Economia

‘É preciso enfrentar as corporações’, diz Rogério

O secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, destacou, na tarde de ontem, que uma das próximas reformas que serão propostas pelo governo federal é a sindical. Ele disse que “é preciso enfrentar as corporações que se apropriaram do Estado brasileiro”. A declaração foi dada por Rogério Marinho, ao receber homenagem, ontem, no plenário da Assembleia Legislativa, por iniciativa do deputado Gustavo Carvalho (PSDB), durante sessão presidida pelo deputado Ezequiel Ferreira de Souza.

Fim da unicidade

Rogério Marinho afirmou no pronunciamento que uma das mudança da reforma deverá ser o fim da unicidade sindical. “Ainda temos alguns monstros, que é a unicidade sindical, porque a Constituição determina que o sindicato é um cartório, quando o estado brasileiro dá outorga para poder exercer essa atividade numa circunscrição geográfica representando uma categoria”. O secretário de Previdência e Trabalho afirmou que esse modelo “não existe em lugar nenhum do mundo”. “Isso gera toda sorte de distorção, corrupção, maus hábitos, promiscuidade, achaques”. “É verdade que existem bons sindicatos, mas não é a regra, é exceção”, disse.

Novo marco sindical

Rogério Marinho acrescentou que o movimento sindical no Brasil é um ‘trambolho”. E explicou: “Trambolho é aquele negócio disforme, complicado, feio e às vezes até mal cheiroso, no meio da sala, que está lá há 76 anos, que as pessoas se acostumaram com, mas faz mal e atrasa o país”.

Rogério Marinho disse que o novo marco sindical no Brasil será discutido com a sociedade para retirar a tutela do estado, “porque quem emprega e quem trabalha, não precisa da intervenção do estado que amarra o crescimento do país”

Contribuição sindical

Ele lembrou que existem mais de 17 mil sindicatos no país e há, ainda, cerca de quatro mil cartas sindicais aguardando aprovação. “A maior parte desses sindicatos existem ou existiam, não em função das atividades que se prestava aos associados, mas em função da criatividade dos governantes, que criaram toda sorte de agremiação para receber um dia de salário do trabalhador brasileiro, sem prestar contas desses recursos e sem fazer o trabalho que precisava ser feito”, disse ele.

Em 2017, segundo Marinho, depois que foi retirada essa situação, mais de R$ 4 bilhões deixaram de irrigar os cofres dessas entidades. “Então, não é à toa que a turma está chateada”.

Representação política

Rogério Marinho também falou, na tribuna da Assembleia, sobre o papel político do cidadão e as consequências da sua atuação nas reformas em curso no país. “A política por mais que esteja sob o escrutínio da sociedade de uma forma perniciosa, ela é a atividade mais nobre do ser humano”. Marinho relatou, que numa viagem à Bahia, uma pessoa lhe perguntou: “Você não se elegeu deputado federal pelo Rio Grande do Norte em função da sua atuação parlamentar e das reformas que defendeu junto ao Congresso Nacional, você repensaria ou teria uma atitude diferente?” O ex-deputado respondeu: “Faria tudo outra vez”.

Coerência e convicções

Rogério Marinho prosseguiu, dizendo que “não adianta exercer uma atividade [política], se não tiver convicções e não acreditar no que prega ou apresenta”. Para o ex-deputado, “não há nada pior no ser humano quando ele não se expõe, o homem público tem que ser expor, ser verdadeiro e inteiro, ele não pode ter subterfúgios, para que as pessoas não comprem uma gestão que não é correta, que não é adequada e que no exercício do mandato vai tomar um rumo diferente, daquele que ele pregou na praça pública, nos palanques, na televisão pra ganhar ou conquistar o voto”. O secretário nacional da Previdência Social disse que “pagou o preço da coerência que tive e das convicções que tenho”, mas certamente a sua vida se organizou de tal forma, que permitiu e lhe deu oportunidade de estar ao lado do presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, “para colocar em práticas aquelas ideias, que eu imaginava que eram importante para o país”.

Enfrentamento

Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia disse que tem dois caminhos: “Ou nós ficamos inertes, aceitamos as conveniências, ou enfrentamos as igrejinhas, as corporações, aqueles que se apropriaram do estado brasileiro”. Segundo Rogério Marinho, ”toda mudança, qualquer que ela seja, gera desconfiança e resistência e por mais benéfica que seja, atinge grupos encastelados, que se beneficiam da situação do estado atual”.

