Congresso cobra opção ao fim do toma lá, da cá

Políticos que conversaram com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a reforma da Previdência narraram à Coluna tê-lo avisado de que o governo só terá sucesso nessa empreitada se encontrar um caminho para dialogar com o Congresso. Uma vez que a promessa de Bolsonaro é abandonar o toma lá, dá cá, que consiste na troca de voto por cargos e liberação de emendas, qual será o modelo de negociação do governo com congressistas? Um senador que esteve com Guedes resume: Até se descobrir o novo caminho, todo mundo ficará de braços cruzados.

De fora para dentro. Um dos caminhos do governo para não ficar refém do Congresso é buscar apoio popular. A ideia é aproveitar a notoriedade do presidente nas redes sociais para convencer os eleitores a cobrarem dos congressistas a votação de propostas.

Para ontem. Antes mesmo de enviar o texto ao Congresso, o governo fará campanha publicitária pedindo apoio à reforma da Previdência. Esta semana, a Secom inicia uma força-tarefa nas redes para proteger o presidente Jair Bolsonaro de ataques ao assinar o decreto que flexibiliza a posse de armas no País.

COLUNA DO ESTADÃO