Dois dias após ataque terrorista em Nice, padre é baleado em Lyon, na França

Imagem: Reprodução de vídeo nas redes sociais/REUTERS

Um padre ortodoxo de nacionalidade grega foi baleado com uma espingarda neste sábado (31) em Lyon, cidade no sudoeste da França, por volta das 16h no horário local (12h em Brasília). O suposto autor dos disparos fugiu. O crime acontece apenas dois dias após um ataque terrorista em uma igreja no sul do país, quando um homem matou três pessoas, eles elas uma brasileira.

Segundo fontes próximas da investigação, o padre foi atacado quando se preparava para fechar a igreja e seu estado de saúde é grave. O tiro teria sido dado dentro do templo, mas não havia culto no momento do ataque. O religioso de 52 anos foi atingido por dois disparos. A arma não foi encontrada e, segundo as primeiras informações, o autor teria fugido.

O prefeito de Lyon, Grégory Doucet, foi imediatamente para o local. Em Paris, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, acionou uma célula de crise.

“Vocês podem contar com a inteira determinação do governo para permitir que cada um possa praticar seu culto em segurança e liberdade. Nossa vontade é forte e nossa determinação não se enfraquecerá. É a honra da França, é a honra da República”, reagiu o primeiro-ministro, Jean Castex.

Se os membros do governo reagiram tão rapidamente, antes mesmo da polícia se exprimir, é porque o ataque de Lyon ocorre apenas dois dias após o atentado na Basílica de Notre-Dame de Nice, onde um jovem jihadista armado com uma faca assassinou três pessoas, entre eles a brasileira Simone Barreto Silva.

Após o ataque em Nice na quinta-feira (29), as autoridades elevaram o alerta antiterrorista ao nível máximo e aumentaram de 3 mil para 7 mil o número de soldados destacados no país para proteger escolas e lugares de culto.

No entanto, o governo permitiu que os locais de culto ficassem abertos até segunda-feira (2) para celebrar o Dia de Todos os Santos, antes de fecharem as portas mais uma vez devido ao novo confinamento para conter a Covid-19.

UOL com informações da AFP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Junin disse:

    E aqui só teóricos xibatistas…..!!!! Sabem de PORRA NENHUMA…!!!

  2. Paulo disse:

    A esquerda é contra o cristianismo e o judaísmo.
    A esquerda gosta de ateísmo, macumba e islamismo.
    A esquerda é do contra.
    A esquerda é bagunça.
    Quando pessoas de bem são contra a invasão da Europa e dos Estados Unidos por milhões de invasores, a mídia porca esquerdista diz que é xenofobia.

  3. Luana disse:

    A cristofobia só aumenta

    • David disse:

      O ataque a torres gemeas foi o que?

    • Paulo disse:

      Será que David é islâmico ou esquerdista?

    • Só Comento disse:

      França: Uma nação que abraçou o marxismo cultural de Foucault, Sartre e a histérica Simone de Beauvoir e agora está repleta de Jihadistas. Deixo aqui meus sentimentos e votos de solidariedade aos – poucos – últimos cristãos que habitam este que já foi um grande país. Infelizmente o Jair Bolsonaro denunciou a violência contra os cristãos na assembleia geral mas como sempre a ONU virou as costas. Agora nem o parfum mais sofisticado vai disfarçar o cheiro das pessoas mortas nas ruas pelos extremistas.

    • Sérgio disse:

      França: onde se deu o maior morticínio de protestantes no mundo, a noite de São Bartolomeu, quando dezenas de milhares foram massacrados covardemente, pelos católicos. Mas isso ninguém comenta. Radicais sempre vão existir.
      Sim, o governo de Macron é de direita. Leiam. Estudem. Não dói.

COMENTE AQUI