Página virada

O secretário de Trabalho e Previdência disse ter “a convicção de que o Brasil virou página, elegeu um presidente que é a ruptura que o país está e montou um ministério com 22 ministros sem escutar os partidos políticos e que permitiu a eles montar as suas equipes. “Temos a menor taxa de juros da história do Brasil, a menor inflação e o menor risco do país desde 2013, que era época de crise. Nós estamos hoje com uma inversão de crescimento no setor privado, no primeiro semestre, de quase 2% contra menos de 0,5% do setor público, porque esse governo está tirando o estado do cangote de quem produz e de quem trabalha no país”.

Orçamento

Além disso, Rogério Marinho afirmou que a partir de 2020 o orçamento no Brasil é impositivo – “significa que o Brasil está ombreado hoje com as principais e mais importantes democracias e economias do mundo, quando o orçamento for votado no Congresso Nacional, ele será implantado na sua integralidade, a não ser que haja uma catástrofe”. Marinho explicou que o orçamento impositivo, aprovado no Congresso Nacional, retira o poder discricionário do Poder Executivo, elaborado com participação do legislativo e do povo brasileiro, como acontece na Alemanha, França, Suécia e Estados Unidos.

Tribuna do Norte

Opinião dos leitores

  1. O maior sacana do estado do RN, não pense que a sua hora não vai chegar, tenha vergonha na cara , se candidate a deputado p levar outra surra ou vai se candidatar em outro estado, provando o seu caráter.

  2. Homem de atitude, quando Rogério Marinho fala Fatão GD fica revirando os olhinhos. O sonho de consumo da tabajara – ah, quem dera! – é ter um RM para chamar de seu.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Moro é palhaço, está mentindo e não tem caráter”, diz Bolsonaro; Ex-ministro afirmou em entrevista que presidente “comemorou” saída de Lula da prisão

Foto: reprodução/YouTube

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta 5ª feira (2.dez.2021) que o possível candidato à Presidência da República em 2022 e ex-ministro Sergio Moro (Podemos) é “palhaço”, “mentiroso” e “não tem caráter”. “Esse cara está mentindo descaradamente. Quer ser candidato, é um direito dele. […] Faz um papel de palhaço, sem caráter, está se comportando como jornalista da Folha, ou do Antagonista. Está de brincadeira. Mentiroso deslavado”, disse em transmissão ao vivo nas redes sociais.

Em entrevista à Rádio Jovem Pan Paraná, Moro acusou Bolsonaro de comemorar a saída do ex-presidente Lula (PT) da prisão. “Ele não trabalhou para manter a execução em segunda instância”, disse. Segundo Bolsonaro, a declaração do ex-aliado representa “falta de caráter” de alguém que “saiu pela porta dos fundos” de seu governo.

“Agora, ele chega aqui, que ser candidato, é um direito dele, tá certo? Agora, atacando aí, dizendo que no dia 8 de novembro de 2019 –ele era ministro– e eu comemorei Lula livre. Pelo amor de Deus. Falta de caráter. Saiu do governo pela porta dos fundos. Traindo a gente”.

O presidente ainda voltou a afirmar que Moro trocou uma possível indicação ao STF pela substituição do então diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. As movimentações na corporação teriam sido o estopim para a saída de Moro do governo. Bolsonaro fez a mesma afirmação em depoimento no inquérito que apura possível interferência política na PF.

“Querendo trocar o chefe da Polícia Federal, o diretor-geral da Polícia Feral, com a sua indicação para o Supremo: ‘Você me indica para o Supremo e daí você troca o diretor-geral’. O diretor-geral está em lei, a atribuição é minha trocar, não é nem o ministro, mas mesmo assim deixei nomear o senhor [Maurício] Valeixo”.

Bolsonaro ainda citou o episódio que ficou conhecido como “Vaza Jato”. Na ocasião, supostas trocas de mensagens entre Moro, enquanto ainda era juiz federal, e o então procurador da República Deltan Dallagnol vazaram.

