Hotel Reis Magos é uma “porcaria” que depõe contra Natal, dispara Álvaro Dias

O prefeito Álvaro Dias (MDB) reafirmou sua posição favorável à demolição do Hotel Reis Magos, localizado na Praia do Meio, em Natal. Em uma entrevista à 96fm nesta terça-feira, 17, o chefe do Executivo municipal afirmou que o prédio depõe contra a capital e disse não entender “como alguém quer tombar uma porcaria daquelas”.

“Sou a favor da plenamente da demolição daquele hotel. Aquilo ali é o retrato da decadência da orla marítima de Natal”, disparou Álvaro. O prefeito afirmou ainda que o edifício é um “negócio horroroso” e além de concentrar focos de dengue, é fonte de doenças infecciosas.

De acordo com Álvaro, o processo que solicitava o tombamento da estrutura já tramitou em todas as instâncias, e a empresa responsável aguarda apenas a autorização do Governo do Estado para efetuar a demolição.

“É desejo de todos nós que se destrua aquilo ali, e que se construa um novo empreendimento no lugar”, concluiu.

Hotel Reis Magos

Em decisão que ocorreu no dia 3 de agosto deste ano, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) indeferiu o pedido de tombamento do Hotel Reis Magos, em Natal. A decisão foi publicada pelo Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização (Depam/Iphan).

Anteriormente, os Conselhos Municipais de Cultura e Turismo já tinham dado parecer favorável à demolição do prédio.

AGORA RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Azevedo disse:

    Pense numa posição coerente esss de Álvaro Dias com relação aquele favelão que já foi um hotel. Aquela porcaria já deveria ter sido derrubado a muitos anos atrás.

  2. Gustavo disse:

    Aquela orla é horrível, uma aberração que depõe contra Natal. Com ou sem o hotel.

  3. MARCELO disse:

    Grande verdade. É um lixo. Depoe contra tudo que se vê mundo a fora.

  4. Ivan disse:

    Temos que TOMBAR essa ruína antes que ela TOMBE em cima de "noís"….

  5. Arnaldo Franco disse:

    Né por nada não, mas será que essas pessoas que defendem o tombamento daqueles escombros não tem ideias socialistas? E, quero estar errado, mas se depender da Governadora ……

  6. Ana leticia disse:

    Esse país é uma zona mesmo, é tentando preservar o que não presta mais, o hotel, e entregando o que ainda presta. Estou vendo um exemplo típico, um espanhol em Tibau do sul se apropriando de uma área de 2400 m2 utilizando o argumento de usucapião, mesmo que não seja ele quem estava ocupando . pior é que são vários pedidos todos do mesmo jeito, utilizando o mesmo argumento. E o cartório local fazendo esse trabalho sujo. Estão entregando tudo a um grupo de estrangeiro e usurpadores ninguém percebe o que está ocorrendo. Só no brasil mesmo.

  7. joaozinho da escola disse:

    Esse escombro de hotel é o simbolo do PT!!! um atraso e decadencia total que trabalha contra o povo, contra a cidade. Um esgoto. So um pensamento muito atrasado, infeliz, consegue ver algo historico ou simbolico naquilo. So se for o simbolismo da ignorancia.

  8. Kakito de ninique disse:

    Pode demolir está o verdadeiro lixão na orla marítima até pq quem chega de outros pais os turista ver logo um hotel que já passaram gente famosas hj como se encontra um verdadeiro abandono eu sou a favor da demolição já era pra estar no chão a tempo um prédio só pra obrigar viciados em droga estamos perdendo clientes na orla marítima de natal já não aguenta mais queremos todos da praia do.meio a demolição desse chiqueiro eu sou a favor

  9. Cigano Lulu disse:

    …E o (des)governo de Fatão GD é uma porcaria que depõe contra qualquer resquício de inteligência do eleitor potiguar.

