPIDA

CARANGUEJO TOC-TOC

Ingredientes:
3 caranguejos limpos
1 colher de sopa de sal
Suco de ½ limão
1 colher de sopa de tempero Delícia do Mar

Modo de preparo:
Com a água fervendo, coloque o sal, o suco do limão, a delícia do mar e os caranguejos.
Deixe cozinhando em fogo alto por 30 minutos.
Retire da panela e sirva em seguida.

Tempo de preparo: 5 min
Tempo de cozimento: 15 min

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *