Política

Operação Manus: Fred Queiroz confirma em juízo movimentação de R$ 2 milhões de caixa 2 em campanha de Henrique Alves

O delator da Operação Manus, Fred Queiroz, confirmou em depoimento à Justiça Federal nesta quarta-feira (4) que parte do dinheiro que movimentou a campanha de Henrique Eduardo Alves em 2014 para o Governo do Estado foi através de caixa dois.

Fred é dono da Prátika Locações, que foi contratada na campanha para atividade de mobilização de militância.

Ele confirmou que movimentou em dinheiro pessoalmente R$ 1 milhão, quantia que foi receber em viagem a São Paulo. Os recursos eram da Odebrecht.

O dinheiro foi repassado a ele por Norton Masera, assessor de Alves. Ao todo, Fred diz que houve R$ 2 milhões em caixa dois, mas o outro milhão de reais ele afirmou não saber que destinação teve.

Outros R$ 5 milhões são questionados pelo Ministério Público Federal como objeto de propina. Isso porque, apesar de terem sido declarados, o MP alega que foram recursos provenientes de desvios de recursos de empresas investigadas na Lava Jato.

Ao todo, a Prátika Locações movimentou R$ 9 milhões.

Nesta quarta-feira, quem também depôs foi Fernando Aires, da Odebrecht Ambiental, que confirmou os repasses informados por Fred.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Publicado decreto de Natal sobre proibições de eventos, liberação do passaporte vacinal no comércio e que mantém restrições em vias públicas; confira documento na íntegra

A Prefeitura de Natal publicou o decreto que proíbe as pessoas a andarem sem máscara em
vias públicas, que proíbe a realização de festas públicas ou privadas e que derruba a exigência do passaporte vacinal no comércio.

Confira o documento na íntegra…

2022-01-24 – Decreto cancela Carnaval de 2022

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

[VÍDEO] Promotor: “Não podemos ser humilhados. Se a torcida vem para um confronto, PM tem que reagir”

A Polícia Militar não é “onipresente”. Essa foi a afirmação feita pelo promotor de Justiça Luiz Eduardo Marinho, que concedeu entrevista ao Metendo a Colher ontem (24), após um novo episódio de briga de torcidas organizadas registrado no dia do clássico entre ABC e América. Diante disso, o promotor cobrou uma atuação mais efetiva de investigação para que os bandidos sejam efetivamente punidos e não voltem a protagonizar essas imagens de violência. Veja o vídeo acima da entrevista:

“Possivelmente, vou recomendar novamente a suspensão das torcidas. Pelo menos, das organizadas”, afirmou o promotor, reconhecendo, logo em seguida, que a medida “não resolve”. “Só podemos punir a organizada, mas a pessoa fisica só pode ser proibida de entrar no estádio por meio de decisão judicial”, acrescentou, ressaltando que toda e qualquer medida “de força” usada para coibir a violência das torcidas tem “apoio do MP”.

“Se for necessário usar bomba de efeito moral, bala de borracha, ele tem apoio do MP”, antecipou. “Não podemos ser humilhados. Se a torcida vem para um confronto, de forma enérgica, a PM tem que reagir. A resposta tem que ser a altura”, cravou.

Portal 96 FM

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PT pede estudo para encaminhar CPI contra Moro por atuação em setor privado

A bancada do PT na Câmara dos Deputados acionou sua assessoria jurídica para emitir um parecer sobre a eventual instalação na Casa uma CPI para investigar a atuação do ex-juiz e presidenciável Sergio Moro no setor privado, como sugeriu o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP).

Teixeira anunciou que começaria a colher assinaturas na Câmara para a criação da comissão parlamentar de inquérito, com o objetivo de apurar suposto “conflito de interesses” na atuação de Moro na empresa Alvarez & Marsal.

Antes de dar continuidade à tarefa de obter as 171 assinaturas necessárias, o PT quer saber os limites para uma investigação no Legislativo avançar sobre um tema que colide com processos que estão no âmbito da Justiça, envolvendo gestão de massa falida, recuperação judicial e falência de empresas.

O encaminhamento foi discutido por Teixeira com o líder do partido na Câmara, Reginaldo Lopes (MG). Petistas avaliam ser possível obter o apoio de parlamentares de outras siglas de esquerda e também do centrão para abrir a CPI.