“Quando estourou a Vaza Jato, para fortalecê-lo, porque ele estava abatido, e reclamou aqui: ‘Dallagnol não apagava as mensagens, eu apagava’. Fui com ele no evento da Marinha para dar moral para ele, prestigiando o Moro porque ele estava muito abatido. Tive acesso a muita coisa que aconteceu lá, vergonhosas trocas de informações que eu tive conhecimento depois, mas dando moral para ele”, disse Bolsonaro, citando uma série de aparições públicas ao lado do ex-ministro.

Poder 360

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Intermediário da compra dos respiradores via Consórcio Nordeste diz que não devolveu dinheiro por causa da “burocracia”

O empresário Cleber Isaac, um dos intermediários da compra dos respiradores via Consórcio Nordeste, afirmou hoje (2), em depoimento a CPI da Covid, da Assembleia Legislativa do RN, que tem guardado todo o dinheiro que recebeu da operação, assim como as empresas, e que o valor não foi devolvido ao Consórcio por causa da “burocracia”.

A declaração foi dada durante a pergunta feita pelo relator da CPI, o deputado Francisco do PT. Antes, no mesmo depoimento, Cleber Isaac já havia dito que tinha acordado, junto aos demais empresários envolvidos na compra, que devolveria o dinheiro recebido, mas não o fez porque seria um quase “atestado de culpa”.

Cleber Isaac foi um dos intermediários do negócio e teria ficado (segundo ele, no depoimento de hoje) com R$ 2,5 milhões para fazer o “serviço”. A empresária citada por ele no vídeo acima é Cristiana Prestes Taddeo, sócia da Hempcare. Ela, porém, afirmou que ele teria recebido R$ 3 milhões para “ter facilitado a negociação com o Consórcio Nordeste”.

96 FM Natal

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

FOTOS: Caminhão fica pendurado em viaduto na Dutra após acidente; ‘Deus estava comigo, nasci de novo’, diz motorista

Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

O motorista do caminhão que ficou pendurado a cerca de 8 metros de altura em um viaduto na Dutra, na manhã desta quinta-feira (2), disse que nasceu de novo após ser salvo do acidente.

“Eu fiquei pendurado pelo cinto de segurança. Deus estava comigo, eu nasci de novo”, contou Mateus Cavalcante, que foi resgatado sem ferimentos.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente aconteceu no trecho de Cachoeira Paulista (SP), depois que um veículo que transportava uma caixa d’água derrubou a carga na pista. Na tentativa de evitar a colisão com o objeto, três caminhões se envolveram em um engavetamento. Entre eles, estava o caminhão de Mateus.

Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

O motorista contou que tentou desviar de outro veículo e que, com isso, avançou até a mureta de proteção. Ele achou que iria cair do viaduto, mas então sentiu um tranco e percebeu que o veículo havia ficado preso por alguns cabos que ligavam a cabine à carga do veículo.

Após a queda, ele foi resgatado por um bombeiro fora de serviço que passava pelo local.

Mateus é motorista há 30 anos e havia saído do Rio de Janeiro com destino ao Mato Grosso. Ele disse que nunca havia passado por nada parecido.

“Foi uma sensação horrível. Fiquei pendurado pelo cinto de segurança. Meu medo era a carreta cair em cima de mim”, afirmou.

A carga de sabonetes que o caminhão transportava caiu no acostamento. Até as 13h desta quinta, os itens ainda estavam no local, que ficou interditado. O motorista que derrubou a caixa d’água e causou o acidente fugiu após o engavetamento.

g1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

FIM DO JEJUM DE 50 ANOS: Atlético-MG vira jogo contra o Bahia e conquista o Campeonato Brasileiro

Pedro Souza/Atlético-MG

O Atlético-MG é bicampeão brasileiro 50 anos após o primeiro título, o Galo garantiu a taça em uma virada incrível para cima do Bahia, na noite desta quinta-feira (2), em Salvador, por 3 a 2.

Agora com 81 pontos e já com a taça garantida, não podendo mais ser alcançado pelo Flamengo, o time mineiro fará a festa com o seu torcedor no próximo domingo, quando enfrenta o Red Bull Bragantino, no Mineirão.

O Galo construiu a virada em apenas 6 minutos. Aos 27, Hulk, de pênalti, diminuiu. No minuto seguinte, Keno, com um golaço, deixou tudo igual. E aos 32, Keno mais uma vez brilhou e decretou a vitória que deu o título ao Atlético-MG.

