Renato Feder responde a afirmações de dossiê entregue por assessores a Bolsonaro

Foto: reprodução/Facebook

O secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, publicou neste domingo (5), em sua conta no Facebook, uma mensagem respondendo a uma série de críticas feitas a ele desde que seu nome passou a figurar entre os candidatos ao cargo de Ministro da Educação – possibilidade que teria perdido força no sábado (4).

Segundo o colunista Igor Gadelha, aliados de Feder admitiram que a publicação, dividida em 8 pontos, foi uma resposta ao dossiê contra ele, elaborado por assessores presidenciais e entregue Bolsonaro na sexta-feira (3), como noticiado com exclusividade pela CNN.

“É falso que tenha havido divulgação de livros com ideologia de gênero no Paraná. Não existe nenhum material com esse conteúdo aprovado ou distribuído pela Secretaria”, escreveu Feder em sua mensagem. Ele também disse não ser vinculado a “qualquer instituição educacional privada e a nenhuma ONG”.

No dossiê, ao qual o colunista da CNN Igor Gadelha teve acesso a partes, assessores de Bolsonaro elencam ações da gestão Feder no Paraná, como a produção de apostilas que incentivariam o que chamam de “ideologia de gênero”.

Além disso, Feder diz que não é, nem nunca foi filiado de partidos políticos. Ele também ressaltou que defende uma educação que “coloca alunos e professores no centro do processo”. “Um ensino que foca no aprendizado, no domínio da matemática, português e demais disciplinas.”

O secretário paranaense disse também que hoje, em razão de sua maturidade e experiência, mudou de opinião em relação às ideias contidas em um livro que escreveu quando tinha 26 anos. Ele se refere à obra “Carregando o Elefante”, escrito pelo secretário em 2007 em coautoria com Alexandre Ostrowiecki, no qual eles defendem propostas contrárias às pautas pregadas por Bolsonaro.

“Acredito que todos podem e devem evoluir em relação ao que pensavam na juventude. Gostaria de ser avaliado pelo que eu penso e faço hoje, como um gestor público, ao invés de por um livro escrito quinze anos atrás”, argumentou.

Por fim, Feder disse que considera sua missão de vida ajuda na melhoria da educação do Brasil. “Neste ano, em plena pandemia da Covid-19, batemos recorde de inscrição no Enem e mais 10.000 famílias transferiram seus filhos do ensino privado para o público no Paraná. Não existe melhor prova do que isso de que estamos em um bom caminho”, concluiu.

Imagem: reprodução/Facebook

Leia a íntegra da mensagem de Feder:

Diante de muitas informações falsas divulgadas ao meu respeito, gostaria de esclarecer:

1. Desde janeiro de 2019, tenho me dedicado a melhorar a educação pública do Paraná, como secretário estadual de Educação, junto ao governador Ratinho Junior. Sou graduado em Administração pela FGV e mestre em economia pela USP. Em 2003, assumi a Multilaser com 150 colaboradores e hoje ela tem cerca de 3.000 funcionários, tornando-se uma das trezentas maiores empresas do Brasil. Em 2018, saí da operação da empresa para me dedicar à educação pública. Paralelo a isso, trabalho com educação há 20 anos, como professor de matemática, economia e diretor de escola filantrópica.

2. Não sou vinculado a qualquer instituição educacional privada e a nenhuma ONG.

3. É falso que tenha havido divulgação de livros com ideologia de gênero no Paraná. Não existe nenhum material com esse conteúdo aprovado ou distribuído pela Secretaria.

4. Não sou, nem nunca fui filiado a partido político, mas respeito à política como instituição legítima de discussão e resolução das questões da sociedade.

5. Sou a favor de uma educação que coloca alunos e professores no centro do processo. Um ensino que foca no aprendizado, no domínio da matemática, português e demais disciplinas.

6. Graças às professoras e aos professores do Paraná, e com o sólido trabalho do nosso governador Ratinho Junior, estamos implantando o maior programa de tecnologia educacional do País. Nossos alunos continuam aprendendo com qualidade, e não perderam nenhum único dia de aula durante a pandemia da Covid-19. Agora, em julho, iniciamos também oferta de aulas de programação de computador.

7. Escrevi um livro quando tinha 26 anos de idade. Hoje, mais maduro e experiente, mudei de opinião sobre as ideias contidas nele. Acredito que todos podem e devem evoluir em relação ao que pensavam na juventude. Gostaria de ser avaliado pelo que eu penso e faço hoje, como um gestor público, ao invés de um livro escrito quinze anos atrás.

8. Tenho convicção de que a minha missão de vida é ajudar na educação do nosso país, sinto-me feliz fazendo esse trabalho e podendo devolver ao Brasil um pouco das bênçãos que recebi na vida. Sou grato a equipe de profissionais excelentes que me apóiam no dia a dia e às famílias que confiam a nós seus filhos. Neste ano, em plena pandemia da Covid-19, batemos recorde de inscrição no Enem e mais 10.000 famílias transferiram seus filhos do ensino privado para o público no Paraná. Não existe melhor prova do que isso de que estamos em um bom caminho.

Renato Feder
Secretário de ESTADO da Educação do Paraná

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cabo Silva disse:

    Se humilhou até desistir…. esse rastejou no pressal.

  2. carlos alberto cunha disse:

    Empresário, deixe de tergiversar. Seja o que é e aguente as pontas. O teu negócio hoje, é, sem dúvida, ganhar dinheiro com a educação, mesmo que seja apenas de alguns, através de tua proposta de custeio do ensino. Com total desprezo pela formação do professor. Vá te catar.

  3. Carlos disse:

    Isso é coisa do povo de Olavo de Carvalho. Quem tem guru como ele, não precisa de inimigos.

COMENTE AQUI