Rede voluntária coordenada pelo SENAI entrega mais de 2 mil respiradores consertados a hospitais

A solidariedade de mais de 700 voluntários de rede coordenada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) fez a diferença na vida de milhares pessoas em todo o Brasil. Desde que a pandemia do novo coronavírus atingiu o país, 2.007 mil ventiladores pulmonares foram consertados gratuitamente e devolvidos a instituições de saúde em 24 estados e no Distrito Federal. No Rio Grande do Norte, já foram devolvidos 13 aparelhos recuperados de Natal e Caicó. A estimativa é cada equipamento possa salvar até dez vidas durante seu prazo de utilização.

 

Os aparelhos, importantes no tratamento de doentes graves da Covid-19, estavam sem uso e foram restaurados graças à união de 28 instituições e empresas. Desde 30 de março, quando a Iniciativa + Manutenção de Respiradores passou a trabalhar, foram recebidos em todo o país 3.989 respiradores em todo o país, dos quais 951 estão em manutenção e 173 passam por calibração, última etapa antes da devolução ao serviço de saúde. A maioria dos equipamentos restaurados precisava de novas peças para voltar a operar.

 

 

Divulgação

 

“A iniciativa de consertar esse equipamento hospitalar fundamental para salvar as vidas de quem tem as formas mais graves da doença contribui de forma expressiva para o árduo trabalho que está sendo realizado pelos profissionais da saúde e para reduzir a necessidade de importação do equipamento”, avalia o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade.

 

PARCERIA

 

A iniciativa conta com a participação de unidades do SENAI e dos seguintes parceiros: ArcelorMittal, BMW Group, Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Estúdios Globo, Ford, General Motors, Honda, Hyundai Motor Brasil, Instituto Votorantim, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e POLI-USP, Jaguar Land Rover, Mercedes-Benz do Brasil, Moto Honda, Petrobras, Renault, Scania, Toyota, Troller, Usiminas, Vale, Volkswagen do Brasil e Volvo do Brasil, com o apoio do Ministério da Saúde, do Ministério da Economia, do Ministério da Defesa, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da Associação Brasileira de Engenharia Clínica (ABEClin).

 

Além do SENAI, investiram mais de R$ 4 milhões em aquisição de peças para viabilizar o reparo dos equipamentos a Petrobras, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Votorantim e a aliança Todos pela Saúde, que conta com recursos do banco Itaú, entre outros doadores.

 

“Estamos vivendo um ponto de inflexão na história da humanidade e vamos extrair muitas lições. O SENAI se sente muito honrado da parceria construída nesta iniciativa, exemplo de ação cidadã que mobiliza indivíduos, empresas e organizações em prol do bem comum, da afirmação de um projeto de país que nasce no valor à vida”, afirma o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi.

 

O SENAI também possui a Iniciativa + Respiradores para ampliar a oferta do número de ventiladores pulmonares por meio da produção nacional. A ação apoia sete empresas que já possuem a capacidade de fabricar mais de 5 mil respiradores por mês. Dois projetos, por exemplo, foram desenvolvidos em tempo recorde, inferior a 120 dias. As indústrias Delta Life e GreyLogix, em parceria com Institutos SENAI de Inovação, já obtiveram a certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A previsão é que ambas produzam de 700 a 1,1 mil equipamentos mensais, que chegarão ao mercado em preços inferiores aos praticados atualmente. Destaca-se também projeto com as empresas Novitech e Whirpool, que amplia a capacidade produtiva de 10 para 100 ventiladores ao mês.