Refugiados e estrangeiros elogiam receptividade dos brasileiros

O Brasil tem mantido a fama de ser um país que recebe bem estrangeiros que, por motivos de força maior, foram obrigados a adotá-lo como segunda pátria. Refugiados ou mesmo residentes estrangeiros entrevistados pela Agência Brasil – entre eles a princesa da tribo ganesa Krobo, Helen Teye – não economizam adjetivos positivos para a forma como foram recebidos pelos brasileiros.

Ter uma vida de princesa pode não ser algo tão bom como se costuma imaginar. No caso de Helen Teye, que vive no Brasil desde 2014, em Gana isso representava risco de vida, devido aos conflitos entre etnias que viviam na mesma região. “Não queria viver esses conflitos e não queria continuar na minha vida de princesa, porque isso representa risco em uma situação de conflito com outras etnias. Eu dormia sem saber se sobreviveria ao dia seguinte. Aqui, eu durmo tranquilamente, com paz em minha cabeça. Ninguém me ataca nem me insulta”, disse a princesa.

Helen é um dos estrangeiros que participam neste sábado, 23, no Memorial dos Povos Indígenas em Brasília, de uma celebração intercultural que visa integrar brasileiros com pessoas de outros países, que optaram por morar no Distrito Federal. O encontro faz parte de uma série de eventos organizados com o objetivo de lembrar o Dia Mundial do Refugiado (20 de junho) e a Semana do Migrante, o MigrArte 2018.

O início da vida no Brasil foi bastante difícil para a princesa. Emocionada ao lembrar os momentos de dificuldade e ao falar da receptividade dos brasileiros, ela revelou as dificuldades que teve até mesmo para pedir dinheiro ou comida nas ruas, na época em que vivia em um acampamento improvisado. “Como ninguém aqui fala meu dialeto, e poucas pessoas se comunicam em inglês, eu não conseguia me comunicar nem mesmo para dizer que estava passando fome. Só depois de ter aprendido a falar a palavra ‘comida’ é que a coisa começou a melhorar. Por isso, digo que, para mim, a palavra mais importante do português é ‘comida’ ”, disse a princesa à Agência Brasil.

A virada na vida de Helen no Brasil ocorreu depois de ela começar a frequentar uma igreja, em Brasília. “Foi isso que acabou com a minha solidão no Brasil. Quando cheguei não conhecia ninguém. Na igreja, eu conheci as primeiras pessoas, e elas me ajudaram muito. Pude então começar a vender roupa e artesanato. O Brasil realmente me ajudou muito”, afirmou, de forma pausada, por causa da emoção e das lágrimas.

Helen disse ter uma grande preocupação com a situação político-eleitoral brasileira. “Minha experiência mostra o quão difícil é viver em um país dividido. Não queiram dividir o Brasil, porque a divisão é sempre ruim para todos os cidadãos de um país. Por isso, peço que tenham o desejo de paz na hora de votarem, este ano. Eu quero viver aqui, e quero que a paz que vi aqui continue”, acrescentou.

Agência Brasil