“Sem grupo de risco, não tem retomada”, diz autor de estudo que identificou que idosos e portadores de doenças crônicas chefiam 28% das família brasileiras

Foto: Miguel Schincariol/Getty Images

Quase 30% das famílias brasileiras (19 milhões) são chefiadas por alguém com perfil de risco para covid-19, segundo estudo do Instituto Locomotiva.

Idosos e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e asma, são 80 milhões de brasileiros, ou seja 40% de toda a população do país. Juntos, movimentam 2,1 trilhões de reais por ano em renda própria, mais do que gastam, isoladamente, as classes A, B e C.

Desse grupo dos mais vulneráveis, 30 milhões têm 60 anos ou mais e 50 milhões, menos de 60 anos. Esses dois movimentam 1 trilhão de reais e 1,1 trilhão de reais, respectivamente.

A saúde dessas pessoas, diz o estudo, se refletirá na economia do país, e qualquer projeto de retomada deveria colocar essa enorme fatia da população no centro. “Há uma falsa discussão entre saúde e retomada, que fica escancarada nesses números”, diz Renato Meirelles, presidente do instituto e autor do estudo: “Sem grupo de risco, não tem retomada”.

 

Aos poucos, os estados brasileiros têm relaxado as regras de distanciamento social impostas contra a disseminação da covid-19. Estudo anterior do Locomotiva mostrou que, esse processo leva 60 milhões de pessoas do grupo de risco a voltar a trabalhar, pois dependem da rotina para sobreviver.

Um quarto do grupo de risco é composto por trabalhadores por conta própria, 12% dessas pessoas estão desempregadas atualmente e 7% em empregos informais, diz a pesquisa.

 

A pesquisa ouviu 2.000 brasileiros com 16 anos ou mais de todas as regiões do Brasil, por telefone, entre os dias 20 a 25 de maio. A margem de erro é de dois pontos percentuais para cima e dois para baixo.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    O governo Bolsonaro simplesmente rifou a população brasileira ao coronavírus.
    MORO 2022

  2. Faça o bem disse:

    Quer dizer que as pessoas do grupo de risco podem morrer, que o mais importante é a economia? Realmente a raça humana está se tornando cruel e insensata, estou muito triste e decepcionado pelo desprezo e lixo descartáveis que eu e os demais do grupo de risco estamos nos sentindo.

COMENTE AQUI