Política

Embate Lula-Bolsonaro obriga Doria e Huck a rever táticas

A nova configuração do cenário eleitoral para o pleito de 2022 obrigou os dois principais presidenciáveis do chamado centro no momento, o governador João Doria (PSDB-SP) e o apresentador Luciano Huck, a rever seus cálculos para o embate.

A mexida no tabuleiro decorre da volta de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à arena pública, após sua libertação na última sexta-feira (8), e do especulado antagonismo entre ele e Jair Bolsonaro.

Em ambos os casos, a aposta de estrategistas dos presidenciáveis é no cumprimento da profecia do embate sectário entre Lula e o presidente.

O motivo seria um certo fastio popular, aferido em pesquisas qualitativas, com o jogo político extremado que impera desde 2013 no país.

Isso abriria espaço para a pregação pela moderação, espremendo os partidários mais duros para os extremos —aqui nem cabe falar nos polos distantes tanto da direita ou da esquerda, mas em fidelidade ao líder, seja ele o petista ou o presidente.

Contra essa leitura, há o fato de que os movimentos iniciais de Bolsonaro e Lula foram de ataques mútuos, mas sem uma escalada em tempo real. A salva inicial de tiros foi relativamente contida, ainda que estejam sendo observados com atenção por grupos como os militares.

No mais, as situações do tucano e do apresentador da TV Globo no xadrez são diversas.

Aliados de Doria acreditam que o combate de baixo impacto entre os protagonistas federais não durará por muito tempo e tende inclusive a criar tensão social.

Assim, eles acham que o governador precisa estabelecer-se como um operador viável de políticas públicas e soluções que possam ser replicadas pelo país.

No discurso, o tucano já vinha operando uma ação para distanciar-se do candidato eleito em segundo turno na esteira do movimento BolsoDoria, que associou ambos os nomes em 2018.

Doria começou devagar, fez pregações por maior comedimento, mas a relação chegou a um ponto de ruptura, no qual foi chamado de “ejaculação precoce” pelo presidente.

Qual efeito disso sobre sua imagem é algo que está sob análise. Chamou a atenção em círculos tucanos uma pesquisa reservada feita nesta semana, que colocou o governador paulista como dono de maior rejeição entre várias lideranças nacionais.

Há outras variáveis que dificultam a vida do tucano. Apesar da associação ao dito centro, isso no Brasil significa ser de centro-direita. No caso de Doria, fortemente antipetista —tanto que suas manifestações sobre Lula fora da cadeia foram duras, como é usual.

Hoje, a maior liderança do antipetismo no país é o presidente, o que lhe garante uma fatia razoável do cerca de um terço do eleitorado que o apoia. Os bolsonaristas ideológicos, ditos radicais, estão, segundo cortes feitos pelo Datafolha, na casa dos 10%.

Doria vai tentar apelar ao grupo não tão fiel a Bolsonaro nessa faixa, mas precisa de armas diferentes para apresentar. Nessa linha, propagandeia tanto os bons números da segurança pública em São Paulo como um programa social para a área mais pobre do estado, o Vale do Ribeira.

Já o caso de Huck está em outro estágio agora, não menos pelo fato de ele não ter passado pelo escrutínio de uma campanha eleitoral ou governar um estado.

A pressão é outra: aliados estão ficando impacientes com a relutância do global, que já desistiu de uma candidatura presidencial no ano passado, em se assumir postulante.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), um de seus maiores incentivadores, têm se queixado a aliados de que a intensa movimentação do apresentador só tem mirado um público de convertidos.

Huck, em que pesem diversas conversas institucionais, investe bastante energia em conversas com um estrato da sociedade civil que já lhe é simpático, em fóruns de endinheirados e investidores ou de classe média-alta.

Falta, na visão de FHC e de outros, explicar ao grande público ao qual Huck tem acesso como artista popular o que seria possível fazer para melhorar as condições de vida no país.

Recente artigo do economista e aliado Arminio Fraga nesta Folha, acerca da redução de desigualdades, é visto como um mapa para essa retórica.

Apoiadores da candidatura Huck no DEM acreditam que o apresentador também precisa se mostrar pronto para a pancadaria política que o espera.

Como se vê, há políticos tucanos e figuras que orbitam o partido empenhadas não pelo governador de São Paulo, mas pelo global, o que inviabiliza a filiação de Huck ao PSDB. De resto, o partido de FHC amarga ter sido triturado nacionalmente em 2018.

