CASO COAF: Suspensa há 4 meses, investigação sobre Flávio Bolsonaro é retomada pelo MP

Depois de quatro meses suspensa, a investigação sobre lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público) contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz será retomada no Ministério Público do Rio (MP-RJ).

O caso estava parado desde julho aguardando decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a legalidade do compartilhamento de informações sigilosas por órgãos como a Unidade de Inteligência Financeira (UIF, antigo Coaf) e a Receita Federal com o Ministério Público e órgãos policiais sem autorização judicial. O STF aprovou na última quarta-feira a tese para o compartilhamento. Os dados devem permanecer sob sigilo e só poderão ser repassados por meio de comunicações formais.

A defesa do senador sempre alegou que os dados solicitadas pelos promotores ao Coaf configurariam uma quebra de sigilo pelos detalhes nos relatórios sem que houvesse uma investigação formal em andamento, e que os dados teriam sido solicitados por e-mail.

No entanto, o MP-RJ divulgou ontem um ofício da presidência da UIF, em que o órgão explica como funciona o sistema de obtenção das informações sigilosas. Além disso, afirma que os dados pedidos sobre o senador em dezembro do ano passado foram requeridos por meio desse sistema.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    E parou porquê||||
    Continuem com a investigação
    Tá devendo… pague

    • Davi disse:

      Muito bem bento, já sei que não é evangélico, sindicalista, do mst, nem da UFRN.

    • Gonçalves disse:

      Sem dúvida, mas essa conta tem que ter o mesmo peso na esquerda (vitimista), no centro e na direita. Antes da fila andar com essa investigação devem ser concluídas todas as outras que tiveram origem no mensalão, petrolão e na lava jato. Provas produzidas pelos delatores não faltam, o que falta é a justiça andar com os processos.

COMENTE AQUI