Campanha busca ajuda para professora potiguar que perdeu o intestino

Por Portal No Ar

Ivanny Rhavena Medeiros de Oliveira, de 31 anos, luta pela vida. A professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a UFRN, foi acometida de grave enfermidade que custou a perda do intestino e, de acordo com a família, precisa ser levada aos Estados Unidos para se tratar.

As complicações de Rhavena ocorrem desde o primeiro dia deste mês. A mulher estava grávida do segundo filho e começou a sentir fortes dores que a levaram ao atendimento médico, do qual foi liberada um dia depois, pois nada havia sido diagnosticado. Na mesma noite, ela foi levada a uma maternidade. O sofrimento havia voltado. Pensou-se que poderia ser algo com o bebê.

“Após vários exames foi diagnosticado que o intestino dela estava todo necrosado”, contou George Scyllas, irmão de Rhavena. De acordo com ele, foi necessário fazer uma cesariana, mas o bebê nasceu morto. As entranhas da professora precisaram ser removidas em uma cirurgia emergencial.

Todo o procedimento cirúrgico ocorreu no último dia 5, no Hospital Regional Doutor Deoclécio Marques de Lucena, em Parnamirim. Rhavena está lá até hoje, internada no ‘leito 7’ da Unidade de Terapia Intensiva, a UTI. Sedada, sobrevive com ajuda de aparelhos e se alimenta pela veia, pois não há condições do organismo absorver os nutrientes sem o intestino.

Campanha

A família criou uma página no Facebook para expor o drama de Rhavena. Os parentes não sabem bem o que fazer. Pois, de acordo com o irmão, George, “ninguém chegou para dizer o que realmente tem que ser feito”. Após pesquisas, descobriram que casos semelhantes foram tratados nos Estados Unidos. Daí a vontade de levá-la até lá.

De acordo com George, também se tenta transferir Rhavena para o Hospital Universitário Onofre Lopes, em Natal, onde já existem estudos relacionados ao caso. No entanto, conforme narrado à reportagem, “está faltando vagas”. Ele diz que a família espera que alguém dê um “norte” para que se ache uma saída para a irmã.

A página ‘Rhavenissima, Não Vamos Desistir de você’ pode ser vista AQUI.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Geíza disse:

    Pesquisando na internet achei essa informação: "hoje em dia existe um grupo altamente especializado que só atende este tipo de paciente. Chama-se GANEP e está localizado em São Paulo, mais precisamente na Beneficência Portuguesa e é chefiado pelos Prof. Dr. Dan L. Waitzberg e pela Dra. Maria de Lourdes. Lá eles realizam todos os procedimentos de orientação nutricional, inclusive domiciliar. A outra opção para o intestino curto seria o transplante de intestino delgado que voltou recentemente a ser realizado no Brasil, não possuindo assim grandes grupos que realizem este procedimento."

  2. MB disse:

    A UFRN tem o dever de ajudar essa pobre criatura! Façam alguma coisa, pelo amor de Deus!

  3. paulo disse:

    BG
    Que lamentável uma pessoa jovem e estar numa situação dessa, por onde anda a Reitora da UFRN????, uma Cidadã professora da instituição está numa situação desta e não ter uma assistência da Universidade na qual labuta e que dispõe de um hospital. É inadmissível esse descaso. Oremos a Deus por essa jovem Cidadã que se encontra precisando de providencias IMEDIATAS da UFRN.

COMENTE AQUI