As emoções ficaram para a segunda etapa. O Bahia, tentando escapar do rebaixamento, logo abriu 2 a 0. Aos 16, Luiz Otávio, de cabeça, completou cruzamento e fez o primeiro. Não demorou e Gilberto recebeu passe de Matheus Bahia e deixou o time da casa com dois gols de vantagem.

Com informações de R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF aponta navio grego como responsável por vazamento de óleo no litoral do RN e mais 10 estados

Foto: Felipe Brasil/Fotos Públicas

A Polícia Federal (PF) informou, nesta quinta-feira (2/12), que um navio petroleiro de bandeira grega foi o responsável por causar a considerada maior tragédia ambiental por derramamento de petróleo da história do Brasil, ocorrida entre agosto de 2019 e março de 2020. As investigações foram concluídas mais de dois anos após a ocorrência e prevê punições.

O vazamento de 5 mil toneladas de óleo matou milhares de animais e prejudicou a pesca, atingindo mais de 130 municípios em 11 estados, nove no Nordeste e dois no Sudeste. As investigações foram realizadas em parceria com diversos órgãos e instituições nacionais e internacionais.

Os responsáveis foram indiciados pela prática dos crimes de poluição, descumprimento de obrigação ambiental e dano a unidades de conservação. A empresa responderá pelo processo, além dos responsáveis legais, o comandante da embarcação e o chefe de máquinas.

Além dos irreparáveis prejuízos ambientais, o país precisou desembolsar mais de R$ 188 milhões para a limpeza das praias e do mar. O valor será cobrado dos responsáveis pelo vazamento, mas a PF ainda calcula um valor de dano ambiental. Os laudos serão entregues para o Poder Judiciário Federal do Rio Grande do Norte e o Ministério Público Federal para a adoção das medidas e o cumprimento das punições.

Frentes de investigação

Segundo a PF, as autoridades se debruçaram em três frentes. A primeira avaliou as características da substância, a fim de determinar a procedência do óleo. “Isso se fazia necessário, uma vez que surgiram diversas teorias sobre a origem do material (vazamento de oleodutos, plataformas ou reservas naturais, navios em trânsito ou naufragados, costa da África)”, explicou a polícia.

Os investigadores também buscaram identificar o local exato do início do vazamento, com uso de imagens de satélites e modelos, além de simulações. Para fazerem a conexão, as autoridades solicitaram dados, documentos e informações. Segundo a PF, houve “cooperação nacional e internacional, inclusive com apoio da Interpol”.

“A Polícia Federal, a partir das provas e demais elementos de convicção produzidos, concluiu existirem indícios suficientes de que um navio petroleiro de bandeira grega teria sido o responsável pelo lançamento da substância oleaginosa que atingiu o litoral brasileiro”, disse o órgão, em nota à imprensa.

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

ABIH-RN defende eventos privados com controle vacinal

Foto: divulgação

Diante da decisão do prefeito de Natal, Álvaro Dias (PSDB) que postou ontem nas redes sociais o cancelamento do Réveillon público, o empresário, Abdon Gosson, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do RN (ABIH-RN), acredita que isso não é bom para o turismo, indutor econômico do Estado, que se prepara para um momento de retomada.

“Com todos os indicadores da COVID-19 apontado para baixa transmissibilidade, pequena ocupação de leito e forte campanha em prol da vacinação”, explica Abdon citando o posicionamento público do diretor Executivo do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS-UFRN), Ricardo Valentim, que tem considerado que o atual estágio de imunização no estado, “é muito mais seguro realizar agora um evento de massa do que foi no ano passado”.

“Diante do cancelamento do réveillon público na cidade do Natal, quero externar meu apoio a todos que empreendem com eventos privados, seja em réveillon ou em festas como o Carnatal. Componentes impulsionadores do segmento turístico. São eventos privados que utilizam os mais rigorosos protocolos de segurança”, disse Abdon Gosson.