Seja como for, no entorno de Huck a avaliação é a mesma apurada entre aliados de Doria acerca do debate da polarização Lula-Bolsonaro.

Só que o global poderia, acham aliados, mostrar-se como alternativa mais centrista do que o tucano, atraindo tanto para a centro-esquerda urbana como o eleitor de baixa renda de Bolsonaro. Como fazê-lo de uma forma popular, mas não populista, é a questão. Se ele for candidato, claro.

FOLHAPRESS

Opinião dos leitores

  1. sabe também que a milícia do RJ está roubando tudo que pode pra ver se ganha na próxima eleição ……

  2. Essa tese de bipolaridade política é uma tentativa espúria da imprensa e grupos econômicos de obterem vantagens do sistema político, se fosse assim, Bolsonaro não teria sido eleito no processo eleitoral anterior, tanto é que existiam outros que também tinham propostas semelhante a do Bolsonaro, entretanto as pessoas decidiram por ele. Sem investimento de dinheiro público roubado nas eleições, torna-se difícil prever, e foi o que aconteceu na eleições anterior, a esquerdalha não conseguiu usar o dinheiro roubado que eles tem. O resultado dessas próximas eleições vai depender muito deles, pois, o dinheiro roubado dos cidadãos eles tem, e está escondido em algum lugar do mundo, como bem cofessou Palocci.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PT divulga que Lula foi inocentado em ações não julgadas

As recentes vitórias do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Justiça levaram o PT a usar politicamente as decisões e a divulgar que o petista foi “inocentado” em ações que não tiveram o mérito julgado. Segundo juristas ouvidos pelo Estadão, embora Lula possa ter se livrado da maioria dos processos, as decisões não atestam, necessariamente, que ele foi absolvido.

Nos últimos anos, após derrotas jurídicas que lhe custaram 580 dias de prisão, Lula respondeu a 20 ações. Em apenas três situações houve, de fato, a absolvição. Outros 16 casos foram interrompidos por questões processuais ou reviravoltas que levaram ao arquivamento das ações. O ex-presidente ainda responde a uma ação criminal que apura tráfico de influência na compra de caças suecos, alvo da Operação Zelotes. Neste último, não houve julgamento.

Em um caso recente que marcou as últimas derrotas da Operação Lava Jato, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), ordenou a suspensão de duas investigações contra Lula. O magistrado afirmou que os processos usavam como prova delações premiadas que já haviam sido invalidadas.

Com base neste e em outros casos semelhantes, o PT lançou uma peça publicitária intitulada “Memorial da Verdade”, na qual cita 19 ações em que Lula teria sido inocentado. O texto lista processos em que o ex-presidente foi “inocentado” e três em que foi “absolvido”. A diferença entre os termos utilizados, segundo o professor de Direito Penal da FGV-Direito Rio Felipe Lima Almeida, se deve ao fato de as decisões da Justiça não tratarem, objetivamente, de inocentar réus e acusados.

“A expressão ‘inocente’ não é técnico-jurídica. Inocentes todos nós somos até que se tenha uma sentença condenatória transitada em julgado, e realmente isso não existe em relação ao ex-presidente Lula”, afirmou o professor. “Agora, trancamento de ação penal, arquivamento de inquérito ou rejeição de denúncia, nessas situações nós não temos o enfrentamento do mérito, então não há sentença do Estado dizendo que não houve crime.”

Ou seja, diferentemente da inocência, a absolvição é um elemento jurídico registrado no Código de Processo Penal. Esse tipo de decisão reconhece que as acusações apresentadas contra uma das partes em determinado processo são improcedentes. A partir daí, o caso é encerrado e o réu deixa a posição de suspeito.

‘Discursos’. “Não podemos confundir um discurso político com um discurso jurídico. Aqui há um tom retórico, de persuasão. Há uma disputa política e de narrativa. Parece uma estratégia política, mas, do ponto de vista jurídico, todos são considerados inocentes até uma sentença penal condenatória”, afirmou a professora de Direito Penal da FGV-Direito de São Paulo Raquel Scalcon.

