Ex-ministro de Lula e Dilma defende diálogo do PT com PSDB

Após defender a formação de uma frente de oposição ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, “deslocada um pouco para a direita”, o ex-chanceler Celso Amorim (PT) afirmou que há espaço para conversar com o PSDB durante a gestão de Bolsonaro.

Ele citou o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman (PSDB), que declarou voto em Fernando Haddad no segundo turno da eleição presidencial, como uma das pessoas que o PT poderia chamar para dialogar. “Se for chamar o PSDB, o Goldman, por exemplo, há espaço em que podemos concordar e há espaço em que vamos discordar”. Ele ponderou que a formação de uma frente não faz o PT abrir mão de posições contrárias a medidas como a reforma da Previdência a ser proposta pelo futuro governo.

Anteriormente, o ex-chanceler condicionou a sobrevivência do PT no governo Bolsonaro a uma ampliação de alianças. “No momento, o País exige uma frente ampla democrática em que a linha divisória vai ter que se deslocar um pouco para a direita porque, se não, nós não sobreviveremos”, disse.

A declaração sobre a frente ampla foi dada durante conferência internacional organizada pelo PT e pela Fundação Perseu Abramo, braço teórico do partido, em São Paulo. Amorim foi criticado por um integrante do partido e procurou explicar sua defesa. “Não estou dizendo de maneira nenhuma que nós devemos abdicar das nossas lutas contras as reformas trabalhista e previdenciária, agora, não há como negar que, quando você tem uma ameaça fascista, acho que a luta pela liberdade passa a ser absolutamente essencial”, declarou.

MST

Ao comentar a morte de dois militantes do Movimento dos Sem Terra (MST) na Paraíba, Amorim afirmou que o episódio é um prenúncio do que pode ocorrer no Brasil durante o governo de Jair Bolsonaro, o qual ele classificou como de extrema direita.

Na noite de sábado, dois integrantes do movimento foram mortos a tiros no interior de um acampamento, no município de Alhambra, a 45 quilômetros de João Pessoa, capital da Paraíba. “É um prenúncio terrível do que pode vir a ocorrer com um governo de extrema direita no Brasil. Essas coisas já ocorriam mesmo em outras situações, mas poderão ocorrer de maneira muito mais grave, mais ampla, se elas ficarem impunes”, disse ele.

Estadão Conteúdo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Como essa petralhada não tem mesmo cérebro nem vontade própria e estão sempre dispostos a fazer o que seus donos mandam… Esses pobres idiotas úteis são constantemente tratados como "coisas", como escravos à disposição dos desígnios de seus donos. Foram adestrados para odiar o PSDB, naquele jogo artificial de "nós" contra "eles. Ai, o povo brasileiro (fora os petistas, claro) começou a enxergar a enganação dessa corja e resolveu cair fora dessa palhaçada, elegendo alguém realmente de fora desse ciclo vicioso de esquerda. Agora, quando estão vendo que essa enganação não cola mais, vão novamente se misturar com os esquerdistas do PSDB e recomeçar a velha enganação, a velha lenga lenga socialista que começou lá atrás, com FHC (o mentor intelectual dessa enganação) e Lula (o encantador de burros). E os anencéfalos irão todos correndo atrás dos seus donos, abanando os rabinhos como bons cachorrinhos de estimação. Triste da gente que se comporta como gado indo para o abate. Mas essa realidade está mudando.

  2. Esquerda mi mi mi disse:

    Farinha (podre) do mesmo saco.

  3. Beto disse:

    Aí é se entregar demais…lembro os petralhas tratavam os elementos do PSDB como se fossem um doença contaminada e perigosíssima. Doutrinaram os idiotas esquerdopatas de que eram o inimigo público número 01, agora como conseguirão refazer esse conceito? se fosse alguém que tivesse cérebro era difícil, mas…

COMENTE AQUI