Bolsonaro nega recriação da CPMF e lembra que esposa foi mãe solteira: “Ignorem essas notícias mal-intencionadas. Querem criar pânico”

Candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, voltou a usar o Twitter para negar a ideia de recriação da CPMF (Adriano Machado/Reuters)

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, voltou a usar o Twitter para negar a ideia de recriação da CPMF. Na noite desta quarta-feira, 19, o deputado classificou o assunto como “notícias mal-intencionadas”.

“Ignorem essas notícias mal-intencionadas dizendo que pretendemos recriar a CPMF. Não procede”, afirmou. “Querem criar pânico pois estão em pânico com nossa chance de vitória. Ninguém aguenta mais impostos, temos consciência disso. Boa noite a todos!”, escreveu o líder nas pesquisas.

Mas em meio à polêmica trazida pela tema e também diante das recentes declarações de seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB), Bolsonaro determinou, conforme publicou o Broadcast/Estadão, que o vice e o conselheiro na área econômica, Paulo Guedes, reduzam suas atividades eleitorais.

A campanha quer estancar o desgaste provocado por declarações polêmicas dos dois aliados. Na manhã desta quarta, o perfil de Bolsonaro no Twitter já havia reiterado o compromisso com a redução da carga tributária após notícia de que Guedes estuda como proposta para um eventual governo a criação de um novo imposto nos moldes da antiga CPMF, pondo em xeque o discurso da campanha.

Também na noite desta quarta, Bolsonaro postou em suas redes sociais um vídeo falando, em tom emocionado, de sua filha Laura, a primeira depois de quatro filhos homens. O vídeo é uma maneira da campanha tentar se contrapor ao movimento “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” que surgiu na Internet.

Na transmissão de pouco mais de um minuto, o capitão da reserva diz: “Tenho uma enteada em casa, minha esposa era mãe solteira e falou que a grande realização do casamento é ter filhos”, disse ele, destacando que desfez uma vasectomia, Laura nasceu e isso mudou a vida da família. Ao falar que sua mulher foi mãe solteira, ele tenta também se contrapor às declarações de seu vice Mourão, que chamou de desajustadas as famílias cujos filhos são criados sem pai.

Na manhã desta quinta-feira, 20, Bolsonaro voltou a usar a rede social, desta vez para reafirmar pontos que vem defendendo ao longo de sua campanha, como o combate a violência e a redução da maioridade penal. “O brasileiro desta vez tem a opção de escolher alguém que pegue firme contra a violência, a favor do livre mercado, contra o aborto e a doutrinação ideológica na educação, livre de acordões políticos e a favor da redução da maioridade penal. Mudaremos juntos a direção do Brasil!”, escreveu o deputado.

Exame, com Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Waldemir disse:

    Só gostaria de saber como está a investigação da facada que foi dada em BOLSONARO acho estranho que os políticos que fizeram a maior frescura com a morte de uma vereadora da esquerda não faz nada não fala nada sobre esse atentado a morte da vereadora foi levada até na ONU
    Agora no dia do atentado o meliante tem registro de entrada na câmara dos deputados e agora diz que foi engano
    Uma pergunta
    ENGANO OU ÁLIBI para esse rapaz
    Acho que a PF deveria ir mais fundo

  2. Carlos Antônio disse:

    É o que resta a esquerda, ser esquerda, como de costume vão difamar, criar mentiras, inventar falas, tentar destruir a imagem dos opositores. A esquerda não tem proposta para o povo, ela só quer o poder para escravizar a população com a dependência da distribuição das bolsas e exterminar a classe média. Eles querem o domínio de tudo e a apropriação estatal.
    Quem acha que não não viveu no Brasil entre os anos de 2003 a 2016 quando davam esmolas e migalhas ao povo, enquanto a cúpula partidária da esquerda enriquecia, se tornavam milionários. lembrando que:
    Enquanto a militância comia pão com mortadela, seus líderes frequentavam os melhores restaurantes.
    Enquanto a militância recebia micro casa, eles estavam em suas mansões;
    Enquanto a militância andava de ônibus, eles estavam nos melhores aviões;
    Enquanto a militância não produzia, eles viciavam o cidadão;
    Enquanto a educação não melhorava, eles lecionavam a ideologia de gênero e partidária;
    Enquanto a lei do desarmamento foi imposta em 2003, o povo passou a viver na insegurança;
    Enquanto eles prometiam emprego, o povo via que 12 milhões perderam o emprego;
    enquanto o povo escutava as versões do PT tivemos os escândalos do mensalão, petrolão e da lava jato.
    É pouco, a lista pode continuar, tem muito mais a ser lembrado…

  3. Marcello disse:

    O candidato fascista batendo cabeça com Guedes e Mourão! Desse trio não pode vir nada de bom.

  4. Breno disse:

    E O IMPOSTO DE RENDA UNIFICADO DE 20%???

    Bolsominions, imposto de renda é um imposto que seu papai paga se ganhar mais de 1.900 reais por mês.

    • Ceará-Mundão disse:

      Imposto de renda é o imposto que nós, "bolsominions", pagamos. Se vc resolver ser intelectualmente honesto (sei que isso lhes traz até coceiras alérgicas), lembrará que o eleitorado do Bolsonaro está concentrado em pessoas esclarecidas e com nível de renda. E isso ocorre porque essas pessoas são muito mais difíceis de serem enganadas, corrompidas ou compradas com esmolas. Ou seja, somos NÓS que pagamos impostos e sustentamos esse país com o nosso dinheiro e o nosso trabalho. A esquerdalha, por sua vez, é composta em regra (há exceções, eu admito) de parasitas, preguiçosos, baderneiros, bandidos, gente que pouco ou nada contribui para o nosso país.

  5. Leo disse:

    Está mudando o discurso, né canalha?
    Os bolsominions nao vao gostar.

    • Aldemir disse:

      Comunas, aceitem que dói menos.
      17 Wins, Flawless Victory!
      Lei anticomunismo no Brasil JÁ!!!

COMENTE AQUI