Os 19 casos em que a defesa do ex-presidente alega inocência nas redes sociais são dois trancamentos de investigações, quatro denúncias rejeitadas, quatro decisões anuladas – a partir do reconhecimento de suspeição do ex-juiz Sérgio Moro –, dois arquivamentos, uma prescrição (impossibilidade de punir por causa da idade) e um reconhecimento de legalidade nas palestras realizadas por Lula. A maioria foi por ausência de provas.

Quando uma denúncia é rejeitada, o juiz responsável pelo caso indica que a acusação não conseguiu reunir elementos mínimos para oferecer uma denúncia contra o réu e encerra o caso ainda na fase preliminar, antes mesmo que haja julgamento do mérito. Algo semelhante ocorre quando há trancamento de investigação – geralmente a pedido dos próprios investigadores do caso –, pois fica reconhecido que as provas reunidas não indicam crime, de modo que não é necessário prosseguir com as apurações.

A divulgação das vitórias processuais de Lula coincide com o momento em que o petista aparece na frente em pesquisas de intenção de voto para as eleições de 2022. Na sexta-feira passada, a primeira pesquisa Datafolha depois das manifestações antidemocráticas de 7 de Setembro mostraram o ex-presidente com ampla vantagem em relação ao presidente Jair Bolsonaro em caso de disputa no segundo turno do ano que vem. Se a disputa fosse realizada hoje, o ex-presidente venceria o atual por 56% a 31%.

Lava Jato. Em relação ao que veicula o PT, as alegações mais questionáveis quanto à inocência do ex-presidente envolvem os casos triplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e sobre a compra de um terreno para o Instituto Lula, porque todas foram anuladas com base em decisões do Supremo que reconheceram a incompetência da 13.ª Vara Federal de Curitiba para julgá-lo e a parcialidade do ex-juiz Sérgio Moro ao proferir as sentenças contra Lula.

Nessas situações, a validade das decisões foram desfeitas, mas dois dos casos ainda podem ser retomados, já que o Supremo apontou erros processuais, e não ausência de provas, como sugere a publicidade petista. À exceção do caso do sítio de Atibaia, cuja denúncia foi reapresentada e rejeitada pela Justiça do Distrito Federal, nos outros dois casos é possível que as ações sejam reiniciadas.

“Todos começam o ‘jogo’ do processo penal sendo inocentes. Se esse processo não termina de uma forma específica, com o trânsito em julgado da sentença penal condenatória, a pessoa continua, tecnicamente, sendo inocente”, disse o advogado criminalista Fernando Castelo Branco, professor de Processo Penal da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Manter o status de “inocente”, no entanto, não é a mesma coisa que “ser inocentado” pela Justiça, como sustenta a defesa do ex-presidente, afirmou o professor. “É possível que estejam (a defesa de Lula) carregando nas tintas para estender esse caráter de análise de mérito (a situações em que ela não aconteceu)”, disse Castelo Branco. “Talvez a maioria dos casos não tenha tido essa análise de mérito. Mas o fato é que ele (Lula) não perdeu a condição de inocente, muito embora não tenha tido um julgamento de mérito (em muitos dos casos)”, observou o professor.

Estadão

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Após Azul e Embraer, Gol anuncia malha de ‘carros elétricos voadores’ para 2025

Foto: Divulgação/Vertical Aerospace

A Gol pretende comprar ou arrendar 250 aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical (eVTOL), conhecido como carro voador elétrico, informou a companhia nesta terça-feira. Assinou acordo via Grupo Comporte, que pertence ao acionista controlador da empresa aérea, com a Avalon, de leasing de aeronaves.

A previsão é iniciar as operações com uma malha desses equipamentos no Brasil em meados de 2025. São aeronaves do tipo VA-X4 eVTOL, criada pela britânica Vertical Aerospace, um dos modelos mais avançados em táxi aéreo da atualidade, segundo o comunicado.

A Vertical Aerospace é apoiada por empresas como a Avolon, Rolls-Royce e American Airlines.

No último dia 15 de setembro, a Gol anunciou ao mercado que vai receber um aporte de US$ 200 milhões da gigante americana American Airlines. As duas empresas, que já são parceiras, vão ampliar ainda o acordo de compartilhamento de voos.

A Embraer, fabricante brasileira de aeronaves, e a Azul já haviam anunciado a entrada na corrida pelo ‘carro voador’.