  10. Maldoni disse:

    O tombamento pode ter por objeto bens móveis e imóveis que tenham interesse cultural ou ambiental para a preservação da memória e outros referenciais coletivos em diversas escalas, desde uma que se refira a um Município, como uma em âmbito mundial. Estes bens podem ser: fotografias, livros, acervos, mobiliários, utensílios, obras de arte, edifícios, ruas, praças, bairros, cidades, regiões, florestas, cascatas.

    O bem objeto de tombamento não terá sua propriedade alterada, nem precisará ser desapropriado, pelo contrário, porém, deverá manter as mesmas características que possuía na data do tombamento.

    Tombamento visa proteger patrimônio, mas o que seria patrimônio?

    De acordo com o Dicionário Aurélio, patrimônio é:

    “Bem, ou conjunto de bens culturais ou naturais, de valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou para a humanidade, e que, ao se tornar(em) protegido(s), como p. ex., pelo tombamento, deve(m) ser preservado(s) para o usufruto de todos os cidadãos”.

    O conceito constitucional de patrimônio cultural, encontra-se disposto no artigo 216 da Constituição Federal,.

    O bem objeto de tombamento não terá sua propriedade alterada, nem precisará ser desapropriado, pelo contrário, porém, deverá manter as mesmas características que possuía na data do tombamento. Seu objetivo é a proibição da destruição e da descaracterização desse bem, não havendo dessa forma, qualquer impedimento para a venda, aluguel ou herança de um bem tombado, desde que continue sendo preservado.

    Se o proprietário tiver a intenção de vender o bem, deverá previamente, notificar a instituição que efetuou o tombamento para atualizar os dados, e por ventura, exercer seu direito de preferência para a compra do bem.

    A preservação dos bens culturais ou ambientais, se dá, impedindo principalmente a sua destruição. Portanto, aquele que ameaçar ou destruir um bem tombado estará sujeito a processo judicial.

  11. Lucia disse:

    Com a intenção de proteger bens que possuam valor histórico, artístico, cultural, arquitetônico, ambiental e que, de certa forma, tenham um valor afetivo para a população, é que se tem o instituto do tombamento, caracterizado pela intervenção do Estado na propriedade, e regulamentado por normas de Direito Público.

    O vocábulo tombamento é de origem portuguesa, e é utilizado no sentido de registrar algo que é de valor para uma comunidade, protegendo-o através de legislação específica.
    O Jurista José Cretella Júnior diz que o tombamento:

    “É restrição parcial ao direito de propriedade, realizada pelo Estado com a finalidade de conservar objetos móveis e imóveis, considerados de interesse histórico, artístico, arqueológico, etnográfico ou bibliográfico relevante. Restrição parcial do direito de propriedade, localiza-se no início de uma escala de limitações em que a desapropriação ocupa o ponto extremo”.
    QUANTA IGNORÂNCIA DEMONSTRADA EM POUCAS PALAVRAS, REVELADORAS DOS INTERESSES QUE ESTAO POR TRÁS E NORTEIAM O ATUAL PREFEITO DO NATAL.

    • Carlos disse:

      Os interesses de qualquer gestor é ver sua cidade se desenvolver. Se vc gosta tanto de paisagem se mude pro interior. Esse hotel é o mais fiel retrato de que Natal parou no tempo. Acompanhei a decadência daquela área. Estamos vendo agora a de Ponta Negra também. A da Redinha nem se fala. Afinal, o que desejam essa turma que fala em tombamento sem refletir nos seus efeitos?

  12. Robert disse:

    Essa declaração do prefeito Álvaro Dias é simplesmente lamentável. Demonstra um pro fundo desconhecimento do processo de tombamento, assim como também um total desprezo pela preservação do nosso patrimônio histórico cultural,
    beirando o absurdo.

    • Sobrinho disse:

      "Pro fundo" seria em prol qual fundo?
      Tá certíssimo o Prefeito. O hotel em questão em um amontoado de concreto, lixo e bizarrice.
      Alguém imploda aquilo.

COMENTE AQUI