O empresário da rede hoteleira ainda ressalta a festa Carnatal. “A festa de Natal que nestes 30 anos tem demonstrado e provado que tudo que faz é bem feito com atenção ao folião. São eventos como estes que ofertam bons resultados. Faz com que nossa economia possa girar neste momento de dificuldade que todos os setores do turismo têm passado. É um momento difícil. De retomada. Precisa ser feita a retomada com segurança, responsabilidade e a festa da cidade conta com nosso apoio” finaliza Abdon Gosson.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Homem que seria explosivista da quadrilha que explodiu cofre de posto de combustíveis em Cidade Satélite morre em confronto com a polícia; Outro indivíduo foi preso

Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil realizou uma operação e conseguiu prender um dos suspeitos de participação na explosão do cofre de um posto de combustíveis na madrugada desta quinta-feira (2), no conjunto Cidade Satélite, no bairro de Pitimbu, na Zona Sul de Natal. Outro suspeito, que seria o explosivista da quadrilha, morreu durante o confronto.

VEJA MAIS: [FOTOS] Bandidos explodem caixa eletrônico em posto do Cidade Satélite

De acordo com a Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor), durante a operação denominada “inflamáveis”, ainda foram apreendias armas, munição e explosivos.

O delegado titular da Deicor, Erick Gomes, informou que as investigações foram iniciadas há cerca de oito meses. As investigações apontam que a organização criminosa é composta por potiguares e paraibanos.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, os envolvidos são suspeitos de participação em, pelo menos, 11 ações criminosas no RN desde fevereiro deste ano, sendo nove explosões em cofres de postos de combustíveis e duas em bancos.

Com informações de g1-RN

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 215 óbitos e 12,9 mil casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta quinta-feira (2):

– O país registrou 215 óbitos nas últimas 24h, totalizando 615.179 mortes;

– Foram 12.910* novos casos de coronavírus registrados, no total 22.118.782.

*Com 1.060 casos represados em Rondônia e 418 casos represados no Ceará.

O Ministério da Saúde calcula que 21.315.505 pessoas já se recuperaram da Covid. Outras 152.098 estão em acompanhamento.

Nesta quinta-feira (2), as médias móveis de óbitos e de infecções ficaram em 220 e 9.078, respectivamente.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga: “Não podemos sair de liberar festas para uma situação de fechamento total da economia”

Foto: Sérgio Lima/Poder 360

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou hoje não ver motivo para um fechamento total da economia após a detecção de casos da variante ômicron do novo coronavírus no país.

“Não podemos sair de uma situação libertária de festas, Réveillon, Carnaval, para uma situação de fechamento total da nossa economia, porque as consequências nós já sabemos. Até porque não há motivo para isso, até agora, o que já é notificação da variante que tem muitas mutações, mas o real impacto sobre a saúde, não sabemos. Torcemos para que os casos da variante ômicron sejam mais leves”, disse ele durante reunião em Brasília transmitida pelo YouTube.

Queiroga também afirmou que a variante é “de preocupação, não de desespero”, porque as autoridades estão preparadas para responder a ela, e exaltou os números da vacinação contra covid-19 no Brasil. “Isso [ampla vacinação] nos dá tranquilidade para enfrentar a ômicron e outras possíveis variantes que possam surgir no mundo ou no nosso país”, declarou.

Durante o evento, o secretário de Saúde do Distrito Federal, Manoel Luiz Narvaz Pafiadache, confirmou dois casos da nova mutação em Brasília. Com isso, o Brasil soma cinco casos da nova cepa —os outros três foram detectados em São Paulo.

Ainda não se sabe se ela é mais transmissível ou letal que as demais mutações, mas a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já reforçou que as vacinas existentes continuam sendo eficazes para evitar quadros graves e mortes pela covid-19.

Com informações de UOL

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Médicos sul-africanos relatam sintomas leves da Ômicron: febre, tosse e dor garganta

Imagem: Getty Images

Cientistas ainda tentam descobrir se a variante Ômicron é mais transmissível, se está ligada a casos mais agressivos ou se escapa da proteção da vacina. Ainda sem evidências científicas consolidadas, os relatos de médicos da África do Sul, país onde a nova cepa foi identificada, dão pistas sobre o comportamento do vírus. Os profissionais de saúde reportam sintomas leves entre os vacinados – como febre, tosse, dores de cabeça e garganta -, e hospitalizações entre os pacientes que ainda não se imunizaram.

A África do Sul, primeiro país a detectar a Ômicron, está passando pela quarta onda de covid-19, com casos quase dobrando de um dia para o outro. Ao Estadão, Mvuyisi Mzukwa, que faz parte do conselho diretor da Associação Médica da África do Sul (Sama, em inglês), disse que até o momento a vacina tem garantido que a Ômicron não cause covid grave no país.

Segundo Mzukwa, vacinados que foram infectados pela nova variante apresentam sintomas leves como dores de cabeça, de garganta e no corpo, febre, mal-estar e perda de apetite. “Esses sintomas aparecem principalmente em jovens e em pessoas vacinadas, mesmo que idosas”, disse. O diretor afirmou que “pouquíssimos pacientes tiveram os sintomas usuais da covid”, como a perda do paladar e do olfato.

Ele estima que cerca de 90% dos pacientes hospitalizados com a nova variante não são vacinados. “Precisamos de um pouco de tempo, uma semana ou duas, para termos uma ideia melhor, mas isso é o que vemos até agora: não vacinados ficando hospitalizados, em especial os mais idosos, e até mais jovens que não são vacinados”.

O governador da província de Gauteng, David Makhura, disse em coletiva de imprensa que médicos têm reportado que a preocupação maior com a nova variante são os jovens que não tomaram a vacina, já que, os vacinados têm, segundo dados iniciais, registrado sintomas leves. “Não estamos em pânico, mas estamos preocupados com aqueles que não vieram tomar as vacinas”, diz.

Nesta quinta-feira, 2, as autoridades sanitárias da província mais populosa da África do Sul, que responde por 72% dos casos da nova variante, foram de porta em porta e em escolas pedindo que os jovens se vacinem. Makhura afirmou que a vacina é a melhor arma para reduzir hospitalizações e mortes. “A variante está por aí e os encontros de jovens são um grande risco. A diferença para a onda de dezembro do ano passado é que não tínhamos vacina antes. Agora conseguimos vencer essa onda, não há falta de vacina”, disse o governador, que pediu que os já vacinados com a primeira dose, retornem para tomar a segunda.

O Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul (NICD) disse, na quarta-feira, 1º, que 8.561 novos casos positivos foram registrados nas últimas 24 horas no país. Dos 51.977 testes de covid feitos nas últimas 24 horas, 8.561 foram positivos, o que representa uma taxa de 16,5%.

Na terça, a África do Sul tinha 4.373 novos casos em um dia, com uma taxa de infecção de 10,2%. Essa mesma taxa girava em torno de 1% a 3% no começo de novembro. A África do Sul também registrou 135 novas internações hospitalares nas últimas 24 horas e novas 28 mortes.

Gauteng tinha menos de 100 casos por dia no início de novembro e nesta quarta registrou 6.168 novos casos, levados, principalmente, por jovens de 20 a 24 anos.

Em coletiva nesta quinta-feira, John Nkengasong, diretor do Centro Africano para Controle e Prevenção de Doenças (CDC Africa), disse que dos 52 mil novos casos que o continente registrou na última semana, 31 mil são da África do Sul, causados pelo resultante crescimento da Ômicron.

Segundo Nkengasong, até esta quinta-feira, o continente africano tinha aplicado 235,8 milhões de doses. Dados do Our World In Data mostram que na África, apenas 10,6% da população tomou a primeira dose da vacina.

A África do Sul tem uma das melhores taxas de vacinação do continente, com 34% de sua população imunizada, segundo o CDC africano. Os dados do Our World in Data mostram que oito em cada dez nações africanas não conseguiram imunizar nem 20% da sua população.

“A África já distribuiu 22,4 milhões de doses de vacinas na última semana. Só na última semana, de 25 de novembro até 1º de dezembro, 3,2 milhões de doses das vacinas da Janssen foram distribuídas para alguns países africanos, incluindo Moçambique, Burkina Faso, Ruanda, Egito, Gabão, República do Congo e Etiópia”, afirmou Nkengasong.

Nesta semana, o laboratório farmacêutico sul-africano Aspen conseguiu licença da Janssen para produzir vacinas localmente para distribuição para o continente. “Temos de celebrar, começamos a ver progresso em termos de fazer vacinas no continente”.

Mas, ao Estadão, a fundadora e diretora da Iniciativa para a Justiça em Saúde da África (Health and Justice Initiative), Fatima Hassan, lembra que a discussão para que o laboratório sul-africano produza a vacina já existe há mais de um ano e que até agora nada foi materializado. “Recebemos muitas doses que estavam para vencer. Isso coloca muita pressão na África, você não consegue planejar o que vai acontecer já que as entregas não eram garantidas ou sustentáveis”.

Estadão Conteúdo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *