Autuações por crimes como queimadas e desmate caem 23% neste ano na Amazônia Legal

Fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aplicaram neste ano 23% menos advertências e multas por crimes contra a flora na Amazônia Legal. Flora é o conjunto de plantas de uma determinada região.

Incêndios provocados pela ação humana ou desmatamento são crimes contra a flora, assim como a venda de madeira ilegal.

A queda foi verificada no período entre janeiro e agosto na comparação com o mesmo período de 2018. Nos primeiros oito meses deste ano, queimadas e alertas de desmatamento tiveram altas expressivas.

Veja os principais pontos do levantamento e da crise na Amazônia:

As autuações por crimes contra a flora caíram 23%, de 2.931 (em 2018) para 2.265 (em 2019), nos 9 estados que compõem a Amazônia Legal
Autuações de todos os tipos (crimes contra a fauna e o ecossistema, falta de licenciamento, entre outros) também caíram, de 4.127 (em 2018) para 3.801 (em 2019), recuo de 8%
Fiscais proibiram (embargaram) o uso de 1.837 áreas, 20 a mais que no ano passado
Servidores contam que os embargos não são respeitados e que o Ibama está enfraquecido na atual gestão
Cidades com mais embargos são as que tiveram mais desmatamento e fogo nos últimos 10 anos
Nasa aponta que 2019 foi o pior ano de queimadas na Amazônia brasileira desde 2010
Alertas de desmatamento no bioma subiram 203% de junho a agosto

G1