A uma semana da eleição, Biden tem maior vantagem em 24 anos

O candidato democrata à Presidência dos EUA, Joe Biden, tem nesta terça (27) vantagem de 9,1 pontos percentuais sobre Donald Trump, segundo a média das pesquisas nacionais de intenção de voto.

O levantamento, feito pelo site especializado FiveThirtyEight, mostra ainda que essa é a maior diferença entre candidatos a uma semana da eleição em 24 anos —os americanos vão às urnas em 3 de novembro.

Em 1996, sete dias antes do dia do pleito, Bill Clinton estava 14,7 pontos percentuais à frente de seu adversário, o republicano Bob Dole. O democrata acabou vencendo o pleito por 49,2% a 40,7%, diferença de 8,5 pontos. Desde então, ninguém conseguiu alcançar vantagem de dois dígitos tão próximo da eleição.

Quem chegou mais perto da marca foi Barack Obama —de quem Biden foi vice. Em 2008, neste mesmo momento da corrida, ele tinha 7 pontos percentuais de vantagem sobre John McCain. No fim a margem de vitória democrata foi de 7,2 pontos, semelhante à prevista nos levantamentos.

diferença atual de Biden para Trump é quase o dobro dos 4,8 pontos percentuais que Hillary Clinton tinha sobre o republicano a uma semana da eleição. Na reta final de 2016, Trump conseguiu diminuir essa margem, e a democrata ganhou no voto popular por apenas 2,1 pontos percentuais.

O atual presidente, por sua vez, venceu em estados-chave do Meio-Oeste, como Pensilvânia, Wisconsin e Michigan, e conquistou o cargo via Colégio Eleitoral —sistema indireto que escolhe o presidente dos EUA.

Nesse modelo, cada estado tem um número de votos proporcional à população. A Califórnia, com 39,51 milhões de habitantes, por exemplo, tem direito a 55 representantes. A Dakota do Sul, com 884,6 mil, a 3.

O candidato que vence a eleição em um estado leva todos os votos dele —as exceções são Nebraska e Maine, que dividem os votos de maneira mais proporcional. No fim do processo, é eleito quem conquistar mais da metade dos votos no Colégio Eleitoral, ou seja, ao menos 270 dos 538 votos possíveis.

Assim, a senha para vencer a eleição é conquistar os estados onde a disputa é mais apertada.

Neste ano, 13 estados apresentam esse cenário —sete do quais com leve inclinação pró-Biden nas pesquisas (Arizona, Michigan, Minnesota, Nevada, New Hampshire, Pensilvânia e Wisconsin), cinco indefinidos (Flórida, Geórgia, Carolina do Norte, Iowa e Ohio) e um com inclinação pró-Trump (Texas).

Nos outros 37, as vantagens dos dois candidatos estão mais consolidadas, e uma surpresa é improvável. Assim, o democrata tem 212 votos no Colégio Eleitoral que podem ser considerados seguros ou muito prováveis, enquanto o republicano tem 125 nessa mesma situação.

FOLHAPRESS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel Neto disse:

    Nos Estados Unidos os Democratas estão apelando para o Jornalismo Funerário, veja o comentário do Rasmussen Reports:
    "Os democratas concordam fortemente com seu indicado, Joe Biden, de que a América está entrando em "um inverno sombrio" por causa do coronavírus, mas outros eleitores não estão tão sombrios. O presidente Trump está mais otimista, prometendo uma vacina COVID-19 em breve, e a maioria dos eleitores diz que provavelmente vai conseguir uma."

  2. Jaques disse:

    A esquerdalha é podre mesmo, fica no sonho, torcem para Trump , o maior aliado do Brasil, perder as eleições . Vcs são tão idiotas que não sabem nem disfarçar . Turno vai ganhar , basta ver os comícios as multidões enquanto Biden junta eleitores feito o PT.
    As mídias lá tbem são corruptas é de esquerda, querem mamar, são iguais às do Brasil. As pesquisas são manopuladas , idiotas inúteis.

    • Ciro Espítama disse:

      Talvez você não conheça bem a política americana, pois chamar os democratas de esquerda é algo totalmente sem lógica. Os democratas são centro-direita e os republicanos são de direita. A esquerda quase não tem expressão dentro dos EUA.

    • Walternani disse:

      O mais próximo de esquerda era o Sanders, mas vocês não se informam por outras fontes, senão as conspiracionistas…

    • Bernie Sanders disse:

      Queria eu que o Joe Biden fosse de esquerda. Ele vai ganhar e os EUA vão continuar a mesma merda, com policial matando preto, vai fazer algumas mudancinhas aqui e ali mas não vai abrir mão da renúncia fiscal "periódica" que eles fazem pras corporações lá, nem qualquer movimento significante pra melhorar a situação da classe trabalhadora. Ademais, vai dar curso à politica expansionista dos EUA tal qual fez o Obama, como na Síria, Líbia e Afeganistão. Nesse ponto, impressionantemente, o palhaço do Trump andou bem, ainda que inconscientemente, já que a intervenção americana no exterior diminuiu bastante. Para a teoria dependencista, que, dentre outros, foi idealizada por FHC, isso já indica uma transferência de polo hegemônico no planeta.

  3. Tonhão disse:

    Normal. A extrema direita nasceu para levar fumo. Quando chegam ao poder,saem rapidinho. Trump vaza esse ano e em 22 é a vez de um certo tosco tupiniquim, talkei?

  4. Sgt. Pedrada disse:

    O Hunter Biden passou o rodo geral, pegou cunhada, irmã, filha, sobrinha, A família Obama, não me surpreende se aparecer ele e o pai dele trocando os bocais. Isso, fora as orgias que fez mundo a fora usando CRIANÇAS e todo tipo de droga que existe.

  5. Webrevenger disse:

    Bye, honey.

  6. Chico 100 disse:

    Com o "energúmeno" daqui será do mesmo jeito. Nada de reeleição. Aliás, esse jumento já devia ter pedido pra cagar e sair. Presidente Burro ! Essa nação precisa se livrar dos dois PNC que polarizam as eleições . Lula e Bolsonaro não valem o que o gato enterra kkkkk

  7. Guto disse:

    Sei…

COMENTE AQUI