Explicações de Fabrício Queiroz nesta quarta são essenciais para pôr fim à cortina de silêncio

Por Vera Magalhães / Estadão

Ao que tudo indica, o Brasil verá Fabrício Queiroz nesta quarta-feira. O ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro, tão próximo da família que era visto constantemente em festas, pescarias e campanhas com integrantes do clã e tinha vários familiares empregados nos gabinetes de Jair Bolsonaro & filhos, de repente sumiu e ninguém mais ouviu falar dele.

Flávio, o ex-chefe, chegou a dizer que falou, sim, com Queiroz, há cerca de dez dias, quando veio a público um relatório do Coaf que mostra movimentação de mais de um milhão de reais em sua conta entre 2016 e 2017. Achou que a explicação do ex-assessor era “bastante razoável” para essa e outras atipicidades de sua movimentação bancária, mas não disse qual justificativa era essa. Depois não se soube mais de contatos entre ambos, ainda que Flávio esteja com o nome diariamente nas páginas de jornais graças ao caso.

Pois Queiroz deve depor nesta quarta-feira ao Ministério Público do Rio. Além do montante que passou pela sua conta, terá de explicar por que outros servidores do gabinete do agora senador eleito na Assembleia do Rio depositavam sistematicamente dinheiro para ele, em datas próximas ao pagamento dos salários na Casa.

Também poderá esclarecer por que esses depósitos e transferências coincidiam quase sempre com saques de dinheiro vivo em quantias semelhantes.

Por fim, poderá referendar a afirmação feita pelo presidente eleito de que contraiu R$ 40 mil em empréstimos com ele, mesmo tendo uma movimentação de dinheiro tão expressiva em conta, e se os R$ 24 mil que repassou à futura primeira-dama, Michelle, eram pagamento desses empréstimos feitos sem recibo em declaração no Imposto de Renda.

As explicações do ex-servidor são essenciais para que não continue pairando essa cortina de silêncio numa família que, para todo o resto, é expedita em se manifestar nas redes sociais, na tão propalada comunicação direta com o povo.

Ontem mesmo, Jair Bolsonaro fez mais uma de suas transmissões ao vivo. Tratou de vários temas confortáveis e populares para seu público cativo: médicos cubanos, a escola militar batizada com o nome de seu pai, o desconvite aos ditadores de Cuba e Venezuela para a posse. Surfou tranquilamente e manteve aquecida a torcida. Mas não tratou de Fabrício Queiroz, seu amigo desde os anos 1980. Eduardo Bolsonaro também tratara de se esquivar do assunto mais cedo, ao dizer que o problema é de seu irmão, não dele.

Como ninguém quer tratar do tema, que fale o próprio personagem. Com a palavra, Fabrício Queiroz.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    É mesmo muito "interessante" a gente ver a histeria dos petralhas com essa história que, a princípio, não envolve nem o Flavio nem muito menos o presidente eleito, considerando que as tais movimentações foram detectadas nas contas bancárias do assessor. Ele que se explique, portanto. E, caso haja irregularidades e outros envolvidos, que sejam apresentadas as provas devidas. Não se pode enlamear a reputação alheia de forma irresponsável, sem qualquer prova, apenas por opiniões e interesses próprios, como adoram fazer os petralhas e esquerdopatas. E veja bem que essa gente ainda hoje continua defendendo corruptos já condenados pela justiça, com turbilhões de provas. E esse mesmo COAF identificou casos muito mais "escabrosos" envolvendo os gabinetes de outros deputados (o campeão é o de um petista, claro), que são ignorados pelos esquerdopatas. Por que será?

  2. Franco disse:

    Vai livrar a cara dos inocentes, como é comum, e assumir a culpa pra depois ser resgatado quando a poeira baixar.
    Nesse pé de Goiaba tem Laranja!

  3. Junin disse:

    Todos calcam 40, eu num disse….kkkkk vai tentar explicar o inexplicável…..kkkķkkk e o pior, vão aceitar na manha dos gatos kkkkkk

  4. Carlos Bastos disse:

    Valdemir deixe de olhar pelo retrovisor, todos seram investigado, agora uma família que foi eleito por empregar um conceito anti corrupção.

  5. Valdemir disse:

    Nesse mesmo órgão e periodo que Fabrício movimentou esse valor, um assessor petralha movimentou 40 vezes mais. Perguntas: porque ele também não está sendo investigado? Porque a imprensa divulga um caso de valor inferior e o de valor bem superior não? A imprensa tá sendo parcial? Kkkkkkk, aceita. O bolsa imprensa vai acabar

COMENTE AQUI