Aumento da malha regional

O acordo também faz parte da estratégia da Gol de crescer no transporte aéreo regional, após a compra da MAP em junho último, que é opera no Norte do país e até São Paulo.

O VA-X4 pode transportar até quatro passageiros e um piloto, com alcance de 160 quilômetros a uma velocidade de 320km/h. As aeronaves têm decolagem e ouso vertical, produzindo até cem vezes menos ruído que um helicóptero quando em voo de cruzeiro.

Outra vantagem importante é que a aeronave emite zero carbono. A Gol afirma que, com mudanças na frota atual e a inclusão dos modelos eVTOL, vai cumprir sua meta de neutralidade de carbono até 2050.

De início, a Gol vai fazer um estudo de viablidade, o que inclui a certificação da aeronave pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que deve também avaliar a infraestrutura necessária para o uso do equipamento no país, ao lado de outras autoridades do setor de aviação.

A Avolon prevê que o processo de certificação da VA-X4 no país esteja concluído até 2024.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Ministro da Saúde Marcelo Queiroga estira o dedo para grupo de manifestantes em Nova Iorque

Durante um protesto de um grupo de brasileiros contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em Nova York, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, respondeu com um gesto obsceno.

Em imagens que circulam em redes sociais, Queiroga aparece na janela de um micro-ônibus. O protesto ocorreu em frente à residência da Missão Brasileira junto à ONU.

O micro-ônibus transportava, além de Marcelo Queiroga, a maior parte da comitiva do presidente Jair Bolsonaro, que chegou aos Estados Unidos na segunda-feira (20) para participar da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Opinião dos leitores

  1. Nos EUA o fuck you é uma forma de tratamento interpessoal. É um ato subject, portanto, ele apenas congrats the people.

  2. Acabamos de ver a Prova que esse ministro esqueceu a formação médica e aderiu a idolatria pro MINTOmaníaco das rachadinhas… Ele deve estar sendo iludido de que irá ganhar as eleições pra governador da PB kkkkkkkk. Tem só que avisar pra ele que tudo que o presidente inepto e bandido toca desde que foi eleito vira merda!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro anuncia leilão do Terminal Salineiro de Areia Branca para novembro

Foto: Reprodução/Instagram

Através das redes sociais, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), anunciou nesta terça-feira(21) a data para leilão do Terminal Salineiro de Areia Branca. Conforme publicação, além do empreendimento potiguar, outros quatro leilões portuários estão previstos para acontecer no mês de novembro.

No anúncio, o presidente informa que os leilões acontecerão nos dias 5 e 19 de novembro, sendo três deles na primeira data. Sobre o terminal de Areia Branca, os investimento previstos giram em torno de R$ 165 milhões. O prazo do arrendamento da estrutura será de 25 anos e a expectativa é de 3.257 empregos gerados ao longo do período do contrato, entre diretos, indiretos e efeito-renda.

Vale destacar que o Rio Grande do Norte é o maior produtor de sal do País, com cerca de 76% do sal brasileiro de origem potiguar, e tem em seu terminal capacidade para 150 mil toneladas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

São Gonçalo inicia aplicação da dose de reforço contra a covid-19 em idosos; D2 apenas Pfizer e Coronavac

Foto: Divulgação

A Prefeitura de São Gonçalo do Amarante/RN suspendeu, nessa segunda-feira (20), aplicação da Oxford/AstraZeneca por falta de doses. O município seguirá aplicando a segunda da dose (D2) da Pfizer para quem tomou a primeira dose até dia 20 de julho e a Coronavac, há 28 dias.

Os imunizantes estão disponíveis nas unidades de saúde de Jardim Lola, Cidade das Flores, Amarante, Santo Antônio e Centro. No horário das 8h às 12h. Além disso, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vai iniciar a dose de reforço (D3) para idosos acima de 90 anos que tomaram a D2 há seis meses, e os idosos institucionalizados. A vacinação desse grupo será em domicílio.

Em relação à Oxford/AstraZeneca, de acordo com Jalmir Simões, gestor da Saúde, o município zerou o estoque com a realização de mutirões de vacinação. “Mais de 7 mil pessoas receberam a segunda dose nos ginásios, na última semana. Isso significa que temos mais pessoas totalmente imunizadas circulando dentro da nossa cidade. Esse é o nosso objetivo”, disse.

Primeira dose

A vacinação para adolescentes sem comorbidades também foi suspensa por falta de doses. A SMS seguirá vacinando apenas adolescentes de 12 a 17 anos com comorbidades, na UBS de Mangueirão, das 8h às às 12h; e os de comunidades indígenas, da mesma idade, em Tapará.

É necessário estar cadastrado no RN Mais Vacina e acompanhado de um responsável, além de apresentar documento oficial com foto e cópia de um dos laudos com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde.

Também continua sendo imunizada toda população acima de 18 anos, na UBS Jardim Lola, das 8h às 12h. Precisa de documento oficial com foto e comprovante de residência.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte anuncia a sua retomada para apresentação neste domingo no Papódromo

Foto: Divulgação 

A Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte anuncia a sua retomada para apresentação neste domingo(26), no Papódromo do Centro Administrativo, na Zona Sul de Natal.

O evento Movimento Sinfônico está programado para seu início às 17h. Outras informações podem ser conferidas no site da OSRN (AQUI).

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Evergrande: como uma incorporadora chinesa em crise gerou pânico nos mercados

Foto: South China Morning Post via Get

Em determinados momentos, o mercado financeiro se assemelha a uma pilha de latinhas. Dependendo de onde você tira uma latinha, a torre se desequilibra e pode até desabar. Essa analogia foi usada pelo economista Miguel Daoud, em entrevista à CNN, para explicar o cenário que envolve a gigante imobiliária chinesa Evergrande, e que vem refletindo nas principais bolsas de valores nos últimos dias.

O conglomerado tenta lidar com um passivo que passa dos US$ 300 bilhões (equivalente à toda reserva em moeda estrangeira detida pelo Brasil), e sem caixa suficiente para pagar os credores. O temor do mercado é que a companhia anuncie um calote, e que isso provoque um efeito cascata dentro da segunda maior economia do mundo, o que poderia respingar no resto do mundo.

“A China é a segunda maior economia do mundo, e o mercado financeiro é todo interligado. Há investidores e grandes fundos que detém parte dessas dívidas”, explica Daoud.

As ações da chinesa Evergrande caíram nesta segunda-feira (20) para mínimas de 11 anos, registrando perda de 10,2%. Enquanto isso, as bolsas de Nova York despencavam com medo de contágio de um potencial colapso da companhia. No Brasil, o Ibovespa refletiu o mau humor externo o dia todo, fechando na mínima em 10 meses.

Entre as baixas do principal índice da bolsa paulista, figuravam a mineradora Vale e as siderúrgicas Usiminas, Gerdau e CSN, impactadas pela expectativa de queda no preço do minério de ferro, usado na fabricação do aço. O minério já acumula queda superior a 40% neste ano, sobretudo, por conta da menor demanda chinesa.

Esse movimento está diretamente ligado à desaceleração dos negócios da Evergrande, responsável por grande parte da entrega de imóveis populares a chineses. Atualmente, há cerca de 1,6 milhão de imóveis sendo construídos pela chinesa, que é a maior incorporadora privada do país.

Estimando o avanço no excedente de minério de ferro para o próximo ano, o UBS chegou a cortar na sexta-feira sua recomendação para a ação da Vale de ‘compra’ para ‘venda’.

Novo “efeito Lehman”?

Nesse cenário de aversão ao risco, não falta quem estabeleça paralelos com a crise financeira de 2008, que, a partir da falência do banco Leman Brothers, infectou as principais economias do mundo, culminando em um dos piores cenários desde a chamada Grande Depressão, em 1929.

Ninguém quer viver isso de novo, o que faz com que o efeito manada acabe dando o tom por ora.

“Muitas pessoas estão vendendo ações sem saber ao certo o motivo da venda. Mas como estão todos vendendo, também querem vender. Esse ‘efeito manada’ faz com que a profecia se realize”, diz Daoud.

Apesar dos temores generalizados, porém, o evento de agora é muito diferente do vivido há 13 anos, segundo o estrategista-chefe da Inversa, Rodrigo Natali, para quem não deve haver um contágio mais grave nos principais mercados.

“Primeiro porque quando o Lehman fechou em Londres, onde a regra obrigava bancos em falência a encerrarem as operações imediatamente e por onde passava grande parte das liquidações internacionais, o sistema financeiro travou. Foi um problema muito mais de liquidez do que de prejuízo. O grande problema não foi que as ações caíram tanto que deu prejuízo nos acionistas. Foi que travou de uma hora para outra. E isso não está acontecendo agora”, diz.

Em outras palavras, a Evergrande não está no meio de todo o sistema de liquidação financeira, como estava o Lehman Brothers. E grande parte da exposição aos seus ativos se concentram em terras chinesas.

Crise esperada

O segundo motivo pelo qual não cabe a comparação é que a imobiliária chinesa está morrendo aos poucos já há algum tempo, diz Natali.

“De 2017 até o começo de 2021, a ação já havia caído 50% da máxima. Agora, está em 85% da máxima. A dívida já está com um desconto gigante, precificando essa restruturação [chamada de calote] há um tempo”, diz.

O temor dos investidores ficou maior agora, segundo ele, pois a empresa se aproxima do vencimento de importantes obrigações com investidores. Em 23 de setembro, tem que pagar US$ 83,5 milhões em juros e, em 29 de setembro, US$ 47,5 milhões.

Além disso, Natali destaca que, no limite, o governo chinês deve intervir para aliviar o cenário. “Os bancos chineses são unidos umbilicalmente com o governo chinês. Se ele quiser ajudar, compra a dívida, inclusive consegue terminar as obras das casas, o que é o grande problema local”, diz.

Vale lembrar também que 2022 é um ano importante para o calendário político local, ressalta Paolo di Sora, sócio-fundador e estrategista-chefe da RPS Capital, já que o atual presidente da China, Xi Jinping vai tentar o terceiro mandato.

“É a primeira vez que um líder chinês tenta um terceiro mandato, portanto, ele vai querer uma economia pujante, forte num ano importante para o partido comunista”, diz.

“Portanto, não achamos que o PIB chinês vai entrar em colapso ou que veremos uma crise sistêmica no mercado chines ou no global”.

E o Brasil com isso?

Isso não significa, no entanto, que todos sairão ilesos. Além dos investidores que podem amargar prejuízos, devem sentir mais forte o baque países mais expostos ao ritmo da economia chinesa, como é o caso do Brasil, um dos seus mais importantes parceiros comerciais.

“Um cenário mais desafiador para a China significa um cenário mais desafiador para o mercado de emergentes e, consequentemente, para o Brasil”, diz Paolo di Sora.

“Junto a isso, no Brasil, se adiciona a crise econômica local, a crise politica, inflação, juros, PIB, cena fiscal, o que não ajuda o país”, diz.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Junte ao Brasil também a GRANDE MÍDIA, não ajuda em nada ao Brasil.
    É uma vergonha!
    O bom disso é que já estão ladeira abaixo.
    Pesquisas e notícias sem credibilidade.
    A essas alturas, muita gente com o pé atrás, coisa que no passado, não era assim.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Corpo da adolescente desaparecida é encontrado na Redinha

O corpo da adolescente de 15 anos que se afogou na Praia da Redinha, no último final de semana, foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros na manhã desta terça-feira (21).

A adolescente estava desaparecida desde a tarde deste domingo, quando estava na praia comemorando um aniversário. Três adultos perceberam que a menina estava se afogando e entraram na água para tentar salvá-la, mas acabaram se afogando também.

Uma vítima conseguiu sair sozinha da água.

Já os outros dois homens foram resgatados pelos bombeiros ainda com vida e receberam atendimento, mas não resistiram. A menina não foi mais localizada até a manhã de hoje.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

No RN, 145 mil pessoas ainda não tomaram D2 da vacina contra covid

No dia em que atingiu a marca de 85% da população adulta vacinada contra a covid com D1, o Rio Grande do Norte ainda possui mais de 145 mil pessoas em atraso com a aplicação da D2 dos imunizantes contra o coronavírus. Por conta disso, a pasta faz uma espécie de convocação para que a população em atraso busque um ponto de aplicação da D2 para completar o esquema vacinal.

Atualmente, 48% da população adulta está totalmente vacinada (tomando duas doses de imunizante ou vacina de dose única). Além disso, a pasta ressalta que a imunização só é completada 15 dias após a aplicação da D2. No estado, já foram aplicadas mais de 3,53 milhões de doses, administradas pelas salas de vacinação distribuídas nos 167 municípios potiguares.

Confira a matéria completa aqui na Tribuna do Norte.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

[VÍDEO] Henrique Alves divide palanque com Fátima Bezerra e crítica Eduardo Bolsonaro

O ex-ministro e ex-deputado federal Henrique Eduardo Alves (MDB) discursou na noite deste domingo (19) ao lado da governadora Fátima Bezerra (PT) em Angicos, na região Central do Rio Grande do Norte. No momento em que MDB e PT se reaproximam de olho na eleição de 2022, o ex-ministro subiu no mesmo palanque da governadora e fez críticas ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Henrique Alves e Fátima Bezerra dividiram o mesmo palanque em um ato para celebrar o centenário de Paulo Freire, considerado o patrono da educação brasileira. No evento, o Governo do Estado inaugurou um monumento para homenagear o projeto “40 horas de Angicos”. Com a proposta, Paulo Freire alfabetizou no local 300 adultos, entre homens e mulheres do campo, há 58 anos.

“Fiz de tudo para vir aqui hoje. Eu tinha que estar aqui hoje e quis estar mais ainda depois que eu tive a tristeza de ver nas redes sociais um deputado federal, filho do presidente da República, tentar de maneira tão sórdida, tão absurda, tão desrespeitosa (Paulo Freire). Ele que não conhece o Nordeste, não conhece o Rio Grande do Norte, não conhece a região Central, não conhece Angicos… Tratar assim um homem do bem, que só fez o bem, plantou o bem, uma semente mortal pela educação”, enfatizou Henrique Alves.

98 FM

Opinião dos leitores

  1. Mané fudido não quis comentar essa? Isso fica claro de qual lado ele está. Fica tirando onda de antipolitico

  2. Bruno Giovani.
    Tenha cuidado no seu blog.
    Tem um esquerdistas infiltrado.
    Coloquei um comentário aqui FALANDO A VERDADE sem denegrir ninguém, e esse seu funcionário escondeu.
    Não publicou.
    Cabra fraco.
    Cabra de pêia.
    Tamos juntos BG.
    Abra o olho.

  3. Triste fim de uma das maus longas oligarquias do Nordeste. Para quem já ditou regras na política potiguar, hoje ter que se humilhar por una aliança com um partido como o pt para poder sobreviver na política, um partido que ja foi seu desafeto e que fez críticas contundentes e fortíssimas a família Alves.

  4. Oxe, o MDB não é o partido que o PT disse que deu o ” Gopi” em Dilma ? , o MDB deixou de ser golpista foi ? Me responda aí algum petista.

  5. Que Deus cuide e guarde o povo do RN. A cada dia vejo que é um estado sem perspectiva…
    Infelizmente já deu.

  6. E por isso que o RN está no estado que está, e ainda tem tolos que vão na onda, só Deus na causa.

  7. Agora enterro se de vez. Capacho de Fátima. Tô fora. Não votamos em PT. Lascou os correligioanrios dele. A Governadora não ganha nem classe dela. E já existe pesquisa que não deixaram ser divulgada no meios de comunicação pago pelo governo estadual. Acordo gente. O povo do RN. Não pertence mas a curral de clan de família. Os jovens mudaram, e os velho estão no Watsarp. Tem informações 24horas no ar. E de boa qualidade. E.Herinque vai ter outra derrota. Sua prissao deu rastro.

  8. Está cada vez mais fácil identificar o lado certo, o lado do bem. De um lado, estão todos os corruptos, vagabundos, preguiçosos, incompetentes e mal intencionados do Brasil, sem exceção. Do outro lado, está o presidente Bolsonaro, apoiado pelos cidadãos de bem. EM 2022, É JAIR OU JÁ ERA. Simples assim.

  9. Por que será que essa aliança de Fatão com Henrique não me causa qualquer surpresa? Kkkkkkkkk

  10. Eu jurava que o PT e Fátima Bezerra lutavam contras as oligarquias do estado.
    Parece que fizeram as pazes, afinal não são tão diferentes assim,

  11. Só uma pergunta… Esse rapaz já tomou cadeia? Sim ou não? Se sim tá justificando porque critica o governo Bolsonaro e tá aliado aos petralhas. Simples assim! Vejam quem é o PT e seus aliados e tirem suas conclusões.

  12. Quem é Henrique Eduardo Alves? É aquele que cumpriu pena no quartel da Polícia Militar por corrupção. Está no palanque certo.kkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *