Bolsonaro muda discurso e retira carta branca prometida a Sergio Moro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) mudou seu discurso e retirou a carta branca prometida ao ministro Sergio Moro (Justiça).

recente interferência na Polícia Federal é apontada internamente como a mais emblemática da falta de poder do ex-juiz no cargo atual, mas episódios com teor semelhante se acumularam ao longo de mais de oito meses do governo Bolsonaro.

Apesar dos ataques à sua prometida autonomia, Moro permanece calado.

Quando confirmou o convite, em novembro de 2018, Bolsonaro disse em entrevistas que tinha combinado com Moro que ele teria “liberdade total” para o combate à corrupção e ao crime organizado.

Em uma das manifestações, o então presidente eleito citou a escolha do chefe da Polícia Federal como uma das atribuições do ministro da Justiça.

Os últimos oito dias foram de crise entre Bolsonaro, Moro e a PF, após o presidente atropelar a instituição e anunciar a troca do superintendente no Rio de Janeiro.

Em sua última declaração sobre o assunto, na última quinta-feira (22), o presidente ameaçou até trocar o comando do órgão, hoje a cargo de Maurício Valeixo.

A PF é subordinada ao Ministério da Justiça, e Valeixo virou chefe por escolha de Moro. Os dois se conhecem há vários anos e trabalharam juntos na Operação Lava Jato.

“Agora há uma onda terrível sobre superintendência. Onze [superintendentes] foram trocados e ninguém falou nada. Sugiro o cara de um estado para ir para lá: ‘Está interferindo’. Espera aí. Se eu não posso trocar o superintendente, eu vou trocar o diretor-geral”, afirmou Bolsonaro.

“Se eu trocar hoje, qual o problema? Está na lei que eu que indico, e não o Sergio Moro. E ponto final”, completou.

Antes, Moro havia sido atropelado por Bolsonaro em pelo menos outros cinco casos, desde a ordem de revogação da nomeação de uma suplente para um cargo de conselho vinculado ao ministério até a demissão de um dos seus maiores aliados, o presidente do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Entre colegas do ministro da Justiça, ninguém consegue apontar vitórias que ele tenha tido entre quedas de braço com o presidente.

Em meio à crise com a polícia, Jair Bolsonaro foi claro no recado: “Quem manda sou eu”, afirmou.

Quando Moro aceitou seu convite para largar 22 anos de carreira de juiz federal e assumir o Ministério da Justiça, o presidente lançava mão de outro discurso.

“Eu conversei com ele [Moro] que ele terá tanto a liberdade para escolher todos os que comporão seu segundo escalão, como o chefe da Polícia Federal, aquele que vai cuidar da segurança [também]”, afirmou Bolsonaro em uma das entrevistas.

“Ele [Moro] expôs o que ele gostaria de fazer caso seja ministro, e eu concordei com 100% do que ele propôs. Ele [Moro] queria uma liberdade total para combater a corrupção e o crime organizado”, afirmou em outra ocasião.

Em outro momento, o presidente chegou a falar que Moro teria “muito mais poderes” em Brasília do que como juiz para perseguir o objetivo de combate à corrupção e ao crime organizado.

A primeira derrota do ministro ocorreu logo nos primeiros dias de governo, com a edição do decreto das armas, em que teve suas sugestões ignoradas pelo presidente. Embora tenha saído do seu ministério, o texto nunca foi bancado de fato por Moro.

Em fevereiro, teve de revogar a nomeação da especialista em segurança pública Ilona Szabó de Carvalho como membro suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

A escolha de Szabó para compor o órgão —um cargo voluntário e sem funções executivas no governo— foi acompanhada de uma campanha crítica de apoiadores de Bolsonaro nas redes sociais. Um dia depois, pressionado pelo presidente, Moro teve de voltar atrás.

No segundo trimestre de governo, o ministro da Justiça começou a ter sucessivas derrotas com seu projeto anticrime, que não teve apoio total do presidente até agora.

Em entrevistas, Bolsonaro chegou a dizer que Moro não tem mais a caneta que tinha como juiz e que teria de esperar um pouco para trabalhar o texto na Câmara.

Outro revés recente ocorreu com uma nomeação ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Sua indicação não foi aceita e ele soube da notícia pela imprensa.

Moro também perdeu o Coaf de volta para o Ministério da Economia. Embora a decisão tenha sido do Congresso, o Palácio do Planalto não fez esforço para ajudar a manter o órgão em sua pasta.

Em seguida, o ministro viu um dos seus principais aliados da Lava Jato, o auditor Roberto Leonel, nomeado por sua vontade como presidente do Coaf, ser exonerado, com a transferência do órgão ao Banco Central.

Folha questionou a assessoria do Planalto se o presidente mudou de opinião em relação à liberdade total que dissera que concederia a Moro e por qual motivo. A reportagem não obteve respostas.

O ministro também foi procurado. Questionado se ele considera que perdeu a carta branca que lhe havia sido prometida, o ministro não respondeu.

O silêncio de Moro diante dos sucessivos movimentos de interferência de Bolsonaro na PF tem causado estranheza na cúpula do órgão.

Nos dias seguintes após a primeira manifestação do presidente, no último dia 16, o ex-juiz não deu nenhuma declaração sobre esse assunto e tentou, por meio de interlocutores, passar a impressão de que estava distante do problema.

FOLHAPRESS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arthut disse:

    Nem Luladrão, nem Bozodoido. #Ciro2022

    • Dedé disse:

      Nesse caso vc votaria em Cirodoidrão. Que é uma mistura dos três.
      Não dá!
      Chega de profissionais da política.
      MORO PRESIDENTE 2022 !!!

  2. Hulkenberg disse:

    BG querido, eu tô pagando pra vê esse rompimento, será que Bolsonaro tem CORAGEM de romper e ganhar de cara um adversário desse naipe? Não acredito.
    De todo modo se isso vier acontecer, MORO PRESIDENTE, VOU COM ELE, é implacável no quesito corrupção E O NÍVEL É OUTRO.
    MORO PRESIDENTE 2022 já !!!
    PT ladrão nunca mais.
    Jamais!!
    De jeito nenhum.

  3. Xicu disse:

    Só não vê isso quem não presta atenção. Moro vai romper com o Bozo e ir para o PSDB de Aécio e Dória.

  4. Luciano disse:

    Combater a corrupção era só a desculpa para colocar mMoro no poder, quando na verdade estava pagando uma dívida por ele ter prendido Lula e o permitido ganhar as eleições. Agora, terminadas as eleições , ele cumpriu o combinado, que foi a promessa de lhe dar o Ministério, mas corta as suas asas para proteger o Queiroz e o "filhinho do papai".
    O Partido do Suco de Laranja – PSL que ampara e abriga os apoiadores de milicianos, mostra a todos quem é. Se engane quem quiser.
    A CORRUPÇÃO ESTÁ SO COMEÇANDO!

  5. Cigano Lulu disse:

    A queda de Moro, assim como a Guedes, é o objetivo central do "jornalismo desejoso" e sôfrego da velha imprensa que agoniza em praça pública.

  6. Bezerra disse:

    A fonte? Ah! Essa fonte!!!…..

  7. Amo os Minions disse:

    Mito desMOROnou o paladino da justiça hahahaha. A república de 🍌 está se consolidando com a bandeira apenas amarela pois o verde está sendo queimado e trocado pelo laranja. Brasil acima de tudo desde que o tudo seja para os amigos do Rei. Em um tempo futuro ecoarão os gritos de que a culpa foi do PSL hehehe.

  8. Carlos Bastos disse:

    Moro sai desse barco furado, antes de vc se queimar, 2022 está chegando.

  9. Paulo disse:

    Parabéns pela reportagem. Tudo verdade. Não podemos esconder os fatos.

  10. Araújo disse:

    Infelizmente Bolsonaro está se dobrando à bandidagem no intuito de defender seu filho que é bandido também. MORO Presidente.

  11. Costa disse:

    Moro Presidente.

  12. Paulo Oliveira disse:

    3 matérias seguidas da "fôia", o jornal mais desacreditado do Brasil.
    Acho que BG tá ganhando algum pra replicar as manipulações desse jornal.

    Melhore o nível, tá caindo muito.

  13. Thor Silva disse:

    Mais uma narrativa de quererem jogar Bolsonaro contra Moro. Isso não vai colar. Juntos são imbatíveis!!

  14. Ontonho disse:

    BG virou Petista mesmo, o que uns empregos não fazem kkkkk

  15. Jailson Dias disse:

    De uma coisa tenho certeza, Moro errou ao acreditar que esse jogo político seria diferente dos anteriores, esse cenário sempre foi e sempre será um jogo de interesses próprios que não mede esforços para alcançar seus objetivos.

  16. Maria disse:

    É só o começo,kkkkkkkkkkkkkkk. O Dilmo vai ficar mais furioso ainda nesta semana do 🔥.o mundo lhe dirá como se deve tratar o meio ambiente.

  17. Bento disse:

    Essa onda toda só fortalece nosso Herói Nacional SÉRGIO MORO.
    Homem integro, inteligente, capacitado .
    Os cães ladram e a caravana passa,
    Deus esta contigo, tenha paciencia.
    És o Senhor da Guerra

  18. Allan Laranjeiras disse:

    Vixe, que fizeram com o nosso marrequinho de Maringá, por que my god essas coisas acontecem? Será a famigerada lei do retorno?

    • Zanoni disse:

      Sei…Lula livre, Deus me livre!!!!

    • #Lula Na Cadeia sempre disse:

      Seu vagabundo preferido está cadeia …respeite um juiz federal que recuperou bilhões roubados do Brasil, seu vagabundo 2

  19. Novo ex-leitor disse:

    Amigo , seja mais imparcial , impressionante o seu “ctrl c e ctrl v “ com as matérias da Folha , seu Blog está ficando chato #ficaadica

  20. Eu disse:

    #MORO2022

COMENTE AQUI