Guedes defende congelamento de salário de servidores por dois anos e disse que a crise do Covid vai demorar “três ou quatro” meses

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu o congelamento de salários de servidores públicos por dois anos por conta da crise do novo coronavírus. Ele descartou o corte na remuneração dos funcionários federais durante a crise, já que o presidente Jair Bolsonaro não “aceita falar disso”.

As declarações foram feitas em uma reunião por videoconferência com deputados do DEM, neste domingo. O encontro foi fechado para o público, mas O GLOBO obteve os relatos de parlamentares que participaram do encontro.

Guedes citou um risco deflacionário de um eventual corte de salários. Mas afirmou que o setor público precisa dar exemplo e, para isso, seria necessário “congelar os salários durante dois anos”. Segundo os relatos, Guedes afirmou que a economia com essa medida seria a mesma de promover cortes salariais, mas sem risco de isso gerar uma deflação.

A equipe do ministro chegou a escrever uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para cortar em 25% os vencimentos dos servidores, com proporcional redução de jornada de trabalho. Bolsonaro, porém, não aceita tratar desse assunto, disse o ministro, segundo fontes.

Na reunião, o ministro também estimou que a crise econômica decorrente da Covid-19 vai demorar “três ou quatro” meses. Mas defendeu a continuidade da agenda de reformas estruturantes.

O ministro disse não querer ver o ano de 2020 como um “grande arrombamento”, apesar de garantir que o governo vai gastar o que for necessário para conter os efeitos do coronavírus.

Segundo dados do Ministério da Economia, medidas já anunciadas pelo governo para combater o coronavírus irão custar R$ 224 bilhões. Junto com a queda na receita, isso vai gerar um rombo de R$ 419 bilhões nas contas públicas em 2020, o equivalente a 5,55% do Produto Interno Bruto (PIB).

Antecipação de emendas

Guedes também admitiu a possibilidade de o governo antecipar o pagamento de emendas parlamentares como forma de aquecer a economia. Emendas são indicações de obras e serviços feitas por deputados em senadores, geralmente em suas bases eleitorais.

A Secretaria de Governo da Presidência da República solicitou antecipação dos pagamentos das emendas ao ministério citando a necessidade de auxiliar estados e municípios na realização de políticas públicas de apoio à população.

Guedes está a uma semana morando na Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República. O ministro só sai da casa para ir ao Palácio do Planalto. A residência tem características de casa de campo e fica nos arredores de Brasília. Quando a conexão de Guedes falhou e os deputados ficaram sem ouvir o som do ministro, Guedes culpou a qualidade da internet na Granja do Torto.

O GLOBO

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio disse:

    Os militares entram também?
    E o cartão corporativo?
    E as aposentadorias do "presidente "?

  2. Fabio soares disse:

    Não concordo com antecipação de emendas parlamentares, salvo as que tiverem destinos para a saúde.

  3. Manoel disse:

    Repassar um trilhão para os bancos não está congelado, né banqueiro?

  4. Cláudio disse:

    Sou servidor público federal, meu salário não chega a 5 mil e estou sem reajuste há mais de 5 anos… então deixem de conversar merda e vão cobrar contribuição dos políticos ladrões, que enchem o rabo de dinheiro público e não liberam nem o fundo eleitoral nem o fundo partidário (3 bilhões de reais pra combater esse vírus comunista chinês.

  5. Ivan disse:

    A prefeitura de Natal NÃO dar aumento aos servidores públicos desde 2014. Isto é os servidores municipais de NATAL estão SEM AUMENTO A 06 ANOS

  6. Expedito Junior disse:

    Não sou servidor público mas acho que todos devem dá sua contribuição na hora da crise. Agora eu pergunto ao Guedes: qual foi a medida que ele já pensou para os banqueiros? Porque só pensam no sacrifício do trabalhador? temos que lembrar ao senhor ministro que ninguém ganha tanto no nosso país quanto os bancos com suas taxas de juros astronômicas e tarifas pra lá de imorais…

  7. Emmanoel do Nascimento Costa disse:

    Tem muita gente desorientada nesse país ou se faz de doido.Pegar o do dinheiro do aplicador é taxar pela taxa Selic é filé. Nenhuma aplicação dai isso o mais

  8. Carlúcio disse:

    Para mim tanto faz, os salários dos servidores estão congelados há anos.

  9. joao carlos disse:

    alguem conte pra ele que ja estao congelados por 20 anos por ordem de Temer.

  10. Carlos disse:

    Concordo desde que seja para todos, porque como sempre o legislativo e judiciário arranja um jeitinho safado de ficar fora.

    • Kamila disse:

      Exatamente, Carlos! Caso isso ocorra, que o congelamento de salários seja para todos os servidores, dos 3 Poderes. Na maior parte das vezes, tudo cai sob o lombo do servidor do Poder Executivo. Meu salário, por exemplo, já está congelado há 3 anos!

    • Tarcísio Eimar disse:

      Eu defendo q seja cortado o salário dos políticos e seus subordinados pela metade, isso sim sdria o mais justo, incluso aí o pessoal do judiciário.

  11. Carlos disse:

    Ele quer falar mais dois anos, porque está com pelo menos cinco que não tem se quer a inflação que por sinal está na constituição. É uma proposição leviana e proposital desse desgoverno. Só o judiciário, legislativo e militares têm reajuste anuais, o executivo que detém os menores salários comparados com os primos ricos não tem a bastante tempo nem um tipo de reajuste.

  12. Lair s vale - médico sem poupança disse:

    Certissimo. Todos os níveis . Prefeitos e vereadores. Governadores e secretários .
    Aperto geral . O mais importante . Todo cidadão que tiver mais de um milhao aplicado , o governo toma emprestado e devolve apenas com a selic após 2 ou 3 anos.

COMENTE AQUI