Os deputados da legenda deverão deliberar sobre o tema no início da próxima semana. Lopes disse que o tema deve entrar na pauta da reunião de terça-feira (1º), ou ser antecipado para segunda-feira (31), dependendo da avaliação do corpo técnico.

A base da investigação na Câmara devem ser os relatórios do TCU (Tribunal de Contas da União), órgão que investiga o caso envolvendo o pré-candidato à Presidência pelo Podemos e a atuação dele como juiz da Operação Lava Jato.

​O tribunal analisa se atos de Moro como juiz fragilizaram a situação econômica de empreiteiras e, alguns anos depois, ele foi trabalhar justamente na companhia responsável pela recuperação judicial da maioria delas.

Já colegas do ex-magistrado no Podemos e outros entusiastas da candidatura de Moro se manifestaram contra a iniciativa, qualificando-a como uma estratégia de vingança, que teria por objetivo desgastar o ex-juiz eleitoralmente para beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na corrida presidencial.

Monica Bergamo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mais de 680 mil potiguares estão com 3ª dose da vacina contra a Covid atrasada

O Rio Grande do Norte tem 682 mil pessoas com a dose de reforço da vacina contra a Covid-19 atrasada, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (24) pelo Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Lais/UFRN).

São exatamente 682.899 pessoas que poderiam ter tomado a 3ª dose, mas não compareceram aos postos de saúde para receber a vacina. A maioria está em Natal – onde 188 mil pessoas não deram sequência à imunização.

No grupo dos atrasados para a 3ª dose, estão idosos com mais de 60 anos que receberam a 2ª dose há mais de três meses, adultos com mais de 18 anos que receberam a 2ª dose há mais de quatro meses e imunossuprimidos que tomaram a D2 há mais de 28 dias.

Portal 98 FM

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Casos de gripe e covid fazem doação de sangue cair 30% em Natal

O aumento dos casos de gripe e covid vem impactando negativamente os estoques de sangue do Hemonorte em Natal. Na primeira quinzena deste mês, cerca de 30% dos doadores cadastrados foram impedidos de abastecer os estoques do centro por causa de infecções por gripe ou covid-19. Dados do próprio Hemonorte revelam ainda que a alta de casos de covid e gripe ocasiona o afastamento de profissionais contaminados e provoca sobrecarga nos funcionários das equipes da linha de frente, o que acaba reduzindo a capacidade de atendimento. Atualmente, cerca de 15% dos servidores estão afastados de suas funções devido às síndromes respiratórias.

De acordo com a diretora de hemoterapia do Hemonorte, Ivana Vilar, a pandemia vem causando instabilidade nas doações desde 2020. Ainda segundo Vilar, o estoque de sangue do centro está longe do ideal, mas apresentou melhora na última semana em comparação com a anterior.

O Hemonorte tem hoje 434 bolsas de sangue, que são suficientes para atender os pacientes por um período de 3 a 4 dias. O número de bolsas considerado seguro varia de 726 a 1.005, que seria suficiente por até 10 dias. A unidade é responsável por distribuir sangue e hemoderivados para todos os hospitais públicos do Rio Grande do Norte, além de hospitais privados conveniados. As doações possibilitam ainda a realização de procedimentos eletivos, que são cirurgias programadas que não demandam emergência.

Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultura

Livro do potiguar Fernando Campos entra na lista dos mais vendidos da Amazon

O jornalista, escritor e palestrante natalense Fernando Campos, pessoa com deficiência visual, já é o número 1 da Amazon na venda de livros com a publicação “Enxergando além do Atlântico: Uma jornada ao Reino Unido”.

Fernando Campos já era conhecido do povo potiguar, mas ganhou reconhecimento nacional ao participar do The Wall, quadro do programa Domingão com Huck, com o objetivo de destinar um prêmio em dinheiro ao projeto de informatizar e ampliar os serviços do Instituto dos Cegos do Rio Grande do Norte.

O livro traz a trajetória de vida nada convencional, como desde a infância supera desafios, quebra paradigmas e sobre o apoio da família. Também conta detalhes desde a decisão de uma vivência internacional “sozinho”, a escolha da escola com estrutura para recebê-lo, as adaptações, as emoções, a saudade e a experiência motivadora.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Quem foi Olavo de Carvalho, ícone entre conservadores, que chegou a ser tratado como “guru de Bolsonaro”

Olavo de Carvalho, morto nesta segunda-feira (24) aos 74 anos, não gostava de ser chamado de ideólogo ou guru, e costumava reagir com seu vocabulário típico, recheado de palavrões e expressões chulas, quando era associado a estes termos.

