Com novos ajustes no relatório da Previdência, líder do governo prevê economia próxima de R$ 1,1 trilhão

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou nesta segunda-feira, 24, que as mudanças previstas para o relatório da reforma da Previdência, que deve ser votado pela comissão especial da Câmara nesta semana, aumentarão em “alguns bilhões” a economia esperada para a proposta.

“Já houve um acréscimo de alguns bilhões à economia estimada no relatório apresentado em relação ao que será votado. Estamos com uma expectativa boa porque estamos muito perto de uma economia de R$ 1,1 trilhão”, disse. O valor mencionado pela deputada corresponde ao total que havia sido previsto pela equipe econômica do governoquando a reforma foi encaminhada para o Congresso.

Joice não deu detalhes das mudanças que serão apresentadas, mas adiantou que alguns pleitos de categorias policiais – como a pensão integral por morte – e o pagamento do Benefício de Prestação Continuada para pessoas portadoras de doenças raras foram contemplados. A deputada afirmou que o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, anunciará as alterações hoje ou amanhã. Há a previsão de que ele conceda uma coletiva à imprensa no fim desta tarde.

Em relação à reinclusão dos Estados e municípios na reforma, a parlamentar explicou que isso só deverá acontecer na discussão em plenário e se os governadores conseguirem entregar os votos de suas bancadas. “Temos que pensar em Brasil, queremos que todos coloquem a sua digital na proposta”, disse.

Questionada sobre se o governo já estima que tem votos suficientes para aprovar a reforma na Câmara, Hasselmann afirmou que não iria confirmar um placar. “Existe um mapeamento, não é de hoje, sobre os votos para a Previdência e atualizamos dia a dia, porque o Congresso Nacional tem o humor muito sensível e a gente pode ganhar ou perder votos numa movimentação pequena. Mas não vou cometer a ingenuidade de cravar os votos aqui. Estamos em busca de mais votos e queremos ainda aperfeiçoar o texto que será votado”, disse.

“Queremos ter de 10% a 15% mais (votos) do que o que a gente precisa. Em sua maioria, os líderes estão de acordo com esse texto e isso ajuda demais. Estamos trabalhando com um número maior do que o necessário para ter volume para aprovar”, acrescentou.

De acordo com a deputada, a expectativa é de que a reforma previdenciária possa ser analisada pelos deputados no plenário da Casa na primeira semana de julho para que, se houver necessidade, a votação seja concluída na segunda semana, antes do início do recesso parlamentar.

ESTADÃO CONTEÚDO

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Essa decisão de retirar os estados e municípios da proposta foi uma grande sacada. Além de facilitar a aprovação da proposta no Congresso, irá obrigar os governadores da tal oposição a deixarem a hipocrisia de lado e assumirem suas responsabilidades como administrados de estados "quebrados". Vamos ver qual será a atitude de Fátima, por exemplo. Afinal, o RN precisa ou não de ajustar suas finanças? A previdência no estado é deficitária ou não? As respostas todos já sabemos, falta apenas a vontade política da governadora para agir ou não, o que parece mais provável.

  2. J. Dantas disse:

    A reforma foi super modificada, justamente para deixar o setor privado bancar a mordomia e os privilégios do público… Virou zona(Normal).

COMENTE AQUI