Ministros do STF criticam paralisação de policiais do Ceará: “É ilegal e inadmissível”

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom

Dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticaram hoje (20) o movimento grevista iniciado por policiais militares do Ceará. Os policiais realizam a paralisação em busca de aumento de salário.

Ao chegar para participar da sessão desta tarde na Corte, Alexandre de Moraes afirmou que a greve é “ilegal e inadmissível”. Antes de ser nomeado para o STF, o ministro foi secretário de Segurança de São Paulo e ministro da Justiça.

“Como se pode disparar tiros a esmo, podia ter sido um morticínio gigantesco. É ilegal e tem que ter consequências tanto na Justiça comum quanto na criminal”, disse.

Ricardo Lewandowski também afirmou que a greve não tem amparo legal. “Como ministro do Supremo Tribunal Federal, acho que é extremamente preocupante uma greve de policiais militares ou qualquer corporação armada. É constitucionalmente vedado que corporações armadas façam greve”, afirmou.

Ontem (19), o senador Cid Gomes, atualmente licenciado de suas funções parlamentares, foi baleado na cidade de Sobral, no Ceará.

Cid era contrário a um movimento de policiais militares que faziam uma paralisação. Segundo imagens feitas no local e divulgadas na internet, o senador licenciado tentou entrar em um batalhão da polícia, que estava com os portões fechados, dirigindo uma retroescavadeira. Do outro lado do portão havia dezenas de policiais encapuzados. Desse grupo teriam partido dois tiros que acertaram o senador.

Em 2017, o plenário do STF decidiu que todos os servidores que atuam diretamente na área de segurança pública não podem exercer o direito de greve, sob qualquer forma ou modalidade, por desempenharem atividade essencial à manutenção da ordem pública.

Pela tese aprovada, ficou vetado o direito de greve de policiais civis, federais, rodoviários federais e integrantes do Corpo de Bombeiros, entre outras carreiras ligadas diretamente à segurança pública. As carreiras, no entanto, mantêm o direito de se associar a sindicatos.

Um grupo de militares da Força Nacional de Segurança Pública embarcou na manhã de hoje do Aeroporto Internacional de Brasília com destino ao estado do Ceará. O avião da Polícia Federal transportando os militares decolou às 8h. Um segundo grupo embarca às 15h, devendo chegar na capital cearense às 17h45.

O envio da Força Nacional ao Ceará foi determinado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, após solicitação do governador Camilo Santana. A portaria, autorizando a medida, está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (20).

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amaro disse:

    Na minha análise foi legítima defesa por parte dos policiais. Cid deveria ter sido preso em flagrante delito. O irmão culpa Bolsonaro e evidencia a democracia mas esquece de falar da intolerância e da arrogância qdo ele usa a retroescavadeira contra pessoas. O tiro saiu pela culatra. Poderia ter ocorrido mortes e feridos qdo ele usou a retroescavadeira contra os policiais e familiares dos policiais q participavam do protesto. Inconsequente e autoritário. Já tão dizendo q ele é doido no fim de não ser preso! Ontem não vi a mídia citar a retroescavadeira. Graças a Deus q as redes mostram tudo!

  2. Pedro disse:

    desçem…….corrigindo

  3. Pedro disse:

    Eita cidadão, vc é esses dois ministros imbecis dessem o aço na polícia, perfeito, agora um senador imbecil pode ser armar com um trator e arremessar contra o povo? Deixa de ser hipócrita troço.
    E vc Lenio, onde vamos parar com senadores se comportando daquela maneira? Experimenta ficar na frente de um imbecil, montado numa retroescavadeira, seria interessante imaginar qual seria a sua reação, vc sabendo que ele queria passar por cima.

  4. Neto disse:

    Inadmissível é um Senador da República, licenciado, atentar contra a vida de policiais militares e de seus familiares, se dirigindo a eles, guiando uma retroescavadeira. Se não tivesse sido contido, o estrago teria sido grande. Coisa de desequilibrado mental.

  5. Luciano disse:

    O que eles acham admissível é aumentaram os próprios salários em 16,38% enquanto os outros funcionários públicos nada receberam, alguns como aqui no RN a mais de 10 anos sem aumento.

  6. Cidadão disse:

    É a milícia bolsonarista em ação, igual os milicianos de Hugo Chavez na Venezuela

    • Chicó disse:

      Foi lá que atropelaram manifestantes, do mesmo jeito que Cid Gomes fez !

    • COrporal January disse:

      Verdade!
      No Rn teve um oficial aliado do governo preso dentro do comando geral pela pf !
      Esse bozo ñ perdoa !
      Num foi cidadão

    • Roberto disse:

      Esqueceu de dizer que Hugo Chávez é um aliado comunista de Lula, integrante do foro de São Paulo.
      Milícias são típicas de regimes comunistas com medo das forças armadas.
      A tática de propaganda da esquerda é falar mal de milícias, mas quando fala em traficantes de drogas defendem.
      A esquerda é uma máfia dissimulada.
      Cara de pau.
      Acham que o povo é bobo.
      Derrotados nas eleições de 2018, com medo do presidente da mudança.
      Muitos governadores que se elegeram na onda Bolsonaro, de olho na cadeira presidencial, fazem qualquer coisa para atrapalhar o governo.

  7. Lenio disse:

    É extremamente preocupante uma greve de policiais militares ou qualquer corporação armada. É constitucionalmente vedado que corporações armadas façam greve.
    Onde é que vamos parar?

    • Democracia disse:

      Deveria ter uma lei que obrigue o estado repor as perdas salariais. Já que não pode fazer greve. Agora proibi a reposição e passa necessidade não dar!

    • Marcos Aurélio disse:

      Certíssimo meu nobre.

COMENTE AQUI