Não há maneira melhor, no entanto, de descrever a influência do escritor e filósofo sobre o governo de Jair Bolsonaro e a chamada “nova direita”, que surgiu com força avassaladora no cenário nacional em meados da década passada.

“Olavo tem razão” virou slogan em camisetas e faixas encontradas em manifestações de pessoas vestidas de amarelo, ou nos suvenires vendidos em eventos conservadores pelo Brasil, estampando de canecas a chaveiros.

A influência descomunal vinha da personalidade carismática de Olavo, que tinha a agressividade retórica como método, e sobretudo do reconhecimento de liberais, conservadores, nacionalistas e proto-fascistas, de que ele foi um pioneiro.

Dez anos antes da explosão destra, Olavo já pregava solitário contra a dominação cultural da esquerda nas universidades, nos meios científico e artístico, na religião e na imprensa. Em anos posteriores, quando vociferar contra ideias progressistas passou a ser moeda corrente, o velho guru foi elevado à condição de visionário.

O fato de ter morrido como referência para milhões de pessoas culmina uma trajetória pessoal improvável. Nas suas primeiras cinco décadas de vida, Olavo era uma figura que oscilou entre o obscuro e o folclórico.

Nascido em Campinas (SP) em 1947, interessou-se por filosofia desde a adolescência. Nunca teve uma carreira acadêmica formal, o que o levou a ser acusado por detratores, ao longo da vida, de não merecer ser chamado de filósofo.

O único curso formal de filosofia que fez foi na PUC do Rio de Janeiro, mas não chegou a completá-lo. Tornou-se autodidata e recorreu a professores particulares, conforme narrou na biografia oficial que consta de seu site.

“Não tendo encontrado, na época, cursos universitários de boa qualidade sobre os tópicos que eram de seu interesse, abdicou temporariamente dos estudos universitários formais e buscou professores particulares e conselheiros qualificados que o orientassem”, diz o site. Durante toda a vida, foi um entusiasta do ensino domiciliar, livre da influência esquerdista que via no sistema formal.

Aos 18 anos, começou a colaborar com veículos de imprensa, numa relação que duraria décadas, o que não evitaria que, na fase final da vida, atacasse de forma dura e frequente a mídia.

Trabalhou como redator, repórter, copy desk (função hoje extinta) e colunista na Folha, Jornal da Tarde, O Globo, Zero Hora e publicações menores.

A partir da década de 1970, ampliou sua área de interesse, antes restrita à filosofia e ao jornalismo, para outros campos, como lógica, retórica, gramática e, para deleite de seus detratores, astrologia.

Aos que o ridicularizavam por guiar-se pelos corpos celestes, Olavo respondia que o estudo da astrologia existe há milênios, e que é parte indissociável da formação cultural da humanidade.

Como ocorre com frequência na direita, ele recebeu seu batismo político na esquerda. Na juventude, chegou a flertar com o Partido Comunista Brasileiro e ter uma breve militância contra a ditadura, logo abandonada.

Segundo ele, o comunismo era inconciliável com sua crença da preponderância do individual sobre o coletivo.

Na autodefinição de seu site oficial, a tônica da obra de Olavo é “a defesa da interioridade humana contra a tirania da autoridade coletiva, sobretudo quando escorada numa ideologia ‘científica’”.

A partir do momento em que se desiludiu com a esquerda, passou a dedicar-se à desconstrução do mais importante formulador do socialismo científico, Karl Marx.

Graças em grande medida a Olavo, popularizou no debate público brasileiro o conceito do “marxismo cultural”, criado pela direita americana com contornos de teoria conspiratória.

Segundo esta linha de raciocínio, a esquerda, derrotada na Guerra Fria, manteve-se ativa mudando o campo de batalha da política para as ideias.

Assim, controlaria desde escolas primárias a universidades, além de veículos de comunicação, laboratórios, editoras e estúdios de cinema, entre muitos outros centros formadores de opinião.

A defesa do socialismo teria se transmutado em manifestações identitárias, defesa dos direitos humanos, ambientalismo e o malfadado “globalismo”, uma suposta tentativa de impor a culturas nacionais valores progressistas ditados por uma elite intolerante.

Pensadores como o italiano Antonio Gramsci (1891-1937) e os expoentes da Escola de Frankfurt, propagadores da noção de hegemonia cultural, entraram na linha de tiro da direita olavista.

A partir da segunda metade da década de 1990, os escritos de Olavo se tornam mais políticos, e seus livros ganham popularidade na medida em que a maré ideológica começa a virar para a direita.

Sucedem-se títulos como “O Jardim das Aflições” (1995), “O Imbecil Coletivo” (1996) e “O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Se Tornar Um Idiota” (2013), todos livros de cabeceira para a nova direita.

Em 2005, Olavo decidiu se mudar para os EUA, segundo ele em protesto contra a chegada ao poder do PT. Instalou-se em uma casa num subúrbio no estado da Virgínia e passou a adquirir maneirismos de um americano, como a prática do tiro e o uso de botas e chapéu.

De lá, por vídeo, criou um curso online de filosofia que, segundo estimativas de amigos, formou mais de 20 mil pessoas, tornando-se uma de suas principais fontes de renda. Entre seus alunos estiveram diversas autoridades que depois comporiam o governo de Jair Bolsonaro.

A onda conservadora que levou ao impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, e à eleição de Bolsonaro dois anos depois, definiu Olavo como seu farol ideológico.

Olavismo, olavista e olavete passaram a ser termos de uso corrente, da mesma forma que lulismo ou malufismo já foram. Seus alunos e discípulos formaram a chamada “ala ideológica” do governo, que incluía ministros como Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Ricardo Vélez e Abraham Weintraub (ambos da Educação), assessores como Filipe Martins, parlamentares como Bia Kicis e os próprios filhos do presidente.

Ciosa de seu espaço no Executivo, essa ala destacava-se pela combatividade, e não apenas direcionada a opositores internos do governo. Um alvo corriqueiro do filósofo e de seu séquito eram os militares, acusados de “positivismo”, ou sejam de serem pragmáticos e não-ideológicos.

Ao longo da primeira metade do governo, os olavistas acumularam sucessos ao provocar a saída de figuras indesejadas, como os ministros Gustavo Bebianno e Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Mas, num sinal de desgaste e dos acenos que Bolsonaro passou a fazer a lideranças da política tradicional, também acumularam derrotas, como as demissões de Weintraub e Araújo.

Sua vida pessoal era igualmente agitada. Teve oito filhos, de diversos relacionamentos. Na década de 1980, chegou a se dizer muçulmano durante um período. Heloísa, sua filha mais velha, diz que essa suposta conversão foi apenas um subterfúgio do pai para ter três mulheres simultaneamente, algo permitido pela religião.

Rompida com o pai, ela o acusou numa carta aberta de 2017 de abandono intelectual, por não tê-la enviado à escola quando criança.

A falta de freios e a liberalidade com a verdade também lhe renderam dores de cabeça. Após acusar Caetano Veloso de pedofilia, foi processado e condenado a pagar uma indenização de R$ 2,9 milhões ao cantor e compositor. Sem dinheiro, deixou a dívida pendente e foi socorrido por amigos e alunos.

As posições questionando o aquecimento global e a gravidade da pandemia lhe renderam punições das grandes plataformas de tecnologia, que suspenderam rotineiramente suas contas. Pressionada, a empresa de pagamentos Pay Pal, pela qual Olavo recebia o dinheiro dos alunos de seus cursos, encerrou sua conta, agravando seus problemas financeiros.

Também chegou a flertar com o terraplanismo, embora tenha dito que estava apenas mencionando enigmas sobre a trajetória retilínea de feixes de laser que a ciência não conseguia explicar.

Minimizou durante anos os perigos do tabagismo, e estava sempre com um cigarro entre os dedos em vídeos e lives. Decidiu parar de fumar quando suas crises respiratórias se agravaram, no final de 2020.

Folhapress

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Morre Olavo de Carvalho

O pensador Olavo de Carvalho morreu na madrugada de hoje (25), aos 74 anos, em um hospital em Richmond, na Virgínia, Estados Unidos, onde estava internado.

A família não informou a causa de sua morte. Há nove dias, ele foi diagnosticado com Covid.

Dito como “conservador” e de “direita”, Olavo ficou conhecido por ser o “guru” do Jair Bolsonaro. O próprio presidente publicou no Twitter que “Olavo foi um gigante na luta pela liberdade e um farol para milhões de brasileiros. Seu exemplo e seus ensinamentos nos marcarão para sempre”.

Opinião dos leitores

  1. Mais um negacionista morrendo de covid ou das consequencias dela. Lamentavel que ainda exista alguem com esse pensamento mediocre.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Prefeitura do Natal vai liberar comércio da cobrança do passaporte de vacina e proibir festas públicas e privadas

Deverá ser publicada nesta terça-feira na edição normal ou extraordinária do diário oficial de Natal, a liberação por parte da prefeitura do Natal da cobrança do Passaporte de Vacinação no município de Natal.

O decreto da Prefeitura de Natal também vai proibir shows, eventos e festas públicas e privadas.

O decreto de Álvaro Dias vai no caminho oposto do decreto de Fátima Bezerra.

Opinião dos leitores

  1. Vixe, tem treta nessa história, o prefeito vai peitar a governadora? Se for, parabéns prefeito, essa maluca vive peitando o presidente, está na hora de alguém colocar ela no canto, em outubro a população completa o serviço.

  2. O contaminado é que tem que ter consciência, e se isolar, não circular, até terminar a quarentena.

  3. Parabéns prefeito. O “passaporte sanitário “ não garante que a pessoa não está contaminada. Quem transmite é quem ESTÁ contaminado.

  4. Tudo bem, mais vai ter suporte financeiro pra cadeia produtiva de eventos? Só proibir e fácil, que ver um plano que der suporte financeiro a inúmeros profissionais que vivem de eventos.

  5. O prefeito sempre alimentou o virus, assim como o genocida. Só toma alguma medida de combate mesmo quando não resta outra opção. Só falta ele voltar a indicar a cloroquina e ivermectina. Por falar nisso, o ministério da saúde voltou a indicar, será que a doutora cloroquina e o deputado ivermectina voltarão pras rádios para prescreverem? Ou ela vai fazer com carro de som? Receber apoio dos conselhos de Medicina?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Roberto Jefferson recusou vacina e contraiu Covid-19 no presídio, diz Moraes em despacho que determinou prisão domiciliar

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O ex-deputado Roberto Jefferson se recusou a tomar vacina contra a Covid-19 e acabou contraindo a doença no período em que estava preso em Bangu 8, apontou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes em despacho desta segunda-feira que autorizou sua saída para prisão domiciliar, com a imposição de algumas medidas cautelares, como o uso de tornozeleira eletrônica.

“No atual momento, trata-se da hipótese incidente, pois, inclusive, o detento –que, segundo consta dos autos, negou-se a receber a adequada vacinação– contraiu Covid-19”, escreveu o ministro.

Moraes determinou que o descumprimento dessas medidas poderá resultar no restabelecimento da prisão preventiva de Jefferson.

O ex-deputado estava preso desde agosto por causa de suspeitas de ataques às instituições democráticas. A defesa de Jefferson havia pedido a saída da prisão, alegando que seu quadro de saúde estava fragilizado.

Na semana passada, Jefferson chegou a ser liberado por Moraes para realizar exames fora da prisão.

“Diante de todo o exposto, com fundamento no art. 318, II, do Código de Processo Penal, SUBSTITUO A PRISÃO PREVENTIVA DE ROBERTO JEFFERSON MONTEIRO FRANCISCO PELA PRISÃO DOMICILIAR, a ser cumprida em seu endereço residencial, na Rua Marcelino Ferreira Marinho, 09, Gulf, Comendador Levy Gasparian/RJ, ACRESCIDA DA IMPOSIÇÃO DAS SEGUINTES MEDIDAS CAUTELARES (art. 318-B, do CPP): (…) Destaco que o descumprimento injustificado de quaisquer dessas medidas ensejará, natural e imediatamente, o restabelecimento da prisão preventiva (art. 282, § 4°, do Código de Processo Penal)”, decidiu Moraes.

Com informações de CNN Brasil e O Globo

Opinião dos leitores

  1. Sinceramente não acredito em um despacho desses kkkkkkkk, eu contrai o Covid, após sintomas da doença, comprovado por coleta de esfregaço nasal e de orofaringe, sorologia positiva, tomei duas doses de cononavac e uma da Pfizer, e acabei de testar positivo de novo. Será que esse ministro super inteligente sabe que isso pode ocorrer?

  2. Basta ele fazer o tratamento padrão de todo morador da gadolândia que idolatra o MINTOmaníaco das rachadinhas : ivermectina, cloroquina, azitromicina e doses constantes de ozônio via retal… Muuuuu

  3. Ah tá… Se ele estivesse vacinado não teria contraído COVID. Porque só está sendo contaminado quem não se vacinou ainda.

    É verdade esse bilete!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *